sábado, 19 de maio de 2018

GALO VENCE CLÁSSICO COM GOL SEM QUERER DE ROGER GUEDES E LIDERA O BRASILEIRÃO

DESCULPA PORCA:

 

-"ATLÉTICO VENCEU, MAS FOI SÓ DE 1- 0, MESMO ASSIM CONTRA RESERVAS DO CRUZEIRO, COM APENAS FÁBIO DOS TITULARES"

 

 

O Atlético fez valer o modelo de jogo proposto por Thiago Larghi na tarde deste sábado. No Independência, o time alvinegro criou mais e se aproveitou da expulsão de Mancuello, no começo do segundo tempo, para vencer o time quase todo reserva do Cruzeiro por 1 a 0.

 

Qual a vantagem disso?

 

O único gol do jogo foi marcado por Roger Guedes, quase sem querer. Uai, como aconteceu isso? Vamos conferir nos programas esportivos deste sábado.

 

A primeira etapa, o Galo teve ofensivo. Apesar disso, entretanto, o time de Thiago Larghi sofria pra vencer a defesa do Cruzeiro. As melhores oportunidades - tanto para um lado, quanto para outro - surgiram em jogadas individuais, ou em consequência dos erros adversários. O empate de 0 a 0 do primeiro tempo foi correto.

 

De olho no confronto contra o Racing, pela Copa Libertadores, Mano Menezes escalou, dentre os considerados titulares, apenas o goleiro Fábio. O Atlético, por sua vez, teve mudanças significativas na equipe. Emerson tomou a vaga de Patric. Leonardo Silva e Otero iniciaram o jogo no banco de reservas.

 

Logo aos 2' do segundo tempo, Mancuello foi expulso após receber o segundo cartão amarelo por falta dura em Elias. Mesmo com um a menos, o Cruzeiro criou boas oportunidades nos minutos seguintes.

Mas foi o Atlético que abriu o placar, com um gol "quase sem querer" de Roger Guedes. A partir daí, o time alvinegro tomou as rédeas da partida e manteve a vitória até o fim.

 

Com o triunfo sobre o maior rival, o Galo chega aos 13 pontos e alcança, ainda que provisoriamente, a liderança do Campeonato Brasileiro. Flamengo, contra o Vasco, e Corinthians, que visita o Sport no domingo, podem ultrapassar o Atlético nos critérios de desempate ainda nesta rodada.

 

A equipe alvinegra volta a campo no próximo sábado, às 21h, novamente no Independência. O adversário será o Flamengo, pela sétima rodada do Campeonato Brasileiro.

 

O Cruzeiro, por sua vez, recebe o Racing, a partir das 21h30 desta terça-feira, pela última rodada do grupo 5 da Copa Libertadores. Vitória no Mineirão garante a liderança ao time celeste. O próximo compromisso pelo Brasileirão será contra o Santos, no próximo domingo, às 16h, no Pacaembu.

 

Posse de bola de um, domínio territorial do outro

 

O nervosismo dos primeiros cinco minutos de jogo - que tiveram cartão amarelo para o estreante Emerson e erros em sequência das duas equipes - deu lugar às primeiras oportunidades de gol. Aos 9', Róger Guedes arriscou de fora, sem perigo. Em seguida, Ricardo Oliveira recebeu cruzamento da direita na medida, mas errou o cabeceio e finalizou de ombro, fraquinho.

 

O domínio das ações ofensivas do Atlético, que chegou a ter quase 70% de posse de bola, contrastava com a postura inicial do Cruzeiro, que contava apenas com o goleiro Fábio dos jogadores considerados titulares. Mais recuados, os visitantes, porém, também criaram uma boa chance. A marcação na saída de bola funcionou, e Raniel chutou de longe, para fora.

 

O Atlético apostava na movimentação dos quatro jogadores da segunda linha de meio-campo para tentar desmontar a forte marcação armada por Mano Menezes, que posicionou o Cruzeiro em um 4-4-2 no momento defensivo. Luan, Elias, Cazares e Róger Guedes trocavam de posição constantemente, mas não conseguiam oportunidades claras.

 

O Cruzeiro cumpria à risca a estratégia combinada antes do jogo. Apesar de falhas individuais, os reservas conseguiam manter a solidez defensiva do time titular. Faltava, porém, mais profundidade no momento ofensivo.

 

 

O segundo tempo começou com um lance capital. Logo aos 2', Mancuello - que já tinha recebido amarelo - deu um carrinho por trás em Elias, recebeu o segundo cartão e foi expulso. Com isso, o plano do Cruzeiro para o segundo tempo teve que mudar.

 

Mesmo com um a menos, o Cruzeiro conseguia levar perigo ao gol adversário. Murilo aproveitou cobrança de escanteio e tentou finalizar duas vezes de dentro da pequena área, mas foi parado. Após boa trama ofensiva que envolveu meio-campistas e Ricardo Oliveira, Manoel tentou tirar da área do Cruzeiro. A bola bateu em Roger Guedes e voltou contra a meta defendida por Fábio, que não conseguiu evitar o gol: Galo, 1 a 0.

 

TRINCHEIRA: Então o gol de Roger Guedes não foi quase sem quer. Foi sem quer mesmo, integral.

