quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

BOM PRA APRENDER A RESPEITAR

COM A EXTRORDINÁRIA CHARGE DE EDRA. CONSULTE A RELAÇÃO AO LADO

O susto que o Galo levou diante do Iape, no acanhado estádio Nhozinho Santos, ainda que confinado às patriotadas do juiz de jogo, ao validar dois gols irregulares na virada dos locais, serviu de lição. Das boas.
O time fez l a 0 logo de cara, contra um adversário sabidamente fraco e cuja única aspiração seria a partida de volta na Beagá do doutor Lacerda, e subiu no salto alto.
Tá vendo! Joãozinho, também, gosta de um salto alto!
Tomou a virada, deu a virada e trouxe o apertado placar de 3 a 2. Apertado é difícil. Visto o time deles perder várias oportunidades no início do confronto.
Mandou até bola na trave.
Galo joga pelos resultados agora que todos conhecem. Não ficará da Copa do Brasil. Seguirá em frente, mas com sabor de sorvete de jiló com molho de boldo.

Aquela cena provocada pelo técnico Dorival Júnior e o diretor do Iape – ou dono, sei lá! – foi feia e desnecessária.
Dorival desceu ao nível dele no bate-boca mostrado pra toda Geraes.
Além do que, com o cabedal e o tempo de janela que tem, Dorival devia saber que tais ações resultam em nada.
Não há anulação dos lances e nem dos gols.
Mais importante seria descer aos vestiários e botar seu time em ordem.
Como aliás fez, Sem nenhum brilhantismo, mas suando a camisa e mostrando a velha raça o Galo virou o jogo.
Festa em São Luiz e a seriedade de volta no Atlético.

É o que se pode imaginar que o time tenha contra o América, na Arena do Jacaré, neste domingo. Não pense que, por ser favorito, o Coelho estará no papo.
Será um clássico indigesto. O time de Mauro Fernandes não é vice-líder por acaso.
O técnico, há um ano à frente da equipe, arrumou bom time.
Não é fantástico, como também, não é o de Dorival.
Como de resto nenhum time no País.
Fantástico no mundo da bola hoje em dia apenas o Barcelona de Lionel Messi.
E olhe lá!
Porém, tem força pra encarar o líder do Mineiro e derruba-lo.

Ao enfrentar o América, em Teófilo Otoni, no Vale do Mucuri, terra de torcedores fanáticos do futebol mineiro, o Cruzeiro fará um marco histórico na região.

Volta à bela Capital das Pedras Preciosas, da lentidão dos bichos-preguiça que dão um aspecto ecológico à praça central, após 61 anos.
Em fevereiro de 1950, foi pela primeira vez à TO jogar dois amistosos contra o extinto Atlético local e perdeu os dois: 2 a 1 e 3 a 2.
No meio deste período, eu morava em Caratinga e havia aceitado um convite pra jogar no América, maior rival do EC Caratinga.
Tirar-me do juvenil do Caratinga pra jogar nos semi-profissionais do América foi uma vitória pessoal do sr. Luiz Gordurama, presidente americano.
Assim o chamavam pelas costas os atletas do clube. Sr. Luiz era contador do Banco Ribeiro Junqueira, cujo gerente era seu Geraldo Alves Pinto, pai de Ziraldo e Zélio.
Sr. Luiz era uma figuraça: magrelo ao extremo, usava suspensórios e morria de amores pelo América.
Meu terceiro jogo foi em Teófilo Otoni, contra o América. Um amistoso.
O centroavante dele era um negão de quase dois metros de altura, uns 20 de largura e uns 30 de fundura. Caruê, seu nome – ou apelido, sei lá.
Deitou e rolou. Não adiantaram nada porradas que eu e meu amigo Cota, companheiro de zaga, dávamos nele. Final, eles 3 a 1 com três gols do Caruê.
Isso foi por volta de 1962. Não sei como está o estádio do América hoje.
No meu tempo, era um pasto no gramado, sem alambrados e apenas murado. Vestiários? Numa casinha, duas salas, sem chuveiros.
O América de Teófilo Otoni está invicto no Campeonato Mineiro e ocupa a sexta posição, com seis pontos.
No jogo-treino contra o Sagrada Esperança de Angola, fazendo pré-temporada na Toca l, Cuca mostrou a cara do time que irá a Teófilo Otoni. Um mistão forte.
Os titulares serão preservados pra guerra em Ibagué, Colômbia, contra o Tolima quarta-feira que vem. O Tolima perdeu na última quarta para o Estudiantes por l a 0.
O time deve ser com Rafael; Rômulo, Edcarlos, Leo e Fabrício Carioca; Leandro Guerreiro, Everton, Pedro Ken e Dudu, Thiago Ribeiro e Farías ou Ortigoza.
Pra não ficar incompleta a informação, o Mistão Azul goleou, também: 4 a 1 no time
Como é de conhecimento geral, inclusive do serviço secreto da PM, o volante Pedro Ken disse não ao Atlético Goianiense e preferiu ficar na Toca.
Não é bobo, nem nada. Pagamento em dia faz diferença.
Libertadores é quase aquilo que se viu entre Fluminense x Nacional, no Engenhão. Futebol, zero. Qualidade, zero. Placar: 0 a 0. Botinadas: 10 por segundos.
Os jogos Cruzeiro 4 x Estudiantes 0; Cruzeiro 4 x Guarani 0 foram duas raras exceções que nem sei se repetirão mais nesta competição.
Não tenho dúvida, também, que o Botafogo fará o placar suficiente diante do River Plate, do Piauí, pra seguir em frente na Copa do Brasil.
Porém, a derrota de quarta ( 1 a 0) será terrível mancha no currículo de Pai Joel.

Tá certo Alexandre Kalil: nem boteco tem vendido pinga no fio de bigode, fiado.
Por que haveria de o Atlético aceitar a palavra dos cartolas do Vasco e liberar Diego Souza fiado?
Se a Traffic dona de 50% dos direitos do atleta já fez negócio com os vascaínos, de graça ou com dinheiro à vista, o problema não é do Galo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.