sábado, 31 de outubro de 2009

FLAVIO ANSELMO POSTOU ÀS OITO E MEIA DA NOITE

Minas Tênis e Montes Claros decidem na Arena JK, nesta segunda-feira, o campeonato mineiro de vôlei masculino. As equipes conquistaram este direito ao vencerem neste sábado o Uberlândia e o Cruzeiro. Na primeira partida da rodada dupla, o tempo esquentou e o Montes Claros fez 3 a 2. O jogo, emocionante, foi interrompido várias vezes por reclamações dos atletas contra a arbitragem. Nova força do vôlei mineiro, o MOC frustrou o Sada/Cruzeiro que se reforçou e contava com o título.

O Minas Tênis, dono da Arena JK, usou esta vantagem e aplicou 3 a 0 no Uberlândia. No terceiro set, a partida, também, teve de ser interrompida duas vezes por falta de iluminação. E, ainda, falam em trazer jogos das olimpíadas do Rio pra Beagá. Acorda, minha gente...

No Campeonato Brasileiro, abrindo a 33ª rodada, dois péssimos resultados para Atlético e Cruzeiro. O Flamengo venceu o Santos ( 1 a 0, gol de Adriano, artilheiro do campeonato com 17 gols, ao lado de Diego Tardelli) no Maracanã e vai dormir no G-4, secando Galo, Internacional e Cruzeiro que jogam neste domingo contra Goiás, Botafogo e Fluminense.

Foi um jogo atípico e Bruno tornou-se o herói do Flamengo. O ex-goleiro do Galo pegou dois pênaltis cobrados por Paulo Henrique, nova estrelinha santista. Com o resultado o Flamengo subiu para o terceiro lugar, com 54 pontos. Mais de 80 mil pessoas encheram o Maracanã e gritaram “é campeão, é campeão”.

É o terceiro pênalti que Bruno defende em dois jogos seguidos. Contra o Botafogo, na vitória de 1 a 0, ele defendeu o chute de Lúcio Flavio. Enquanto os dois vencedores – São Paulo e Flamengo – que brigam pelo título dormem tranqüilos, com dever cumprido, os demais (Palmeiras, Galo, Inter e Cruzeiro) perderão o sono, debaixo de tanta pressão.

Com 58 pontos, o São Paulo dorme outra vez líder do Brasileiro. Bateu o Barueri, no Morumbi, (1 a 0, gol de Jorge Wagner) e espera o resultado do Palmeiras, no clássico contra o Corinthians, pra saber se fica na posição. Em Floripa, na briga por vaga na Sul Americana, o Avaí bateu o Atlético Paranaense por 2 a 0.

COBERTOR CURTO NA TOCA

Justo no momento em que necessita de todo elenco inteiro, Adilson Batista enfrenta a fase do “cobertor curto” no Cruzeiro. Ficou sem atacantes e teve que buscar reforço no júnior. Funcionou com o garoto Eliandro, autor de um dos gols na virada sobre o Santo André. Agora, perdeu seus beques: Leonardo Silva ainda não tá legal, Caçapa com distensão para por 15 dias e Thiago Heleno virou dúvida. Sobrou Gil que volta de suspensão e talvez Adilson tenha de usar o volante Fabinho na zaga.

PITACO: Ou seja, Adilson tapou a cabeça com a volta de Wellington Paulista, apesar de perder Thiago Ribeiro. Porém, descobriu os pés ao perder os beques titulares quando mais precisava deles pra marcar Fred.

Como qualquer volúvel torcida que só gosta de treinador que vence, o resto é “burro, burro” a do Cruzeiro acordou tarde. Entusiasmada com a “voadora” de Adilson Batista, numa placa de publicidade, resolveu iniciar a campanha
Fica Adilson”. Terá enorme frustração. Adilson vai embora.

Ao ser informado dos anseios da torcida, pelos repórteres com quem digladia diariamente na Toca, Adilson brincou: ”Vou me candidatar a deputado. Cuidado Zezé e Gustavo Perrella, vocês vão perder a eleição. Os culpados são vocês da Imprensa. Eu brinquei que eu precisava dar um peixinho e eu dei um peixinho. Me empolguei: não vai acontecer mais, fiquem tranqüilos”.

Concordo com o Corrêa: o Galo não pode mais ser tão apático como foi no Maracanã, diante do Fluminense. Inclusive ele, que, também, não jogou nada. Bota aí no bolo o técnico Celso Roth que elogiou a parte tática da equipe – tirou o dele da reta – e não soube motivar seus rapazes no intervalo.

Como afirmou Corrêa, não há porque o Galo esperar levar gols pra reagir e decidir jogar, como é de costume.

Quem pensa em exigir mudanças no time contra o Goiás tire o cavalinho da chuva. Celso Roth fará apenas as mudanças obrigatórias: Benitez no lugar de Jorge Luiz, expulso no Maracanã, e Renan no de Jonilson, suspenso pelo terceiro cartão.

Penso que estas mudanças, ainda que obrigatórias, tendem a melhorar bastante o comportamento tático da equipe. Jorge Luiz tem fracassado uma enormidade na zaga atleticana e Jonilson é melhor que Renan no desarme, porém este apóia mais. Na verdade, os dois são tremendos brucutus. Eu botava o Serginho ali no meio, ao lado de Márcio Araújo, Corrêa e Ricardinho e pronto: jogo feito!

Mano Meneses botou lenha na fogueira da discussão sobre a mala branca que o Cruzeiro teria enviado ao Barueri pra bater no Flamengo. Não citou o nome do São Paulo, mas insinuou que o tricolor paulista conquistou o tricampeonato com ajuda assídua da premiação aos adversários dos concorrentes diretos.

Também entendo que caçam chifres na cabeça de cavalo. Isso é tão antigo quanto as sandálias de couro de Moisés.

Os torcedores de Atlético e Cruzeiro vão passar este sábado vestindo as camisas do Barueri e do Santos, adversários de São Paulo e Flamengo, respectivamente. Os são-paulinos, com 55 pontos, é o vice-líder, e o Mengão, 51, é o sexto colocado, no calcanhar dos celestes.

O time de Ricardo Gomes é o único capaz de retomar a liderança, em caso de tropeço do Palmeiras diante do Corinthians. Por aqui, a torcida é que todos percam.

O Tigre não consegue mesmo vencer em casa. Empacou ali na região do descenso. Diante do Ceará, terceiro colocado, não saiu do empate de 0 a 0 sexta-feira à noite, no Vale do Aço. O Ipatinga ganhou uma posição, por enquanto, com 41 pontos e passou o Juventude. Flávio Lopes estreou meio capenga pra alegria de PC Gusmão, treinador do Ceará.

Daiane dos Santos pregou uma peça no mundo esportivo internacional. Ser péga, como dizem os paulistas,(ou pêga, como falamos nós) no antidoping obrigatório ao pessoal da ginástica olímpica, mesmo que não esteja competindo.

As explicações de advogados, amigos, atletas, têm envolvimento emocional; os especialistas pensam diferente: o furosemida que usou pra emagrecer e urinar mais, também é usado pra tirar, ou encobrir, o uso de outros medicamentos proibidos. Todo atleta sabe que furosemida não deve ser usada. Os médicos do Comitê Olímpico entendem que ela sofrerá algum tipo de punição.

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

VAGA DO GALO SOB AMEAÇA


Na correria do Brasileiro, o Galo teve que lamentar no avião mesmo a derrota diante do Fluminense (2 a 1) e focar o segundo jogo seguido fora e que pode tirá-lo do G-4, em caso de nova derrota. Esta situação é possível se o Internacional vencer o Botafogo na Beira-Rio, e o Cruzeiro passar pelo tricolor carioca no Mineirão.

Nesse jogo de número, o Inter subir pra 55 e o Cruzeiro para 54, ambos ultrapassando o Atlético. Ou seja, a Raposa assumiria o lugar do Galo no G-4.

Celso Roth dá graças a Deus de não poder contar com Jorge Luis em Goiânia, suspenso pela expulsão no Rio. Jonilson que tomou cartão amarelo com um minuto de jogo, também fica de fora. O lugar do atrapalhado Jorge Luis será do paraguaio Benitez (bom!) e Renan assume a vaga do capitão Jonilson (mau!).

O jogo do Galo, espero, será mostrado pela dona Globo, as quatro horas. Já o do Cruzeiro tá marcado pra seis e meia e a diretoria espera 50 mil torcedores e vários carrinhos de Adilson Batista nas placas publicitárias do Mineirão.

Sem Thiago Ribeiro, em ótima fase, suspenso pelo terceiro cartão, a boa nova fica por conta da volta do artilheiro Wellington Paulista ao lado de Guerrón. Na zaga, será ótimo o retorno de Gil, mas o de Leonardo Silva tá complicado. Mas depende de Adilson, porque o capitão não treinou durante a semana.

PITACO: E convenhamos: jogar com Thiago Heleno é correr risco desnecessário.

Mais dois passos em falso e o Tigre do atrapalhado Itair Machado cai no buraco negro rumo à terceira divisão. Hoje reestreia o técnico Flávio Lopes, ducentésimo treinador só este ano, contra o Ceará do PC Gusmão, candidato ao acesso. O jogo é no Ipatingão, onde o pão do Tigre só tem caído com a manteiga pra baixo.


Quatro pontos separamPrecisamos jogar com muita aplicação já que a competição exige muita determinação”. Bonito, xará. Onde você aprendeu essa verdade tão óbvia: no ABC de Natal?

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

PORCO MAGRO SUJOU A ÁGUA E O GORDO LAVOU A ALMA

Deu tudo errado: o Galo não venceu o Fluminense e o Palmeiras goleou o Goiás. Com isso, o Verdão manteve-se na liderança com 57, seguido do São Paulo com 55. O Galo caiu pra terceira posição, com 53 pontos; o Inter é o quarto com 52 e coladinho nele, em quinto, está o Cruzeiro de Adilson Batista com 51 pontos e 15 vitórias. O Fluminense, que vem domingo a Beagá pegar o Cruzeiro, venceu e não se mexeu. Continua lanterna, agora com 30 pontos e o Goiás, goleado e fazendo o cartaz de Obina autor de três dos quatro gols palmeirenses, estacionou nos 47 pontos. Só pode pensar na Copa Sul Americana, daqui pra frente.

O Galo entrou no jogo do Fluminense desde o início: aprontou uma correria desenfreada e não aplicou nada do proposto por Celso Roth. Jogar com calma, tocar a bola e aproveitar o desespero e os erros do Tricolor. A defesa alvinegra esteve desastrosa.

Logo com um minuto, Jonilson levou cartão amarelo e pouco depois Jorge Luis deu um tapa no rosto de um atacante do Fluminense. Deu sorte que só as câmeras da televisão viram. Não satisfeito, errou tanto que levou cartão amarelo e no segundo tempo tomou o vermelho.

Tardelli voltou a marcar, completou 17 gols na competição. Mas esteve sozinho. Nem Corrêa repetiu as atuações anteriores. Foi Jorge Luiz quem fez o pênalti do primeiro gol tricolor. Desajeitado, abriu em demasia os braços e cortou o cruzamento de Conca.

No segundo, bobeou na frente de Conca, no início da fase final e permitiu o chute cruzado sem defesa para Carini. A esperança voltou quando Tardelli diminuiu numa cabeçada. Mas Jorge Luis foi expulso e complicou tudo. Agora, o Galo joga em Goiânia, contra o machucado Goiás, sábado.

PITACO.-“Fomos mal tecnicamente, não jogamos bem e o Fluminense mereceu vencer. Corremos muito, mas com vários erros técnicos” de Celso Roth, sem reclamar nada à margem da partida.

Obina foi o nome do jogo: fez três gols e deu um passe de calcanhar para o terceiro gol. No finalzinho, fechou a goleada sobre o Goiânia: 4 a 0. Com o resultado, o Palmeiras retomou a liderança. No outro jogo do fechamento da rodada, Sport e Coritiba empataram no Recife (1 a 1) e foi ótimo para o Fluminense.

Me tornei um leitor apaixonado pela coluna virtual do garoto Marcelo Bechler, jovem promessa do jornalismo esportivo de Minas, produtor do nosso Jogada de Classe, na TV Horizonte. Aliás, boa descoberta do Orlando Augusto, seguindo o exemplo deste seu descobridor, que o buscou num caixa de banco. Degustemos o texto abaixo de Bechler:

Dos 16 gols que Tardelli marcou até aqui, onze foram determinantes para que o Galo saísse de campo com a vitória em dez rodadas. A última vez que a equipe venceu sem a necessidade direta de um gol do camisa 9 foi contra o São Paulo no primeiro turno: 2 a 0 – Diego marcou um, mas o gol de Serginho resolveria o jogo. São oito vitórias seguidas com o artilheiro desempatando o placar”.

Como comparação, Adriano, que também tem 16 gols, foi responsável direto por 17 pontos do Flamengo. Diego Souza, outro candidato a melhor jogador do campeonato, tem sete gols até aqui e cinco deles resultaram efetivamente em 15 pontos para o Palmeiras. Se será escolhido o melhor do campeonato, vai depender da subjetividade e dos critérios de cada um, mas Diego Tardelli é, sem dúvidas, o jogador mais decisivo do Brasileirão”.