 

O gol inflamou a torcida do Atlético. Os donos da casa tomaram as rédeas do jogo e conseguiam chegar à área rival com mais facilidade. Para tentar mudar o cenário, Mano Menezes colocou Vitinho e Sassá nos lugares de Robinho e Raniel, respectivamente.

 

As alterações, entretanto, não surtiram tanto efeito. A desvantagem numérica e a segurança do Atlético depois do gol dificultaram a vida do Cruzeiro. Os donos da casa quase ampliaram o placar, em jogadas de Ricardo Oliveira e Otero, mas pararam nos defensores do Cruzeiro e em Fábio. No fim, gritos de 'olé', aplausos ao contestado Elias e vitória alvinegra por 1 a 0.

 


quinta-feira, 17 de maio de 2018

CLÁSSICO ATLÉTICO E CRUZEIRO NO HORTO MOSTRA A FALTA DE LUCIDEZ DOS CARTOLAS MINEIROS

SÓ RESTA AO GALO O MILHO DO VELHO PAIOL ABANDONADO, ENQUANTO A  RAPOSA -ARQUIRIVAL-  SABOREIA CARNE DE PRIMEIRA NAS TRÊS FRENTES DA TRILHA QUE LEVAM AO ESTRELATO E À MINA DE OURO NO FUTEBOL INTERNACIONAL.

 

Interessante é que os deuses do futebol reservaram aos dois - Galo e Raposa - o encontro que não vale como tira-teima e nem de acerto de contas. O confronto será neste sábado, ás 16h, no limitado terreiro do Galo, chamado Independência, onde sua força impera quase soberana.

No entanto, é preciso que o jogo seja encarado como outro qualquer do Campeonato Brasileiro, pela sexta rodada, pois caso queiram levar a contenda para o campo da vingança ou da arrogância, o futebol fugirá de campo,  tirando de um a possibilidade de continuar bem na única competição que lhe resta - o Atlético - e do outro - o Cruzeiro -a chance de buscar vaga entre os quatro competidores do Grupo de Elite, no caminho das conquistas marcantes de 2018.

Este clássico localiza-se numa fronteira extremamente complicada para Atlético e Cruzeiro. O primeiro precisa vencer para quebrar a péssima sequência de sete jogos sem vitória. E até mesmo para recuperar a autoconfiança de seu elenco, fragilizada pelas desclassificação seguidas na Copa Sul-Americana e na Copa do Brasil.

A fronteira do Cruzeiro, também, se instalou no mesmo perímetro. O time de Mano Menezes começou mal o Campeonato Brasileiro. Chegou a frequentar a zona do rebaixamento e até a lanterna da classificação geral do Brasileiro. Reagiu graças às duas vitórias na Copa Libertadores com goleadas nos adversários ( 7 a 0,em casa, e 4 a 0, fora), sacudindo a poeira do mal início e somando pontos necessários para fugir, também, da lanterna e da zona de rebaixamento. Hoje o Cruzeiro está em oitavo lugar, com 7 pontos e uma vitória faz com quem ultrapasse o Atlético, terceiro colocado, dono de vaga no Grupo de Elite, por enquanto. com 10 pontos.

A mesma pontuação de Flamengo e Corinthians que, todavia, superam o Atlético no critério saldo de gols: seis tem o Flamengo; 5 o Corinthians e 2 o Atlético. Mesmo que vença o clássico do Independência, para melhorar a classificação e entrar no Grupo dos Quatro, a Raposa precisa fazer gols, muitos gols, no jogo, pois tem apenas um de saldo. Sem falar que teria de contar, ainda, com resultados negativos de Grêmio, Palmeiras, Botafogo e Vasco que estão à sua frente na classificação.

Desfalques certos no Cruzeiro para este clássico do Independência: Dedé suspenso pelo terceiro cartão amarelo, o que é desagradável para o técnico Mano Menezes, pois precisa de saber bem se poderá contar com Murilo, recém recuperado de séria lesão; e como estão Manoel e Digão os outros ocupantes da zaga celeste.

No meio-campo, também é certa a ausência de Thiago Neves, entregue ao Departamento Médico. A dúvida de Mano Menezes é sobre quem vestirá a camisa 9 no clássico: Raniel, autor do gol da vitória sobre o Atlético Furacão, aos 47m do segundo tempo, ou Sassá, substituído pelo artilheiro, no segundo tempo. Rafinha e Arrascaeta, também, foram substituídos em Curitiba, por Mancuello e Rafael Sóbis, mas vão jogar.

No Atlético, o segredo é total como tática para enganar os inimigos. Thiago Larghi não revela se volta com Gabriel na zaga e tira Léo Silva; poderá contar com Fábio Santos, pois a suspensão automática só vale para a Copa do Brasil; no meio-de-campo Gustavo Blanco, Luan, Adilson e Casares estão garantidos, vindo Otero e Roger Guedes, como ajuda. Na frente, Ricardo Oliveira. É uma equipe, ainda, informada na base da especulação. A verdadeira, segundo Larghi, será conhecida apenas antes da partida, no Independência.

O América faz as contas para recuperar o prejuízo que teve em Fortaleza vítima da arbitragem desonesta que ajudou o Ceará a empatar o jogo em 2 a 2, confirmando o gol anotado num impedimento escandaloso e num pênalti inexistente aos 48m dO SEGUNDO TEMPO.

