domingo, 2 de outubro de 2011

NÃO FAÇO MAIS QUALQUER PREVISÃO


Não acompanho mais as previsões dos estatísticos, nem participo do achômetro da imprensa e dos torcedores. Nem otimista, nem pessimista. Guardarei minha boca pra comer a minha farinha. Esta rodada, por exemplo, foi desastrosa para os times mineiros. O Bahia venceu, o Ceará empatou, o Atlético Paranaense somou três pontos., enquanto os desesperados de nossos três times não fizeram mais que dois pontos em seus jogos. .

Se o Coelho achou bom o empate (1 a 1) com o Palmeiras, no Canindé, é bom lembrar que ele manteve o time na lanterna. O empate do Galo ( l a 1), então, foi caos total. O Ceará distanciou mais da Z-4 do Mal (31) e com a vitória do Atlético-PR sobre o Internacional (2 a 0) o Galo caiu uma posição. Foi pra 18º com 26 pontos. Cedeu sua posição ao Furacão que tem agora 27 pontos e está no calcanhar do Cruzeiro.que parou nos 29 pontos, após a derrota para o Grêmio (2 a 0) no Olímpico.
O Departamento de Estatística da UFMG antes da rodada dava ao América 96% de chances de cair; ao Galo, 66% e ao Cruzeiro, 36% ou números parecidos. Como procederá agora? Não adianta a matemática calcular números para o Atlético se o time não faz a parte dele. Claro que tinha largo favoritismo no jogo contra o Ceará. No entanto, nem com pênalti a seu favor e com a expulsão de dois cearenses, ali no final do primeiro tempo e início do segundo, o time de Cuca teve força pra vazar Fernando Henrique, um goleiro apenas médio, rebatedor de bola, de pouca segurança, mas que parou o não menos confiável ataque atleticano. Cuca usou quase todo mundo: André, Magno Alves, que desperdiçou o pênalti, Jonathan Obina, Daniel Carvalho e que fez o gol foi o novato Carlos César, destaque atleticano da partida.
Feito o cartaz do veterano Fernando Henrique, ex-Fluminense, o alvinegro mineiro criou ambiente pra revolta maior dos quase 15 mil pagantes e da delegação cearense que deixou a Arena do Jacaré cuspindo marimbondos contra a arbitragem do alagoano Francisco Carlos Nascimento.
Agora, na próxima rodada, os dois times seguem na luta contra o rebaixamento. O Atlético fará o clássico com o América, neste sábado, às 18h (de Brasília), novamente na Arena do Jacaré. O Ceará receberá o Figueirense, no domingo, às 18h, no Presidente Vargas, em Fortaleza.
O jogo foi bem confuso. Logo aos 4m Leonardo Silva reclamou a não-marcação de pênalti, porque teria sido empurrado na área. O Galo fez l a 0 aos 12m com o novato Carlos César, o melhor do time, após receber uma bola da esquerda e desfechar um torpedo de perna direita. Em seguida, teve outra boa chance num lançamento de Daniel Carvalho e chutou pra fora. Aliás, a dupla foi o ponto alto do Galo. Aos 20m, outra jogada boa dela e Carlos César é derrubado na área. Pênalti. Magno Alves cobrou e Fernando Henrique, adiantado, salvou. Vibrou como se tivesse feito gol.
O castigo veio em seguida: aos 37m, Leandro Chaves, de cabeça, empatou. Antes de terminar o primeiro tempo, Michel, já amarelado, pegou firme Daniel Carvalho e foi expulso.
Na fase final, Cuca mandou Jonathan Obina no lugar de Magno Alves. Antes dos 10m, o juiz expulsou o segundo jogador cearense, o lateral João Marcos. Então o confronto tornou-se linha (do Galo) contra defesa ( do Ceará) e destaque pra Fernando Henrique que pegou até pensamento. Claro, aos “goleadores” do Galo que não sabem fazer gols.
Daniel Carvalho( na foto com a bola) expressou o sentimento geral após jogo.
Estou chateado não só porque o time teve dois jogadores a mais, e sim pelos gols que perdemos. Futebol não dá para vacilar, ainda mais na fase em que nós estamos. A gente sabe que esse final de competição vai ser definido nos detalhes. A quantidade de gols que a gente erra não dá para aceitar. Mas o importante é que todos têm que assumir os erros, não são apenas os atacantes. Acho que todo mundo errou, todo mundo vacilou, e o torcedor tem todo o direito de ficar envergonhado pelo futebol que a equipe apresentou”.Estamos conversados.
Peraí, como registrei no Jogada de Classe de sexta-feira, que o Galo teria problema com a arbitragem, vou registrar a grande queixa do Ceará;
Francisco Carlos do Nascimento foi o vilão do jogo pra diretoria do Vozão. Que rotulou a arbitragem dele de “assalto a mão armada”
Givanildo Oliveira gostou do seu América contra o Palmeiras. O empate de l a l pra ele não foi justo por causa da arbitragem tendenciosa. O choro vem acompanhado de justificativas: a arbitragem minou a força do Coelho com diversos cartões amarelos e deixou de marcar um pênalti do goleiro Deola no Gilson no final da partida. Há controvérsias. O risco mesmo foi Giva deixar Micão até o final, amarelado e nervoso.

Um comentário:

  1. O time do atletico hoje na minha opinião é so questão de tempo para o campeonato acabar para o kaliu e sua incopetencia e arrogacia cair para a serie b de 2012, é lamentavel!!!!!!
    FLAVIO CARVALHO , VC SABER ME DIZER OQ ACONTECEU COM PROGRAMA MINAS ESPORTE NA BAND??????
    ACABOU O PROGRAMA ?????
    ATÉ MAIS.......

    ResponderExcluir

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.