BUZINAÇO AZUL PELA VITÓRIA NA RAÇA –

Confesso que já estava com a tolha na mão pronta pra ser jogada, sinal de uma frustração inarrável, quando, aos 38m, Gilberto cruzou e o garoto Eliandro, com personalidade, empatou o jogo. Senti-me mais aliviado; claro que, ainda, frustrado com a chance que o Cruzeiro deixava passar, diante do Santo André, no Mineirão. Bravo adversário, todavia freqüentador do buraco negro do descenso.

Guerrón, o primeiro dele no time azul, ao fazer 1 a 0 criou-me enorme expectativa de vitória sem problema, apesar de sentir que a zaga de Thiago Heleno e Caçapa - principalmente este – jogava mal, muito mal. O Santo André virou o placar com Nunes e Júnior Dutra, aos 17 e 27 minutos do segundo tempo. Baixei a guarda. Monsieur Caçapá me decepcionava; no gol de Nunes levou um drible infantil.

O empate do garoto Eliandro demorou a acontecer: só onze minutos depois. Mas o gol da vitória saiu seis minutos depois: a jogada de Jonathan pelo lado direito e o cruzamento na cabeça de Thiago Ribeiro, que nem subiu pra fazer 3 a 2, nos acréscimos finais. O Cruzeiro não merecia nem empatar e muito menos perder.

Recolhi a toalha, suspendi a frustração e assumi uma vontade louca de sair às ruas, como os vizinhos, no meio do buzinaço que sacudiu os bairros Santo Antônio e Luxemburgo. A Prudente de Morais, acostumada às festanças do futebol e às enchentes de São Pedro, foi dormir, de novo, na madrugada. Desta vez, por motivos justos.

PITACO DE JUSTIÇA:- Meus aplausos pro técnico Adilson Batista. Coloco-o no pódio nesta vitória. O momento exigiu ousadia e ele ousou ao colocar Leandro Lima no lugar de Monsieur Caçapá, numa triste noite.

Se a CBF não der um jeito a arbitragem do Brasileiro vai fazer a competição terminar numa delegacia de polícia. No empate (1 a 1) entre Atlético Paranaense e Santos, na Baixada, os dois gols foram irregulares. Na vitória do Botafogo (1 a 0), outro gol irregular. O pênalti que Juninho converteu na vitória botafoguense não existiu.

E o pior, o Náutico teve um gol anulado injustamente. Na Arena Barueri, onde o Flamengo danou-se todo, o início do primeiro gol do Grêmio local foi irregular: o craque Thiago Humberto saiu do impedimento, deu um lençol num flamenguista e entregou de bandeja pra Val Baiano marcar.

Depois correu tudo normal e a vitória do Barueri (2 a 0) agradou ao Cruzeiro, que tomou o quinto lugar do Flamengo. Ambos com 51 pontos e os celestes têm maior número de vitórias: 15 contra 14.

A torcida pelo empate entre Grêmio e Avaí não adiantou nada.Os gaúchos fizeram 3 a 1 nos barrigas verdes chegaram 47 pontos. Por enquanto na frente do Goiás.

Finalmente, em Salvador o Timão derrotou o Vitória (1 a 0), numa partida que não tempo grande importância na briga pelo G-4.

O São Paulo assumiu, finalmente, pela primeira vez a liderança do Brasileiro, mas apenas está dormindo como líder. A postagem deste blog acontece aos 12 minutos de quinta-feira, 29, e por enquanto a vitória (1 a 0) sobre o Internacional, gol de Washington, fez os são-paulinos lideres.

Nesta quinta-feira tem Palmeiras, 54 pontos, contra o Goiás, 47. no Palestra Itália. Pra continuar líder, o Verdão tem que vencer. Se perder ou empatar corre risco de ficar em segundo, caso o Galo, 53, derrote o lanterna Fluminense.

A briga passa a ser emocionante pela quarta vaga: Inter, 52; Cruzeiro e Flamengo, 51, são os mais cotados. Ou seja, o Brasileiro embolou de vez com a subida sensacional dos cruzeirenses.

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

A VERDADE SOBRE A SELEGALO

Não consigo atingir o motivo de o paraquedista Neto, comentarista esportivo da Band, resolver tocar no assunto justo agora quando o Galo dispara no Brasileiro. Tem cheiro de interesse paulista no meio. Vou repercutir o comentário que fez no seu blog e que me foi enviado pelo meu amigo Karlyle, ex-ponta direita revelado no Cruzeiro e atualmente cuidando de uma escolinha de futebol nos derredores de Paris, e leitor assíduo desta Trincheira. Vamos lá:

Como prometido falarei hoje da minha conturbada passagem pelo Clube Atlético Mineiro. Quando o presidente Afonso Paulino comprou meu passe fiquei muito feliz. Era talvez a maior oportunidade de marcar meu nome fora de São Paulo. Uma verdadeira Seleção estava se formando. Para se ter uma idéia, antes de mim tinham sido contratados o lateral Luís Carlos Winck, o zagueiro Adílson (hoje técnico do Cruzeiro), e os atacantes Renato Gaúcho e Gaúcho. Na apresentação oficial no CT mais de 5 mil torcedores. Não demorou muito para esse grupo ser batizado de “Selegalo”.

“Nos primeiros jogos o time até foi bem. Lembro que na estréia vencemos o Valeriodoce com um gol meu de falta. Já os treinamentos eram péssimos. O time titular perdia direto do reserva. O menino Reinaldo, centroavante recém-promovido dos juniores atormentava a vida do Kanápis, um zagueiro uruguaio ruim de bola. Teve até um dia que ele apelou com o garoto. Desceu a paulada na maldade. Não tive dúvidas, fui pra cima dele. Acabei expulso do treino pelo Espinosa. A verdade é que o dono daquele time era o Renato. Ele deitava e rolava. Fazia o que queria. Não justifica, até porque o ele é um sujeito muito legal. Adoro o Renato como pessoa. Mas aquela equipe ficou sem foco. Não conseguiu formar uma identidade. Na verdade a pegada de boa parte daquele elenco, inclusive eu, era na noite de BH. E nós a “quebrávamos” com estilo. Minha nossa! Tinha cada mulher bonita”.

Mesmo assim hoje percebo como fui burro de não ter feito sucesso no Galo. Hoje poderia ser ídolo de uma das torcidas mais apaixonadas do mundo. Ao menos encho a boca para falar que fui o único de todos que fizeram aquele papelão a deixar lucro para o Atlético. Fui vendido ao Santos e o Galo ainda ficou com o passe do Dinho. De quebra deixei de receber os quatro meses de salários que estavam em contrato. Não merecia aquela grana. Agora publicamente gostaria de pedir desculpas à massa atleticana. Foi uma pena aquele time não dar certo. E olha que apesar do fiasco ainda fomos vice-campeões mineiros em 94. Vai entender, né?”

Tema aberto aos pitacos. Mandem ver.

Na última enquete com a pergunta “O Flamengo passará o Galo” a opção SIM teve 40% dos votos, contra 59% da opção NÃO. Jogo equilibrado! Acesse agora e vote na enquete “Quantas vagas Minas vai conquistar este ano na Libertadores: a) uma com o Atlético; b) uma com o Cruzeiro; c) duas ou d) nenhuma.

terça-feira, 27 de outubro de 2009

FURO DO MINISTRO E BOMBA DO PRESIDENTE

Pra mim, o Ministro dos Esportes, Orlando Silva Júnior, ter vindo ou não ao Seminário “BH Copa 2014 – Desafios e oportunidades para Minas Gerais”, promovido pela Fundação Dom Cabral e o BDMG durante toda esta terça-feira, pouco importa. Mesmo porquê nem fui convidado para o evento, apesar de minha larga experiência em coberturas de copas do mundo e dos meus 48 anos como jornalista esportivo. Não preciso encher este blog com o meu currículo pra justificar o furo de quem promoveu a festança.

Segundo leio no blog do Chico Maia, até o mal humorado Ricardo Teixeira, presidente da CBF, compareceu. Mas este obrigatoriamente tinha que comparecer. Trata-se de um evento sobre futebol. De fora, estiveram presentes especialistas alemães, ingleses e sul-africanos. Neste aspecto, foi bom não me convidarem pois não entenderia nada que os gringos dissessem; além do mais, o assunto é nosso, eles são entendidos lá na terra deles.

Quem interpretou que a ausência do Ministro dos Esportes ou de seu Secretário Executivo, é demonstração de má vontade do governo federal com Belo Horizonte, ou Minas Gerais, quase acertou. Quem dissesse que é política, acertaria na mosca. Ano que vem tem eleições pra Presidência da República e os dois daqui – Prefeito e Governador – são da oposição.

E ambos têm batido no, ou na, provável candidato (a) do Presidente Lula. Qualquer coisa que for liberado em termos de grana pra Copa do Mundo só depois das eleições. Acham que o Lula é trouxa de deixar o PSDB de Aécio e Lacerda fazer graça com o chapéu alheio do PT?

Neste tipo de briga, divido, também, na canela. Em política, adversário fica do lado de lá. Quando os lados se juntam, beijam-se e trocam juras de amor, cheira cinismo e hipocrisia. Essa coisa já aconteceu demais na política mineira. Por isso joguei fora meu voto pra prefeito, votando no falastrão. Por questão de coerência.

Também não estou disposto a ouvir as mentiras sobre as obras que serão executadas com o dinheiro liberado ou a ser liberado pra Copa de 2014. Túneis, autopistas, linha cor de rosa, amarela, preta e branca, azul, sei lá mais que cor. Não acredito em nada disso.

PITACO DE ESPERANÇA
: Se arrumarem o Mineirão e o Independência tá danado de bom; o futebol agradecerá.

Antes, porém, o intocável doutor Aécio ou o seu Sancho Pança, Anastásia, bem que poderiam dar um jeito nessas estradas horrorosas que têm matado tanta gente mineira. Não preciso nem citar nomes das esburacadas rodovias. E os comerciais do doutor Aécio, na televisão, dizem outra coisa. Propaganda enganosa.

Ricardo Teixeira foi enfático ao sepultar qualquer pretensão de mudar as regras do Brasileiro, retornando ao funesto mata-mata. Vai que eu acredito, como a Velhinha de Taubaté que acreditava em tudo do governo da Revolução. Aí vem a poderosa Rede Globo e tira o doutor Ricardo da cadeira. Já não falam nisso!

Qualquer mal estar e irritação de Marcus Salum a respeito da especulação sobre a reunião que teve com Zezé Perrela seriam evitados se, antes, ambos tivessem distribuído uma pauta de assuntos. A Imprensa fez o papel dela. Sem saber do que se tratava, especulou sobre a venda de Bruno Mineiro ao Cruzeiro. Nada de mais. O dinheiro do Cruzeiro é igual e tem o mesmo valor dos outros, daquela montoeira (?) de interessados no rapaz.

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

PITAQUEIROS MUDAM DE OPINIÃO

Os mais famosos estatísticos, matemáticos e pitaqueiros do País de Lula rasgaram seus prognósticos feitos nas coxas. Ademg informa: novos cálculos foram feitos e estão à disposição dos que acreditam nessas bobagens.

Tome lá: o Palmeiras agora tem 39% de chances de ser campeão e 88% de chegar entre os quatro da Libertadores; o Galo tem 17% para o título e 71% pra Libertadores; o Internacional, 17% do título e 70% na Libertadores; São Paulo vai com 13% de campeão e 63% de G-4.

O Flamengo, como é de conhecimento geral, disparou pra alegria da Rede Globo e adjacências. Tem 9% de chances ao título e 55% de Libertadores. Olhai o Cruzeiro! Pra quem não tinha nem esperança tem agora 3% de chances de ser campeão e 35% da Libertadores. O time tá vivo, ou não Perrela?

Lá na rabeira, a briga fechou entre seis times para quatro vagas. Fluminense tem 97% de chances de cair ( ou seja, já caiu); o Sport vem atrás com 86% ( a mesma coisa que o Flu); O Botafogo com 69%, botou o pé direito na lama e o Náutico, com 68%, botou o esquerdo.

Fora do buraco e doidos pra entrar estão Santo André, com 66% de chances de cair e o Coritiba, com 9%. O resto, praticamente, safou-se.

Visto que estamos no simpático quintal dos números, analisemos o que nos diz o Portal Lancenet: Atlético, Internacional, São Paulo e Flamengo podem pular na frente do São Paulo. Será? No reino das probabilidades é possível.

A rodada de número 32 marca pra esta quarta-feira confrontos de arrepiar: Atlético Paranaense x Santos, os dois atrás de vaga na Sul Americana; Botafogo Náutico, ambos querendo sair do buraco negro; Cruzeiro, 48 pontos, atrás de vaga no G-4 x Santo André, quase enfiado na lama do descenso.