O técnico Enderson Moreira tem o problema de Christian com edema na coxa direita, mas contará com as voltas do lateral direito Norberto e do artilheiro Rafael Moura que não atuaram em Fortaleza. O América recebe o Botafogo, no Horto, e Enderson Moreira acha que a vitória recolocará o time no caminho de recuperar a vaga no grupo de elite.


terça-feira, 15 de maio de 2018

HERÓI DO JOGO ANTERIOR NA VITÓRIA SOBRE O FURACÃO THIAGO LARGHI ESTÁ COM MORAL PARA ESCALAR A EQUIPE QUE QUISER ESTA NOITE

EM CHAPECÓ, GALO DE FORÇA MÁXIMA QUER REPETIR A BOA ATUAÇÃO DIANTE DO FURACÃO PARA DERRUBAR A CHAPECOENSE NA ARENA CONDÁ PELA COPA DO BRASIL, NESTA QUARTA-FEIRA




Grande herói na partida em que o Galo virou em cima do Furacão na Arena da Baixada em Curitiba, na vitória por 2 a 1, o técnico Thiago Larghi ( FOTO)está com o moral todo para escalar a equipe contra a Chapecoense, nesta noite de quarta-feira, jogo válido pela Copa do Brasil, do jeito que quiser e como achar que será o mesmo esquema para conseguir outro excelente resultado. No primeiro jogo do mata-mata houve empate em 0 a 0 no Estádio Independência; qualquer outro empate esta noite leva a decisão para os pênaltis. Então o Galo precisa de procurar a vitória desde o início.

Sem surpresas, o técnico Thiago Larghi convocou 23 jogadores. A tendência é que o comandante repita a base da escalação da vitória sobre o Atlético-PR, no domingo, na Arena da Baixada, em Curitiba, pela quinta rodada do Campeonato Brasileiro.
O time, então, deve  iniciar o jogo Victor; Patric, Bremer, Gabriel e Fábio Santos; Adilson; Cazares, Gustavo Blanco, Luan e Roger Guedes; Ricardo Oliveira. No banco ficarão Otero e Léo Silva, apesar de estarem cotados para entrar jogando.

Contratado recentemente, o lateral-direito Emerson não pode jogar ainda no Atlético pela Copa do Brasil, pois o jovem defensor de 19 anos já atuou  nesta edição da competição, defendendo a Ponte Preta.

Quem  vencer na Arena Condá avança às quartas de final, cujos confrontos serão definidos em sorteio. Empate leva a decisão da vaga às quartas para as penalidades máximas. O Galo levou para Chapecó estes atletas:
Goleiros: Victor, Cleiton e Michael; laterais: Patric e Fábio Santos; zagueiros: Leonardo Silva, Gabriel, Bremer, Juninho e Iago Maidana;
meio-campistas: Adilson, Yago, Elias, Matheus Galdezani, Gustavo Blanco, Tomás Andrade, Rómulo Otero e Juan Cazares; atacantes: Erik, Luan, Roger Guedes, Alerrando e Ricardo Oliveira. Ou seja, quase que o elenco todo.

APÓS A ROUBALHEIRA NA QUAL FOI VÍTIMA EM FORTALEZA, CONTRA O CEARÁ,  DIRETORIA DO AMÉRICA ENTRA NA CBF COM DURO PROTESTO.

O América vai entrar na CBF com protesto por causa do assalto em que foi vítima no seu jogo contra o Ceará, em Fortaleza. De verdade, o Coelho sofreu verdadeiro assalto do apito caseiro e covarde do árbitro (sic) Eduardo de  Tomás Aquino, do Rio de Janeiro.

A arbitragem deste moço conduziu ao empate em 2 a 2, nessa segunda-feira, no Castelão. O América abriu 2 a 0 e então o soprador de apito mostrou sua cara. Começou no primeiro gol deles e terminou aos 48m, nos acréscimos do segundo tempo, com a marcação de pênalti inexistente.

 A informação veio do próprio presidente do América, Marcus Salum, que utilizou seu Twitter, nesta terça-feira, para contestar as decisões de Eduardo Tomaz de Aquino Valadão e prometer tomar providências para evitar novos abusos deste sujeito e até afastá-lo do quadro de árbitros.

Marcus Salum disse que se reuniu com Castellar Guimarães Neto, presidente da Federação Mineira de Futebol (FMF), para formalizar o protesto na CBF. "Conversei com o presidente da FMF sobre a arbitragem no Castelão. O América foi prejudicado em lances cruciais da partida e não podemos aceitar isso! Faremos uma representação formal à CBF contra essa arbitragem",

TRINCHEIRA: - Esta é a atitude que eu esperava da diretoria do América liderada pelo arrojado e corajoso Marcus Salum.(FOTO) Apenas estou em dúvida com relação ao caminho que ele  seguiu, pois, pelo que sei, o senhor Castellar Guimarães Neto não é mais presidente da FMF, e sim o irmão do deputado federal, Marcelo Aro. O nome do atual presidente, eleito por aclamação, é Adriano Aro Ferreira.



A primeira polêmica se deu aos 38m do primeiro tempo. Em escanteio, Elton ganhou de Matheus Ferraz e tocou de cabeça para o gol. O assistente viu impedimento de Wesley, que se movimentou em direção à bola, não tocou na redonda antes de ela entrar mas interferiu na jogada ao tirar a atenção de João Ricardo.

Mas o assistente não correu para o meio-de-campo, como determina a lei nos gols e o árbitro Eduardo Tomaz de Aquino  foi ouvi-lo. Só então validou o gol dos donos da casa - 1 a 2.

