domingo, 10 de julho de 2011

GALO QUEBRA SEQUÊNCIA DE DERROTAS E AFUNDA COELHO

Se os jogadores do Atlético acreditam que aquela atitude de dar um gelo na imprensa na saída do intervalo teve peso significativo na vitória sobre o América por 2 a 0 – um gol em cada tempo – tirem logo seus cavalinhos da chuva. Bateram num velho freguês, sem nenhuma força. A péssima qualidade do espetáculo justifica campanha ruim dos dois no Brasileiro.
O Galo melhorou alguma coisa, claro, e até Dorival Júnior esteve melhor nas alterações da partida. Nada de entusiasmar, contudo. Valeu pela vitória que fez o time dar um bom pulo na classificação geral, chegar aos 11 pontos e sair da zona do rebaixamento.
Já o Coelho completa seu oitavo jogo sem vitória (venceu apenas o Bahia, na estreia, por 2 a 1) e vê a situação se complicar ainda mais. Com apenas seis pontos, o time não sai da zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro, na 18ª posição.
O primeiro gol marcado por Jonathas Obina foi fruto de excelente jogada. O time tocou a bola por todo campo até o passe final ao filho de Sete Lagoas. O chute de perna esquerda saiu forte e o goleiro Flávio colaborou. Obina parece que ganhou a posição de centroavante.
No segundo, ele participou do contra-ataque com Neto Berola que acabara de entrar aos 20m. Berola marcou seu segundo gol no Brasileiro.
Apenas 7.300 torcedores pagaram ingresso pra ver o clássico. O próximo jogo do Galo é que definirá a possibilidade do time entrar nos trilhos: enfrenta o Vasco da Gama, em Ipatinga.
O Corinthians teve sua quinta vitória seguida e manteve-se na liderança invicto com 22 pontos. Derrotou o Atlético-GO, no Serra Dourada, por l a 0, gol de William. O Flamengo, também, invicto, mas com quatro empates, continua na vice-liderança com 19 pontos. Ganhou o clássico com o Fluminense por l a 0. São Paulo em terceiro e Palmeiras, em quarto, ambos com 18 pontos completam o G-4 atual.
No próximo domingo, o Cruzeiro receberá o Bahia, às seis e meia, na Arena do Jacaré, atrás da quarta vitória na competição. A despeito de jogar em casa, junto de sua torcida, os azuis não esperem moleza. Quem viu o empate (1 a 1) entre Botafogo e Bahia, no Pituaçu, sabe do que falo. Os baianos armaram bom time.
Mentira ou jogo de estratégia? São explicações que os repórteres exigem de Mano Meneses. Isso não aconteceria com Dunga, Luxemburgo ou Felipão. A questão surgiu por causa da presença surpresa de Jadson no time contra o Paraguai. Mano fez três testes na Seleção e dois foram revelados pela diretoria de comunicação da CBF: a saída de Ramirez e Robinho e as entradas de Elano e Lucas. A terceira opção não foi informada e aconteceu. Ramirez no time e Jadson no lugar de Robinho.
E o que querem cobrar de Mano? Outros treinadores – Dunga, por exemplo – só anunciava a equipe dentro do prazo estabelecido pela Fifa, 45 minutos antes do início da partida. Tal atitude não cobro do nosso treinador. Cobro melhor leitura da partida e dos adversários pra que possa mudar certo e promover as melhores escalações.
No treino da última quarta-feira, Mano Menezes fez três testes na Seleção Brasileira. Dois deles foram revelados pela diretoria de comunicação da CBF: saídas de Ramires e Robinho para as entradas de Elano e Lucas. Porém, a terceira alternativa não foi informada de forma oficial, com Jadson no meio-campo, ajudando Paulo Henrique Ganso na criação das jogadas.
A bela Hope Solo já havia anunciado que não lhe interessava o título de musa da Copa do Mundo. Estava focada na partida contra o Brasil. Dispensava os elogios à sua beleza loura de olhos verdes e que vissem tão-somente seu talento em campo. Mostrou isso na eliminação do Brasil neste domingo.
O jogo válido pelas quartas de final da Copa do Mundo de futebol feminino na Alemanha terminou empatado em 2 a 2. O Brasil vencia por 2 a l, abalado com um gol contra de Daiane e levou o empate bem no final. Na cobrança de penais, Hope Solo defendeu a cobrança da mesma Daiana e classificou os Estados Unidos.
Os Estados Unidos, agora, fazem a primeira semifinal do Mundial contra a França, na cidade de Mönchengladbach, quarta-feira, às 13h (de Brasília). O Brasil volta para a casa. Na outra chave, a Suécia pega o Japão.
Nesta terça-feira, Uruguai e México se enfrentam em La Plata, na última rodada da fase de classificação da Copa América. A partida é muito importante para a Celeste, que, com dois pontos, precisa vencer por dois gols de diferença para garantir a vaga nas quartas de final. Chile e Peru jogam mais cedo e estão empatados com 4 pontos. Se houver empate no jogo, só um milagre salva os uruguaios.
No grupo do Brasil a decisão será na próxima quarta-feira. A líder Venezuela, com quatro pontos, precisa apenas do empate contra o Paraguai, que tem dois pontos e joga só pela vitória. O mesmo acontece com o Brasil diante do Equador, que tem um ponto e grandes esperanças de chegar a quatro. Só a vitória interessa aos brasileiros que, ainda, não venceram na competição.
A Colômbia derrotou a Bolívia (2 a 0) no grupo A e se classificou. Deixou apenas uma vaga que deverá ficar com a Argentina desde que vença a Costa Rica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.