terça-feira, 12 de julho de 2011


Nada contra a decisão do Conselho Administrativo do América em dispensar o técnico Mauro Fernandes (na foto de Jorge Gontijo/EM DA Press). O ideal seria que a cultura do futebol brasileiro fosse outra. Mas não é. Treinador passa nove jogos sem vitórias, no Campeonato Brasileiro, freqüentando a zona do rebaixamento, não há o que se fazer. Antes que seja tarde, o remédio é trocar de comandante.
O descrédito é tanto que nem o elenco sente-se à vontade com o treinador perdedor. Surgem as fofocas, os grupinhos, os descontentes ganham força e por aí vai.
Demitir é fácil. Manda lá o supervisor ou o diretor de futebol, “muito obrigado, as portas ficarão abertas”, diz o manda-chuva por telefone, não há multa contratual. Pronto, esse problema está resolvido.
Contratar outro é que é o problema! Quem? Os rotulados treinadores de ponta disponíveis custam uma boa nota. O salário base desse pessoal hoje roda na casa dos R$ 500 mil. Até porquê correm por conta deles salários e obrigações sociais dos demais membros da Comissão Técnica. Chegam com a barca de apadrinhados lotada.
Treinador na faixa do América pode vir sem arrastar muita gente – talvez o auxiliar-técnico, o preparador físico, treinador de goleiros, pessoas de sua confiança. De qualquer maneira, esbarra aí na casa dos R$ 100 mil mensais. Ou estou fora da realidade? Só espero que o pessoal do América não dê aquele salto aos tempos de antanho e traga Givanildo, Hélio dos Anjos e outros nomes que nem habitam mais minha curta memória. Renovar é preciso

Um comentário:

  1. JUSTO MARTINS PARÁ DE MINAS12 de julho de 2011 20:10

    MAURO FERNANDES FOI O SEGUNDO TREINADOR Q VC PERSEGUIU ATÉ CAIR. NÃO CONSEGUIU DERRUBAR O DORIVAL O KALIL NÃO TE HOUVE EM NADA. A ONDA COM O TRENADOR DE GOLEIRO DO GALO FOI VC QUE COMEÇOU TABEM. QUETA Aí Ô CRUZEIRENSE FRESCO!!!!

    ResponderExcluir

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.