Aos 48m da segunda etapa, Eduardo Tomaz de Aquino marcou o pênalti inexistente de Messias em Elton. O  atacante Pio chutou forte sem chance pra João Ricardo: 2 a 2. O lance gerou muita reclamação dos jogadores do América após o apito final no Castelão.

Apesar da roubalheira que foi vítima, esse foi o primeiro ponto do América fora de BH na Série A. Antes foi derrotado pelo Flamengo e Vasco. Com sete pontos, o Coelho está na 10ª posição do Brasileiro. Tivesse vencido, seria o quarto. 
Na próxima rodada do Brasileiro, o  Coelho volta pra casa, e recebe o Botafogo, no domingo, às 16h, no Independência.

FALTA GOLEADOR NA TOCA E SOBRA NO MARÍTIMO DE PORTUGAL: CAMARONÊS JOEL INTERESSA AO BENFICA.

PRESIDENTE DO CRUZEIRO, NA VIAGEM À EUROPA, VAI NEGOCIÁ-LO JUNTO COM A JOIA MURILO.

É sempre assim, e o torcedor é que nem marido traído: o último a saber. o camaronês Joel que o Cruzeiro trouxe do futebol paranaense, mas não emplacou em Minas, por falta de chance, está emprestado ao Marítimo, de Portugal, onde voltou a marcar seus gols. Fez nove em 15 jogos, além de assistências importantes. Tanto que chamou a atenção do Benfica que já pediu aos celestes o preço de sua liberação.

A imprensa portuguesa repercute muito  o interesse do Benfica pelo atacante J, que pertence ao Cruzeiro. Nesta terça-feira, o jornal 'A Bola' noticiou que os benfiquistas querem contratar de imediato o camaronês.

Como o presidente do Cruzeiro está na Europa para resolver vários problemas, inclusive  a prorrogação do empréstimo de Lucas Silva, com, o Real Madrid, vão aproveitar a ocasião para fechar o negócio. Também, discutirão com os cruzeirenses a contratação do jovem zagueiro Murilo.. 

O Cruzeiro é dono de 50% dos direitos econômicos de Joel. O restante está fatiado entre o Londrina e investidores. Joel está ligado ao clube celeste até junho de 2020..





 
 Duas beldades que me acompanham e me mandaram suas fotos, deviam mandar, também, um contato, ou telefone ou email. Abraços e beijos para elas.






segunda-feira, 14 de maio de 2018

COM PEQUENAS DISCUSSÕES, MAS NINGUÉM FARIA LISTA MELHOR QUE A DO TITE

TITE CONVOCA OS 23 DA COPA, SEM SURPRESAS, E GARANTE DANILO COMO TITULAR DA LATERAL DIREITA. DE MINAS, DEDÉ APARECE NA LISTA DOS 12 QUE FICARÃO NOS BASTIDORES.

 

O técnico Tite convocou nesta segunda-feira, no Rio, os 23 jogadores da Seleção Brasileira para a Copa do Mundo, que será disputada em junho e julho na Rússia. A surpresa ficou por conta da inclusão do atacante Taison. Com isso, ele chamou cinco atletas para o setor. Na lateral direita, os escolhidos foram Fagner e Danilo.

 

0s convocados de Tite:

 

Goleiros: Alisson (Roma) Éderson (Manchester City) Cássio (Corinthians)

Laterais: Marcelo (Real Madrid) Filipe Luís (Atlético de Madrid) Fagner (Corinthians) Danilo (Manchester City)

Zagueiros: Marquinhos (PSG)Miranda (Inter de Milão) Thiago Silva (PSG)Pedro Geromel (Grêmio)

Volantes: Casemiro (Real Madrid) Paulinho (Barcelona) Fernandinho (Manchester City) Renato Augusto (Beijing Guoan)

Meias: Philippe Coutinho (Barcelona) Willian (Chelsea) Fred (Shakhtar Donetsk) Atacantes: Neymar (PSG) Gabriel Jesus (Manchester City) Roberto Firmino (Liverpool) Douglas Costa (Juventus) Taison (Shakhtar Donetsk)

 

Preparação final

 

Na semana que vem, a partir do dia 21, a equipe começa uma nova etapa com seu objetivo de conquistar o sexto título mundial - vai dar início à preparação final em Teresópolis, na região serrana do Rio – local do Centro de Treinamento Almirante Heleno Nunes.

Inicialmente, os jogadores vão passar por exames clínicos e laboratoriais. Depois, treinam com bola. A maior expectativa diz respeito às condições físicas e técnicas de Neymar, afastado de suas atividades desde 25 de fevereiro, em razão da fratura de um osso no pé direito.

Em Teresópolis, a Seleção vai ficar somente por seis dias e Tite não estará ainda com o grupo completo – Marcelo e Casemiro, do Real Madrid, e Firmino, do Liverpool, estão liberados para a decisão da Liga dos Campeões, em 26 de maio, em Kiev, na Ucrânia, e só se apresentam à Seleção na Europa.

