quinta-feira, 3 de setembro de 2009

NA FANTASIA, GALO PERDEU O TÍTULO

O confronto adiado da 17ª rodada seria decisivo na conquista do fantasioso título do primeiro turno. Por isso, foi disputado em dois jogos num só. No primeiro, houve empate de 0 a 0. O Galo perdeu todas as chances possíveis e imagináveis de fazer boa vantagem sobre o Internacional. Na outra, representada pelo segundo tempo da movimentada disputa em Porto Alegre, o Colorado gaúcho botou o argentino D’Alessandro em campo mudou a história.

Com o prestígio abalado no clube da Beira Rio, D’Alessandro comandou a reação do Inter e a goleada (3 a 0) sobre o Galo. Ganhou o inexistente título do primeiro turno e subiu pra vice-liderança do Brasileiro, enquanto o Galo despencava pra sétima colocação. Pior: são sete partidas sem vencer estagnado nos 34 pontos.

Tite comemorou o título simbólico por causa do tabu: time que vira na liderança o primeiro turno termina campeão. Funciona?

O horizonte do Galo abre-se naquela falsa esperança de que tem mais time que o Santo André e, por isso, quebrará a maligna sequência de sete jogos sem vencer domingo, no interior de São Paulo. Pena que a coisa não funciona bem assim.

Junto com Carini veio a lenda de Mazurkiewicz, um dos maiores goleiros da história do futebol mundial, e que atuou no Atlético de 72 a 74. Foram 89 jogos e 67 gols sofridos. Pela Celeste Olímpica, Mazurka disputou as copas de 66, 70 e 74. Na de 70, levou o famoso drible de corpo do Rei Pelé e que a bola, caprichosa, não entrou.

Foi embora depois de participar de uma briga de bar com torcedores e quebrar a mão. A fase não estava nada boa. Mazurkiewicz resolveu rescindir o contrato e voltar a Montevidéu. Deixou muita saudade.

Carini, 29 anos, cara de menino levado, tem o seu famoso patrício como ídolo. Mazurka foi seu treinador de goleiros na Seleção Uruguaia. Se jogar 40% do que pegava seu ídolo o Galo estará bem servido de goleiro por vários anos. Desde que Carini não entre em briga de bar, nem quebre a mão.

Que Cláudio Caçapa sempre foi sujeito simpático, a história registra. No momento, porém, o Cruzeiro precisa menos da simpatia dele; mais do estilo duro e de sua liderança. Se é que ela existe, realmente.

A sequência de jogos que Adilson Batista e seus rapazes têm pela frente tira o humor de qualquer freguês: São Paulo, domingo, no Mineirão; Internacional, em Porto Alegre, e Palmeiras, aqui na Pampulha.

Daí porque Caçapa precisa fechar a cara e entrar logo na vaga de Thiago Heleno. Fábio volta e precisa – e como – dele ao lado de Leonardo Silva.

Adílson Batista perdeu (?) outro jogador por lesão: o lateral-direito Jancarlos teve distensão muscular na coxa direita e ficará afastado por cerca de 30 dias. Ufa! Será que Jonathan volta ou Patric estréia? Esperemos o capítulo desta novela.

As informações seriam completas se viessem trazendo, além de Fábio e Wellington Paulista, a volta de Kleber Gladiador. Quando será que o recém casado tirará os chinelinhos?

O Ipatinga sem se preocupar com a janela internacional anuncia mais dois reforços: o armador Luciano Sorriso, que já defendeu o Tigre, e o volante Francismar, ex-Cruzeiro. Só espero que não tenha se esquecido da importância da Ponte Preta logo à noite, no Ipatingão, pra seguir numa linha de vitórias.

Pitaco: “Flávio, sua conta para o Fluminense tá errada...Ele tem 16. Precisa de 48... Portanto necessita de 32 pontos e não 22, como você colocou... São 32 pontos a conquistar em 48 a disputar... Nem milagre !” de Rodrigo Dolabela - BH

Resposta: A intenção foi essa. De mostrar a situação do Fluminense. Só que não sei mais somar e diminuir. Em matemática, zero.

Estou que espero você no meu blog: www.flavioanselmodepeitoaberto.blogspot.com Vá lá, dê seu pitaco e participe da enquete da semana.

Diego Armando Maradona parou de provocar Dunga e os brasileiros, talvez por recomendação dos seus atletas convocados pra Seleção Argentina. Seu discurso prega atenção na velocidade do time de Dunga.