Grêmio, 44, x Avaí, também 44 pontos, ambos sonhando com o G-4; Barueri, 41, x Flamengo, 51, os cariocas num pique assustador atrás da turma dos quatro lá de cima; Vitória, 41, x Corinthians, 42, o primeiro com remotas chances e o segundo já garantido na Libertadores.

Mas o grande jogo da noite será São Paulo, 52 pontos, quarto colocado, contra o Internacional, 52 – maior número de vitórias – em terceiro lugar. Eta gente, mas um empate aqui cairia bem no colo dos mineiros!

Nesta quinta-feira completam a rodada Palmeiras x Goiás; Fluminense x Galo e disso vamos falar amanhã. Importante é lembrar que o campeonato pode ter novo líder quinta-feira à noite. Como?

Nada se modificará, caso o Palmeiras vença o Goiás. Para o Galo assumir a liderança, basta que vença o Fluminense e torcer pelo empate ou derrota do Verdão. Já o Internacional, tem que vencer o São Paulo e torcer pelas derrotas ou empates do Palmeiras e do Galo.

O São Paulo precisa vencer o Inter e torcer por empates ou derrotas do Palmeiras e do Galo. Finalmente o Flamengo tem que vencer o Barueri, torcer pela derrota do Palmeiras e tirar uma diferença de três gols no saldo; torcer pela derrota ou empate do Galo e por um empate entre São Paulo e Internacional.

Não pense que eu fiz essas contas todas. Não é do meu feitio e nem tenho competência pra tanto. Copiei essa tramoia toda no Lancenet. Não duvido que possa acontecer, ainda mais se os deuses do futebol estiverem assumindo alguma posição. Que seja mineira!

domingo, 25 de outubro de 2009

CRUZEIRO VENCE E GANHA UMA POSIÇÃO

Os jogos da tarde no domingo estiveram longe de ajudar os times mineiros, visto que a turma do G-4 resolveu vencer, também, depois da derrota do Palmeiras. O clássico Sansão foi sensacional, cheio de alternativas: o Peixe mandou no placar grande parte do confronto e buscou o empate ao levar 3 a 2. As defesas facilitaram nas bolas paradas.

Os santistas empataram 3 a 3, mas Rogério Ceni, antes de ser expulso por Carlos Eugênio Simon, fez 4 a 3, de falta. Os times saíram de campo xingando o gaúcho soprador de apito. O São Paulo manteve a quarta posição, com 52.

O Internacional venceu o Grenal por 1 a 0, na Beira Rio e manteve a terceira posição com 52 pontos, também, mas com uma vitória a mais que os são-paulinos. A derrota do Grêmio, 44 pontos, ajudou um tiquinho ao Cruzeiro. Da mesma forma que o empate entre Goiás 2 x Fluminense 2. Os goianos chegaram aos 47 pontos e o Flu manteve-se de lanterna na mão.

Fluminense e Goiás serão os próximos adversários do Galo. A equipe goiana, antes, enfrenta o líder Palmeiras, quinta-feira, no Palestra Itália. O Tricolor carioca é quem recebe primeiro o Atlético, também na quinta-feira, no Maracanã.

Nesta quarta-feira, o Cruzeiro joga contra o Santo André, no Mineirão. Porém, a rodada reserva como jogão da noite São Paulo e Internacional, dois aspirantes ao título.

O Cruzeiro fez a sua parte na conta do chá. Foi buscar a vitória sobre o Corinthians e conseguiu (1 a 0, gol de Gilberto, no primeiro tempo). Mas a partida não me agradou sob todos os aspectos. Não gostei da substituição que o Adilson fez no intervalo, tirando Guérron pra colocar Fernandinho. Qual motivo?

A sorte é que o Timão
, realmente, passeia no Brasileiro, sem aspirar nada. Adilson mexeu num time que jogava razoavelmente e correu o risco de outras partidas de tristes lembranças, quando usou igual expediente.

Além da qualidade técnica sofrível da partida, tive que tolerar aquela chatice de transmissão do Sportv e uma arbitragem ridícula do aspirante à Fifa, o anônimo Péricles Bassols P. Cortez. Junto com os assistentes, o trio conseguiu embolar um jogo em ritmo de pelada entre solteiros e casados. Olho nestes caras, Eduardo Maluf?

O Flamengo venceu o clássico no Engenhão (1 a 0, gol de Adriano) e ficou a três pontos do São Paulo. Outro resultado ruim pro Cruzeiro. O rubro-negro chegou aos 51 pontos. O Cruzeiro com 48 ganhou uma posição, em razão do empate do Goiás, 47 pontos.

O Avaí empatou em casa depois de levar 2 a 0 do Sport. Com isso, os pernambucanos (Náutico e Sport) e os cariocas (Botafogo e Fluminense) continuam atolados. Na minha bola de cristal, dificilmente os dois últimos (Sport e Flu) se safarão.

A briga continua excelente, também, pela artilharia. Tardelli pulou pra 16 gols na vitória sobre os baianos no sábado, mas o Imperador Adriano igualou de novo ao marcar o gol do Mengão diante do Botafogo.

sábado, 24 de outubro de 2009

TIME COM CHEIRO DE TÍTULO

Se o Galo jogar com a inteligência deste sábado, quando cozinhou o Vitória em banho-maria e venceu pelo magro placar de 1 a 0, gol de Diego Tardelli, por hoje artilheiro da competição, e continuar abençoado pela sorte como sucedeu em alguns momentos do segundo tempo, cravo logo: é campeão. Nem o pênalti desperdiçado por Tardelli, nem o gol perdido por Evandro diante da meta vazia, após o lance espetacular de Marques, ao driblar o arqueiro Biafra, afastariam a Trincheira desta convicta opinião.

As duas defesas de Carini e a bola que passou por ele, correu em cima da linha, passeou na frente do ataque do Vitória sem que alguém a empurrasse pras redes e empatasse o jogo, revelaram pra que lado os deuses do futebol olham no momento; e eles costumam ficar do lado do time com cheiro de título numa série grande de jogos.

O jogo foi gostoso de se ver. O Galo soube jogar, porque não aceitou a convocação do Vitória pra sair em cima e abrir o contra-ataque. Foi inteligente e paciente. Os 60 mil torcedores no Mineirão, também. Na hora certa, o bote viria. Aconteceu no meio do primeiro tempo, com a arma que os baianos pretendiam usar.

Coelho roubou a bola e puxou o contra-ataque rápido que terminou em Diego Tardelli na cara do bom goleiro Biafra. No segundo tempo, o Galo cozinhou. Tardelli teve uma chance aos 8’ e jogou por cima da meta com Biafra batido. Aos 13’, outro contra-ataque de Ricardinho e Tardelli. Thiago Feltri sobrou na frente de Biafra e chutou no corpo do goleiro.

Carini trabalhou muito na sequência com duas defesas complicadas. Então, diante da pressão baiana Roth viu que chegara o momento de atender a torcida e chamou Marques. O Mineirão veio abaixo.Mas um minuto depois, o chute de Gláucio que a bola passou por Carini, foi na trave, correu em cima da linha e não entrou. Aos 29’, pênalti bem marcado em Tardelli; o próprio bateu e chutou pra fora. Aos 35’, outro pênalti; o juiz não deu o toque claro do zagueiro do Vitória.

Pensei comigo: chiii, este troço vai embananar! Embananou nada. Marques voltou bem, com fôlego e com seus infernais dribles. Aos 48’ recebeu de Ricardinho, driblou Biafra e cruzou pra Evandro cabecear pra fora, com a meta à sua frente.

Agora vem o Fluminense no Maracanã e o Goiás no Serra Dourada. Time com cheiro de campeão não rejeita paradas como essas; passa por cima, atropela.

A 31ª rodada será fechada neste domingo. Tem Corinthians x Cruzeiro em São Paulo, confronto de vida ou morte pras pretensões celestes de entrar no G-4, aos menos. O Timão usará 3 atacantes (Jorge Henrique, Ronaldo e Dentinho) pra fugir das críticas de que tem apenas passeado no Campeonato visto não ter chance do título e estar classificado para a Libertadores. A Tevê Globo exigiu mais empenho dos seus parceiros...

Com 45 pontos, confiando nos dois atacantes que lhe sobraram e no menino Eliandro que levou pra reserva, o Cruzeiro de Adilson Batista ficará bem na fita e manterá o prestígio de melhor time do returno se ganhar do Timão. Fabrício e Gilberto voltam. Boa notícia...

As atenções nacionais estarão voltadas para os clássicos estaduais: o Sansão (Santos x São Paulo) na Vila Belmiro. O time do Rei Pelé voltou a ter a maior torcida do País. Em Porto Alegre, tem o Grenal, que na verdade devia ser Nalgre, pois o jogo é no Beira-Rio. Colorados com 49 pontos, gremistas com 44, nada melhor que um salutar empate entre eles.

Só vale o registro do Atletiba, que deveria ser, também, Tibaatle, já que o mando é do Coxa e o clássico será no Couto Pereira. No Rio tem Flamengo, 48, e Botafogo, 32. Juro que já fui flamenguista uma vez e derrubo a tese de “uma vez Flamengo, sempre Flamengo”. Torço pelo Botafogo por motivos óbvios...

Goiás, 46, e Fluminense, 26, no Serra Dourada, serei tricolor. Não gostaria de ver o Fluminense, de novo, na segunda divisão, apesar de entender que será impossível evitar isso. Em Floripa, jogam Avaí, 43, e Sport, 28, e penso que os barrigas verdes já foram longe demais. Chega. Como é o caso do Barueri, 41, derrotado pelo Náutico (2 a 1) neste sábado, no Recife.

DIRCEU VERSUS OI

Dirceu Pereira ligou-me pra falar da nota no blog sobre a briga da Ademg com a Oi. Quem pagou o pato nesta briga do mar com o rochedo, foram os mariscos. Ou seja, as emissoras do interior. Dirceu explicou-me e entendi que teve de assumir uma posição porque a Oi deve à Ademg R$ 300 mil reais de alguém das salas onde guarda seus equipamentos.

Contudo, ao impedir a entrada de um funcionário da Oi no Mineirão, Dirceu Pereira prejudicou as emissoras do interior. Me disse: se você estivesse no meu lugar faria a mesma coisa. Faria não, Dirceu. Respeitaria as emissoras do interior e as avisaria bem antes das medidas que, por ventura, tomaria. Ponto 2: se a questão está no Jurídico, o Jurídico que a resolva então, com a ação cabível.

Pra ser justo, segundo Dirceu, a Oi terceirizou o serviço pra uma tal de Telemonte e desde 2007 não presta – como não presta pra nada – serviços no Mineirão. A maioria é da Embratel que tá em dia com a Ademg. Então, por que as emissoras do interior dão logo uma banana pra Oi e seus terceiros e correm pra uma empresa séria? Antes, com a Telemig não tinha disso.

O Pereira, que agora deu 20 dias pro pessoal da Oi, ou seus terceiros, resolver a questão, devia ter avisado 20 dias antes as emissoras do interior. Aí sim, meter o ferro na Oi, na Claro, na Telemar, na Vivo, na Tim, enfim nesta turma que atacou Minas Gerais, comprou tudo aqui e presta o pior serviço do mundo. Afe, Maria!

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

ÚNICO SOLDADO DE PASSO ERRADO

Não quero ser desmancha prazer, espalha roda, nem o único soldado com o passo certo no batalhão durante a parada. Entendo o otimismo do técnico Celso Roth ao afirmar, convictamente, no Arena Sportv que “o Atlético vai ser campeão”. Eu não iria esperar jamais ouvi-lo afirmar na tevê que Palmeiras, São Paulo, Internacional ou Flamengo têm mais chances de abiscoitar o título. Afinal o Galo, vice-líder, 50 pontos ganhos, só depende das próprias pernas; é o único no G-4, além do Palmeiras, nessa situação. Ambos se enfrentarão na 37ª rodada.

Respeito e defendo o direito de Roth dizer o que sente. Direito dele. Contudo, daí até concordar com ele vai uma distância enorme. Defendi em meu comentário diário no Só Esporte do Flávio Carvalho (Alvorada/FM) e no programa Jogada de Classe, do Orlando Augusto (TV Horizonte), do qual participo às terças e quintas feiras, esse direito de manifestação de Celso Roth. Nem o julguei precipitado.

Sem detalhar muito, visto que o Campeonato Brasileiro terá pela frente uma rodada quase completa neste final de semana e mais sete depois, mas vendo as pedreiras que o Galo terá pela frente, prefiro guardar minha boca pra comer minha farinha.

Os outros concorrentes, também, terão confrontos duros. Como o G-4 tá embolado e tem outros times chegando famintos, não vejo porque correr risco de profetizar nada no momento. Prudência, exijo da Trincheira.

Pitaco da verborréia. Celso Roth é maior de idade e livre pra falar à vontade.

Neste sábado, o Mineirão lotado fará a diferença com certeza, mas não esperem facilidade do Vitória, apesar de seus desfalques – Ramon Meneses e Vanderson. Os baianos, com 44 pontos, em nono lugar, sonham ainda com alguma coisa. Sei lá o quê? Mas a arrancada do Galo rumo ao título precisa começar nesta partida.

