terça-feira, 3 de novembro de 2009

FESTA DE DESPEDIDA DE SABOR AMARGO

Vou relacionar vários motivos sobre a impropriedade do amistoso desta quarta-feira, às dez da noite, no Mineirão, entre Cruzeiro x Argentino Juniors, na despedida do craque Juan Pablo Sorin. Primeiro da lista: sou contra Sorin abandonar agora o futebol; ainda seria de grande utilidade no Cruzeiro e só Adilson Batista não quis ver isso.

Bastaria apenas o primeiro motivo. Ponto final. Sorin foi bem claro ao afirmar que tinha lenha pra queimar, aos 34 anos, e que só lhe faltou oportunidade pra provar isso. Ou seja, Adilson não acreditou na possibilidade de Sorin jogar mais alguns anos.

Sem falar que o amistoso veio em momento impróprio, logo depois do vexame do time diante do Fluminense e que frustrou a torcida. Sem se esquecer que sábado o Cruzeiro enfrenta o desesperado Sport na Ilha do Retiro. Atrás de seus objetivos nenhum deles pode perder.

Frustrante, também, será a presença de tantos craques argentinos, amigos de Seleção do capitão Sorin e que eu gostaria de ter visto com a camisa celeste um dia: Francescoli, Batistuta, Riquelme, Redondo, Marcelo Salas.

Exceto o colombiano Rincón. Já esteve aqui e foi aquela decepção total.

Ao contrário de outros órgãos de Imprensa que nem falam da partida por se tratar de uma promoção da Rede Globo, cumpro a obrigação jornalística de falar sobre ela, apesar dos pesares.

Seu caráter beneficente é o suficiente. Que 50 mil pessoas lotem o Mineirão (?) e se despeçam de um fantástico ídolo cruzeirense. Moço de todas as qualidades. Uma pena que seja assim.

Os profetas do sítio Globo.com projetam um empate técnico entre Palmeiras e São Paulo no final do Brasileiro. E faltam ainda cinco rodadas, ou 15 pontos a serem disputados , individualmente, pelas equipes. Se isso, realmente, acontecer o campeão será aquele que tiver levado menos cartão vermelho. Dá pra acreditar?

Segundo o sítio global, “a ideia é visualizar através dos históricos de todos os confrontos, as chances e cada equipe, utilizando o simulador da competição”. Imagino que seja o mesmo que usaram no jogo Cruzeiro x Fluminense e no qual os azuis golearam os tricolores, né?

Na projeção deles, São Paulo e Palmeiras chegariam em primeiro, com 67 pontos; o Flamengo seria o terceiro com 63, enquanto Inter e Atlético “brigando pela última vaga na Libertadores”. Aliás, só eles brigariam, os demais de cima já estariam acomodados. Interessante como os grandes do eixo Rio/São Paulo ganham tudo na mídia nacional, até em projeções!

Na projeção do rebaixamento, cairiam Santo André (39), Sport (37), Fluminense (36) e Náutico (35). Seria o fim do futebol pernambucano. Atlético-PR (55), Botafogo (50) e Coritiba (47) se salvam até com certa tranqüilidade.

PITACO DA DESCRENÇA: Ô meus coleguinhas da Globo.com: me enganam que eu gosto; sou menino bobo lá do Caratinga!

Muito pior que toda onda a respeito da possível mala branca que o Cruzeiro teria enviado aos jogadores do Barueri antes da partida contra o Flamengo foi os dirigentes do clube paulista usarem este argumento pra afastar os referidos atletas, importantes no esquema do time, do jogo contra o São Paulo. Foram reintegrados ontem.

Ou seja, existe algo podre no Reino do Grêmio de Barueri; marmelada de compadres paulistas.

Enquanto correm atrás dos ingressos que sobraram – mais de 60 mil já foram vendidos – os atleticanos prometem buzinaço logo à noite caso o Grêmio vença o São Paulo nesta quarta-feira, partida antecipada da 34ª rodada pra atender a dona Globo.

Uma vitória são-paulina bota pressão nos demais concorrentes que jogam no final da semana. Sacanagem!

No Atlético, Celso Roth mantém o discurso de importar-se na disputa jogo a jogo, sem se preocupar com os adversários finais. Tá certo! É preciso matar o Flamengo, que é o leão de domingo, antes de pensar no Coritiba, desesperado, lá no Paraná.

A Fifa mandou uma comissão pouco confiável pra se encontrar com Evo Morales, presidente da Bolívia, comandante da frente única que reúne, também, Equador e Colômbia, pra discutir a questão das criminosas partidas na altitude.