No dia 27, a delegação viaja para Londres, onde treina até o amistoso com a Croácia, em 3 de junho, em Liverpool. No dia 10, disputa outro jogo antes do Mundial – contra a Áustria, em Viena, de onde segue após a partida para Sochi, na Rússia, para os últimos ajustes do time antes da estreia no Mundial – dia 17 de junho, contra a Suíça.O grupo do Brasil tem, além da Suíça, outros dois adversários do segundo escalão do futebol mundial – Costa Rica, com quem jogará dia 22, e Sérvia, adversário de 27 de junho.


Com Alisson e Éderson garantidos, Tite optou por ter jogador experiente e de confiança como terceiro goleiro e optou por Cássio, com quem foi campeão mundial de clubes no Corinthians.

 

TRINCHEIRA: Nada contra Cássio que deveria disputar posição com Alisson ou a segunda vaga com Éderson. Esta posição de terceiro goleiro experiente poderia ser ocupada por Fábio, do Cruzeiro, melhor que todos da lista.

Na zaga, com Miranda, Marquinhos e Thiago Silva certos, Pedro Geromel, campeão do Grêmio na conquista da Libertadores, ficou com a última vaga. Dedé, do Cruzeiro, foi elogiado pelo treinador durante a entrevista coletiva e está na lista dos 12 suplentes, ao tomar conhecimento desta informação, o excelente zagueiro do Cruzeiro desandou a chorar pela lembrança de Tite..

 

TRINCHEIRA: Se Tite deixou de chamar Dedé por causa de suas lesões nos últimos anos, discordo dele. Marquinhos, também, teve lesão séria. Entre Marquinhos e Dedé, sou muito mais o zagueirão do Cruzeiro. Xerifão na sua área e perigo constante na área inimiga.

Na lateral esquerda, Tite optou por Filipe Luís na reserva de Marcelo, ainda que o lateral do Atlético de Madrid tenha se recuperado recentemente de lesão.

No meio-campo, o volante Fred foi lembrado e completa a lista de marcadores do setor, ao lado de Casemiro, Fernandinho e Paulinho. A última vaga ainda em aberto na equipe de Tite ficou com o atacante Taison, que atravessa grande fase no Shakhtar Donetsk.

 

TRINCHEIRA: Tite foi capaz de lembrar-se do Fred, volante do Shakhtar, e que foi afastado do futebol num período recente por doping, no entanto não se lembrou de Arthur, o meia do Grêmio, destaque do futebol brasileiro no momento.Ele tinha de estar nesta lista, nem que fosse de goleiro...


A delegação se apresenta na próxima segunda-feira, exceto Casemiro, Marcelo e Roberto Firmino, envolvidos na decisão da Copa da UEFA, dia 26 em Kiev, na Ucrânia. Os três se apresentarão na Europa, antes dos amistosos com a Croácia, em 3 de julho, em Liverpool, e Áustria, dia 10, em Viena. A chegada em Sochi é prevista para 11 de junho. A estreia no Mundial é em 17 de junho contra a Sérvia, às 15h (de Brasília), em Rostov..


sábado, 12 de maio de 2018

FAÇA POEMAS COM OLHOS COBERTOS PELA FUMAÇA DO AMOR JÁ EM CHAMAS

FUMAÇA NOS OLHOS

 

Meus olhos,

sempre a me guiarem

Veem tua imagem,

linda e comovente,

torturando alma da gente

Enfim, é uma miragem,

fumaça  desse meu cigarro

cubra esse espectro

que torna tão discreto,

 meu modo alegre de viver.

A lua, torna-se  tão triste

nada  pra mim existe,

só o sofrimento de ver

 todo momento  - o vulto

de quem me abandonou.

 

PS: Eu devia ter uns 16 anos e estudava interno no Ginásio São Francisco, em Pará de Minas, e com a mania de colocar letra nas canções norte-americanas, pois não gostava de cantar em inglês, quando escrevi  a poesia acima como letra da canção dos Platters, "Smoke Gets in Your Eyes"

Começou então minha paixão de ser poeta. Escrevi vários outros poemas que não mostrava para ninguém, exceto minha amiga  Marizia Miranda quando retornei a Caratinga com os meus cadernos de contos e poemas debaixo do braço. Eu mesmo, em autocrítica,considerava-os grandes porcarias e só assumi esta postura de poeta, sob elogios de muitos amigos e parentes, na faixa dos 60 anos. 

Por isso recomendo a quem gosta de fazer poesias, poemas, enfim de escrever: guarde tudo para quando sua personalidade aflorar e o seu coração começar a cantar seus poemas e poesias, da maneira mais natural possível e vc sentir necessidade de espalhá-los mundo afora, com ou sem o aval do espaço que o cerca.  


DEIXARAM A PORTA DA GAIOLA ABERTA E O CANARINHO DA TERRA FUGIU

 

JOVENS TALENTOS DO GALO SAEM ATÉ PELO LADRÃO E VIRAM ÍDOLOS EM PORTUGAL: VEJA EXEMPLO DE BRUNO TÁBATA

 

 

O jovem Bruno Tabata, de 21 anos, que foi revelado  no Atlético, estoura no Portimonense, de Portugal,  e deve assinar contrato agora com Benfica. De acordo com o jornal português Record, o meia-atacante deverá se transferir por 3,5 milhões de euros, ou seja, 50% dos direitos econômicos do jogador.

