domingo, 30 de agosto de 2009

JOGAR COM MEDO DÁ NISSO

O Cruzeiro abriu 2 a 0 e jogava só na defesa. Levou 2 a 1 e continuou na defesa. Fez 3 a 1 aos 38m do segundo tempo e se manteve lá atrás. Em determinado momento tinha quatro beques e dois volantes de marcação: Leonardo Silva, Thiago Heleno, Gil e Vinicius na zaga e Fabrício e Henrique de volantes. Diogo Renan não sabia o que fazia; se era lateral ou meia. Soares, peça de prateleira sem utilidade, só enfeitava. Aí entrou o equatoriano Guerron pra correr com Thiago Ribeiro.Nada acrescentou. O Vitória encheu-se de brio diante do medroso Cruzeiro e buscou o empate de 3 a 3.

Adilson saiu de casa em duas partidas (Botafogo e Vitória) atrás de seis pontos. Trouxe inexpressivos dois pontos que nem fizeram o Cruzeiro mexer direito na tabela de classificação. Não será com esta falta de ousadia que o time conquistará a vaga na Libertadores. O

Galo não estaria desperdiçando orações se agradecesse aos deuses pelo empate com o Sport (1 x 1) no Mineirão. Saiu barato. No final, os pernambucanos tiveram dois gols anulados – corretamente – por impedimento que demonstraram, contudo, o espírito da partida. O tempo todo foi assim. Ao fazer 1 a 0, o Leão do Norte mandava no jogo e era melhor, também, ao tomar o empate. Como explicar essa queda atleticana? Não sei.

Celso Roth tem razão ao dizer que ficou decepcionado com a atuação do Galo. Confirma as críticas da gente. Segundo ele, o Atlético poderia ter sofrido uma derrota histórica e que essa foi a pior atuação da equipe sob seu comando. Creio que quanto o termo histórico, Roth quis dizer “goleada histórica”.

No Independência, a adrenalina subiu tanto, que alguns preferiram voltar pra casa após terminar o tempo normal em 2 a 1. O sofrimento já havia sido enorme pra torcida até o Coelho conseguir este resultado e fugir do empate que botava o Guaratinguetá às finais da Série C. O placar levava à loteria dos pênaltis.

Loteria mesmo. Só técnica e competência não resolvem. E os times mostraram competência e sorte na cobrança normal: 5 a 5. Nas alternadas, 6 a 6. Na sétima cobrança, o Guará perdeu. Moisés – tinha que ser um abençoado – fez 7 a 6. América tá na final e decide o título. Contra quem? Isso não importa...

Pois é, o assunto é Independência. Então, vale registrar que o Conselho Municipal do Meio Ambiente liberou a licença ambiental que permitirá a reforma que o transformará numa bela arena enquanto o Mineirão ficar fechado pras obras do Mundial.

A ensebação na liberação desse documento deixou o futebol mineiro arrepiado, sob ameaça de não ter estádio pra suas disputas a partir do ano que vem até 2013. Coisas da burocracia burra, que entrava e implica com a vida dos cidadãos.

PITACO. “Seria o melhor que poderia acontecer para nos. Ganhar o clássico no sábado. Temos que buscar o resultado desde o primeiro momento” de Lionel Messi ao desembarcar no Ezeiza pra se apresentar ao técnico Maradona.

Os argentinos prometem força total no clássico contra o Brasileiro. sábado, em Buenos Aires. Vengam, hermanos...

Que vitória do Tigre! Virou zebra em cima do Vila Nova, em Goiânia. A vitória (2 a 0), fez o Ipatinga subir na classificação da Série B. Pra confirmar que não foi por acaso que venceu no Serra Dourada, o Tigre precisa bater a Macaca, de Campinas, sexta-feira em no Ipatingão.

O Zebu tá que tira sarro no Uberlândia: na disputa da Série D o tradicional Verdão foi desclassificado pelo desconhecido Araguaia. Com ares de vingador, o Uberaba atropelou este adversário, no Estádio Engenheiro João Guido, e deu aquele passo que o Uberlândia não conseguiu dar rumo às quartas de final.

Em compensação, o Tupi, em Juiz de Fora, fez festa a partida toda e entregou o ouro pro Macaé, do Rio de Janeiro, aos 44m do segundo tempo. As maiores chances dos mineiros seguirem em frente, portanto, ficaram apenas no Zebu.

