sábado, 14 de agosto de 2010

SAGA DE UM APOSENTADO SOB O JUGO DO BRADESCO

PARTE V

Acho legal e moral – ao contrário da ação deles que é ilegal e imoral – esta minha pendenga contra o Bradesco, Finaza/BCM, agora Bradesco Promotora, além das firmas picaretas que representam os tubarões no contato direto e nos dribles de efeitos danosos no usuário – leia É Crédito – por que me permite amealhar material suficiente para, quem sabe, escrever outro livro. Diria, o meu oitavo livro.

Como escrevi na parte IV, fiz denúncia no Banco Central e de lá me encaminharam à agência Assembleia do Bradesco, onde estive com o gerente Dennys Lomasso. Anotou todos os dados da questão, falou com São Paulo e dois dias depois chegavam no meu computador o boleto de pagamento e a planilha de juros.

Não poderia todo este desgaste ser evitado antes? Sem burocracia, sem os atropelos da incompetência do pessoal da É Crédito? Fizeram-me, junto de minha mulher, ir ao centro da cidade umas cinco vezes, sob argumentos chulos, mesmo sabendo do meu estado de saúde. Gastei com taxi, com estacionamento, fui humilhado, xingado, posto pra fora do escritório da É Crédito. Exigiram minha presença onde não era preciso, tive que subir rampas, morrinhos e escadas para atender à retaliação rancorosa das meninas da firma É Crédito. Que tipo de parceiro o Bradesco escolheu!

Tudo isso baseado na vampiresca sede de dinheiro dos banqueiros, dispostos a sugar seus clientes até a última gota. A idéia, segundo a própria moça Flávia Alves,funcionária da Bradesco Promotora que me atendeu e a atendente da É Crédito, é fazer o cliente desistir e continuar pagando mensalmente. Antecipar quitação, nunca.

E a planilha de juros mostra tal absurdo. Paguei R$ 17.152,64 de R$ 13.711,78 que ficaram no meu poder por apenas três meses – se tanto. Encerrei minhas atividades na agência da Prudente de Morais,porque, além de tudo, a principal gerente da agência, dias depois, ao responder uma consulta minha sobre os juros cobrados, respondeu: "Foi o tipo de empréstimo que o Senhor fez". Eu disse: "Mas a gerente Rosângela,que cuida de minha conta, me recomendou este procedimento e até me indicou à promotora Flávia da agência Savassi". Então ela finalizou: "Se fosse comigo, eu não o teria aconselhado". Por isso encerrei minha conta. Como posso ter conta num lugar onde a gerente tem esta mentalidade? Certamente não fez cócegas no pensamento dos poderosos.

Mas se formos juntando tais gotas dágua, montaremos um oceano de protesto contra os absurdos do Bradesco. Internet tai é pra isso. Na comunicação conservadora, o Bradesco manda parar. Censura.

Tem mais ainda pela frente: paguei os dois boletos – o meu e da minha mulher – até duas vezes com relação à parcela 2, cujo desconto foi procedido nos nossos contracheques e apareceram assim mesmo na planilha do Bradesco. O banco não tirou sob alegação de que o Estado descontou mas não havia repassado para ele, ainda. Ou seja, os bobos aqui pagaram o dobro de seu parco benefício para atender ao gigante financeiro. R$ 700,00 para mim pesa bastante.
Sou guerreiro dos Anselmo de Caratinga. Não entrego os pontos. Sou daqueles que dão um boi pra não entrar numa briga e não aceitam uma boiada pra sair dela. Vou a caminho da Rua Curitiba, atrás do Tribunal de Pequenas Causas.

DEPOIS EU CONTO MAIS...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.