sexta-feira, 19 de novembro de 2010

FABRÍCIO CADA VEZ MAIS GANHA MINHA ADMIRAÇÃO

Se do ponto de vista profissional a atitude de Fabrício abandonando o gramado em protesto contra a arbitragem de Sandro Meira Ricci, logo após a marcação do gol, merece críticas e severa advertência da diretoria, no aspecto moral precisa passar em branco; ou melhor, ser a cena esfregada na cara do juiz e do pessoal da Comissão de Arbitragens pela força da indignação que a isolada atitude do atleta representa. Seu trabalho regado a suor e, porque não a sangue, foi violentado por uma arbitragem pusilânime, ou dissimulada e parcial.

* Pouco importa se nomes importantes condenaram sua atitude. O que interessa é que ele agiu de acordo com a sua consciência e como quer a torcida de seu time.

FESTA NO DESEMBARQUE - Os 300 torcedores que foram ao Aeroporto de Confins recepcionar a delegação o fizeram em louvor ao espírito guerreiro de Fabrício. Seu nome gritado pelos presentes tornou-se um grito de guerra que, talvez, possa levar o Cruzeiro a conquistar os nove pontos a serem disputados. E acordar os deuses do futebol contra as manipulações feitas no submundo do futebol brasileiro em favor do Corinthians no ano de seu centenário.

* Também concordo com a blindagem da diretoria, preservando Fabrício de embates contra os árbitros pela Imprensa. Eles são fortes, corporativistas.

MAIS GRITOS POPULARES - A leitora Fernanda Resende/BH manda email e diz: “tô boba com este email...é realmente algo para se refletir”. E repassa a mensagem que lhe chegou de Gustavo Lemos, celular 31923558 -- - não revelarei os números finais – contando parte da vida do árbitro Sandro Meira Ricci. Não vou repassar, Fernanda, mas publicá-lo, porque merece.

“Você sabia que o Sr. Sandro Meira Ricci é seu empregado? Pois é, eu também não sabia, até que ele me chamou a atenção por sua péssima atuação na partida entre Cruzeiro e Corinthians, que – podem anotar – decidirá o campeonato a favor da equipe paulista. Sandro Meira Ricci é servidor público federal, da carreira de analista de comércio exterior”.

* Até ai, tudo normal, pensa a Trincheira, porque o árbitro de futebol tem que trabalhar pra que possa exercer sua profissão no futebol. Exigência legal.

FUNCIONÁRIO BEM PAGO - Segundo a mensagem de Gustavo, “ hoje ele exerce o cargo de Ouvidor do Ministério de Desenvolvimento de Industria e Comércio Exterior em Brasília-DF. O cargo público ocupado por Sandro em Brasília é um dos mais bem pagos do país. O salário de Sandro não é divulgado, mas deve variar entre 14 e 20 mil reais por mês”.

*“ E qual é o problema de Sandro Meira Ricci ser um servidor público federal?” é a pergunta que faz Gustavo Lemos. Também faço a mesma pergunta.

AUSÊNCIA EXAGERADA - E o próprio Gustavo responde “Não haveria problema algum, não fosse o fato de esse cidadão apitar jogos em dias de semana em cidades bem distantes de Brasília, como São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Rio Grande do Sul, Belo Horizonte, Fortaleza e outras. Sandro passa cerca de metade da semana ausente do Ministério em que trabalha para apitar jogos pelo Brasil. Onde será que fica sua cabeça quando finalmente chega para trabalhar em seu emprego oficial?”

* A gente acostumada com os deputados e senadores gazeteiros que até se esquece dos funcionários bem remunerados.

SEGUNDO EMPREGO - Vamos em frente com a mensagem; “ Em seu segundo emprego, Sandro também recebe um belo salário, mas trabalha de outra forma: ele nunca falta às partidas da série A ou da série B do campeonato Brasileiro por causa de seu cargo em Brasília. Isso porque, na CBF, o árbitro recebe por jogo trabalhado, já em Brasília... Servidores públicos não podem ter dois empregos. Parece que a turma de Brasília não tem assistido muita televisão ultimamente, afinal, é só ligar a TV que lá está ele, apitando vários dos jogos mais importantes do país”.

