terça-feira, 23 de março de 2010

SELADA A PAZ . MAS SEM UISQUE?

NOS BONS TEMPOS do meu saudoso amigo Elias Kalil uma trégua como a atual, acertada entre seu filho Alexandre e o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, teria aperto de mão e troca de presentes. De público. Depois, às portas fechadas no estiloso gabinete presidencial da entidade rolaria o legítimo Ballatines Gold Seal. Dom Elias era assim. Comemoração no duro não permitia lei-seca e nem coisa pequena. Tinha que ser do tamanho do Atlético.

TALVEZ tenha o espírito de Elias encaminhado o ex-Urso Bravo a reconhecer que o mundo tá violento demais e não precisa de quem contribua. Sob terrível pressão da indecisão entre colocar outro stent,como recomendam uns ou abrir o peito e botar safena como dizem outros, tenho aprendido bastante com Madre Tereza de Calcutá, Ganhdi, Krisnamurti, Gibran Kalil e aos poucos ensarilho minhas arnas. Não vale a pena. Inimigo no coração torna-o terra arrasada, árida. Alexandre tá certo; dê o coração aos amigos e a mão direita aos desafetos.

Um comentário:

  1. O nosso presidente, infelizmente tem que ser mais ameno com o circo brasileiro de futebol, pois apesar dessa entidade ser uma verdadeira máfia, nao tem como bater de frente, pois o nosso galo sempre foi muito prejudicado, e talvez fazendo um pouco de média com aqueles crápulas, nao tenhamos tantos problemas com arbitragens e outras coisas mais...

    ResponderExcluir

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.