Em seguida, o Galo irá ao Maracanã enfrentar o desesperado e quase caído Fluminense. O segundo jogo seguido fora será duro, contra o Goiás, talvez ainda de olho de novo no G-4. Aí o Galo retorna ao seu terreiro pro clássico contra o Flamengo.

O presidente carioca, Márcio Braga, já tocou lenha na fogueira ao declarar no Rio que não teme essa partida, pois cansou de bater no Galo aqui. Que o falastrão do Braga dê mais motivação, ainda, ao Galo..

Outra pedra enorme na caminhada atleticana: o Coritiba de Ney Franco, no momento sob forte ameaça de descenso. Até lá a coisa pode ter melhorado ou estar pior para os Coxas. Um confronto direto, na 36ª rodada: o Internacional, também candidato ao título, no Mineirão.

Se tudo estiver dentro das contas de Celso Roth e de Murici Ramalho a decisão do Brasileiro será dia 28 ou 29 no Palestra Itália: Palmeiras x Atlético. A participação alvinegra encerra-se contra o Corinthians, no Mineirão, quem sabe, debaixo de muita festa. Aguardemos, pois.

De qualquer forma, a declaração de Celso Roth no Arena Sportv valeu só pela cara assustada de Cleber Machado. O global esperava aquela costumeira resposta tida como ética, mas de puro cinismo dos treinadores, nessas ocasiões.

Roth deu na lata dos participantes, acostumados a pré-julgamento de sucesso apenas dos times paulistas. Não aceitam que Palmeiras e São Paulo estão em queda; que Atlético, Flamengo e Cruzeiro sobem, assustam o pessoal do Eixo.

A seriedade e a convicção de Celso Roth desarmaram os entrevistadores e pitaqueiros paulistas. Será que não viram que Palmeiras, São Paulo e Internacional queimaram as gorduras que possuíam?

Começa a partir desta 31ª rodada, após a derrota do Verdão (2 a 0) em Santo André – jogo antecipado – outro Brasileiro.

Mais times entraram na disputa do título e na briga pelas vagas do G-4. Ninguém tá garantido em lugar algum. Quem bobear vai terminar sentado no meiofio, aos prantos, e consolado por um belo sorvete de jiló, com cobertura de boldo.

Zezé Perrela quando convoca entrevista coletiva na Toca da Raposa é uma festa.Sem conseguir segurar a língua, o presidente estrelado extrapola. Direito seu, tudo bem. Como é meu direito não concordar com quase nada do que foi dito por ele.

A começar por sua descrença na conquista do título deste ano. Não é impossível e tem cruzeirense que acredita, também, em Papai Noel, rezando pra São Judas Tadeu dar aquela mãozinha. Aí vem o cartola-maior e joga água na fervura do coitado.

Zezé anunciou que aceita fazer negócio com Kleber, até mesmo uma troca por algum grande jogador, se ouvir da boca do atacante que não quer mais ficar na Toca da Raposa. Segundo ele, não ouviu nada do jogador, até o momento; mas sabe que a relação dele com a torcida vai mal. Isso até os pés-de-moleque do péssimo calçamento de algumas ruas de Beagá sabem.

Voltou a reafirmar que não emprestará Kleber ao Palmeiras, nem que a vaca tussa e voe. Pensa no Gladiador atuando pelo Cruzeiro, mas faz negócio com ele, ou com outro jogador do elenco, se achar interessante para o clube.

Pitaco atravessado: “Se aparecer um grande jogador, não só pelo Kleber, mas pelo Fabrício, pelo Fábio vou analisar bem” de Zezé Perrela. Uma das bobagens da coletiva: Kleber, Fabrício e Fábio não são grandes jogadores, também?

Outro pitaco fora de hora do deputado: “acho que o título não, nosso foco é a Libertadores. Dá para sonhar com a Libertadores. Por enquanto é sonho. Temos que ganhar do Corinthians, do Santo André, uns três jogos seguidos para chegar lá”

E sobre Adilson Batista: espera a decisão do técnico, com quem já conversou e fez a proposta de renovação. Inclusive espera o “fico” de Adilson pra sair em busca de reforços dentro da parceria – inconfiável – que fez com a Traffic. Por que inconfiável? Veja o caso do meia Fernandinho, do Barueri: a Traffic acertou com o São Paulo e o Cruzeiro. Não é coisa de gente séria.

Tem jeito não: o pão do Fluminense não para de cair com a manteiga pra baixo. Na Sul Americana, os deuses aprontaram de novo com o tricolor carioca. Chegou a fazer 2 a 0 na Universidad do Chile, gols de Fred (hurra!) e permitiu o empate. Péssimo resultado pra partida de volta, em Santiago.

Vá lá no meu blog e acesse pra participar da enquete: o Flamengo vai passar o Galo? O endereço é www.flavioanselmodepeitoaberto.blogspot.com. Não deixe de dar seu pitaco, também.

O Xerox de Zezé Perrela do Ipatinga fazendo das suas: dispensou pela segunda vez o técnico Emerson Ávila. Hoje diante do Juventude, no Ipatingão, o Tigre ameaçado pelo descenso será comandado pelo auxiliar técnico, Gerson Evaristo. Como auxiliar do auxiliar estará o cartola Itair Machado.

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

PORCO SUJOU A PRÓPRIA ÁGUA

PORCO SUJOU A PRÓPRIA ÁGUA

É comum a Imprensa recomendar ao time grande pra tomar cuidado no enfrentamento contra qualquer pequeno “porque porco magro, também, suja a água”. Pois é, em Santo André, o Porco – apelido do Palmeiras – que já esteve gordo neste Campeonato Brasileiro e tem emagrecido a cada rodada da reta final, teve seu quarto jogo sem vencer: um empate e três derrotas. A última, diante do Santo André (2 a 0), botou lenha, gasolina, álcool e gás na competição.

Os dois gols de Nunes, o futebol de Camilo, ex-Cruzeiro, e a sorte e a competência do goleiro Neneca fizeram a festa de milhões de torcedores, afora dos palmeirenses. Até quem não está G-4, como Flamengo e Cruzeiro mandou acender velas em comemoração. A diferença de quatro pontos pode ficar reduzida a apenas um, se o Galo fizer o papel dele contra o Vitória no Mineirão neste sábado.

Imagino como será a festa no estádio da Pampulha, transmitida por todas as rádios de Minas Gerais, inclusive as sofridas emissoras do interior, se o cartola da Ademg, Dirceu Pereira, deixar.

Noite de quarta-feira negra para o Verdão e para o Botafogo. Este no Brasileiro, caiu, por enquanto, pra zona de rebaixamento. Na Copa Sul Americana, perdeu de 2 a 1, em Assunção, para o Cerro Porteño. No entanto, os cariocas que enfrentam o Flamengo domingo podem sair, de novo do buraco negro, caso vençam – o que espera a torcida cruzeirense – o clássico.

No torneio continental, existe o consolo: o gol na casa do adversário deu-lhe a vantagem: se vencer por apenas 1 a 0, na volta, classifica-se.

Na Liga dos Campeões da Europa, o goleirão Dida fez tudo pra estragar a festa dos brasileiros do Milan no Santiago Bernarbeu. Levou dois frangos. O primeiro horroroso, coisa de principiante. Quem se encarregou limpar a barra de Dida e de trucidar (3 a 2) o poderoso Real Madrid foi o menino Pato, autor de dois gols de oportunismo, e Ronaldinho Gaúcho, enquanto teve fôlego.

Falando em goleiro, me veio à lembrança o nome de outro goleiro que brilhou no Cruzeiro, além de Dida e Raul. Quando por aqui aportava este filho do Sodico, por volta de 63, o Cruzeiro acabara de dar um drible no Atlético (genialidade de Felício Brandi): roubou-lhe o goleiro Fábio.

Não era alto, tinha 1,70 e pesava 69 quilos. Mas de uma qualidade impressionante.

Fábio Arlindo Medeiros nasceu em Porciúncula, pequena cidade do interior fluminense, em 11 de novembro de 1940. Jogava no Operário local e foi indicado ao Atlético. Chegou e tomou conta da posição que andava carente, após a saída de Marcial. Ficou pouco mais de dois anos em Lourdes: em 1963, Felício Brandi que tinha em mente fazer um grande time pra inauguração do Mineirão (em 1965) tratou de tirar Fábio do Galo. Deu uma confusão dos diabos!

A troca debaixo dos panos trouxe problemas incontornáveis para Fábio e ele foi emprestado ao Vasco, em janeiro de 1964. Voltou em 1965 para integrar o grande time que Felício. Aí chamou a atenção do São Paulo. Naquela época, era fácil vir aqui em Minas e levar nossos craques para o eixo Rio/São Paulo.

Em janeiro de 66, Fábio foi jogar no São Paulo, numa troca envolvendo o atacante Marco Antônio e de quebra veio um menino de 18 anos, paranaense, chamado Raul Guilherme Plasmam.

Fábio esteve entre os 40 selecionados para o Mundial de 1966, mas foi cortado. Campeão paulista em 1967, retornou no ano seguinte para o Galo. Depois andou pelo Sport do Recife e encerrou a bela carreira. Em 82 jogos no Cruzeiro, este Fábio tomou 51 gols.

O atual, Fábio Deivson Lopes Maciel, nasceu em Nobres/MT, no dia 30/09/1980. Mede 1,88 e pesa 89 quilos. Está no Cruzeiro desde 2005 e veio pra resolver a lacuna deixada por Gomes, campeão da Tríplice Coroa em 2003 e negociado com o futebol holandês. E como resolveu!

Sem dúvida, o grande ídolo da torcida. Mas atravessou alguns pantanais assombrados pra chegar onde chegou no time da Toca da Raposa e no coração do torcedor.

Esta questão já pouco importa. Fábio faz um Brasileiro sem nenhum grande erro. Discute-se uma falha sua no jogo tal, ou naquele outro, mas não há como contabilizar os momentos extraordinários em que tirou o Cruzeiro do sufoco. Tem crédito para mais uns cinco anos.

Fábio começou a carreira em 1995, no infantil do União Bandeirante-PR. Passou a frequentar com constância as seleções de base brasileiras. Em 1999, veio emprestado para o júnior do Cruzeiro, com o passe valendo U$ 800 mil, após destacar-se no Mundial Sub-20. Em 2000, virou reserva de André, nos profissionais.

O Cruzeiro não topou investir aqueles poucos dólares em Fabio (se arrependimento matasse, né Zezé?) e ele foi devolvido ao futebol paranaense. Ficou pouco tempo. O Vasco o levou para São Januário. Não me lembro exatamente, mas parece que entrou na Justiça contra o clube e Eurico Miranda o colocou na lista negra – graças a Deus.

Foi contratado pelo Cruzeiro, em 2005, numa transação enrolada. Os mineiros deram uma grana alta e mais o passe em definitivo de Alex Dias; o Cruz de Malta ficou, ainda, com 40% do goleiro.

A perda da Libertadores este ano doeu mais em todo mundo por causa de Fábio. Fez uma excelente competição e por causa disso voltou à Seleção Brasileira. Somou 16 convocações.

Fábio ganhou os seguintes títulos: Copa do Brasil de 2000, Brasileiro de 2000, Copa Mercosul 2000, Campeonato Carioca de 2003 e Mineiro de 2006. Com a Seleção foi campeão Sul Americano sub-17, em 97; Mundial sub-17 no mesmo ano e da Copa America em 2004, no Peru.

Este excepcional atleta fez 296 jogos pelos celestes e sofreu 341 gols. Então, direis: “você tornou a Trincheira mais informativa?” Nada disso. Nem pesquisei.

Os números dos dois Fábio me foram fornecidos pelo boa-praça Marcone Barbosa, da Assessoria de Imprensa do Cruzeiro, a meu pedido. A intenção é homenagear Fábio sem babação de ovos. Também tenho direito à tietagem.

Me passou pela cabeça a ideia de comparar os números destes dois ídolos cruzeirenses: o atual de maior prestígio e números melhores; e o primeiro, o garoto lá de Porciúncula, sem a mídia de hoje, vive na lembrança de quem gosta do futebol jogado com arte.

Não me falem mais que Celso Roth é retranqueiro, medroso, depois da afirmação incisiva que fez no programa Arena Sportv: “O Atlético vai ser campeão". Nenhum treinador comedido, medroso, falaria com tanta ênfase em defesa de seu time.

Quando muito diria, com singeleza que uma cínica ética exige nessas ocasiões, que, se os outros times bobearem, se o Palmeiras não parar de tropeçar como aconteceu pela quarta vez em Santo André, o Galo chega lá. E chega mesmo.

PITACO DE FAIXA: "Estamos trabalhando para ser campeões" de Celso Roth no mesmo programa do Sportv.

Quando Emerson Leão ainda era treinador do Galo, a Trincheira, ainda publicada no jornal do deputado Vitório Medioli, informou que Alexandre Kalil estava atrás do goleiro uruguaio Carini. A informação chegou-me, via Wilson José, o repórter mais bem informado de Beagá.

