sábado, 13 de agosto de 2011

SONHO DO COELHO VIROU PESADELO

EM APENAS 10 MINUTOS, os deuses do futebol permitiram o América sonhar com uma vitória sensacional sobre o Botafogo no Engenhão, quebrando um tabu em favor dos times mineiros que jamais venceram naquele estádio, inaugurado em 2007. O Coelho começou a partida fulminante: logo aos 2m Alessandro livre na área cabeceou pro gol vazio, após uma lambança do volante Marcelo Mattos. A bola foi alçada na área na cobrança de uma lateral por Marcos Rocha - o melhor do América em campo - e o meiocampista carioca, de coxa, tirou o goleiro Jefferson da jogada e botou a bola na trave. No rebote, Alessandro marcou. Poucos minutos depois, Marcos Rocha lançou Kempes na ponta direita. Este lançou Rodriguinho na entrada da área; de corpo ele venceu um zagueiro do Fogão e tocou no canto do goleiro: 2 a 0. Inacreditável.
Um lance que me pareceu decisivo na partida aconteceu aos 29m. Elkerson entrou violentamente em Dudu e apenas levou cartão amarelo. Lance típico de expulsão. No minuto seguinte, o mesmo atacante driblou Dudu e mandou uma bomba, no ângulo direito de Neneca, indefensável. América, 2 a 1.
No segundo tempo, o sonho americana tornou-se pesadelo. O recuo exagerado permitiu campo ao Botafogo. O empate veio numa cobrança de escanteio; o zagueiro Antônio Carlos subiu livre, na marca do pênalti, e de cabeça fez 2 a 2. O técnico carioca, Caio Júnior, trocou Herrera por Felipe; depois Maicosuel por Cidinho e Loco Abreu por Alexander. Givanildo tirou Kempes e Alessandro e colocou Netinho e Fábio Júnior. As trocas botafoguenses surtiram efeito. Os meninos, principalmente Cidinho e Alexander, crias da casa, infernizaram. Alexander fez os dois gols da vitória por 4 a 2, sendo o quarto de pênalti cometido em Cidinho.
O Botafogo entrou no G-4 da Libertadores e o América não saiu da lanterna do G-4 do Mal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.