 

Tabata chegou ao Galo em 2012, na categoria infantil, e ficou no clube até março de 2016. Rejeitou a oferta de renovação contratual do Atlético e fechou com o Portimonense por cinco temporadas, por  20 mil euros mensais. O clube mineiro ofereceu cerca de R$ 2 mil ao atleta, teto salarial da base naquela época. O Galo tentou evitar sua saída na Justiça, sob alegação de que ele fora assediado enquanto tinha contrato. Mas perdeu a ação e viu a joia fechar com os portugueses.

 

Bruno Tabata tem se destacado no Portimonense. Em duas temporadas marcou cinco gols, além de várias assistências. Jogou 54 partidas no seu novo clube.

 

O  Atlético está de olho na transação, pois teve participação na formação do Bruno Tabata, com isso tem direito ao percentual de transferência, que deve ficar em, aproximadamente, 1,91% do valor do negócio (66,8 mil euros, cerca de R$ 285 mil). Esse valor é aproximado e depende da avaliação dos clubes envolvidos.

 

De acordo com o "Mecanismo da Solidariedade da FIFA", todas as agremiações participantes da formação do atleta entre os 12 e 23 anos têm direito a percentual em eventuais negociações.

 

Percentuais do "Mecanismo de solidariedade"

 

O regulamento de transferências da FIFA estabelece que "se um profissional se transfere durante o curso de seu contrato, 5% do montante deve ser deduzido, por seu novo clube, a todos aqueles envolvidos no treinamento e educação do atleta ao longo dos anos situados entre o 12º e 23º aniversários". Caso o jogador fique menos de um ano no clube formador, o cálculo reduzido


META DO GALO VAI CONTINUAR SANTA ATÉ 2020: CONTRATO DE VICTOR PRORROGADO

GALO AMPLIA CONTRATO DE VICTOR ATÉ 2020

 

O Atlético anunciou ampliação no contrato do goleiro Victor. O vínculo, que se encerraria em junho de 2019, agora vai até o fim da temporada 2020. 

Victor é titular do Atlético desde que chegou ao clube, no fim de junho de 2012. Na última terça-feira, no empate sem gols com o San Lorenzo, ele completou 350 partidas com a camisa alvinegra.

Victor é o terceiro goleiro que mais defendeu o Atlético na história do clube. Ele só jogou menos que João Leite, que atuou em 684 partidas, e Kafunga, que jogou 504 vezes.

Recentemente, Victor se tornou o jogador que mais defendeu o Atlético na história do Campeonato Brasileiro. No ano passado, ele ultrapassou Marques, outro ídolo da torcida. No último sábado, contra o São Paulo, alcançou a marca de 200 jogos na competição pelo clube.

Com a camisa do Atlético, Victor conquistou seis títulos: Copa Libertadores 2013, Recopa Sul-Americana 2014, Copa do Brasil 2014 e três estaduais, em 2013, 2015 e 2017.


Além de Victor, o Atlético tenta a renovação de outro ídolo: Luan. O diretor Alexandre Gallo se reuniu com Beto Rappa, agente do meia-atacante, nesta sexta-feira, e iniciou as conversas para tratar do novo contrato.

 


sexta-feira, 11 de maio de 2018

QUANTAS HISTÓRIAS JOSÉ ROBERTO WRIGHT TEM PARA CONTAR

 

 É PRA VOCÊ, ATLETICANO, MATAR A SAUDADE:  ENTREVISTA COMPLETA COM JOSÉ ROBERTO WRIGHT, INESQUECÍVEL JUIZ DE GALO X MENGÃO NO SERRA DOURADA

 

Como me diverti ao ler a entrevista publicada pela UOL com o ex-árbitro José Roberto Wright, 73 anos. Não sei quem a fez, pois não trouxe assinatura de ninguém. As oportunidades que tive de comentar jogos com Wright no apito são inúmeras, notadamente aquele do Serra Dourada, entre Atlético x Flamengo, no qual ele teria beneficiado os cariocas, seus conterrâneos, com a expulsão de meio time do Galo.

 

Fiz a transmissão pela Rede Capital de Rádio, ao lado do saudoso narrador Vilibaldo Alves e dos repórteres Chico Maia e Afonso Alberto. Mas nunca uma final de Copa do Mundo, como tive a honra comentar  apenas jogos finais apitados por  Romualdo Arppi Filho e Arnaldo César Coelho.

 

CURRÍCULO AFAMADO

 

Uma Copa, duas finais de Libertadores, oito finais de Campeonato Brasileiro, eleito o melhor árbitro do mundo em 1990. Aos 73 anos, José Roberto Wright  tem currículo forte, e que coleciona histórias e polêmicas. Ele não foge de nenhuma delas.

Com a língua afiada, não tem receio em afirmar que os árbitros atuais são "covardes" e "omissos".

Garante  que Sandro Meira Ricci - escolhido para o Mundial da Rússia - "não está à altura de uma Copa" - (eu concordo com ele), e não poupa críticas a Leonardo Gaciba, atual comentarista de arbitragem da Rede Globo, junto com Arnaldo César Coelho.

 

TRINCHEIRA: Concordo com uma coisa: Gaciba é fichinha perto de Arnaldo. O primeiro comenta pelada e Arnaldo é do primeiro time com Galvão, Júnior e Casagrande.

 

Sim, é claro que Wright, também, não corre de falar sobre o jogo da Libertadores de 1981, entre Flamengo e Atlético, quando a estrela foi ele, conforme queria, ao expulsar cinco jogadores do Galo. Arrependimento pela atuação? Nenhum: "Fiz certíssimo!".

