sábado, 18 de junho de 2011

TABU DO CRUZEIRO CONTRA O MITO DO COELHO







Quando aportei por aqui a primeira vez, o segundo grande time era o América, campeão mineiro em 1957. Dono do segundo estádio da Capital, o da Alameda. O Cruzeiro era freguês e o Galo brigava pau-a-pau. O tempo mudou tudo. Só não tirou da cabeça de muita gente que o Coelho engrossa, é a asa negra dos azuis, e freguês cativo do Atlético.
A realidade é outra. Os números desmentem o mito dessa força psicológica do Coelho frente ao Cruzeiro. De qualquer forma, não desmistificou o clássico, ou seja, não é um jogo comum. No qual, tem-se o favorito disparado e aposta-se todas as fichas nele.
Cruzeiro tem um longo tabu diante do América. Vai defendê-lo, neste sábado, às nove da noite, na Arena do Jacaré. A última derrota foi há mais de nove anos, em 19 de maio de 2002, por 1 a 0, pelo Supercampeonato Mineiro. Mesmo derrotado, a Raposa ficou com o título estadual, disputado em pontos corridos entre América, Atlético, Cruzeiro, Mamoré (os quatro representantes do estado na Copa Sul-Minas) e ainda a Caldense, campeã mineira do interior.
No período posterior foram ll jogos entre eles com sete vitórias dos azuis e quatro empates. O Cruzeiro marcou 23 gols e levou 13. O maior placar nesses jogos foi a goleada celeste por 4 a 0, no Mineiro de 2005.
Conforme mostra o Superesportes, no retrospecto geral entre as equipes, foram 346 jogos, com 144 vitórias do Cruzeiro, 104 empates e 98 vitórias do América. O time celeste marcou 621 gols e contra 505. As duas maiores goleadas do clássico foram da Raposa: 7 a 0, na Copa Sul-Minas de 2002, e 8 a 1, no Campeonato Mineiro de 1931.
Pra quem acredita em números passados o resumo é este.
Este filho do Sodico acredita mesmo é no momento. E agora, sinceramente, apesar da superior qualidade individual dos azuis, sua fase não permite que seja rotulado de favorito. Isso passou a ser coisa do passado.
No Brasileiro deste ano, o Cruzeiro de Cuca é uma equipe desesperada, sem vitória, no G-4 do Mal, enfiado dentro de uma crise interna e que só conseguirá sair dela se vencer esta noite e os jogos seguintes.
O time será aquele que Cuca gosta: Pablo meia boca na lateral direita; Gilberto inventado na lateral esquerda, onde não ficará, cabendo a Marquinhos Paraná encostar no setor e abrir o meio. Ainda bem que terá Henrique e Fabrício no meio. Mantém Anselmo Ramon e Wallyson no ataque. Diego Renan, Dudu e outros garotos ficarão na reserva. E olhe lá!
O lateral Pablo quer permanecer no Cruzeiro, mas pode estar mesmo com os dias contados na Toca. O contrato de empréstimo do jogador vence no fim de junho e, para ficar em definitivo com o atleta, o clube celeste precisa pagar 1,5 milhão de euros ao Zaragoza, da Espanha, e assim adquirir 80% dos seus direitos econômicos.
Sorte de Cuca é que o americano Mauro Fernandes, também, decidiu inventar. Não confia não equilíbrio emocional de Sheslon, brigado com a torcida, e jogará com três zagueiros, improvisando Otávio na direita.
Tudo porque o titular e convincente Marcos Rocha está suspenso.O problema maior de Mauro é a dúvida pelo aproveitamento de Alessandro, artilheiro do time e um dos goleadores da competição. Sentiu uma lesão na coxa e depende de teste. Isso de aproveitar atleta testado em cima da hora nunca funcionou direito.
A não ser que Mauro esteja, na realidade, escondendo o jogo. Alessandro joga e o técnico diz que pretende esperar sua recuperação. Se a estratégia funciona, veremos durante o clássico.
Perrela quer fazer do argentino Farias uma mercadoria descartável de qualquer forma pra compensar o erro de contratá-lo através de vídeo. O Cruzeiro tinha um pré acordo para emprestar o atacante Ernesto Farías por um ano ao Sporting Braga, sem custos, e pagando parte dos salários. No entanto, o argentino não aceitou ser emprestado e quer voltar a Portugal em definitivo, com um contrato de três anos. Seu salário atual é de R$ 200 mil, pagos em dia. Quem quer perder uma boca igual, sem trabalhar, sem enfrentar torcedores revoltados e pontapés dos brucutus das defesas adversárias? Caso o empréstimo fosse num igual período para o Estudiantes da Argentina, Farias iria depressa. É torcedor fanático do time de La Plata.
Outra surpresa de Dorival Júnior prometida para o jogo de domingo contra o Atlético Goianiense, na Arena do Jacaré: além do volante Gilberto, que ganhou a disputa com Dudu Cearense e substitui Felipe Souto, o técnico atleticano não fará nenhuma adaptação à lateral direita. Sem Patric lesionado, lançará o garoto Roger, das divisões de base, sobre quem falam maravilhas. O próprio Dorival tem acompanhado a carreira do garoto há mais de seis meses.
Gilberto terá sua primeira oportunidade como titular da equipe. No coletivo da semana, volante formou o meio-campo com Serginho, Daniel Carvalho e Giovanni Augusto. Feliz com a oportunidade, Gilberto espero mostrar suas qualidades e se firmar no time.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.