Fora disso, é estultice certos meninos pretenderem assumir a paternidade de tudo que acontece nessas bandas. E como sou bobão lá do São João do Caratinga, não puxo o “esse”, nem torço pelo Flamengo, ignoro como se consegue fazer uma entrevista “exclusiva” com alguém que dá entrevista todos os dias na Cidade do Galo.

Pitaco do óbvio: Além da obviedade da informação sobre exclusividade, visto que o dito atleta, naquele momento, só falava mesmo pra dita emissora, dona da exclusividade nada exclusiva. Ainda vou entender: sou da roça, mas não sou bobo.

Um abraço para o ex-prefeito de Caratinga, Ernane Campos Porto, que, também, é da roça e não é nada bobo. A partir de hoje passa a receber no escritório esta perigosa Trincheira e, com certeza, estará disposto a acessar o blog – www.flavioanselmodepeitoaberto.blogspot.com e pitacar a vontade. Afinal, foi craque no Nacional de Muriaé.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

SAÍDA DE ADILSON NÃO É MISTÉRIO

Não existe nenhum mistério na saída de Adilson Batista ao final de seu contrato em dezembro. O técnico não diz nada porque é ético. E tem, ainda, um objetivo: colocar o Cruzeiro pela terceira vez consecutiva na Taça Libertadores. Mas o casamento chegou ao fim. As partes passaram a ouvir pitacos de terceiros, boa parte dos torcedores. Adilson ficou aborrecido com as constantes críticas, vaias e xingamentos que atrapalham até a sua vida cidadã na Capital. Não é toda torcida que pede a cabeça de Adilson; trata-se de uma boa parte que, no entanto, incomoda mais que prego na botina.

Moço educado, Adilson chateou-se com as vaias antes do gol da vitória sobre o Botafogo; de cabeça fria, deve ter sentido que melhor seria se tivesse imitado Maradona dando um mergulho no gramado do Mineirão. O “toma” que enviou aos torcedores inflamados soou de outra forma: pra alguns, certas palavras se perderam no barulho da torcida comemorando o gol de Thiago Ribeiro. Talvez um “vai”. E em vez de “toma” seria “tomar”. O resto fica na imaginação fértil do leitor anti-adilista.

Na Toca da Raposa, as maçanetas, os chuveiros, as torneiras sabem que Adilson não ficará. Os atletas amigos já lamentam; os dirigentes não têm mais argumentos de convencimento, mesmo porque são fazedores de média: nessa hora aceitam a pressão dos bravos membros das torcidas organizadas, sem correr risco de perder votos na próxima eleição pra deputado.

Da parte deste filho de dona Geralda é de lamentar a saída dele. No conjunto, Adilson tem feito bom trabalho. Como qualquer jovem entusiasmado, no entanto, pensa que se julga a única verdade. A insistência com esquemas defensivos em exagero e a falta de ousadia em renovar o time, mesmo quando não existe outra solução, minaram a relação com a torcida.

No futebol brasileiro, quase dois anos de convivência desgasta bastante. A turma de repórteres não muda, os críticos não mudam, a chatice não muda. Adilson tornou-se birrento por causa disso, e a turma do outro lado também. No meio, a torcida dos alienados leu, ouviu e viu uma montoeira de bobagens e não conseguiu formar uma opinião justa.

A parte boa da massa usou do seu direito de opinar, bem ou mal, sem sofrer influência. Quem acredita que a Imprensa existe pra formar opinião é alienado. Seu papel é de mero comunicador de fatos, de informações. Por eles, o cidadão inteligente forma a própria opinião.

Auto Pitaco: “O trabalho está bom, eu tenho consciência do que estou fazendo, o meu objetivo hoje é fazer o melhor nos últimos oito jogos para devolver o Cruzeiro à Libertadores”, de Adilson Batista.

Bom, pra não dizer que não falei de flores, vejo 2% de chance de Adílson Batista permanecer num contrato mais longo, como propõe, de público, Zezé Perrela. Só não sei se existe verdade nessa proposta. Num programa do Sportv, Adilson disse que é possível fazer contrato mais longo desde que o público passe a julgar com mais critério. Não apenas o seu trabalho, mas de qualquer técnico.

Mas, como Adilson, seria possível exigir critério na análise de apaixonado torcedor? Você viu, caro leitor, porque a Trincheira tem razão quando pede paciência com o jovem Adilson? Só os jovens, nos seus devaneios assombrosos, acreditam na possibilidade do impossível.

“A paixão é a falta de juízo da razão”, disse este filho do Sodico no seu primeiro livro “O Sorriso de Juliana”, cuja edição esgotou-se. Adilson entende que “é preciso mudar um pouquinho a mentalidade do torcedor, com paciência, aceitar, relevar”. Se ele tiver a fórmula, ensine-a pra gente.

Segundo afirmou no programa Arena Sportv, Adilson vai colocar na balança os fatos positivos nesses quase dois anos de trabalho: dois títulos estaduais, um Torneio de Verão no Uruguai, um terceiro lugar no Brasileiro de 2008 e duas participações na Libertadores, sendo que em 2009 foi vice-campeão. Do outro lado estará a insatisfação das partes. A decisão sairá do lado que pesar mais.

Nesta entrevista, Adilson Batista confirmou o que já havia dito ao companheiro Ramon Salgado, amigos desde Curitiba: não pretende sair do Brasil. Isso me desmente, pois antecipei sua volta ao Japão em 2010 para o Kashima, onde trabalhava antes de aportar na Toca.

Ainda dentro daqueles 2% de chances de que ele fique, Adilson afirmou que “no Cruzeiro, ou fora dele, a meta é ter maiores conquistas e ganhar mais prestígio na carreira”. Será que o ex-Capitão América tá de olho na vaga do Dunga na Copa do Mundo brasileira?

Porém, se você quer saber, realmente, alguma coisa sobre o Adilson Batista ou o seu futuro no futebol fale com o Fabrício. Também ele já deixou bem claro que Adilson dificilmente ficará na Toca. Seria mais fácil o Sargento Garcia prender o Zorro.

Nesses 2% de Adilson ficar quem sabe não esteja, também, o garoto Eliandro, 19 anos. Sem mais atacantes, além de Guerrón e Thiago Ribeiro (este com dois cartões amarelos), Adilson convocou Eliandro nos juniores. O burrinho do menino passa arriado. De repente, ele faz dois gols no Corinthians, a China Azul grita o nome de Adilson e o técnico anuncia: “se é para o bem do povo e felicidade do Flávio Anselmo, eu fico”.

Pressão mesmo sofre, também, o técnico do Galo, Celso Roth. E não é problema com as ausências de Corrêa, Carlos Alberto e Eder Luis, suspensos. Nesse caso, tem ótimas soluções: no lugar do volante pode voltar com Serginho; na lateral direita, entraria com Coelho e no ataque com Renteria. Pronto, um time forte pra enfrentar o Vitória no Mineirão lotado, neste sábado.

A pressão vem de Marques, há quase um ano afastado por contusão e há dois meses treinando normalmente, ele não para de reclamar indireta e sutilmente, pela mídia, uma chance de voltar logo. Marques se diz pronto e à disposição de Roth: “estou a fim de colaborar de alguma forma”, diz Marques possível candidato a deputado estadual ano que vem. Tá explicado.

O que vejo mais de interessante nesse papo é o jogo de cintura do Celso Roth. Os repórteres saem de Marques e correm ao Roth; este garante que há um trabalho paulatino e consciente com o atacante e que ele poderá ser aproveitado, não contra o Vitória, mas num próximo jogo. Ou seja, assunto empurrado.

Navego na Internet pelos lados de Salvador e leio que o Vitória tem dois desfalques sérios: Ramon Menezes e Vanderson também porque receberam o terceiro cartão amarelo. E que, no mesmo pé de igualdade com o Galo, tem boas peças de reposição. Na vaga de Ramon, volta Leandro Domingues, titular e afastado por contusão. De volante, a opção é Magal, tão bom na marcação como o titular suspenso.

Wagner Mancini, que recolocou o Vitória na trilha dos bons resultados, ocupando a nova posição, com 44 pontos, tem outras opções para o meio: Neto Berola, mais ofensivo, e o veterano Jackson, ex-Cruzeiro, mais de marcação e bom na chegada.

Veja como os dirigentes daqui, às vezes, parecem cegos, ou só enxergam longe, bem longe dos próprios umbigos. O atacante Bruno Mineiro, 26 anos, goleador do América na Série C, pode ser contratado pelo Besiktas da Turquia. Ele tem contrato com o Coelho até 2010 e foi emprestado ao Náutico, grande destaque atual do time pernambucano onde marcou cinco gols em cinco jogos. Na medida pro Cruzeiro, que não tem mais nenhum centroavante.

Pitaco milionário: O clube turco está disposto a chegar 3 milhões de euros pra levar Bruno Mineiro, ou seja, R$ 7,4 milhões. O mais interessante é que a multa contratual dele no América é de apenas R$ 2 milhões. Quem vai abocanhar o R$ 5 milhões restantes?

Você quer dar uma opinião sobre o assunto? Acesse www.flavioanselmodepeitoaberto.blogspot.com e dê seu pitaco. Aproveite e volte na nossa enquete: o Flamengo vai passar o Atlético? Sim ou não.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

O NEGÓCIO É MEXER COM A CUCA DE TARDELLI

Não há nenhuma chance de Diego Tardelli ir embora agora. O presidente Kalil já reafirmou isso centenas de vezes e não há porquê duvidar dele. Além do que a janela internacional de transferências se encerrou há tempos. Transações então só em janeiro. Bem, aí a conversa será outra e, dificilmente, o Atlético terá como evitar a saída do goleador. O Manchester City não faz segredo que tem 145 milhões de euros nos cofres pra aplicar em contratações. Deve entrar mais qualquer merreca caso Robinho insista na criancice de se mandar, por não aceitar a reserva. Iria pro Barcelona. Será?

Bem o assunto é outro; por favor, não me deixe desviar dele. A imprensa londrina já especulou sobre Ramires no City, junto com Maycon, ambos ex-cruzeirenses. Volta-se agora, também, pra Tardelli, apesar de suas duas fracassadas passagens pela Europa, no PSV Eindhoven e no Real Bétis, de Sevilha. Pesa em favor de Tardelli, contudo, sua convocação pra Seleção, 24 anos de idade e a chance de ir à África no Mundial.

Até aí, não comentei nada de novo. Matéria requentada.

Esta informação me chegou bem antes do que na sagaz mídia mineira. Veio-me via doutor Julinho, da Cidade e do Lar dos Meninos, competente advogado, atleticano e pesquisador de Internet. Não tive pressa em comentá-la, até porque a considerei tremendo chute de empresários que não têm nada pra fazer. Tardelli não precisa disso. Está em evidência como um dos artilheiros do Brasileiro, convocado por Dunga e com ótimas chances de seguir em frente na Seleção.

Então, se não precisa, por que foi plantada tal informação? Se não é fogo amigo, é fogo inimigo. Coisas usuais! O time que ameaça passa, de repente, por desmanche sem saber. Se o atleta entra no jogo deles, perde o foco e deixa de ser perigoso para os adversários. Desestabiliza o time.

Kalil sabe de tudo isso, pois tem mais de uma centena de sacos de laranjas chupadas nos vestiários. Expressão dele. Não chega agora ao circo do futebol.

Tenho outra confiança, além da vigilância do Urso Pardo. Diego Tardelli passa por momentos iluminados. Não tem jeito, não, pessoal. Bem, só se ele repetir a besteira que fez no Rio de Janeiro, pela qual pediu desculpas e foi perdoado pela Massa e por Dunga.

Pitaco Histórico: “Decadente é o Maradona que deixou de ser comparado com o Pelé para ser comparado com o Dunga” de autoria desconhecida.

Com o Corinthians fora da disputa do título de 2009 e sem razão pra disputar vaga na Libertadores que já conseguiu como campeão da Copa do Brasil, a Rede Globo entrou em parafuso e investiu de sola contra a fórmula de pontos corridos. A CBF resiste, até quando não sei. E o medo de Ricardo Teixeira de tornar-se vidraça outra vez no Jornal Nacional!

Luvanor de Castro, amigo da Trincheira, leitor assíduo em Governador Valadares, levantou-me a bola ao perguntar: “como ficam os outros grandes paulistas nesta inacreditável história sua?” Epa, isso não é coisa minha, não. Só comento as versões. A verdade é mantida na escuridão dos bastidores. Os outros clubes que disputam o título brasileiro, no entanto, servem tão-somente de alento. Ainda que tenham pesos, como São Paulo e Palmeiras.

Porém, na ótica global, com Ronaldo Fenômeno, parceiro de luta contra a investida da Record e de outros interesses, o charme do Corinthians é pra lá de espetacular. Por isso, não quer correr risco mais de ver o Timão longe das decisões.