Os argentinos fizeram jogo-treino contra um time da terceira divisão e golearam de 7 a 0, com cinco gols de Lionel Messi. A dupla de frente da Argentina arrepia a gente: Messi e Carlito Tevez. Aliás, Maradona pretende mandar sábado contra o Brasil uma equipe experiente e técnica: Veron, Mascherano, Heinze, Sebastian Dominguez, etc.

De qualquer modo, a Argentina é sempre grande adversário. Ainda mais naquele curral que eles chamam de Gigante de Arroyito em Rosário. Só há um meio de superá-los: ter mais garra do que eles. Como Adriano demonstrou em confrontos anteriores.

No primeiro coletivo da semana, Dunga adoçou a boca dos argentinos: botou três atacantes – Robinho, Luiz Fabiano e Adriano. Claro que isso é suicídio lá em Rosário. Porém, foi só festa. Na cabeça de Dunga o esquema será 4-4-2: Elano jogará no meio-campo, com Robinho e Luiz Fabiano na frente. Adriano fica no banco.

Na verdade, Elano disputa a preferência com Ramires. Na zaga, Juan cede lugar a Luizão. Uma dupla alta – Lúcio e Luizão – pra enfrentar a bola aérea dos argentinos.

2 comentários:

  1. O que falta no Cruzeiro, ou seja, em alguns jogadores, vergonha na cara, Jonathan pega sua muchilinha amarra em um cabo de vassouras e va sugar sangue em outro lugar, Eli Carlos, Atirson, Jean Carlos, Thiago Ribeiro e mais uns ai que não tem ginga, samba no pé, maldade no bom sentindo e futebol, por favor vai embora, e sempre assim, o time sai na frente e logo logo toma uma virada que ninguem sabe explicar tamanha imcompetencia, senhor Adilson já passou da hora de pegar uma caixa de papelão juntar suas tralhas e sair da repartição, será que ninguem esta mais enxergando que não da mais para alguns no time, que saudades que eu tenho da Amélia, essa sim era mulher de verdade, o mesmo posso dizer de um tecnico Viril que chegue e faça como Vanderlei Luxembugo fez em 2003, ou voce amadureci e cresça profissionalmente, ou então fica ai sem definir o que quer da vida batendo cabeça pro resto de sua jornada aqui na Terra, pra jogar no Cruzeiro tem que ter ambição, gana, raça, ambição, determinação e vontade de ser campeão sempre palavras essas que no fim si definem em uma só esperança de ser bom no que faz sempre, Ronaldo Araújo Belo Horizonte
    djronaldhousemusic@hotmail.com

    ResponderExcluir
  2. Falta muita coisa para o tecnico Adilson se tornar um grande treinador de futebol. Em primeiro lugar falta ousadia, Ele nunca , em momento nenhum no comando do CRUZEIRO fez uma unica substituiçao que teoricamente iria deixar o time mais ofensivo, jamais ele abre mao dos seus volantes de confiança.Seus resultados a frente do Cruzeiro sao pessimos, nao sei quem inventou q seus numeros sao excte.
    Nao sao , Ele nao ganhou nada. Nem na final da libertadores teve coragem de fazer mudanças radicais na estrutura da equipe, ja que em poucos minutos o tri iria ficar so nos sonhos , eu estava la.
    Querido Flavio acho que o Adilson (o Tecnico) tem q aprender q no futebol nao se vence grandes jogos com a maioria de jogadores com caracteristicas defensivas. Ele tem que entender q quanto mais proximo o seu time estiver do goleiro adversario mais perto estara do gol, que e A grande META DO FUTEBOL , esse detalhesinho que e o GOL. Ele deu entrevistas dizendo que a torcida pensa o que os jornais, radios , Tvs dizem. Acho que realmente nao entendo de futebol, cheguei a essa conclusao apos o Adilson substituir o lateral por mais um volante e o meia Gilberto por um Zagueiro, Gil, isso com o Botafogo com um amenos todo o segundo tempo, detalhe quando tirou o Gilberto(meia) e colocou o Gil(zag) o Cruzeiro estava perdendo. Por essas e outras que realmente nao entendo de futebol. Nao sei o q ele pretendia.So sei q nao deu certo.Abraço Flavio Belo Horizonte

    ResponderExcluir

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.