 

Deu cotovelada em argentino e tapa em bolivianos

 

Faixa preta de judô, alto e de bom porte físico na época em que apitava, Wright não tinha medo de cara feia e, se fosse preciso, encarava o conflito doa a quem doer. Sempre ressaltando que a Libertadores na sua época, era extremamente violenta, ele lembra de seus "embates" com jogadores argentinos.

 

"Acho jogador argentino folgado pra burro. Eles empurram o companheiro que está na frente em cima do árbitro. Quando o cara vinha eu já lhe pisava no pé e dava-lhe cotovelada no estômago. Aí seu nome começa a viajar no universo do futebol.

 

Nada, porém, supera o fatídico Jorge Wilstermann (BOL) x Olímpia (PAR), em Cochabamba (BOL), pela Libertadores nos anos 1970, quando, literalmente, saiu no braço com os bolivianos.

 

Time local entrou em campo e tratou de ganhar na base da porrada. Wright  conta: "expulsei cinco do time da casa e acabou o jogo. Mal  entrei no vestiário e  arrebentaram a porta. Pulei no meio do bolo dando porrada, levando porrada. Corri  para o campo.  Lá estava o, o coronel-chefe do policiamento com a orelha pendurada, por causa de uma garrafada.

-Falei: 'Pô, estou ferrado'.  Vi uma passagem por baixo da arquibancada;  corri pra  lá,  mas dois guardas me seguraram, me  levaram para o quartel. Não quero saber, sempre fui assim. Se você não for assim, será engolido. Os caras hoje têm medo, tudo frouxo,  achando que têm que se acomodar, não se aborrecer. Acho que o árbitro tem que se aborrecer". 

 

Estreia em Fla x Botafogo

 

Wright não tinha a pretensão de ser árbitro quando era jovem. Ex-goleiro do Fluminense, deixou a profissão ao ser eterno reserva de Edson Borracha. Por obra do acaso, pintou a pitoresca oportunidade de apitar uma partida profissional.

 

"Na época que fui goleiro fiz uma relação boa com o diretor Dílson Guedes. Em 1974 ele chegou pra mim e disse:

"Zé Roberto, vou te dar chance no futebol".

E eu: 'Legal, Gilson, o que o senhor manda?'

Ele falou: "você quer apitar Olaria e América em São Januário ou Botafogo e Flamengo no Maracanã?"

Eu: "Dílson, ou calça de veludo ou bumbum de fora. Claro que vou apitar Botafogo e Flamengo".

 

Apitei, fui muito bem no jogo e expulsei o Carbone (ex-meia do Botafogo), que pensou em deitar e rolar em cima da arbitragem . E a partir dali minha carreira foi embora", relembra.

 

Com microfone da Globo e apitando Flamengo x Vasco

 

Em 1982, José Roberto Wright entrou em uma enorme polêmica ao topar uma pauta do programa "Fantástico", da Rede Globo, que sugeria apitar a final da Taça Guanabara, entre Flamengo e Vasco, com microfone escondido em seu uniforme.

- Mas foi negócio muito bem feito porque não se editou. Minha preocupação era mostrar como é difícil o trabalho de árbitro e mostrei ali na base da bronca. Consegui me impor num jogo difícil. E a coisa aconteceu sob uma pressão muito grande porque os jogadores não sabiam.

 

O Roberto Dinamite, inclusive, disse o seguinte: deviam ter nos avisado'. E eu respondi: 'se tivesse avisado vocês (jogadores) iriam se tornar coadjuvantes do Oscar, iam querer aparecer'.

 

A ousadia, porém, custou caro para Wright: após denúncia do Vasco, ele levou suspensão de 40 dias, mas conseguiu derrubá-la num tribunal esportivo.

 

No julgamento da CBF, da Federação, políticos,  levou 40 dias de suspensão. Falou: "estou pouco ligando". E tem este detalhe: não cobrou nenhum centavo da TV Globo. Nada. Depois recorreu na CBF e ganhou por  7 a 0.

 

No campo era bravo. Em casa, o diálogo

 

Wright teve três casamentos, é avô de quatro netos e pai de cinco filhos: dois homens e três mulheres. Um deles chegou até o juvenil do Fluminense e, segundo ele, "jogava muito".  No entanto, acredita que herdeiro sofreu boicote  ser seu filho.

"O treinador tirou ele e o filho do Abel, o Fábio (Braga), para mostrar que tinha autoridade. Quem viu o Pedro jogar  afirma que ele era bom de bola. Jogava no meio, inteligente", elogia.

 

O ex-árbitro afirmou ter educado seus filhos na base do diálogo:

"Sempre fui carinhoso, amoroso, nunca dei palmada em filho meu. Aliás, para não ser mentiroso, a Rafaela, minha filha, morava num apartamento de fundo com varanda virada para perambeirão e ela falou que ia pular.

No que falou 'vou pular', eu fui até ela e lhe dei umas palmadas. Até hoje ela fala disso.

 

"Mas depois nunca encostei a mão; acho que o diálogo é sempre melhor. Todos são amigos, a gente procura sempre estar junto, é muito positivo esse relacionamento".

Mas o treinador sai do sério com a "escrotidão da internet" quando foi confundido com um sósia, suspeito de ter furtado bacalhau no supermercado.