Discutir o quê? Já não existe um parecer médico contra os riscos para os atletas de jogos em Caracas, Quito e, principalmente, La Paz?

Tal comissão devia dar uma passada aqui no Brasil pra tomar conhecimento, também, do que faz a Rede Globo, exigindo partidas às quatro da tarde, em pleno horário de verão, em locais, absurdamente, quentes como Presidente Prudente. Palmeiras e Corinthians chiaram com razão.

Na hora que o clássico começou, o relógio da natureza marcava três da tarde e os termômetros dos homens, 34 graus.

Quem se adaptou melhor ao calor infernal foi Ronaldo Fenômeno: não correu, não suou a camisa e fez dois gols.

Murici Ramalho saiu cuspindo marimbondo: o Palmeiras dele desgastou-se mais, porque teve o goleiro Marcos expulso aos 36 minutos do primeiro tempo.

Paulo Autuori nunca quis ser uma pessoa comum. Não é de seu feitio. Atrás daquele jeitão fechado, carrancudo, esconde uma pessoa de grande coração, voltado para várias obras sociais, anonimamente.

Como treinador ganhador de títulos tem outro perfil: só divide na canela e quando não gosta do ambiente, junta as trouxas e foge. Pato fujão. Como aconteceu da última vez na Toca da Raposa.

Agora no Grêmio, balançou as estruturas sem ser espalhafatoso ou sair quebrando cadeiras, camas, portas e coisas tantas. Com aquele jeitão aparentemente calmo, criou frases de efeito, fortes e acertou a canela de seus jogadores.

Confirmado para 2010, Autuori revelou que é preciso mudar o perfil do grupo de jogadores. Ou seja, montar um elenco vitorioso. A maioria dos atletas tremeu na base. Bom exemplo pra alguns times daqui.

5 comentários:

  1. e a diretoria atleticana e fmf não reservaram os 10% de espaçõ a que o Flamengo tem direito. uma galera do Flamengo vai entrar na justiça. estatuto do torcedor. abram o olho. Flávio Azevedo.

    ResponderExcluir
  2. Tinha que ser constituido um TRIBUNAL DE BH ,inspirado no de NUREMBERG , para julgar e condenar os atentados do ESTAGIÁRIO ADILSOM ,cometidos contra o passado e o futuro futebolísticos do Cruzeiro.
    Tomar-se-á como agravantes fatos estranhos ocorridos no setor administrativo ,tais como mala branca , movimento artificial de torcida na Toca II com o lema "Fica Adilsom" monitorado pela Polícia , contratações de jogadores supérfluos para a equipe reserva e atitudes suspeitas na dispensa de jogadores uteis tais como Sorin , Jadilsom e outros.
    De bom alvitre seria ouvir KLEBER,o crack insurgente da era ADILSOM.
    Ficam aquí ressalvadas as suas ilibadas qualidades de cidadão e de chefe de família , assim como todo o espectro da sua dignidade humana , isenta de qualquer mácula e contestação.

    ResponderExcluir
  3. Em Tempo:
    A pena máxima para O ESTAGIÁRIO ADILSOM seria a de dirigir o Bonsucesso F.C. por dois anos no Carioca 2010 sem usar zagueiros e volantes.Teria que se arrumar com
    centro-avantes e meias ofensivos,não lhe sendo permitido dar peixinhos no gramado nem desculpas à Imprensa após as derrotas.
    E cumpriria a pena tendo o Sr Cuca como Vigilante Oficial.

    ResponderExcluir
  4. Flávio, o Muricy, O Neto e vários outros boleiros mais antigos, já disseram que esse negócio de doping financeiro, existe em todos os cantos do país. Os "malas" do futebol, cujo único esporte que praticaram ou praticam é o "arremesso no bolso". Questionados sobre isso, dão entrevistas com voz e fisionomia de "santo", de seriedade e honestidade incontestáveis. O aparelho de tv só falta despedaçar diante de tanta injúria e infâmia. A corda só arrebenta do lado mais fraco. Os atletas são hostilizados e condenados por tão vil gesto. Já os dirigentes, esses serão absolvidos. Ah, e não duvide, esses caras ainda serão canonizados

    ResponderExcluir
  5. Pois é, Eujácio. Mas serviu direitinho pro Barueri retirar os dois do jogo contra o São Paulo e, agora, "perdoá-los"... se mereciam essa suspensão, deveria ser por todos o resto do campeonato. Isso serviu mesmo para ajudar o SP que já nem está cantando de Galo tanto assim...

    ResponderExcluir

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.