Pra não se dizer que o ano foi perdido, alguns bons fluidos voltam com o crescimento do Flamengo. Lá está o Imperador Adriano, artilheiro do campeonato e quase Rei do Rio. Charme por charme, garanto que o Flamengo tem mais que o Timão. E o Rio de Janeiro, nem é preciso que eu diga nada, com relação à Paulicéia Desvairada.

É forte o apelo do Imperador no target nacional. Tão forte quanto o de Ronaldo Fenômeno por causa das circunstâncias mais atuais que o repatriaram. Ambos são, ainda, sucesso na Europa e deixaram saudade. Some-se a tudo isso, os dotes individuais da Cidade Maravilhosa, incomparáveis. Berço da Rede Globo, geradora de cultura e moda neste País.

Todavia, o Rio é pobre. Poluído. A bandidagem o emporcalhou, roubou tudo dele, inclusive aquele espírito carioca de ser. O dinheiro que sobra no Rio de Janeiro é o da droga e desse a Rede Globo quer muita distância.

Pitaco da grana: Quem produz, inclusive um bom samba estilizado, que tem o maior PIB tupiniquim, gera dinheiro aos montes é Sampa. É um pequeno país dentro dessa terra de Santa Cruz. Você pode até ver: lá tem enchente pacas, trânsito horrível, mas não tem violência exacerbada como o Rio.

Pelo menos no noticiário da maior rede de comunicação deste Brasil...

Daí o interesse pelo Corinthians, pelo mata-mata, por elitizar o futebol nacional e transformar o Brasileiro num macro Campeonato Paulista. A ideia é esta: se no Paulistão o dinheiro já rola, imaginem este torneio grande, reforçado por dois times mineiros, dois gaúchos e quatro cariocas?

Os demais vão disputar a Segunda Divisão, regiamente pagos, mas sem chance de regressar à elite, pois os maiorais estão blindados. Não pense que devaneio, que sonhei tudo isso. Trata-se de uma mera soma que tenho feito há anos sobre as manobras de bastidores.

Por que a coisa é vista desta maneira? Por causa da fragilidade financeira, técnica e moral do futebol nordestino. Exemplo: o Moto Clube que até já disputou a Primeira Divisão brasileira tá na Segundona do Maranhão. Lutava pra voltar à elite estadual, quando foi vítima de maracutaia desavergonhada.

Na última rodada do returno, goleou o Santa Quitéria por 5 a 1 e tinha excelente saldo de gols pra ser campeão da fase e disputar a volta com o Viana, campeão do primeiro turno. Então, o Chapadinha, adversário do Viana, botou ventilador na farofa do Moto Clube. Perdeu de 11 a 0. O Viana marcou nove gols nos últimos 10 minutos da partida, após saber o resultado do Moto Clube.

Na terra dos Sarney você vai duvidar de quê?

A aflição que atacou a Toca da Raposa na divulgação da cirurgia de Soares e que o afastará do futebol este ano, não tem motivo. É areia demais pro caminhãozinho de Adilson Batista que mandou os centroavantes, antes existentes, todos embora.

Se ousar inventa o menino Bernardo, marrento ou mascarado, como Marco Aurélio fez com Geovani. Bernardo é bom de bola, bom atacante. Ou, então, se define pelo garoto Eliandro que mandou vir dos juniores.

É assim que a meninada costuma aproveitar o burrico que passa arriado na vida de cada um deles.

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

GALO MERECE LABUZANAR-SE COM ESTE MELADO

Ricardinho, um dos importantes nomes da vitória do Galo sobre o São Paulo, sábado, no Morumbi, (1 a 0), pediu que todos dosassem a euforia da volta à vice-liderança. Mas, como evitar tudo isso, depois do fechamento da 30ª rodada amplamente favorável aos alvinegros? O Galo merece lambuzar-se todo nesse melado que não tinha a menor chance de provar quando o Brasileiro começou.

A conversa geral era de que o time lutaria pra não cair, ou no máximo escaparia do descenso, pegando a Copa Sul Americana.

Na reta final da competição, faltando oito rodadas ou e cada equipe disputando 24 pontos, o Galo de Celso Roth tem 50, é o segundo colocado, atrás do Palmeiras, líder com 54. É verdade que o G-4 tá mais embolado que abraço de polvo com aranha.

Só que o melado é outro: vem com gosto do título ou com uma vaga na Copa Libertadora. Então, meu caro Ricardinho, este pessoal, ainda que prematuramente, tem direito de comemorar à vontade. Lambuzar-se como queira.

A rodada vestiu-se de preto-e-branco. A começar pela vitória no clássico de seis pontos no Morumbi: o Galo superou os mais pessimistas e venceu onde calculavam derrota. A entrada de Ricardinho deu a inteligência que o time precisava pra jogar.

O retorno do goleador Tardelli deu ao ataque o matador que faltou no dérbi mineiro. Sábado que vem o Mineirão e a Massa farão a diferença contra o Vitória e quem sabe com mais entusiasmo. Basta que o Palmeiras ajude e continue em decadência e perca pontos contra o Santo André, nesta quarta-feira no interior paulista.

Direis: a rodada, também, não foi ruim para o Cruzeiro, também. Mas não foi tão boa quanto à do Galo. No sábado, o Avaí venceu o Goiás (2 a 1). Bom e ruim. Bom porque segurou os goianos; ruim porque o Avai encostou com 43 pontos contra 45 dos celestes. O empate seria o ideal.

O Galo vencer o São Paulo esteve na mesma situação. O melhor seria o empate. Palmeiras 0 x Flamengo 2, então, foi danado. O Mengão sobe e se afasta do Cruzeiro. O Palmeiras não preocupa, teoricamente, não preocupa o Cruzeiro, que não sonha com o título.

O empate Flu 2 x Inter 2 foi razoável, mas se o tricolor vence, melhor ainda. Boa a vitória (2 a 0) do Sport em cima do Corinthians e ruim a atropelada do Vitória (44) sobre o Náutico. Todos torciam por uma zebra no Barradão.
De qualquer forma, o melhor mesmo foi a vitória apertada, suada e sob vaia diante do Botafogo ( 1 a 0) no Mineirão. O time de Adilson Batista, com três beques, venceu após bom primeiro tempo e de um segundo lento e insosso.

Pra complicar a torcida chamou o treinador de burro na hora das substituições e teve o troco dele, quando Thiago Ribeiro marcou logo após. Gritou Adilson, em direção à torcida: “Toma”.

A extemporânea manifestação de Adilson pode ser condenada por muita gente. Pra mim foi normal. E não teve a intenção de mandar a torcida a lugar nenhum como querem alguns.

Usou a expressão “Toma”, como se quisesse dizer: “Tomou papudo!” Adilson é um rapaz educado, e só perde a compostura, sem ser ao extremo, quando os repórteres o apertam nas coletivas.

Outra bobagem é afirmar que o Cruzeiro não sabe jogar com três beques. Sempre jogou. Desde os tempos de Wanderlei Luxemburgo e de Maldonado. Agora Adilson tem Henrique que é beque e é volante dos bons. Depende do andamento da partida.

O que Adilson pretendeu, alcançou: neutralizar a tropa de choque ofensiva do Botafogo, ponto alto do time no momento.

PITACO: Não baixou em mim o espírito de Maradona” brincou Adilson Batista na coletiva pós jogo.

A justificativa de Estevam Soares pra derrota do Botafogo jamais ouvi no futebol. Segundo ele, o bandeirinha que marcava o ataque carioca e a defesa azul, José Teixeira, marcou um impedimento inexistente. E concluiu: “na sequência eles fizeram 1 a 0; e depois foi só linha contra defesa.”

Ou seja, a assistente não anulou nenhum gol. Apenas marcou um impedimento, segundo Estevam, inexistente e dois lances depois Thiago marcou. O que tem uma coisa com outra?

Ex-jogadores que passaram por aqui destacaram bastante nesta rodada: o goleiro Jefferson impediu, no primeiro tempo, que o Cruzeiro, seu ex-time, abrisse o placar e conseguisse uma vitória tranquila. E o veteraníssimo Petkovic, que arrebentou com o Palmeiras, com direito a um gol olímpico, contribuiu pra alegria do seu ex-Atlético.

Pitaco da dúvida: qual dos velhinhos recuperados ou importardos é o melhor do Brasileiro?

O acidente com Soares, que deixou todos preocupados, - mas com certeza não passará de susto – abriu espaço pra pressão final botafoguense. Nada, além disso. A saída de Leandro Lima, também me pareceu errada. Fernandinho podia ter entrado no lugar de um beque, Thiago Heleno, por exemplo.

Como você analisa esta rodada: acesse WWW.flavioanselmodepeitoaberto.blogspot.com e dê seu palpite, ou Pitaco.

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

NAS CONTAS OTIMISTAS, ESTAMOS LÁ

Uma das coisas que mais me agradam no futebol é ler as projeções otimistas e parciais dos torcedores de redação. O time deles só vai em frente; os que estão na frente só caem; os que estão atrás, encostados, não sobem. Antes do fim das rodadas isso é tão bom quanto um prato de jiló acebolado no Mané Doido, point do Mercado Central, degustando a cachaça do Geraldo Teiado lá do Caratinga. Se não tiver, pede logo Seleta.

Devaneie sobre São Paulo x Galo neste sábado no Morumbi. Confronto de seis pontos e não importa se os sãopaulinos têm o mando de campo. O Galo, reforçado de Diego Tardelli na frente, Ricardinho no meio e Jorge Luiz na defesa, é imbatível. Em disputa seis pontos, posto que ambos brigam na cabeça dentro do G-4. Coitado dos bambis!

Nem a volta de Miranda - aquele becão da roça que agrediu venezuelano e foi expulso num mero amistoso - que estava na Seleção, junto com Tardelli, ajudará a turma de Ricardo Gomes Galo na cabeça!

O pulo deste sábado será enorme: os de Celso Roth chegarão à vice-liderança com 50 pontos, contra os atuais 49 dos tricolores. Internacional (48) não pontuará diante do Fluminense, no domingo; como o Goiás (46), também, fracassará, contra o Avaí, em Floripa, o Galo nadará de braçada na 30ª rodada.

O melhor foi guardado pro final: o líder Palmeiras (54) continuará a sina maldita: será derrotado pelo Flamengo (46) – epa! olhai eles chegando – no Palestra Itália. Porco e Galo viverão, segundo os otimistas de plantão nas redações alvinegras, a balança de “água pro morro abaixo, fogo pro morro cima...”.

Pitaco sonhador: Taí, ninguém segura este Galo de Tardelli, pelo visto.

Os otimistas celestes de plantão nos jornais e nas emissoras de rádio e televisão analisam o início da 30ª rodada cá de fora da mesma forma. Só que pra eles, será um simples jogo de três pontos contra o Botafogo, no Mineirão. Favas contadas!

Ainda que Adilson anuncie o Soares de centroavante (arre!). Afinal, Adilson fez um favor ao time ao dispensar todos os atacantes fixos, à exceção de Wellington Paulista, lesionado e fora por 15 dias. E por pouco Paulista não foi, também, trocado por Zé Roberto do Flamengo. O estoque terminou com Rômulo.

Pitaco saudoso. Direis: “centroavante não nada nas águas do ex-Capitão América que viveu maus pedaços com essa turma...” Agora faz a torcida sofrer com Soares.

Sem entrar em campo, acompanhando tudo naquele hotel 20 estrelas da Toca da Raposa 2, os rapazes de azul garantem, como já se manifestaram os matemáticos cruzeirenses nas redações: os três confrontos deste sábado terminarão empatados.

Além de São Paulo x Galo, também Grêmio Barueri (41) x Santos (40); Avaí (40) x Goiás (46) somarão tão-somente um ponto cada. Ou, na pior das hipóteses, apenas quem estiver atrás do Cruzeiro (42) – sétimo colocado – haverá de vencer.

Afinal, no domingo, o time de Adilson Batista, sem centroavante, triturará o Botafogo com seus quatro goleadores: André Lima, Jobson, Victor Simões e Reinaldo. E o pobre do Adilson não tem nenhum. Sem problema! Ainda assim vai dar Cruzeiro, na visão dos otimistas de plantão.

E projetam mais em suas bolas de cristal: no domingo, o Coritiba (34) baterá no Grêmio (42), em pleno Olímpico; O Fluminense – lanterna – derrubará o Inter (48), no Maracanã; aqui concordam Raposa e Galo; mas o líder Palmeiras cortará as asas do Flamengo (45) – cruzeirense torce pro Atlético não ser campeão, e se preocupa apenas em entrar no G-4.

O Timão, dodói global, com 42 pontos não escapará de levar uma agradável goleada, na visão dos otimistas, do Sport, na Ilha do Retiro. Até bom pra facilitar a vida dos pernambucanos, ameaçados de perder os seus dois times na Série A.

Quanto ao jogo Atlético Paranaense x Santo André, o profeta azul não liga pra quem vá vencer, porém garante que o Náutico segurará o Vitória (41), no Barradão de Salvador. Anote aí e cobre na segunda-feira. Esses otimistas de plantão, nos dois lados, não erram nunca.

