segunda-feira, 14 de setembro de 2009

MILAGRES EXISTEM, SIM SENHOR!

Adilson Batista, com certeza, está mais feliz que pinto no ninho. A vitória (3 a 2) em Porto Alegre teve a pimenta de sua teimosia e o tempero final do talento de Gilberto, disparado, o melhor da partida. Deixar Guerrón no banco em favor de Soares e adaptar Elicarlos na lateral direita foi a malagueta que Adilson mandou contra o Internacional e só não queimou a boca dos celestes, já no primeiro tempo, porque Fábio segurou tudo lá atrás e Gilberto botou inteligência no meio-campo ao lado de Fabrício, Henrique e Marquinhos Paraná.

Adilson viu o pão cair com a manteiga pra cima quando o juiz não deu pênalti de Elicarlos em Taison; e arrumou gol com Gilberto – pênalti de Guiñazu em Thiago Ribeiro. Foi fundamental levar 1 a 1 para os vestiários no primeiro tempo. A fase final, foi outra partida.

O time havia feito a virada quando Adilson colocou Patric no lugar do lesionado Soares. Deu certo, mas o normal seria Guerrón. Aí, machucou-se Elicarlos e Adilson assustou a torcida de novo: botou Caçapa. Ficou apenas com Ribeiro na frente. O placar marcava 2 a 1. Trouxe o Inter pra cima do Cruzeiro e levou 2 a 2. .

Mas estava escrito: a tarde seria azulada. De Gilberto e Thiago Ribeiro. O Colorado não teve tempo de comemoração e Gilberto criou a jogada pelo meio, rolou pra Patric livre na direita, coisa que Elicarlos não fez em nenhum momento da partida.

O chute de Patric saiu forte, Lauro deu o rebote pra Thiago Ribeiro marcar, enfim, um golzinho. Gilberto teve chance até de fazer o quarto gol. Os deuses ajudaram Adilson queimar a língua dos céticos. Inclusive este filho do Sodico.

Se em todos os jogos no Mineirão, o Galo fizer sua fanática torcida sofrer o tanto como no domingo, contudo sair do gramado com mais três pontos e dando à Massa a satisfação de ver golaços como aquele de Diego Tardelli, tá danado de bom.

Claro que o torcedor prefere diferente: que o time arrebente logo, sem dó nem piedade. A vitória sobre o Furacão (2 a 1) também teve ingredientes de tempero quente, baiano. No finalzinho, todos narradores alvinegros, repórteres atleticanos, e a torcida já pediam o apito final, porque os paranaenses pressionavam tanto, bem pertos do empate.

Acompanhei pela tevê a partida de Porto Alegre. Todos sabem que não tenho pagar-pra-ver como protesto. Acompanhava, também, pela Internet a decisão ASA x América. Tenho algumas dúvidas que vou tirar até amanhã, quando escreverei mais sobre esta partida.

Quero ver o que motivou a saída de Renteria e a entrada de Coelho, além da perigosa escalação de Celso Roth de Evandro e Renan Oliveira no meio-campo. Afinal, os dois atuam pelo mesmo lado do campo e em funções semelhantes.

PITACO: “ô, ô, ô, o campeão voltô, o campeão voltô,” canta em festa a subida do São Paulo que já mete medo em todos os concorrentes. A rodada foi ótima pros são-paulinos.

Que nem o Tigre, desentrosado diante do Campinense e, por isso, levou a vexatória goleada (5 a 1) em Campina Grande, a equipe da Rádio Itatiaia, sempre bem afinada, agrediu os ouvidos de quem aprecia acompanhar suas transmissões.

Pegou mal, o repórter Bruno Azevedo , de Arapiraca, chamar atenção dos companheiros no ar: “aqui tem bola rolando, aqui é decisão” e cortou as entrevistas do Beira-Rio e Mineirão.
E Bruno estava coberto de razão. Só que isso não é função dele – só se Manézinho Carneiro o nomeou coordenador de esportes – e essas coisas são feitas com jeitinho pra evitar agredir o ouvinte, sem culpa nos acontecimentos. O rapaz é novo, tem muito que aprender.

Por exemplo, as esgoeladas nos gols estão fora de moda. Que nem o tal de “mexe-remexe”. O padrão ideal está em Roberto Abras. No gol terceiro gol do Coelho, marcado por Bruno Mineiro, realmente bonito, pensei que Bruno e o narrador Ênio Lima fizeram gritaria infernal. Se não perderam a voz, mas meus ouvidos sofreram.

Ouvidos doídos à parte, a Itatiaia cumpriu de novo suas obrigações como a maior rádio de Minas, e brindou a gente com os detalhes da vitória americana. O placar (3 a 1) coloca a equipe de Givanildo numa posição espetacular – e que mereceu ocupá-la pela campanha que tem feito – na briga pelo título da Série C.

Resta agora, o Independência ficar lotado no sábado, na partida de volta contra o ASA, e torcer pra que o Coelho coloque outro título nacional em sua galeria.

Vejam como os deuses ajudam: Ricardo Gomes chegou ao Morumbi pra substituir o poderoso Murici Ramalho sob tremenda pressão. E assim ficou quase todo primeiro turno. O São Paulo ia mal e de repente acertou o pé. Tomou o elevador e subiu.

