quarta-feira, 12 de outubro de 2011

CARTA DE DESPEDIDA PARA UM GRANDE CARA

Caro Elmer, você partiu sem se despedir dos amigos. Também pudera. Depois de tantos anos este coração imenso, transbordando de bondade, foi corroído pela maldade dos falsos justiceiros da opinião pública – e pensar que a maioria deles frequentou seu gabinete no último andar da Federação Mineira de Futebol e riu e participou, de suas brincadeiras e de sua alegria diária .

Não tinha como resistir a decepção, a frustração e a depressão conseqüente.

Deus achou melhor convocá-lo exatamente no dia da Padroeira do Brasil; santa de sua devoção, Nossa Senhora Aparecida.

O exílio voluntário a que você se submeteu, Elmer, depois de ser tirado da Presidência da FMF de forma humilhante, descabida, por meia dúzia de fabricante do mal nos veículos de informação, também o afastou dos seus amigos.

Não devia. Elmer. Seriamos sua salvaguarda, o muro de sua proteção psicológica. Se não tivemos forças suficientes pra conter a avalanche de mentiras e dissimulações, descobertas nas entrelinhas das reportagens, não nos faltariam forças pra levantá-lo, dar-lhe as mãos. Rezar com você.

Você se blindou. Sempre tive notícias por meio de seus irmãos. Não eram boas, como você merecia naquela altura da vida. A última vez que nos falamos, Elmer, foi no enterro do coronel José Guilherme.

Não queria que fosse assim. O abraço apertado que trocamos neste dia, gostaria de vê-lo repetido, ao menos, uma vez por semana. Em qualquer lugar. Na sua casa, ou na minha. Na pracinha onde você e seus amigos se encontravam aleatoriamente. Imagino que falta que você fará nesses encontros!

Pude sentir tudo isso no velório e no sepultamento.

Jane estava ali como seus olhos e guardiã, agarrada ao caixão. Os irmãos, primos, sobrinhos, tios, irmãs, cunhados e cunhadas representavam o seu recém desgarrado espírito presente àquela comunhão.

O jornalista e amigo Lúcio dos Santos, vítima de dois AVCs, numa cadeira de rodas, era o símbolo dos que choram a dor da saudade prematura que todos haveremos de sentir quando a ficha, realmente, cair.

Espalhados pelo cemitério Bosque da Esperança milhares de amigos. Mais do que isso, em cada um deles a gratidão por você ter permitido que fossemos seus amigos.

E a resenha?

Sabe aquela que você adorava às 6 da tarde, no finalzinho do expediente, quando o gabinete do presidente, sempre de portas abertas, enchia-se de repórteres e gente da casa. Fizemos outras em lembrança de tais momentos. Não me peça nomes, Elmer. Eu poderia cometer ato falho de esquecer alguém, com esta memória ruim de agora. Gente demais.

Reparei bem cada um dos irmãos. Senti como os Guilherme Ferreira são fortes. Há sempre o pedaço de um no coração do outro. O que os torna imortais. Não morrem, desencantam. Deus permite que os bons fiquem por aqui, invisíveis, porém presentes em cada ato que se realiza a serviço de causas que desencantados defendiam.

Senhora Aparecida sabe que você não deve sair de nosso convívio; apenas tornar-se invisível pra se descansar dos olhos dos maus. Sem sair da vista dos bons.

Para onde devo enviar esta carta? Claro que sei. Vou entregá-la aos cuidados da Padroeira. Ela a lerá e você escutará milhões de vozes de lamentos na sua partida da vida terrena. São vozes daqueles que nunca esquecerão de sua administração profícua na FMF. Do apoio constante aos times mineiros, todos – pequenos ou grandes.

Nos momentos decisivos, estava lá o presidente da FMF, otimista, sorridente, alegre e amigo.

Imagino que você não ignore, Elmer, que o número dos traidores – ou traíras, linguagem do futebol – não representa nem 0,5 dos seus milhares de admiradores e milhões de amigos. Essa morte repentina, no dia de sua santa de devoção, talvez tenha sido uma graça. Contudo, Elmer, foi dolorosa pra gente.