Ou pelo menos pensam assim: no clássico, por exemplo, todos acertaram. Os cruzeirenses porque acreditavam na vitória e os atleticanos porque sabiam que o time permaneceria no G-4. Estava escrito nas estrelas, dizem...

Não me peçam mais nada: tudo que sei e sobre o qual me informei, botei aí na Trincheira, em primeira mão. O resto é minha contribuição pra que você, leitor amigo, forme melhor sua opinião. Esse negócio de informar é coisa de repórter. Subi a ladeira: estou na cabine.

Pitaco de mãe: “Aí, Jesus – diria dona Geralda - este menino vai me dar uma trabalheira danada”. A veneranda senhora que se vire lá no Céu, pois aqui na terra continuo dando o mesmo trabalho.

O caminho pra pitacar na Trincheira agora é o meu blog. Acesse www.flavioanselmodepeitoaberto.blogspot.com e xingue a vontade. Vote, também, na enquete: “quem disse mais bobagens após o clássico: Kalil ou Perrela?”

Não posso deixar de voltar a falar sobre a decisão da Rede Globo de exigir o fim do Brasileiro com pontos corridos e retornar ao arcaico e vencido sistema de mata-mata. A CBF é contra, mas o Ricardo Teixeira morre de medo deles.

Na última vez que quis enfrentá-los pra estudar a proposta da Record teve sua vida devassada e exposta. Não que seja limpo a ponto de não merecer uma sacudida pra derrubar algumas maças podres. A questão é o motivo. Os times são vaquinhas de presépio e defendem apenas a grana. Não sei como se postará o Ministério Público em razão do Estatuto do Torcedor.

O Tigre tá numa boa: não corre o risco de cair pra Terceira Divisão e nem tem possibilidade de ascender à Série A. Tá no lugar que merece: não precisa correr feito maluco pra aspirar uma volta; nem com a ajuda dos deuses do futebol. Aconteceu uma vez...tá danado de bom. Neste sábado, o Ipatinga recebe, à noite, o Paraná no Vale do Aço. Juntou a fome com a vontade de comer.

Diz o filho de seo Vicente e dona Terezinha, o menino Chico Maia, que meus rancores estão guardados numa geladeira que trago no peito aberto. Não só meia verdade. Diz, também, que eu popularizei algumas expressões fora de uso nesse rotulado e cínico mundo de “paz e amor”.

São elas: a) amigo meu não tem defeito; inimigo eu ponho; b) inimigo se estiver morrendo na sombra puxou pro sol; amigo, busco-lhe a árvore mais frondosa de sombra celestial. Também são meias verdades. Mas que amigo meu manda neste pedaço da Trincheira é verdadeira inteira.

Veja meu amigo e prefeito de Montes Claros, Luiz Tadeu Leite. Mandou nota superada pra coluna e pediu que eu a publicasse. Ordens de amigo são ordens obedecidas, não se discute. Não sei se você, leitor, sair correndo ainda terá tempo de pegar algum jogo.

PITACO DO VÔLEI – Começou nesta sexta-feira, a segunda fase do campeonato mineiro de vôlei masculino, com a grande novidade deste especializado: o Montes Claros/Funadem, que venceu o último Desafio Globo Minas, derrotando os três primeiros lugares da Superliga do ano passado. Na sexta, teve na Arena-Minas da Rua da Bahia, Montes Claros X Minas, cujo resultado você, leitor amigo, soube primeiro que a Trincheira. Neste sábado, às quatro da tarde,no Ginásio Mackenzie, jogam Sada-Cruzeiro X Montes Claros.

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

O CIRCO TÁ QUASE ARMADO

Das 32 vagas reservadas pela Fifa pra realização da Copa do Mundo, 22 estão ocupadas. Falta a turma da repescagem. Na América do Sul, as vagas foram preenchidas conforme se esperava, não como se torcia. Brasil, Paraguai, Chile e ... Argentina, que ganhou do Uruguai (1 a 0) em Montevidéu.

PITACO DIVINO: A Guerra do Rio da Plata que não aconteceu. Não houve vítimas. Entre mortos e feridos, salvaram-se todos. Os deuses conspiraram em favor dos hermanos.

O Paraguai só viveu o sonho de terminar as eliminatórias com o simbólico título de “campeão”. Com igual preguiça dos brasileiros, os guaranis tropeçaram na Colômbia, sétima colocada, e perderam (2 a 0) sem nenhuma preocupação. Afinal, uma das vagas é deles.

O Equador, que tinha alguma esperança, dançou eliminado, em Santiago, com a vitória chilena (1 a 0). O Uruguai disputará a vaga da repescagem com Honduras ou Costa Rica.

Com isso, a paz voltou entre os súditos argentinos do gordo e antipático deus do futebol. A cara de Dieguito Maradona foi de sofrimento o tempo todo até que conseguiu o gol salvador já no final da partida. De repente, voltou a ser o ídolo, o deus-salvador. Pra quem gosta!

A Seleção de Dunga fez um giro turístico pelo pantanal matogrossense e decepcionou a enorme torcida que lotou o Morenão. Pra dizer que não houve nada de anormal no insosso 0 a 0, Miranda agrediu um adversário e levou cartão vermelho. Se for à Copa, não joga a primeira partida.

Na Europa, a sensação ainda é a Espanha, classificada pro Mundial com 100% de aproveitamento. Fez 10 partidas e venceu todas. Portugal conseguiu vaga na repescagem, mas as duas Coréias – do Norte e do Sul – estão lá. O quê se há de fazer? É duro, não? Então, tome um Dreher...

Outras figurinhas carimbadas em Copa do Mundo garantiram suas vagas: Inglaterra, Alemanha, Suíça, Estados Unidos, México e Holanda. Pode-se chamar Austrália, Japão e Gana de figurinhas carimbadas? Se as Coréias vão lá, por que não estas outras seleções?

O quê, me esquecia da Itália, Sérvia e Dinamarca? Seria um absurdo, principalmente quanto à Azurra, sempre candidata ao título como Brasil, Alemanha e Argentina. Acrescentem-se, então, as figurinhas da Costa do Marfim, o melhor futebol africano na atualidade e a África do Sul, como sede da Copa.

Navegando pela Internet, esbarro na informação de que o ex-goleiro Ubaldo Fillol, campeão mundial de 1978, e com boa passagem pela Gávea, atravessou o Rio da Plata de barco pra ver a classificação dos patrícios. O repórter Thayan Barreto, do Portal Lancenet, ficou em débito. Não informou se Fillol atravessou num barco à vela, a remo ou a vapor?

Na minha enquete atual no meu blog – www.flavioanselmodepeitoaberto.blogspot.com – quem vencerá o clássico houve empate em 46% e 8% pro empate. A enquete atual pergunta: quem falou mais bobagens após o clássico: Kalil ou Perrela? Acesse e vote. Por enquanto, Perrela tem 66% dos votos.

Recado pra Adilson Batista: sem Wellington Paulista, por 15 dias, e Kleber, até quando só Deus sabe, você tem a obrigação de descobrir no elenco outro centroavante. Com Thiago Ribeiro, Guerrón e Souza seus planos pro G-4 entrarão água.

PITACO: Os centroavantes que haviam no elenco, Adilson dispensou. Então terá de voltar aos tempos de Professor Pardal.

Como as inscrições foram fechadas, Adilson terá de arrancar da sua cartola mágica um nome pra botar na área. Caso contrário, vai pingar bola pra quem? Só ficaram nanicos.

PITACO DE ANTANHO: “Apesar da posição incômoda na tábua de classificação, o Botafogo vive boa fase”. Tá no Portal Uai. Há quanto tempo não vejo “tábua” no lugar de “classificação”.

O goleador Diego Tardelli, que segundo a maioria foi o fator de desequilíbrio no clássico em favor do Cruzeiro, com a sua ausência, retorna neste sábado contra o São Paulo, no Morumbi. Completa a tropa de choque abre-alas do Galo, ao lado de Eder Luís. O momento é o mais apropriado possível, pois se trata de um confronto de seis pontos.

Galo e São Paulo travam uma briga direta pelas primeiras colocações no Morumbi, sítio dos inimigos, onde são bem fortes. Na quarta posição, com 47 pontos, o Galo dá um pulo dentro dos conformes, sem vencer os sãopaulinos que têm 49, na vice-liderança.

PITACO SEM MEDO: “Sabemos que vamos encontrar muita dificuldade, que vai ser um jogo de seis pontos. Talvez o mais difícil do campeonato”, do beque Jorge Luis, de volta à equipe.

Já escrevi aqui nesta democrática Trincheira que dona Geralda sempre me perguntava nas repreensões: “e por acaso você estava rezando?” O goleiro Bruno, do Flamengo, sofre acusações de sequestro e agressões físicas por parte de sua ex-namorada, Eliza Samúdio.

PITACO NATALINO: Eliza diz que espera um filho dele e por causa disso, Bruno e mais três amigos a seqüestraram na madrugada da última terça-feira querendo obrigá-la a abortar.

Na Delegacia de Atendimento a Mulher, Bruno sujeito a enfrentar processo de lesão corporal, sequestro, ameaça e tentativa de aborto, disse que a moça apenas busca seus 15 minutos de fama. É a palavra de um contra o outro. Mas como diria dona Geralda: “E você estava na Igreja rezando?”

Lembrar é preciso: em Ribeirão das Neves, onde nasceu e morava nos seus tempos de Galo, Bruno esteve envolvido em várias confusões que terminaram numa delegacia de polícia. E depois diz que, se encher o saco, vai transferir-se pro futebol europeu. Mas onde?

Na agenda: convém você não se esquecer que nesta sexta-feira tem Brasil x Gana na decisão do Mundial Sub-20. Prepare-se pra ver a meninada canarinho contra os “gatos” africanos. Cada toco de homem que tem tudo, menos de 20 anos. Com certeza!

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

CACOS DO CLÁSSICO

O jogo entre Atlético x Cruzeiro não dura apenas os 90 minutos legais. Nem começa no dia e na hora estabelecidos na tabela. Começa semana antes e termina semana depois. Eta joguinho demorado! Tomemos como base este último que não foi nenhuma “brastemp” e nem era decisão. Porém, teve início uns cinco dias antes do previsto, com reuniões na Federação, briga pelos túneis, declarações maldosas de ambas as partes. Terminada o confronto, com a vitória cruzeirense (1 a 0), iniciou-se a prorrogação de bastidores.

Ainda bem que este não teve choro e ameaças contra arbitragem. Sálvio Espínola apitou dentro dos conformes. Excelente. Sobraram as declarações intempestivas, irritantes. Aí a Trincheira pergunta: em que nível você, caro leitor, colocaria as declarações de Zezé Perrela e Alexandre Kalil após o clássico?

Esta é a pergunta da enquete do meu blog – www.flavioanselmodepeitoaberto.blogspot.com – que você pode acessar à vontade e dar seu pitaco, também. A propósito, quero informar aos leitores que sempre me prestigiam com mensagens – às vezes doces, às vezes amargas – na sua maioria sentando a pua na cartolagem que, a pedido dos jornais de várias cidades, passarei a registrar tais mensagens apenas no blog.

Zezé Perrela, como sempre, com aquele sorriso maroto, de gordinho levado, cara bem redonda, usou o tamborete dos holofotes pra azucrinar Alexandre Kalil. Deu o troco nas declarações do pré-jogo. Foi sarcástico, nada diferente das vezes anteriores, mas não ouvi nada ofensivo ao time e à torcida. Apenas provocativo. Cutucou o Urso Pardo.

As de Alexandre Kalil mantiveram o velho estilo de xerifão, dono do pedaço. Cara fechada, afirmou que “dói pra burro perder do Cruzeiro” e não buscou culpados. Coisas do futebol. Ao dizer que o Atlético jogou como time grande e o rival como time do interior soltou, com todos os direitos, o torcedor decepcionado que traz dentro de si. Aliás, uma fera enjaulada.

Também não vi, nem li, nada demais nas declarações de Kalil. Já existiram coisas piores, momentos mais lamentáveis. Kalil hoje, conforme tenho dito, fecha a cara, não exibe nem um parco sorriso daqueles que nos mostra nos bastidores, mas não agride. Paz e amor, é o lema.

O sarro de Perrela e a promessa de Kalil de brigar sempre pelo túnel da direita e avisar que ninguém vai lesar mais o Atlético, enquanto ele for presidente, fazem parte do jogo de cena que mantém viva a rivalidade séria e necessária entre os dois gigantes do futebol mineiro. E que as torcidas entendam assim e não saiam dessa linha.

Quebrar ônibus, por exemplo, não tem nada a ver com essas posições presidenciais: isso é vandalismo, coisa de arruaceiros. As torcidas organizadas, se fossem, realmente, tão organizadas, deveriam ajudar a combater entregando os predadores da coisa pública. Pra que a Justiça fizesse sua parte, metendo-os em cana.