Em Belo Horizonte, o São Paulo fez a virada sobre o Cruzeiro com dois jogadores que Ricardo Gomes tirou do banco. Contra o Avaí, sábado passado, a partida estava difícil e o técnico colocou Hugo. Ele entrou e marcou 2 a 0. Pé quente o Ricardo Gomes.

Acesse o meu blog: www.flavioanselmodepeitoaberto.blogspot.com e dê seu pitaco ou participe da enquete sobre “Kleber ficar ou ir embora”.

No coração da torcida celeste começa a pulsar o nome de novo ídolo: Gilberto. O futebol exibido em Porto Alegre confirmou que ele tá quase reencontrando sua forma física, pois a técnica não perdeu. Melhorou aos 33 anos. Se cuide, Kleber.

O segundo gol do Galo foi obra prima de precisão: o passe de Corrêa cá da intermediária; o pique de Diego Tardelli vencendo o beque paranaense e a porrada de pé direito no primeiro pique da bola. Coisa pra gravar e mostrar aos mais novos.

Mensagem do companheiro Ivan Drummond: “Olá o do bigode, fiquei lisonjeado com a sua coluna. Muito me emocionaram suas palavras sobre meu pai. Aliás, tenho uma busca constante por ele; não a carne, mas o Felipe digno, que sempre buscou a verdade e acima de tudo, a honestidade. Acho que esse é o legado que ele me deixou, além do nome, que jamais poderei manchar. De coração, muito obrigado. Sei que foi escrito não apenas por escrever, mas com o coração, pois sei da ligação que havia antes numa imprensa coesa, que sempre primou pela verdade, uma turma que sempre foi amiga, que jamais atraiçoou qualquer companheiro. Todos sempre se ajudaram. Isso aprendi não só com ele, mas em ver todos vocês. Um abraço também de minha mãe, Neusa, que ficou muito feliz ao ler, minha irmã, Andréa e dos netos de Felipe, o Neto, Raphaela, Zé Felipe e Eduarda.Tô com cê nessa luta”.

Resposta: Um beijão para meninada toda e pra dona Neusa. Pra você, uma informação: já tem dois anos que não uso bigode mais. Fiquei mais novo e mais bonito. Abraços.

5 comentários:

  1. Incrível como tentas rebaixar qualquer mérito do cruzeiro. Adilson Batista não é um senhor técnico realmente, mas no mercado não tem outro para substituí-lo no comando de tradicional time como o cruzeiro. Guerron tem que saber marcar... e é impressindível isto para o tipo de jogo que o cruzeiro faz... pq vc não disse dos desfalques que o cruzeiro vem sofrendo?! se bem entendo... são mais de 60% do time fora. Acho que comentar é muito fácil. Quem critica... tem por obrigação... fazer melhor... Sobre as contratações do patético... não vejo como revolucionárias... trazer jogadores campeões para minas é menos importante do que fazê-los campeões em minas. Inveja de ricardinho?!!! nenhuma. o plantel do cruzeiro é anos luz melhor que do patético.

    ResponderExcluir
  2. José Antonio M. de S. e Silva14 de setembro de 2009 14:56

    Parabens pela análise sobre o Cruzeiro x Inter. Quanto ao bola fora do Bruno Azevedo, eu aprendi que por mais capaz que um profissional seja, é impossível fazer duas coisas bem feitas ao mesmo tempo. É bíblico.Não se pode servir a dois senhores. O que a Itatiaia em pleno século XXI tem feito com os que não possuem assinatura na Net para ver os jogos ao vivo, é uma covardia. Transmitir dois jogos simultaneamente?....sem comentários.Agora três?? O melhor é mudar a sintonia

    ResponderExcluir
  3. Meu guru. É um grande prazer dar o meu 1º pitaco no seu blog, como seu grande admirador e amigo e as vezes filho,"com a devida vênia de Alexandre, Flavinho e Juliana". Estou junto com você na tresloucada parada americana estarei engrossando o coro no independencia junto com meu sobrinho Gabriel(15) que é fanático pelo América e vai a todos os jogos em BH com bandeira e tudo que tem direito. Só não concordo quando voce diz que este será o único título nacional dos mineiros. Ainda acredito no "GRORIOSO" Um grande Abraço, Almir.

    ResponderExcluir
  4. Grande Flávio Anselmo,
    Te "conheço" desde os idos tempos do Minas Esporte no anos 90. É muito bom ler seu log 'de peito aberto', o que parece, devido a idade, sem se importar tanto com o respeito e opiniões dos outros, fugindo do óvio. A propósito, nem os colegas da imprensa escapam, como deve ser, a concorrênica é contra o corporativismo. Por isso foi meio engraçado ler a carta do Ivan Drummond, que acho péssimo, clamando pelos tempos de uma impresna que se protegia, coesa etc. e tal.

    ResponderExcluir
  5. E viva o América! Temos que nos reder a euforia Americana sim! Já que Atlético e Cruzeiro veem pisando na bola nos últimos anos, é sempre bom ver o Coelhão das Minas Gerais levantarem mais um caneco nacional, não importa a serie. Em falar em serie, o Galo continua mantendo a escrita de não ir muito longe em competições de mata-mata, mais desculpas, por certo virão por ai. O cruzeiro é que fez bonito, tapou a boca de Palmereses e de muita gente que achava que a raposa estava morta. Vamos torcer para que o Coelho não entre de salto alto e frustre sua enorme torcida fanática.
    Um Abraço Flávio.

    ResponderExcluir

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.