quarta-feira, 21 de outubro de 2009

SAÍDA DE ADILSON NÃO É MISTÉRIO

Não existe nenhum mistério na saída de Adilson Batista ao final de seu contrato em dezembro. O técnico não diz nada porque é ético. E tem, ainda, um objetivo: colocar o Cruzeiro pela terceira vez consecutiva na Taça Libertadores. Mas o casamento chegou ao fim. As partes passaram a ouvir pitacos de terceiros, boa parte dos torcedores. Adilson ficou aborrecido com as constantes críticas, vaias e xingamentos que atrapalham até a sua vida cidadã na Capital. Não é toda torcida que pede a cabeça de Adilson; trata-se de uma boa parte que, no entanto, incomoda mais que prego na botina.

Moço educado, Adilson chateou-se com as vaias antes do gol da vitória sobre o Botafogo; de cabeça fria, deve ter sentido que melhor seria se tivesse imitado Maradona dando um mergulho no gramado do Mineirão. O “toma” que enviou aos torcedores inflamados soou de outra forma: pra alguns, certas palavras se perderam no barulho da torcida comemorando o gol de Thiago Ribeiro. Talvez um “vai”. E em vez de “toma” seria “tomar”. O resto fica na imaginação fértil do leitor anti-adilista.

Na Toca da Raposa, as maçanetas, os chuveiros, as torneiras sabem que Adilson não ficará. Os atletas amigos já lamentam; os dirigentes não têm mais argumentos de convencimento, mesmo porque são fazedores de média: nessa hora aceitam a pressão dos bravos membros das torcidas organizadas, sem correr risco de perder votos na próxima eleição pra deputado.

Da parte deste filho de dona Geralda é de lamentar a saída dele. No conjunto, Adilson tem feito bom trabalho. Como qualquer jovem entusiasmado, no entanto, pensa que se julga a única verdade. A insistência com esquemas defensivos em exagero e a falta de ousadia em renovar o time, mesmo quando não existe outra solução, minaram a relação com a torcida.

No futebol brasileiro, quase dois anos de convivência desgasta bastante. A turma de repórteres não muda, os críticos não mudam, a chatice não muda. Adilson tornou-se birrento por causa disso, e a turma do outro lado também. No meio, a torcida dos alienados leu, ouviu e viu uma montoeira de bobagens e não conseguiu formar uma opinião justa.

A parte boa da massa usou do seu direito de opinar, bem ou mal, sem sofrer influência. Quem acredita que a Imprensa existe pra formar opinião é alienado. Seu papel é de mero comunicador de fatos, de informações. Por eles, o cidadão inteligente forma a própria opinião.

Auto Pitaco: “O trabalho está bom, eu tenho consciência do que estou fazendo, o meu objetivo hoje é fazer o melhor nos últimos oito jogos para devolver o Cruzeiro à Libertadores”, de Adilson Batista.

Bom, pra não dizer que não falei de flores, vejo 2% de chance de Adílson Batista permanecer num contrato mais longo, como propõe, de público, Zezé Perrela. Só não sei se existe verdade nessa proposta. Num programa do Sportv, Adilson disse que é possível fazer contrato mais longo desde que o público passe a julgar com mais critério. Não apenas o seu trabalho, mas de qualquer técnico.

Mas, como Adilson, seria possível exigir critério na análise de apaixonado torcedor? Você viu, caro leitor, porque a Trincheira tem razão quando pede paciência com o jovem Adilson? Só os jovens, nos seus devaneios assombrosos, acreditam na possibilidade do impossível.

“A paixão é a falta de juízo da razão”, disse este filho do Sodico no seu primeiro livro “O Sorriso de Juliana”, cuja edição esgotou-se. Adilson entende que “é preciso mudar um pouquinho a mentalidade do torcedor, com paciência, aceitar, relevar”. Se ele tiver a fórmula, ensine-a pra gente.

Segundo afirmou no programa Arena Sportv, Adilson vai colocar na balança os fatos positivos nesses quase dois anos de trabalho: dois títulos estaduais, um Torneio de Verão no Uruguai, um terceiro lugar no Brasileiro de 2008 e duas participações na Libertadores, sendo que em 2009 foi vice-campeão. Do outro lado estará a insatisfação das partes. A decisão sairá do lado que pesar mais.

Nesta entrevista, Adilson Batista confirmou o que já havia dito ao companheiro Ramon Salgado, amigos desde Curitiba: não pretende sair do Brasil. Isso me desmente, pois antecipei sua volta ao Japão em 2010 para o Kashima, onde trabalhava antes de aportar na Toca.

Ainda dentro daqueles 2% de chances de que ele fique, Adilson afirmou que “no Cruzeiro, ou fora dele, a meta é ter maiores conquistas e ganhar mais prestígio na carreira”. Será que o ex-Capitão América tá de olho na vaga do Dunga na Copa do Mundo brasileira?

Porém, se você quer saber, realmente, alguma coisa sobre o Adilson Batista ou o seu futuro no futebol fale com o Fabrício. Também ele já deixou bem claro que Adilson dificilmente ficará na Toca. Seria mais fácil o Sargento Garcia prender o Zorro.

Nesses 2% de Adilson ficar quem sabe não esteja, também, o garoto Eliandro, 19 anos. Sem mais atacantes, além de Guerrón e Thiago Ribeiro (este com dois cartões amarelos), Adilson convocou Eliandro nos juniores. O burrinho do menino passa arriado. De repente, ele faz dois gols no Corinthians, a China Azul grita o nome de Adilson e o técnico anuncia: “se é para o bem do povo e felicidade do Flávio Anselmo, eu fico”.

