quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

O PERSONAGEM LUXEMBURGO JÁ NÃO É SURPRESA

O TIPO canastrão de John Wayne nos velhos faroestes de Wanderley Luxemburgo já não surpreende mais ninguém. Deixou de ser o técnico elegante, modelo de competência, ao assumir a postura de ser o único responsável por seus sucessos. O discurso não mudou: “eu ganhei, eu venci, eu derrotei, eu fui campeão”. Há controvérsias naquela história de que seu currículo é de 80% de vitórias e 20% de derrotas.

PODIA ser menos falastrão, menos arrogante e dizer que o percentual certo é de 40% dele e de sua equipe de trabalho; 40% dos jogadores e 20% da cartolagem que investe alto nele.

ATÉ PORQUE contra as conquistas de Wanderley batem fracassos superiores como os das Seleções Brasileira e Olímpica; no Flamengo, e as últimas no Palmeiras e no Santos. Foi mandado embora em todos eles. Ah, no Cruzeiro, também, apesar de super campeão.

WANDERLEY dispensa até os elogios que nós, admiradores de seu trabalho como treinador e da sua ousadia à beira do gramado, posto que ele se basta a si próprio. Não diz cinco palavras sem se elogiar. E não especulem nada sobre ele. O pobre do repórter anônimo na primeira coletiva fez isso e tomou um sabão de conforme.

SOBRE O ASSUNTO, Wandeco tem o aval deste filho de dona Geralda: quanto ele vai ganhar por mês e de onde virá a pequena fortuna são problemas dele, da diretoria atleticana e do Imposto de Renda, com quem o cidadão Wanderley Luxemburgo tem péssima relação.

REPORTANDO, de novo, ao meu livro “Profetas do Acontecido”, onde monto um diário de opiniões sobre Luxemburgo no Cruzeiro, ressalvo que ele não é um cidadão que deixe o mundo passar por perto dele calmo e sereno sem tomar uma providência que o vire de ponta a cabeça.

RAZÃO pela qual acredito que teremos muita coisa do que falar sobre o Galo nos próximos dois anos, se, realmente, durar tudo isso o projeto do treinador.

PITACO DOS BICUDOS: Então, a Trincheira retoma o tema que colocou em discussão por ocasião da vinda de Emerson Leão, trazido por Alexandre Kalil: dois bicudos se beijam?

VOU ABRIR espaço aos leitores pra se manifestarem sobre a volta de Wanderley Luxemburgo. Claro que escolhi as melhores opiniões:

PROFESSOR Haydn Pimenta – BH :

“Caro Flávio, esta questão dos técnicos brasileiros a peso de ouro é coisa que, para gente que pensa, reta, honesta, não dá para entender. Nossos técnicos não são almejados no exterior, via de regra; vide o caso de Luxemburgo, que parece ter voltado com o rabo entre as pernas. O Felipão está descendo as escadas do prestígio lá fora: Portugal, de onde não deveria ter saído, Inglaterra, de onde parece ter definitivamente caído do galho por lá, e agora Grécia; depois Ucrânia, Tajiqstão, Afeganistão, quem sabe? Quer dizer, era para eles ganharem muito menos!”

“Técnicos influem sim (em geral, negativamente!), mas quem decide mesmo são os jogadores, não é isto? Por outro lado, o Luxemburgo (que eu acho discutível! Dono do time, interferente, sei não...) quem vai pagar os R$600 mil (ou mais...). Deve ser o Guimarães...e o Galo cada vez mais em sua mão! Será, daqui a pouco, o Berlusconi do Galo! É parece que esta fórmula, pelo menos lá fora, tem dado certo: na Itália, Inglaterra, até na Rússia! Será? Nunca imaginei! Cheira mal!”

GEGÊ ANGELINO – BH:

“Condeno Roth (dentadura) pela sua falta de objetividade, de agressividade e com seu temor estratégico, acabou detonando a real possibilidade de o Galo estar na Libertadores, quiçá campeão nacional.Tinha tudo para isto.Mas no momento que anulou a criatividade, o arranque e o dinamismo do motor do time, Márcio Araujo, único jogador que joga com a visão à frente, matou o time Com Luxemburgo, sabemos que isto não acontecerá, pois ele sabe que o motor do time, este grande garoto Marcio Araujo, não pode ser sacado hora alguma da equipe.
Os outros, Ricardinho, Correa e Evandro, devem se moldar a ele e nunca o contrário”.

MAURO LUCIO - PATOS DE MINAS

“Prezado Flávio, mais uma vez estou aqui tomando o seu tempo e achando que posso ser útil de alguma maneira ao esporte e ao meu Galo.Embora não tenha me manifestado nos últimos tempos, não tenho deixado de ler sua coluna, invariavelmente, todos os dias.Embora discordemos em muitos pontos, a começar pela paixão clubística, concordamos em muito, principalmente no que diz respeito à ética no esporte”.

