sábado, 24 de outubro de 2009

TIME COM CHEIRO DE TÍTULO

Se o Galo jogar com a inteligência deste sábado, quando cozinhou o Vitória em banho-maria e venceu pelo magro placar de 1 a 0, gol de Diego Tardelli, por hoje artilheiro da competição, e continuar abençoado pela sorte como sucedeu em alguns momentos do segundo tempo, cravo logo: é campeão. Nem o pênalti desperdiçado por Tardelli, nem o gol perdido por Evandro diante da meta vazia, após o lance espetacular de Marques, ao driblar o arqueiro Biafra, afastariam a Trincheira desta convicta opinião.

As duas defesas de Carini e a bola que passou por ele, correu em cima da linha, passeou na frente do ataque do Vitória sem que alguém a empurrasse pras redes e empatasse o jogo, revelaram pra que lado os deuses do futebol olham no momento; e eles costumam ficar do lado do time com cheiro de título numa série grande de jogos.

O jogo foi gostoso de se ver. O Galo soube jogar, porque não aceitou a convocação do Vitória pra sair em cima e abrir o contra-ataque. Foi inteligente e paciente. Os 60 mil torcedores no Mineirão, também. Na hora certa, o bote viria. Aconteceu no meio do primeiro tempo, com a arma que os baianos pretendiam usar.

Coelho roubou a bola e puxou o contra-ataque rápido que terminou em Diego Tardelli na cara do bom goleiro Biafra. No segundo tempo, o Galo cozinhou. Tardelli teve uma chance aos 8’ e jogou por cima da meta com Biafra batido. Aos 13’, outro contra-ataque de Ricardinho e Tardelli. Thiago Feltri sobrou na frente de Biafra e chutou no corpo do goleiro.

Carini trabalhou muito na sequência com duas defesas complicadas. Então, diante da pressão baiana Roth viu que chegara o momento de atender a torcida e chamou Marques. O Mineirão veio abaixo.Mas um minuto depois, o chute de Gláucio que a bola passou por Carini, foi na trave, correu em cima da linha e não entrou. Aos 29’, pênalti bem marcado em Tardelli; o próprio bateu e chutou pra fora. Aos 35’, outro pênalti; o juiz não deu o toque claro do zagueiro do Vitória.

Pensei comigo: chiii, este troço vai embananar! Embananou nada. Marques voltou bem, com fôlego e com seus infernais dribles. Aos 48’ recebeu de Ricardinho, driblou Biafra e cruzou pra Evandro cabecear pra fora, com a meta à sua frente.

Agora vem o Fluminense no Maracanã e o Goiás no Serra Dourada. Time com cheiro de campeão não rejeita paradas como essas; passa por cima, atropela.

A 31ª rodada será fechada neste domingo. Tem Corinthians x Cruzeiro em São Paulo, confronto de vida ou morte pras pretensões celestes de entrar no G-4, aos menos. O Timão usará 3 atacantes (Jorge Henrique, Ronaldo e Dentinho) pra fugir das críticas de que tem apenas passeado no Campeonato visto não ter chance do título e estar classificado para a Libertadores. A Tevê Globo exigiu mais empenho dos seus parceiros...

Com 45 pontos, confiando nos dois atacantes que lhe sobraram e no menino Eliandro que levou pra reserva, o Cruzeiro de Adilson Batista ficará bem na fita e manterá o prestígio de melhor time do returno se ganhar do Timão. Fabrício e Gilberto voltam. Boa notícia...

As atenções nacionais estarão voltadas para os clássicos estaduais: o Sansão (Santos x São Paulo) na Vila Belmiro. O time do Rei Pelé voltou a ter a maior torcida do País. Em Porto Alegre, tem o Grenal, que na verdade devia ser Nalgre, pois o jogo é no Beira-Rio. Colorados com 49 pontos, gremistas com 44, nada melhor que um salutar empate entre eles.

Só vale o registro do Atletiba, que deveria ser, também, Tibaatle, já que o mando é do Coxa e o clássico será no Couto Pereira. No Rio tem Flamengo, 48, e Botafogo, 32. Juro que já fui flamenguista uma vez e derrubo a tese de “uma vez Flamengo, sempre Flamengo”. Torço pelo Botafogo por motivos óbvios...

Goiás, 46, e Fluminense, 26, no Serra Dourada, serei tricolor. Não gostaria de ver o Fluminense, de novo, na segunda divisão, apesar de entender que será impossível evitar isso. Em Floripa, jogam Avaí, 43, e Sport, 28, e penso que os barrigas verdes já foram longe demais. Chega. Como é o caso do Barueri, 41, derrotado pelo Náutico (2 a 1) neste sábado, no Recife.

DIRCEU VERSUS OI

Dirceu Pereira ligou-me pra falar da nota no blog sobre a briga da Ademg com a Oi. Quem pagou o pato nesta briga do mar com o rochedo, foram os mariscos. Ou seja, as emissoras do interior. Dirceu explicou-me e entendi que teve de assumir uma posição porque a Oi deve à Ademg R$ 300 mil reais de alguém das salas onde guarda seus equipamentos.