A bandeira do seu Coelho esteve sobre o caixão, levada por Amarelinho, ex-craque do time, representando o clube. Naquele instante do enterro, o glorioso Mecão estava na Arena do Jacaré, numa briga de vida ou morte contra o Ceará. Em homenagem ao grande americano que se foi antes da hora, o Coelhão voltou a golear um visitante. Fez 4 a l no Ceará. Não resolveu muita coisa, porque o Coelho continuou na lanterna. Apenas botou uma pequena luz no final do túnel do impossível.

Como que a lembrar: na vida, impossível é apenas livrar-se da morte. Até a gente se vê por aí, amigo Elmer Guilherme Ferreira. À benção.

8 comentários:

  1. Flávio,

    Lindo texto.
    Que amizade sincera fiquei emocionado!
    Não conheço o Elmer, somente de nome e dos casos!
    Com um texto deste e com tantos amigos ele vai repousar em PAZ.

    Abraços @paulochico

    ResponderExcluir
  2. Vc esqueceu de falar das falcatruas do Elmer... realmente ele foi pego para bode espiatorios de crimes muito maiores cometidos por cartolas, porem ele tambem cometeu nepotismos, sem falar que recebia 4 mil "por fora" da FMF e nao declarava ao imposto de renda, ou seja faldrava o bolso de todos nos que temos nosso imposto retido na fonte... vc se diz jornalista Flavio Alnsemo porem deixa seus amigos acima do bem e do mal. Ja disse tem gente com crimes muito mais sujos que Elmer soltos, porem isto nao tira a culpa de Elmer por seus crimes...

    ResponderExcluir
  3. PAULO CESAR AGRADE�O POR SUA ATEN��O E CORTESIA.
    QUANTO AO TAL DE VIOLEIRO ESTELAR que parece algum pau mandado de inimigo gratuito meu, quero afirmar o seguinte: enquanto vc encheu meu saco com outras bobagens, deixei ficar. Agora, passou do limite e me faltou com o respeito. E a um amigo meu morto hoje. N�o vou dar-lhe maiores satisfa�es. S� o aviso pra n�o fazer isso novamente porque tenho como localiz�-lo, identific�-lo. E por amigo meu topo qualquer para: na porrada ou no porrete.

    ResponderExcluir
  4. Flavio Anselmo falei alguma mentira? Caso eu tenha falado eu peço desculpas. Mas esta na midia, quem quiser procure ai na internet. Ele fazia nepotismo mesmo e recebia por fora 4 mil fora outros pequenos delitos, pode ser seu amigo, amigo ate do Papa mas sua morte nao o torna um santo. Esta no youtube a fala dele mesmo, Elmer Guilherme, admitindo no SENADO FEDERAL que recebia por fora e praticava nepotismo.. eu nao quero briga com ninguem quero apenas elucidar os fatos, no Brasil depois que morre todo mundo vira sando, ate Sarney quando morrer vai ter um monte de baba ovo falando de seus feitos e esquecendo que ele causa verdadeiros genocidios no Maranhao ao deixar o estado na completa miseria e praticar suas falcatruas...

    ResponderExcluir
  5. Flavio Anselmo...lindo comentário sobre o Elmer Guilherme, com palavras verdadeiras e sentidas!Eu o conheci pouco, mas percebi nele um caráter nobre, um homem amigo dos amigos, uma pessoa espetacular, que passava alegria e amizade!
    Feliz de vc, que conviveu com ele!!! Muita paz e muita luz, Elmer!

    ResponderExcluir
  6. Me desculpe, mas esse Violeiro Estelar é o cara mais babaca e mais sem tino que já vi no seu blog! Um idiota que se acha o máximo, que fala do que não sabe...um chato...
    Violeiro, procure ser mais informado e guarde essas suas palavras agressivas pra quem as merece!!!

    ResponderExcluir
  7. flavio anselmo vc tem o direito de moderar certos comentarios,isso que vc deveria ter feito com esse babaca se se chama VIOLEIRO or sujeitinho chato.um abraco e os meus pesames pelo o passar do seu amigo ELMER.

    ResponderExcluir
  8. Caro Flávio. Estou na Liga Acesitana desde 1983 e tive o prazer de conhecer o Elmer Guilherme. Pessoa Amavél e super educado e particularmente não tenho nada contra ele. Soube que o presidente da CBF Ricardo Teixeira, foi lançado candidato pelo Elmer. É verdade? O Ricardo Teixeira esteve no velório?

    ResponderExcluir

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.