“Como você, não vou fazer nenhum juízo de caráter do nosso novo treinador, embora julgue importante a qualidade do caráter num bom comandante.Mas no que eu gostaria de me manifestar, e não o fiz antes prá não botar mais lenha no caldeirão do Galo que já estava fervendo nas últimas rodadas, e dando uma de Profeta do Acontecido, tem a ver com o caráter dos profissionais. Diz um velho ditado que "Se queres conhecer Carlito,dá-lhe um carguito", ou seja, dê-lhe poder”.

“E foi exatamente o que aconteceu com o Celso Roth. Foi só prorrogar o seu contrato que o mesmo já se sentiu isentado, pelo presidente, de continuar com o trabalho sério, humilde e correto que vinha até então executando, em parceria com o elenco. Aí se sentiu no direito de tirar e colocar quem quisesse no time sem maiores explicações, proibiu a imprensa nos treinos, ou seja, botou os pés pelas mãos. Deixou de ser o comandante e assumiu o papel de Chefe”.

“Deu no que deu, não ganhou mais nenhuma”.

“Nós já assistimos a isso inúmeras vezes envolvendo grandes profissionais. Como o mestre Telê Santana que toda vez que chegava num clube ou na seleção brasileira, cheio de moral, botava os pés pelas mãos como quando dispensou o Reinaldo para levar o Serginho Chulapa na Copa de 82 e o Toninho Cerezo na Copa de 86, neste caso coadjuvado pelo médico Lídio Toledo que afirmou que o nosso craque, contundido em um treino, não se recuperaria a tempo do início da copa. (no fim de semana seguinte olha lá o Cerezo disputando o campeonato italiano pela Sampdoria). Isto só prá ficar em dois exemplos exemplares, se me permite a liberdade literária”.

Enfim, vida que segue e a gente sempre aprendendo mais um pouquinho. E aí vai outro ditado adaptado; Humildade e canja de galinha nunca fez mal a ninguém”.

3 comentários:

  1. Pois é sô flávio.
    O zezé perrella, vulgo anão de jardim, faz o que bem entende com todos vcs da imprensa. Se comportar como ele exige vai para o olho da rua!e vcs ficam caladinhos..caladinhos...

    O Adilson Batista vive dando mau respostas em todos vcs e vcs aceitam caladinhos...caladinhos...

    Agora quando alguém do Atlético fala algo que vcs não gostam, aê o mundo desaba , não é mesmo sô flávio. O Luxa esteve aqui, dirigindo o palestra-MG e teve as mesmas atitudes e vcs ficaram caladinhos...caladinhos...
    Meus Deus até quando essa gente da imprensa vai continuar prestando deserviços ao futebol ?

    ResponderExcluir
  2. José Antonio M. de S. e Silva10 de dezembro de 2009 15:30

    Caro Flávio Anselmo, acompanho e leio atentamente os seus comentários.Parabéns por sua análise competente sobre este treinador, que se vê como um semi DEUS e atende pelo nome de EU & CIA. Já tive oportunidade de colocar no seu BLOG,que suas qualificações é mais MARKETING que competencia. O LUXA nunca chegou a uma semi final de LIBERTADORES apesar de que como técnico já tenha sido campeão seis vezes no campeonato brasileiro.Mas, nos últimos seis anos não comquistou nenhum título de RELEVANCIA, apesar de ter FORMADO UM TIME MILIONÁRIO NO PALMEIRAS. Outro grande problema deste ASTRO é: NÃO SABER OUVIR. Não sei por quanto tempo vai durar a lua de mel KALIL, TORCIDA e WANDERLEY.Mas, uma coisa tenho certeza, este contrato não será cumprido até o seu final. E,como você bem sabe o WANDERLEY não assina contrato sem multa rescisória. Isto para as finanças do CAM será desastroso. O ANDRADE mostrou que a humildade é a maior arma para se conquistar título, adjetivo este que este cidadão não conhece.Devia ter convivido mais com o ANDRADE nos tempos de FLAMENGO. Para finalizar, alguns amigos do WANDERLEY chegaram a colocar nas suas colunas que o ATLÉTICO será o caminho mais curto para ele voltar a SELEÇÃO. Se algum dia a seleção voltar a ser treinada por ele. Vou torcer para a seleção dos EL MANOS.

    ResponderExcluir
  3. ô Tonhão, com o devido respeito, mas vc é um babaca. Respeitar opinião, eu respeito, mas babaquices! Tem pena. Não sou empregado de ninguém desde 1986. Eu produzia meus programas independente dos Perrelas da vida. Hoje são advogado aposentado no Estado e jornalista no INSS. Trabalho pra não ficar parado. Sobre a passagem de Luxemburgo pelo Cruzeiro é só ler meu livro Profetas do Acontecido. Aí então vc podera escrever as babaquices que escreveu. Passar bem

    ResponderExcluir

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.