* Ricci faltar no emprego de Brasília não dá problema. Porém, se faltar no segundo emprego, a CBF e o STJD lhe cortam os bagos.

DESCARGA NELE - Gustavo segue questionando com muita propriedade: “Se um empregado seu faltasse metade da semana ao serviço, você o manteria no emprego? E se esse funcionário recebesse um salário maior que o de 95% da população brasileira? Se Sandro fosse funcionário de uma empresa privada, certamente já teriam dado uma descarga nele há algum tempo, mas fazer graça com o chapéu dos outros é fácil, e o Ministério parece não se importar nem um pouco que um funcionário seu falte ao serviço boa parte da semana para apitar jogos de futebol”.

* “Vai ver é porque o dinheiro não é do Ministério. É meu. É seu - ressalva Gustavo Lemos - É de tantos outros brasileiros que pagam a mais alta carga tributária do mundo esperando que esse dinheiro seja bem empregado”.

COITADO DOS SERVIDORES - Por fim, a mensagem lamenta: “Coitado também dos servidores que trabalham direito. Cinco dias por semana, no horário certo. Eles também sofrem com figurinhas como Sandro. Porque, no final, a fama de aspone, preguiçoso e acomodado não vai para quem deveria, vai para quem mais trabalha. A você, que paga impostos, peço que divulgue essa situação absurda chamada Sandro Meira Ricci. A você que não paga, uma má notícia: seu país estaria bem melhor se não existissem vários Sandros em cada repartição pública. Eu não quero pagar parte de meu salário para alguém que recebe para não trabalhar. E você?”

* Ô louco, Gustavo, sou aposentado do INSS e recebo uma merreca. Como reparti-la com alguém?

PROBLEMA DO PALMEIRAS - Não acredito nessa história de mistão ou time titular no Palmeiras. Tirante. Marcos Assunção pelos chutes decisivos de fora da área e o Gladiador Kleber, tanto faz o Palmeiras jogar com os reservas ou titulares. O próprio Felipão costuma afirmar que o elenco é do gasto, ano que vem terá de mudar por completo. Então que o Galo não se iluda e faça sua parte. Entrará em campo sabendo o que aconteceu no jogo Flamengo, 40 pontos, e Guarani, 37, no Rio. Ambos são seus concorrentes diretos.

* No domingo, o Galo poderá reforçar a torcida do Timão contra o Vitória. Torcerá pra si e pela desgraça do arquirrival celeste, no caso de uma derrota dos baianos.

CONFIANÇA NO JUIZ - Sem dois jogadores importantes, Irênio e Luciano, o treinador Mauro Fernandes terá outra preocupação maior para a decisão do América neste sábado contra o Sport, na Arena do Jacaré. É esconder o sol com a peneira imaginar que o Coelho tem mais prestígio que os pernambucanos na CBF, que gosta mesmo é de time com torcida grande e campo lotado. Por isso, olho na arbitragem.

* O técnico americano achou boa a indicação de Djalma Beltrami, auxiliado por Marçal Rodrigues Mendes e João L. Coelho de Albuquerque, todos cariocas.

* Sou que nem aquele secretário de Segurança de São Paulo. Bandido bom é bandido morto. Árbitro de futebol confiável, só após o jogo.

NO CLUBE MINEIRO DA CACHAÇA - Aproveito pra avisar que dia 29 deste estarei autografando meus dois últimos livros: Divinas Marias e Muitas Histórias Pra Contar no Clube Mineiro da Cachaça, rua Mármore, 373 - Santa Tereza, a partir das 8 da noite.

* Na pauta, debate com o público sobre Estatuto do Torcedor e outras mumunhas do futebol tupiniquim.


Flávio Anselmo
Acesse meu blog
www.flavioanselmodepeitoaberto.blogspot.com
Twitter @fganselmo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.