 

 RELACIONAMENTO GAYS

 

Aos 73 anos, Wright diz que tem a mente aberta no que se refere às relações homoafetivas. O ex-árbitro, no entanto, afirma que nunca presenciou um relacionamento entre gays no futebol.

"Fui supervisor do Fluminense durante bom período e nunca tive conhecimento de algum cara que chega e vai se insinuando, entendeu? Nunca vi nada diferente. Existe? Deve existir, com certeza tem, mas não tenho realmente nada, nada contra. Às vezes você lamenta, por exemplo:

-"Eu estava em Búzios (RJ), fui tomar café na padaria lá perto; voltando para o Rio e estavam quatro moças, três delas muito bonitas. Mas eram companheiras e falei: -"que desperdício (risos). Eu acho isso tão natural, você não pode ter discriminação nesse sentido. Opção cada um tem a sua".

 

Paulada em Sérgio Cabral

 

Preocupado com a política, Wright é a favor da intervenção das forças federais no Rio de Janeiro. Não poupa críticas ao ex-governador Sérgio Cabral e ao ex-presidente da Alerj e deputado estadual Jorge Picciani (MDB-RJ).

 

"Acho espetacular a intervenção. E que tudo aquilo que generais e delegados disserem,  façam. O que você não pode é estar na mão de vagabundos que dominam o Estado, os políticos. Ainda bem que estão presos o Cabral, o Picciani. Cambada de ordinários, pessoas escrotas. Esvaziaram a saúde do Rio, esvaziaram as escolas do Rio e a Petrobras. O Rio perdeu royalties num nível absurdo por causa do dinheiro que eles roubaram", afirmou.

 

ARMANDO MARQUES ME TIROU DA FINAL DA COPA DE 90

 

Wright tem essa frustração: não ter apitado uma final de Copa do Mundo. Este sonho não realizado ele coloca na conta do falecido Armando Marques, ex-árbitro que comandou a Comissão Nacional de Arbitragem da CBF de 1997 a 2005.

Segundo Wright, o ex-dirigente fez até  lobby pra ter o veto do ex-presidente da FIFA, João Havelange.

"Eu iria apitar a final da Copa de 1990, mas  Armando Marques usou  argumento contra mim junto ao Havelange dizendo o seguinte: 'A Alemanha perdeu duas Copas do Mundo com árbitro brasileiro, o Arnaldo César Coelho e o Romualdo Arppi Filho. Se perder a terceira com o Wright fará a Terceira Guerra Mundial'. E então fui retirado.

O Armando realmente era homossexual. Não era declarado, mas assumido. Nunca vi o Armando... Aliás, há umas histórias, mas prefiro ficar calado. Que Deus o tenha? 

 

O homem que fez Gascoyne chorar

 

José Roberto Wright apitou a semifinal da Copa de 1990 entre Alemanha e Inglaterra; Ficou marcado por dar cartão amarelo que tirou o astro inglês Paul Gascoigne de uma possível final.

O ex-meia, desesperado com a situação, caiu em prantos. O jogo, porém, foi para os pênaltis e os alemães venceram.

"Sou Cult na Inglaterra (risos). Um jornal enorme de lá fez uma matéria: "o homem que fez Gascoigne chorar"'. Gascoigne era grande nome, intempestivo,  jogava muito também, mas tinha temperamento difícil. Ele fez uma falta dura por trás num jogador alemão, e pôs a mão na cabeça desesperado, quando lhe mostrei o amarelo."

 

Lamentavelmente nos pênaltis o zagueiro inglês bateu o dele lá na arquibancada;  tirou da final, pois se a Inglaterra vence eu apitaria a final,  com certeza", ressalva o ex-apitador.

 

Não tenho nenhuma mágoa com a Globo

 

Há dois anos José Roberto Wright deixou o quadro de comentaristas de arbitragem da TV Globo. O ex-árbitro, porém, disse que não guarda mágoas da emissora.

Pelo contrário,  faz  elogios são rasgados aos 17 anos trabalhados na emissora:

"Não renovaram o contrato. Direito que eles têm. Acreditavam no Gaciba. Política da empresa, eu respeito.

Então não tenho queixa alguma. Uma bela empresa. Se todas as emissoras no Brasil fossem como ela, seria bem diferente a relação funcionário e empresa".

 

-"No Esporte Interativo aconteceu que não compensava financeiramente. Então não vale a pena. Mas o Esporte interativo tem  pessoal muito legal. O André Henning é fantástico, belo locutor, nesse aspecto o Interativo está bem? 

Gaciba não está à altura da Globo

Apesar da boa relação com a Globo, Wright não segura as críticas ao falar de Leonardo Gaciba, ex- árbitro e hoje  um dos comentaristas de arbitragem na emissora.

"Negócio do Gaciba é o seguinte: trabalhou nos bastidores para conseguir o que queria, sem medir esforços se prejudicava alguém . Ele tem grave defeito de interpretar mal.  Na minha opinião, Gaciba é  teórico e não é  profissional à altura da TV Globo, não".

 

Criei a "regra é clara! Arnaldo me tomou

 

Arnaldo é  figura danada, cara muito legal;  faz a função muito bem, enxerga o jogo, faz abordagem e, com isso, criou a  personagem junto com o Galvão, outra figura super interessante. O Galvão provoca e ele, na brincadeira, foi levando. E se impôs pela qualidade. Hoje, sem dúvida nenhuma, é o grande nome da análise de arbitragem"