quinta-feira, 7 de julho de 2011

MONTILLO LEVANTA DE VEZ O ASTRAL DO CRUZEIRO

(Foto Washington Alves/ AE/Uai)

O futebol alegre que voltou a jogar, as comemorações diferentes e coletivas após os belos gols que marcou, fizeram do argentino Walter Montillo, mais uma vez, a locomotiva do trem azul. E com força suficiente pra levá-lo rampa acima, saindo da rabeira da competição onde se atolou no início, em busca das primeiras colocações.
No momento, Montillo assumiu a liderança dos artilheiros, com seis gols, um à frente de Ronaldinho Gaúcho.
Já se pode dizer que a alegria e a competividade instalaram-se definitivamente na Toca da Raposa sob o comando do “capitão” e papai Joel Santana. O futebol que todo time do Cruzeiro mostrou tendo Montillo de maestro foi consciente, seguro e quase nenhuma chance deu ao Grêmio dos estreantes técnico Julinho Camargo e do pentacampeão Gilberto Silva.
Tirante uma defesa no segundo tempo, num chute de perto que Fábio apareceu numa defesa milagrosa, os gaúchos foram engolidos pelos azuis. Naldo e Gil formaram uma dupla de zaga perfeita por cima e por baixo. Vitor, além longe de suas melhores condições físicas, acertou a lateral direita e Diego Renan, antes de se lesionar, aos 22m do primeiro tempo, tomou conta da esquerda. Everton entrou em seu lugar e não deixou a peteca cair.
Marquinhos Paraná e Leandro Guerreiro na cobertura dos alas e Fabrício ajudando Montillo no apoio dos rapazes do ataque funcionaram perfeitamente. Thiago Ribeiro e Wallyson não fizeram gols, porém abriram bons espaços para Montillo. Este sim, o dono do jogo. No seu primeiro gol, o voleio de primeira numa bola milimetricamente lançada por Fabrício. Uma jóia de arremate. O segundo mais bonito ainda. Wallyson roubou a bola de Fábio Rochembart, foi à linha de fundo e deu o passe para Montillo na entrada da área. O chute dele saiu forte, pegou na trave superior, descaiu pra tocar no poste esquerdo e ir às redes. Placar final: Cruzeiro 2 a 0.
A superioridade mineira merecia placar melhor. Porém, ficou de bom tamanho. Afinal é a terceira vitória seguida do time no comando de Joel Santana.
Agora, o Cruzeiro voa pra São Paulo e enfrenta neste sábado os sãopaulinos quase em crise. Depois de uma seqüência sensacional de cinco vitórias, o time de Paulo César Carpeggiani entrou em parafuso e já não vence há três partidas. Torna-se uma fera ferida e perigosa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.