Acesse meu blog e vote na pesquisa “quem chegará na frente, Atlético ou Cruzeiro?” Ou dê seu pitaco sobre a rodada: www.flavioanselmodepeitoaberto.blogspots.com

Do outro lado da lagoa, os maus resultados nas duas últimas partidas foram transferidos aos problemas de contusão: em Salvador, o Cruzeiro não teve Fábio, Jonathas, Marquinhos Paraná, Kleber e Wellington Paulista. Há controvérsias...

Fábio foi bem substituído por Andrei que fez boas defesas. Jonathas, realmente, tem feito falta porque esse Jancarlos é muito ruim. O time já entra com uma substituição programada. Thiago Heleno, apesar de ser desastroso, é titular de Adilson Batista.

Marquinhos Paraná, realmente, faz falta. Mas Thiago Ribeiro e Soares não acrescentam nada. E haja cabeça pra entender tanta variação de esquema que Adilson aplica numa só partida. O pobre do Diego Renan que o diga.

Minha Caixa de Entrada tinha a mensagem de Maria Efigênia Sales, do Bairro Sion, BH: “Recebi o seu web jornal através de um amigo, colega meu da área jurídica, seu leitor também Gege Angelino. Quero manifestar duas coisas. Primeiro: avalizo inteiramente a colocação do Gege sobre tirar a cor preto da camisa do América. Retornar logo com a tradicional e gloriosa de tantos valores, alviverde, que meu saudoso pai adorava”.

“Desde que o preto está no Coelho, as coisas ficaram pretas. Diretor Alencar, mude logo, já, pois o senhor. é a única pessoa que sei comunga desta idéia também. Segundo: uma tristeza a falta de personalidade dos diretores atuais do Palmeiras. Trocar o uniforme de tantas glorias, por um outro, de cor azul, totalmente fora dos padrões de respeito, de amor e de consideração aos milhares de torcedores”.

“E estes, que nada fizeram, aceitando tudo passivamente, como covardes? Tamanha indecência em nome de uma copa do mundo que ainda está longe? É a mesma coisa que trocar o azul do Cruzeiro por vermelho e branco, não seria?”

Justiçar com as próprias mãos não pode, senhores cartolas do Botafogo. Bateram no Rodrigo Cintra, juiz que apitou o jogo contra o Grêmio (3 a 3) e, apesar de concordar que o time carioca foi descaradamente roubado (pela terceira vez seguida), não endosso agressões físicas.Mesmo no Cintra. O melhor mesmo é fazer como o presidente fez: de público, aos brados, jogou coisas estranhas no ventilador...

3 comentários:

  1. Oi Flávio! Como vai? Tudo bem?
    Espero que sim.
    Sou aluno de jornalismo, e quero beber a água da fonte dos grandes jornalistas de Minas, você é um deles. Tenho acompanhado atentamente o programa só Esporte da rádio Alvorada, lembra do episodio do gol de bico do atacante Guilherme do Cruzeiro fez em sua homenagem. Acho que o jornalismo é isso ai, deve falar ao atleta aquilo que o torcedor gastaria de dizer, e como bom seria se atletas de Cruzeiro e Atlético ouvissem pessoas da impressa com uma folha corrida de serviços prestados a população como a sua. Seria ótimo não é?

    Um Abraço.

    Eduardo Cruz

    ResponderExcluir
  2. José Antonio Mendes de Souza e Silva1 de setembro de 2009 14:12

    Caro Flávio,

    Você coloca que o Thiago Heleno não aceitou ir para o Ajax da Holanda e emenda dizendo azar dele. Caro Flávio, sou obrigado a discordar de você. Azar dele não. Azar dos cruzeirenses que terão que contiuar vendo este projeto de zagueiro entregando todos os jogos

    Flávio, você que é um profundo conhecedor deste esporte inventado pelos BRETÕES. Veja se você concorda. O Adilson, foi zagueiro. Portanto, o mínimo que se espera de um técnico que foi zagueiro, que treine a sua defesa mostrando que os mesmos devem sempre marcar o adversário, e nunca a bola.Todas as bolas cruzadas na área do Cruzeiro são perdidas e muitas se transformam em GOL, porque os zagueiros ao invés de marcar os atacantes, ficam olhando a bola.

    Parabens, para o comentário do seu colega Pantera

    Abraços,

    José Antonio Mendes de Souza e Silva

    ResponderExcluir
  3. Acho o sr. um grande jornalista. Um modelo a ser seguido. Ético, independente, correto e honesto!
    Parabéns, pois essas qualidades são raras no atual mundo em que vivemos!

    ResponderExcluir

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.