Contudo, ao impedir a entrada de um funcionário da Oi no Mineirão, Dirceu Pereira prejudicou as emissoras do interior. Me disse: se você estivesse no meu lugar faria a mesma coisa. Faria não, Dirceu. Respeitaria as emissoras do interior e as avisaria bem antes das medidas que, por ventura, tomaria. Ponto 2: se a questão está no Jurídico, o Jurídico que a resolva então, com a ação cabível.

Pra ser justo, segundo Dirceu, a Oi terceirizou o serviço pra uma tal de Telemonte e desde 2007 não presta – como não presta pra nada – serviços no Mineirão. A maioria é da Embratel que tá em dia com a Ademg. Então, por que as emissoras do interior dão logo uma banana pra Oi e seus terceiros e correm pra uma empresa séria? Antes, com a Telemig não tinha disso.

O Pereira, que agora deu 20 dias pro pessoal da Oi, ou seus terceiros, resolver a questão, devia ter avisado 20 dias antes as emissoras do interior. Aí sim, meter o ferro na Oi, na Claro, na Telemar, na Vivo, na Tim, enfim nesta turma que atacou Minas Gerais, comprou tudo aqui e presta o pior serviço do mundo. Afe, Maria!

5 comentários:

  1. Cristhiano Bezerra24 de outubro de 2009 23:58

    Parabéns Flavio Anselmo! Nem li o seu post e já te congratulo! O senhor foi o único blogueiro/colunista/cronista das Gerais que atualizou os seus comentários depois do jogo de hoje! Até imaginei que talvez fosse um jogo desimportante ou até algum feriado da nobre missão de informar. Mas percebi que a turma de SP e RJ atualizou e informou sobre os jogos de hoje rapidinho! Desse jeito, haja AMCE!
    De toda forma, parabéns pela coragem de atualizar seus comentários no mesmo dia!
    Agora vou lê-lo. Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Cristhiano Bezerra25 de outubro de 2009 01:40

    Belíssiomo texto... digno de acadêmico! Leitura gostosa, divertida. Só mais um pitaco, além da espinafrada que mandei na classe: O goleiro do Vitória não se chama Biafra (o cantor), mas Viafara(o colombiano!)!

    ResponderExcluir
  3. Cristiano Bezerra, grato pelo texto generoso e por corrigir este velho cronista desatento. Li, reli e passou Biafra (costume de ouvir o cantor). A atualização do texto fiz pela primeira vez, porque eu vinculava muito o blog com a coluna que envio aos jornais. Ficarei mais atento. Grato Flávio

    ResponderExcluir
  4. É...a festa começa a pegar fogo. Os dois G4 disputadíssimos, encontros realizados entre cartolas e juizes "no escurinho do cinema", propósitos inconfessáveis, apitos que entopem de cuspe e não soam na hora certa, assistentes míopes que não enxergam direito os lances e por não levantarem as bandeirinhas e até por levantarem (erros muitas vezes fatais) e que mudam ou podem mudar o resultado de uma partida... times que conseguem se firmar quando escorregavam ladeira abaixo, e outros que começam a escorregar... equipes que fazem profissão de fé no título, jogadores que se deixam levar pelo entusiasmo, assim como dirigentes também, jornalistas do eixo do mal que sequer citam o vice-lider com chances de ser campeão... jogos que se tornam cada vez mais decisivos, mais emocionantes e, à vezes, mais roubados...
    Mas tudo isto faz a beleza desse esporte que nos envolve, emociona e fascina dessa forma quase irracional..e, como dizia meu amigo, poetinha carioca Jurandir Chaves, que também atende pela alcunha de Juca Chaves,
    "futebol é o ganha-pão da imprensa,
    vença ou não vença o Brasil é o maioral..."
    e assim caminha para o final mais uma edição desse maravilhoso campeonato brasileiro de futebol, que, malgrado a sobreposição da força física ao futebol bonito, ainda nos encanta e encanta o mundo.
    Sobre o Adilson Batista, continuo achando-o um excelente técnico. Não fiz o comentário anterior com ares de seriedade para enganar alguém. Eu o acho um excelente técnico. Quantos jogadores ele perdeu ? Qual time se manteria após perder um Ramires ? Só agora encontrou o Gilberto, mas mesmo sem eles, não deixava a peteca cair.
    Meus respeitos ao Celso Roth que vem ganhando minha confiança e admiração, e que continue iluminado e leve meu Galo ao título neste ano.
    E dá-lhe Galo, carajo.

    Iraq

    ResponderExcluir
  5. CARO IRAQ.
    Belo e irrepreensivel texto. Parabéns.
    Da ultima vez que o lí , não conseguí me fazer entender.
    Não fiquei contrariado com o seu comentário de então. Apenas constatei que como bom atleticano , com sinceridade ou por gozação ,vc elogiava um treinador adepto do Livro Nêgro do Futebol que faz o Cruzeiro arrastar-se penosamente , como um ex-grande ,
    atrás de uma vaguinha modesta no G-4. Te parabenizo pelo Galo candidato ao título , que está sendo o que tem de ser: incontestável.

    ResponderExcluir

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.