quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

PUXARAM AS ORELHAS DE KLEBER NO INTERVALO

ALGUÉM PUXOU as orelhas do Gladiador no intervalo do jogo contra o Uberlândia. Não há outra explicação para a mudança do Kleber que passeou no gramado, chutou pênalti displicentemente pra fora e não comemorou o gol marcado ( segundo do Cruzeiro). Tudo isso no primeiro tempo. Pra expor o mau humor, não quis papo com a imprensa, passou tossindo no microfone da Globo ao sair de campo.

IMAGINEI que ele nem voltaria para o segundo tempo. Voltou sorridente e até convocou os repórteres para pedir desculpas. Não culpou ninguém, nem a torcida que ensaiou vaiar quando ele perdeu pênalti e outros gols após driblar o bom goleiro Felipe Sanches.

KLEBER DISSE que estava consigo mesmo. Não revelou o motivo que o chateara no primeiro tempo. Aí marcou mais duas vezes, sempre com vibração. Foi pra torcida e até homenageou a esposa grávida de dois meses. É assim que a torcida quer o Gladiador.

COM CERTEZA, Kleber falou com alguém lá dentro. Ou com a sua esposa, ou com seu empresário, ou teve as orelhas puxadas pelo Adilson Batista e por alguns companheiros.

NA VERDADE, exceto Diego Renan e Cláudio Caçapa que fizeram uma partida inteira séria e excelente, os demais, também, mereceram bronca de Adilson.

POR DEVER de consciência, vou tirar Fábio da relação. Só trabalhou uma vez no primeiro tempo e com competência. Evitou o gol do Uberlândia numa defesa bem difícil. Mas o Cruzeiro com 65% de posse de bola abusou do direito de perder gols.

NO SEGUNDO TEMPO, com seriedade até o apito final marcou quatro vezes e fechou o placar de 6 a 0. Kleber anotou mas dois, um deles de pênalti cobrado sem paradinha e sem rebolado como fizera no primeiro chutado pra fora.

CONTUDO, esta dicotomia de personalidade do Gladiador, tirou-lhe a condição de melhor em campo, apesar dos três gols. Cláudio Caçapa fez um e Diego Renan marcou o último da goleada; no entanto foram os melhores.

NÃO ENTENDI a saída de Bernardo – a surpresa de Adilson na escalação inicial, junto de Caçapa – porém gostei de Pedro Ken, tanto de volante como de lateral no lugar de Marcos, onde foi atuar, após a troca deste por Guerron.

VOU DESTACAR também Wellington Paulista. Entrou aos 38m do segundo tempo, não fez gol, mas vibrou em todos, até naqueles quando estava no banco de reservas. Este moço é um exemplo de profissional pra muita gente. Jogador de grupo.

ADILSON deu a dica aos repórteres antes de enfrentar o Uberlândia: podia até usar dois meias com a ausência de Fabrício. Ou escalar meramente o Fabinho. Acreditei mais nessa opção. Como sempre enganou todos nós e colocou Bernardo, que corria por fora.

DIREIS ENTÃO, em apoio ao Adilson: tem que ir aos treinos táticos, por que com certeza ele montou tal esquema na terça-feira. Posso garantir que eu não vou a treino nenhum e nem sou obrigado a ir.

MAS O REPÓRTER o repórter que vai também fica sem saber, e não pode passar a informação aos ouvintes. Adilson bate o portão na cara deles na hora do tático.

PITACO: se Cláudio Caçapa foi vetado pelos médicos pra viagem a Potosi pois seu organismo não suporta altitude tão grande, por que foi escalado diante do Uberlândia?

SE AQUI NO Mineirão falaram que a Raposa treinou no primeiro tempo e após a bronca jogou com seriedade, em Araxá a preocupação do Galo era apenas, realmente, treinar para o clássico contra o América, domingo.

EM RITMO de treino de luxo levou l a 0 do Araxá e virou pra 3 a 1, com destaque para o veterano Júnior. Mas a bomba mesmo veio pelo twitter presidencial: a contratação de Obina.

O NOME QUE rodava era o do paraguaio Cáceres, do Boca Juniors, e ex-beque do próprio Galo.

NO PAPEL o contrato de Obina é de três anos. Mas é bom lembrar que no Palmeiras o discutido atacante deveria ficar bom tempo, também.

CONTUDO Obina aprontou uma briga com o colega Maurício, durante o jogo contra o Grêmio e ambos foram expulsos d partida e dispensados do clube.

A CONTRATAÇÃO é responsabilidade de Luxemburgo que, também, o levou para o Palmeiras. Obina volta a fazer dupla com Diego Tardelli com quem jogou na Gávea.

MEU TWITTER: Kalil recompõe duplas que não brilharam no Flamengo – Obina e Diego Tardelli – e no Palmeiras – Luxemburgo e Obina.

O COELHO botou fogo no Campeonato Mineiro: anunciou logo a contratação de dois velhos conhecidos do futebol mineiro: Fábio Júnior, ex-Cruzeiro e Atlético, e que estava no Brasiliense, após correr o mundo, e Joãozinho, filho do famoso Bailarino da Toca.

FÁBIO JÚNIOR tem 32 anos e Joãozinho, 29. Ambos assinarão contrato, a princípio, até o final do Campeonato. Se mostrarem condições e vontade de ficar, renovarão até dezembro. Vale a pena o risco.

Um comentário:

  1. O kleber tava bem "normal", matando a gente de raiva e de alegria, apanhando e batendo tbm...depois entrou aquela plasta do WP, mas, ainda bem que o jogo já tava ganho...eles faz aquele auê com a torcida pq sabe que nao tem futebol suficiente pra encantar, espertinho demais...O Bernardo saiu pq joga pro gasto e é só...
    Obina no Galo??? "os dois se merecem"...ou os tres? Ou os quatros?...sei lá nao sabemos mais a quem pertence esse time...Time??? hahaha...

    ResponderExcluir

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.