quinta-feira, 29 de outubro de 2009

PORCO MAGRO SUJOU A ÁGUA E O GORDO LAVOU A ALMA

Deu tudo errado: o Galo não venceu o Fluminense e o Palmeiras goleou o Goiás. Com isso, o Verdão manteve-se na liderança com 57, seguido do São Paulo com 55. O Galo caiu pra terceira posição, com 53 pontos; o Inter é o quarto com 52 e coladinho nele, em quinto, está o Cruzeiro de Adilson Batista com 51 pontos e 15 vitórias. O Fluminense, que vem domingo a Beagá pegar o Cruzeiro, venceu e não se mexeu. Continua lanterna, agora com 30 pontos e o Goiás, goleado e fazendo o cartaz de Obina autor de três dos quatro gols palmeirenses, estacionou nos 47 pontos. Só pode pensar na Copa Sul Americana, daqui pra frente.

O Galo entrou no jogo do Fluminense desde o início: aprontou uma correria desenfreada e não aplicou nada do proposto por Celso Roth. Jogar com calma, tocar a bola e aproveitar o desespero e os erros do Tricolor. A defesa alvinegra esteve desastrosa.

Logo com um minuto, Jonilson levou cartão amarelo e pouco depois Jorge Luis deu um tapa no rosto de um atacante do Fluminense. Deu sorte que só as câmeras da televisão viram. Não satisfeito, errou tanto que levou cartão amarelo e no segundo tempo tomou o vermelho.

Tardelli voltou a marcar, completou 17 gols na competição. Mas esteve sozinho. Nem Corrêa repetiu as atuações anteriores. Foi Jorge Luiz quem fez o pênalti do primeiro gol tricolor. Desajeitado, abriu em demasia os braços e cortou o cruzamento de Conca.

No segundo, bobeou na frente de Conca, no início da fase final e permitiu o chute cruzado sem defesa para Carini. A esperança voltou quando Tardelli diminuiu numa cabeçada. Mas Jorge Luis foi expulso e complicou tudo. Agora, o Galo joga em Goiânia, contra o machucado Goiás, sábado.

PITACO.-“Fomos mal tecnicamente, não jogamos bem e o Fluminense mereceu vencer. Corremos muito, mas com vários erros técnicos” de Celso Roth, sem reclamar nada à margem da partida.

Obina foi o nome do jogo: fez três gols e deu um passe de calcanhar para o terceiro gol. No finalzinho, fechou a goleada sobre o Goiânia: 4 a 0. Com o resultado, o Palmeiras retomou a liderança. No outro jogo do fechamento da rodada, Sport e Coritiba empataram no Recife (1 a 1) e foi ótimo para o Fluminense.

Me tornei um leitor apaixonado pela coluna virtual do garoto Marcelo Bechler, jovem promessa do jornalismo esportivo de Minas, produtor do nosso Jogada de Classe, na TV Horizonte. Aliás, boa descoberta do Orlando Augusto, seguindo o exemplo deste seu descobridor, que o buscou num caixa de banco. Degustemos o texto abaixo de Bechler:

Dos 16 gols que Tardelli marcou até aqui, onze foram determinantes para que o Galo saísse de campo com a vitória em dez rodadas. A última vez que a equipe venceu sem a necessidade direta de um gol do camisa 9 foi contra o São Paulo no primeiro turno: 2 a 0 – Diego marcou um, mas o gol de Serginho resolveria o jogo. São oito vitórias seguidas com o artilheiro desempatando o placar”.

Como comparação, Adriano, que também tem 16 gols, foi responsável direto por 17 pontos do Flamengo. Diego Souza, outro candidato a melhor jogador do campeonato, tem sete gols até aqui e cinco deles resultaram efetivamente em 15 pontos para o Palmeiras. Se será escolhido o melhor do campeonato, vai depender da subjetividade e dos critérios de cada um, mas Diego Tardelli é, sem dúvidas, o jogador mais decisivo do Brasileirão”.

2 comentários:

  1. Gabriel Azzi Moraes30 de outubro de 2009 01:12

    Gostei muito desta coluna de sexta, a história do Levir sendo xingado é sensacional, realmente treinador quando acerta é um "burro com sorte" e o treinador "capial" cruzeirense é o "burro com sorte" mais inteligente da nossa fazenda do futebol! Torcedor não tem paciência mesmo com treinadores, essa cultura vai mudar um dia, Adilson já prova isso. Logo após o terceiro gol ele saltou com uma "voadora" nas placas de publicidade, muito diferente do Adilson zagueiro clássico que quase não dava carrinho, claro que foi um desabafo contra alguns corneteiros da torcida. Dia 10 de dezembro eu estou embarcando para os Estados Unidos, vou ficar por três meses no Alabama para aprender inglês e trabalhar por lá. Vi uma entrevista do Ballack (jogador do Chelsea) dizendo que a passagem do Felipão pelo Chelsea não deu certo pois quando nosso Luiz Felipe ia dar o treino em inglês ele parecia "uma criança de seis anos falando". Como na europa o treinador tem mais tempo para trabalhar e mais orçamento, não posso correr o risco de se um dia chegar lá, ser comparado a um bebê, não é? Então já deixo um bom final de ano, Feliz Natal e Feliz ano novo para você e sua familia! Espero despedir do Brasil campeão brasileiro com meu Galo e com o retranqueiro (risos), ousado, inteligente e trabalhador Celso Roth.Um Abraço do amigo.

    ResponderExcluir
  2. Gabriel, vá com Deus, meu jovem e volte falando inglês e pronto pra enfrentar a carreira de técnico, já que a inspiração do Pai, Paulinho Pedra Azul, não baixou em você. Aliás, em vez de fazer música, Paulinho virou cozinheiro especial do Tadeu Franco. Vou cobrar o meu prato. Abs Flávio Anselmo

    ResponderExcluir

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.