Pressão mesmo sofre, também, o técnico do Galo, Celso Roth. E não é problema com as ausências de Corrêa, Carlos Alberto e Eder Luis, suspensos. Nesse caso, tem ótimas soluções: no lugar do volante pode voltar com Serginho; na lateral direita, entraria com Coelho e no ataque com Renteria. Pronto, um time forte pra enfrentar o Vitória no Mineirão lotado, neste sábado.

A pressão vem de Marques, há quase um ano afastado por contusão e há dois meses treinando normalmente, ele não para de reclamar indireta e sutilmente, pela mídia, uma chance de voltar logo. Marques se diz pronto e à disposição de Roth: “estou a fim de colaborar de alguma forma”, diz Marques possível candidato a deputado estadual ano que vem. Tá explicado.

O que vejo mais de interessante nesse papo é o jogo de cintura do Celso Roth. Os repórteres saem de Marques e correm ao Roth; este garante que há um trabalho paulatino e consciente com o atacante e que ele poderá ser aproveitado, não contra o Vitória, mas num próximo jogo. Ou seja, assunto empurrado.

Navego na Internet pelos lados de Salvador e leio que o Vitória tem dois desfalques sérios: Ramon Menezes e Vanderson também porque receberam o terceiro cartão amarelo. E que, no mesmo pé de igualdade com o Galo, tem boas peças de reposição. Na vaga de Ramon, volta Leandro Domingues, titular e afastado por contusão. De volante, a opção é Magal, tão bom na marcação como o titular suspenso.

Wagner Mancini, que recolocou o Vitória na trilha dos bons resultados, ocupando a nova posição, com 44 pontos, tem outras opções para o meio: Neto Berola, mais ofensivo, e o veterano Jackson, ex-Cruzeiro, mais de marcação e bom na chegada.

Veja como os dirigentes daqui, às vezes, parecem cegos, ou só enxergam longe, bem longe dos próprios umbigos. O atacante Bruno Mineiro, 26 anos, goleador do América na Série C, pode ser contratado pelo Besiktas da Turquia. Ele tem contrato com o Coelho até 2010 e foi emprestado ao Náutico, grande destaque atual do time pernambucano onde marcou cinco gols em cinco jogos. Na medida pro Cruzeiro, que não tem mais nenhum centroavante.

Pitaco milionário: O clube turco está disposto a chegar 3 milhões de euros pra levar Bruno Mineiro, ou seja, R$ 7,4 milhões. O mais interessante é que a multa contratual dele no América é de apenas R$ 2 milhões. Quem vai abocanhar o R$ 5 milhões restantes?

Você quer dar uma opinião sobre o assunto? Acesse www.flavioanselmodepeitoaberto.blogspot.com e dê seu pitaco. Aproveite e volte na nossa enquete: o Flamengo vai passar o Atlético? Sim ou não.

4 comentários:

  1. JOSE ANTONIO MENDES DE SOUZA E SILVA21 de outubro de 2009 11:39

    Flávio, você é um dos profissionais mais competentes do meio esportivo que acompanho nos últimos 30 anos. Sua opinião sobre a permanencia do Adilson, é a mesma de milhões de atleticanos. A falta de conquista de títulos importantes para o Cruzeiro é muito importante para a MASSA ATLETICANA. O Adilson veio para o Cruzeiro em janeiro de 2008, encontrou o Cruzeiro classificado para a libertadores; então o mínimo que nós cruzeirenses esperamos dele é deixar o time classificado para o próximo treinador, o que não é favor nenhum. Nesses quase dois anos de Cruzeiro nenhum título importante foi conquistado a não ser o vice campeonato da libertadores. Sou daqueles que pensam que ser o segundo é ser o primeiro dos últimos. O Dia que o Adilson deixar o Cruzeiro, vou resumir este desfecho em duas palavras. FOI TARDE

    ResponderExcluir
  2. Há tempos não se via um treinador tão justiçado pela platéia por ter transformado um timaço num timinho mirrado e insignificante para o futebol brasileiro.
    Ao volanteado sr. Adilsom fica o conselho de Carlos Drumond: "ENVELHEÇA !"
    Mas amadureça longe daquí , concedendo ao cruzeirense um descanso na falta de ar e do tornique que vc lhe pôs no coração.
    Não há sinais de moço educação na tipologia do Sr. Adilsom : as coletivas expuseram suas atitudes desrespeitosas para com jornalistas
    no exercício de seu ganha-pão e de seu sonho de alçar-se , um dia , à majestade de um Flávio Anselmo.
    Adeus vitórias minúsculas que nos levarão à Libertadores mas que não nos libertarão da secreta insatisfação. Benvindos , centro-avantes , meias ofensivos e matadores de todas as idades e de todos os rincões.A casa será sua
    muito em breve.
    E no mais ,que o jovem Adilsom perdoe esta galera incorrigível que não soube se comportar
    ao seu gôsto , e que jamais se prostraria à seus pés como era de seu desejo.

    ResponderExcluir
  3. Meninos, você estão afiados; as opiniões são coerentes e defendem uma posição com total direito, como determina a democracia. Continuem participando e não perdoem ninguém. Nem este locutor QUE VOS ESCREVE. Abs Flávio

    ResponderExcluir

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.