Entretanto, as declarações de Celso Roth, ao pretender seguir os passos do Poderoso Chefão, desceram ao ridículo. Primeiro porque não assume sua parcela de culpa na derrota, ao deixar Jonilson na linha de três zagueiros e Ricardinho no banco. Depois ao lamentar, numa desculpa porca, a falta de Tardelli; acabou com a auto-estima dos demais atacantes. A torcida e a mídia podem dizer isso, o técnico tá proibido de lamentar tal situação.

Finalmente, ao buscar justificativa esbarrou na falta de ética, ainda que, num jogo de palavras – “com devido respeito ao Cruzeiro” – julgou-se liberado pra dizer que “Atlético jogou como time grande e o rival como time pequeno”. Aí entendo que a emenda ficou pior: perder em casa, na frente de sua torcida, prum time pequeno é desfaçatez total. Melhor: incompetência.

PITACO: Celso Roth, como profissional, desrespeitou um grande time onde poderá trabalhar um dia, quem sabe!

O técnico alvinegro faltou com a ética ao atingir, indiretamente, Adilson Batista. Mesmo que parte da torcida e da crônica entenda que Adilson apequenou seu time ao colocar Elicarlos, volante brucutu, no lugar de Gilberto e, por fim, tirar Thiago Ribeiro.

Ele evitaria, com certeza, toda aquela pressão do segundo tempo, apenas trocando Gilberto machucado por Leandro Lima e Wellington Paulista por Guerrón.

As declarações de Adilson, incrível, foram serenas, talvez em razão da vitória. Respondeu todas as perguntas na coletiva com a paciência de São Francisco de Assis. Será que eu cometeria perjúrio ao afirmar que Adilson teve tanta paciência como este filho de Dona Geralda?

PITACO DA HUMILDADE: Bom que Adilson tenha reconhecido o erro na troca de Gilberto por Elicarlos. Mas, por favor, não repita essa asneira.

Vou continuar dentro desta linha de raciocínio: você assistiu Brasil 1 x Costa Rica 0pelo Mundial Sub-20? Lembra-se que na fase de classificação o Brasil goleou essa mesma seleção por 5 a 0, num placar meio mentiroso, porque a simpática Costa Rica não merecia? Pois bem, nossos meninos jogaram que nem “time pequeno” - copiando Roth - pra garantir uma das vagas na final do torneio.

Então eu penso: se jogarem assim contra os “gatos”, os falsos sub-20 de Gana na decisão desta sexta-feira apanham feio. Porém, o futebol atual não é assim: antes da técnica maior, funciona a parte tática seguida de o preparo físico. Roth precisa avaliar a parte tática do time ele – o preparo físico vai bem – antes de rotular de “pequenos” os adversários que o vencem.

O cruzeirense Artur Azevedo, presidente da empresa holding do Grupo Seculus, feliz da vida me ligou pra comentar sobre o jogão e revelou: estava preparando outra festa de arromba, em seu sítio, caso o Cruzeiro tivesse ganho a Libertadores ou o Brasileiro. Em 2003, na Tríplice Coroa, Artur fez uma festa que teve a presença de cerca de 250 torcedores amigos e cinco ex-presidentes, além de, na época, o mandatário, Alvimar.

Porém, Artur Azevedo me garantiu que a festa tá apenas adiada. E o melhor deixou para o final do papo: “disse aos meus filhos que se eu morrer uma semana e a festa estiver marcada para a mesma data da Missa de 7º Dia, adiem a missa e realizem a festa em minha homenagem, também”.

terça-feira, 13 de outubro de 2009

ERRAR É HUMANO, MAS PERSEVERAR..

Errei, sim.E o mais interessante é que, desta vez, ninguém me chamou a atenção. O Brasil, apesar da derrota em La Paz, manteve a liderança e só a perde caso seja derrotado ou empate com a Venezuela nesta quarta-feira, em Campo Grande. Desde que o Paraguai vença a Colômbia em Assunção. Então superaria a gente em número de pontos. Errei ao afirmar que os guaranis assumiriam a liderança porque têm maior número de vitórias. Nas Eliminatórias, o primeiro quesito de desempate é o saldo.

Confesso meu erro, mas a Fifa devia confessar o dela, também, e mudar o regulamento. O mais justo, como primeiro critério, é o número de vitórias, como sucede no Brasileiro. De qualquer forma, em primeiro ou em segundo, o Brasil não leva troféu algum, além da vaga pro Mundial da África, já garantida.

A decantada coerência de Dunga deveria funcionar contra a Venezuela e não mexer no time de La Paz, exceto no necessário. Pra que usar Adriano, por exemplo, que nem se recuperou direito da contusão? Entendo que Diego Tardelli merece uma chance de tempo todo, o mesmo acontece com relação a Diego Souza, este, então, prejudicado ao extremo pela altitude.

Já vivi uma situação de quase decisão entre uruguaios e argentinos. No Mundialito de Montevidéu. O Brasil fez uma das semifinais com a Argentina, e a torcida uruguaia em peso esteve do nosso lado. Não porque goste da gente. Mas porque temia uma final Uruguai x Argentina, jogo de alto risco. Montevidéu antes mesmo já se tornava uma praça de guerra nada favorável aos portenhos.

Pra felicidade geral da nação celeste olímpica deu Brasil e como ela ganhou a outra semifinal, a grande final foi entre nós. A seleção tupiniquim era comandada pelo Mestre Telê Santana. Perdemos por 2 a 1. Foi o primeiro dos três títulos mundiais que Telê e este filho do Sodico perderam juntos. Acredito que o pé frio, realmente, era eu.

Prestígio de Lionel Messi na Argentina anda mais sujo que poleiro de galo. Numa enquete do jornal “Clarin” perguntou se a seleção pátria poderia abrir mão do talento de Lionel: 60% responderam que sim, que o querem no banco de reserva.

No entanto, o jornal britânico The Sun deu uma notícia que encheu de cifrões os olhos de Zezé Perrela: o Manchester City separou 45 milhões de euros pra contratar Ramires e Maicon. Claro que respinga – e muito – dinheiro nos cofres do Barro Preto como clube revelador dos dois craques da Seleção de Dunga.

E o Benfica que pagou 6 milhões de euros por Ramires embolsaria poucos meses depois 25 milhões, líquidos. Afe Maria!!!

Tanto vale a goleada de cinco a zero como a magra vitória de uma a zero se a questão não envolve saldo de gols. Costa Rica aplicou tremendo suadouro no Brasil, mas perdeu de 1 a 0. Como os “sub-20” despistados de Gana ganharam da Hungria (3 a 2) a final promete ser emocionante: Gana x Brasil. Os nossos meninos, de novo, numa decisão contra os “gatos” africanos. Nesta sexta-feira.

Deixa eu contar um negócio pra vocês: tenho recebido mensagens fortes, ofensivas, aos dirigentes de Atlético e Cruzeiro. Na minha coluna diária, que vai pra vários assinantes e jornais não vou mais publicar mensagens, a pedido dos próprios leitores e dos jornais.
Assim, o meu blog – e somente ele – ficará aberto às porradas dos leitores. Acesse www.flavioanselmodepeitoaberto.blogspot.com e xingue à vontade.

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

GALO PERDE MAS NÃO SAI DO LUGAR

Porém, o maior salto na classificação foi do Cruzeiro com esta vitória apertada, suada e difícil no clássico (1 a 0, gol de Wellington Paulista). Com os resultados da 29ª rodada, o Galo, se vencedor, estaria na vice-liderança a quatro pontos do Palmeiras, que foi derrotado (3 a 0) pelo Náutico, no Recife. O Galo deu sorte de continuar no G-4 com o empate (1 a 1) entre Goiás e Sport, no Serra Dourada.

Os matemáticos começam a rever suas furadas projeções: o Flamengo, 46, em sexto lugar, e o Cruzeiro, 42, em sétimo, estão bem pertos do G-4, ameaçando Inter, 48; Galo, 47 e Goiás, 46, que descem a serra perigosamente.

Na próxima rodada, no final de semana, a Raposa recebe o Botafogo e o Galo tem um confronto decisivo contra o São Paulo.

Pra quem gosta de fazer projeções a 30ª rodada tem Palmeiras x Flamengo, no Palestra Itália (jogo pra quem tem coração forte, que nem sãopaulinos e atleticanos), Fluminense x Internacional; Avaí x Goiás, em Florianópolis, pra ficar nas partidas que envolvem a turma da briga pela Libertadores.

O Corinthians, 42 pontos, sétimo colocado, já com vaga garantida na copa continental, não conta nessa briga. Mas, Grêmio, 41, que recebe o Coritiba, e o Vitória, os mesmo 41, que terá o Náutico de adversário, em Salvador, não podem ser esquecidos.

O Brasil não é mais o líder das eliminatórias. Perdeu o primeiro lugar para o Paraguai. A tendência é que as posições não mudem na rodada final, nesta quarta-feira. Após a derrota (2 a 1) pra Bolívia, na altitude de La Paz, o time de Dunga perdeu uma invencibilidade de 16 meses e a liderança.

PITACO - Serei repetitivo: A única vantagem que a Bolívia leva nas eliminatórias é a altitude. Quando a Fifa acabar com isso, terá um futebol pior que o da Venezuela.

O Paraguai que derrotou a Venezuela (2 a 1) fora de casa, chegou aos mesmos 33 pontos dos brasileiros, porém com 10 vitórias contra 9. Na última rodada, enquanto a gente enfrenta a Venezuela em Campo Grande, o time guarani joga em Assunção contra a Colômbia e deve vencer. As posições não mudariam, mas não alterariam nada com relação à Copa. Na América do Sul, Paraguai, Brasil e Chile estão classificados.

A briga fica entre Uruguai x Argentina, em Montevidéu, pela última vaga. O time de Maradona suou sangue pra derrotar o Peru (2 a 1, com de Palermo impedido, aos 47m do segundo tempo) e o Uruguai arrancou três pontos sobre o Equador, em Quito, de forma não menos sensacional. Forlan fez o gol, de pênalti, aos dois minutos do fim.

A Argentina se classifica com o empate. Quem perder vai pra repescagem dependendo do resultado de Chile x Equador que jogam em Santiago. A Venezuela tem mínimas chances de lutar pela repescagem. Pra começar, precisa bater no Brasil de 14 a 0. Tá mais fácil a Chita divorciar-se do Tarzan.

A 29ª rodada foi excelente no início para os mineiros e terminou mal na segunda-feira pro Atlético. A vitória do Barueri (2 a 1) no Coritiba, lá no Couto Pereira, não agradou aos cruzeirenses, nem a do Flamengo (2 a 1) sobre o São Paulo, porque o Mengão chegou aos 45 pontos e encostou no G-4. Mas agradou aos alvinegros.

Outro resultado bom pro Atlético foi o empate (1 a 1) do Internacional com o Atlético Paranaense em plena Beira Rio. O Inter estacionou nos 48 pontos. No feriado, houve jogos simultâneos, e só teve coisas boas pra Raposa: venceu o clássico no sufoco; Santos, Vitória e Avaí, pontuaram pouco.

O Peixe ficou no 0 a 0 com o Vitória, na Vila Belmiro; e o Botafogo, na base da reação – perdia de 2 a 0 – arrancou o empate em casa contra o Avaí. Bom pro Avaí, que tem 40 pontos; péssimo pro time carioca que briga contra o descenso.

Irritado com a imprensa paulista que destacou o retorno de seu mau humor, Murici Ramalho foi mais agressivo, ainda, ao comentar a goleada que o líder levou do Náutico (3 a 0) no Recife. As demais torcidas do País agradecem aos pernambucanos que impediram o Verdão de colocar oito pontos em cima do segundo colocado, o São Paulo.

Ao terminar o clássico do Mineirão, as mensagens caíram na minha caixa: a maioria queria saber se era preciso a torcida cruzeirense passar tanto sufoco no clássico? Preciso não era, mas foi uma coisa natural. O Galo tinha mais a perder que o Cruzeiro.

Explico logo: se a vitória colocava o Galo na vice-liderança com uma real possibilidade de ter uma vaga na Libertadores ou ser campeão nacional, a do Cruzeiro apenas o mantinha vivo na competição e dentro das pequenas possibilidades de chegar ao G-4.

Desde as escalações dos times e dos bancos ficou clara a intenção de Adilson Batista: levou dois beques – Caçapa e Thiago Heleno –e um volante brucutu. Apenas Leandro Lima como homem de armação, e Guerrón como atacante. Na contusão de Wellington Paulista usou a única alteração possível: Guerrón. Na saída de Gilberto, inventou com Elicarlos. Aquela história de fazer Jonathan armador.

O aperto era tanto que ele teve de usar Leandro Lima no lugar de Thiago Ribeiro e passou ao esquema 3-6-1, que tanto gosta. O coração cruzeirense quase saltou pela boca. Se em vez de dois beques tivesse levado Bernardo, também, teria o substituto ideal de Gilberto.

Eu sei e já informei aqui nesta Trincheira o problema entre Adilson e Bernardo. Considera que o estrelismo exagerado de Bernardo, ao subir para os profissionais, atrapalhou sua carreira. Mas não existe outra maneira do treinador combater isso nos jovens?