domingo, 16 de outubro de 2011

NUMA RODADA A GENTE RESPIRA, NA OUTRA SUSPIRA

Se a rodada anterior do Brasileiro deu pra gente respirar, esta última foi trágica. Teve até Montillo perdendo seu quarto pênalti no Brasileiro. (Foto Rodrigo Clemente/EM)


Mal, mal deu para um suspiro melancólico. A coisa começou com o América. Tomou de virada do Figueirense (2 a 1) em Floripa, depois de encher sua pequena torcida de esperança, com gol de Rodriguinho. O Figueirense briga por vaga na Libertadores, mas não vinha bem sem vencer há 73 dias.

O Coelho quebrou-lhe o jejum. Agora, o América enfrenta o Grêmio, que venceu o Santos na Vila Belmiro (1 a 0) e subiu para o nono lugar.

No domingo à tarde, na Arena do Jacaré, a torcida cruzeirense fez sua parte. Prestigiou o time, gritou, incentivou, e no final curtiu a dor de nova derrota: l a 0 para o Corinthians, gol de Paulinho.

O time de Vagner Mancini não foi de todo ruim. Teve bons momentos, criou boas chances, desperdiçadas.

A daneira é que o time voltou a perder gols incríveis com os seus centroavantes de araque Keirrison e Welington Paulista.

Até Montillo pegou a ruindade dele: perdeu gols e chutou um pênalti presenteado pela arbitragem pra fora do estádio. Não é a primeira vez que isso acontece.

O que tem acontecido com o craque argentino, além da pressão familiar com a nova internação de seu filho Santilo? Seria ele o atleta mentalmente preparado pra cobrança daquele pênalti no finalzinho da partida? Salvo melhor juízo, é o terceiro que Montillo perde neste campeonato.

A situação dos azuis não se complicou mais com o time caindo pra zona do rebaixamento porque o Atlético também não esteve feliz. Ou seja, líder e vice-líder ferraram nossos times.

O Timão, líder com 54 pontos, bateu no Cruzeiro que tem 31 e manteve-se o primeiro fora da G-4 do Mal.

O Vasco, também com 54, mas uma vitória a menos (16 x 15) fez o dever de casa em São Januário.

Abriu 2 a 0 no Galo com a maior facilidade, gols de Diego Souza e Fagner. Depois administrou o placar pra evitar surpresas. A maré anda tão baixa que aos 15m do segundo tempo, Serginho que já estava amarelado entrou forte sobre um vascaíno e foi expulso.

Faço uma força danada pra permanecer otimista. Mas vejam só: entraremos sábado na 31ª rodada. Faltarão oito, ou 24 pontos. Atlético e Cruzeiro precisam de pelo menos 14 pontos pra evitarem o descenso, afirmam os estatísticos.

Eu imagino que seja uma pontuação maior, l6. Seriam três vitórias e um empate no caso do Galo e três vitórias no caso dos azuis. Mas como, com esses ataques sem pontaria?

E sintam o drama: o próximo adversário do Atlético é o Fluminense, no Rio de Janeiro.

O tricolor de Fred, autor de 13 gols. O tricolor quinto colocado, com 50 pontos e que no domingo ferrou o Palmeiras por 2 a 1, em São Paulo, gols de Fred.

Já o Cruzeiro volta à Arena do Jacaré, o que, também, não lhe dá nenhuma vantagem. Há 11 partidas não vence em lugar nenhum. Enfrenta o Atlético-GO, que tem 42 pontos, briga pela Libertadores. Na rodada goleou o São Paulo (3 a 0) no Serra Dourada.

Vamos respirar ou suspirar de desânimo?

O Botafogo, terceiro colocado com 52 pontos, deu boa mãozinha aos mineiros derrotando o Atlético-PR no Engenhão por 2 a 0. Os paranaenses estão ali em 18° lugar com 18 pontos. Imaginem se tivesse vencido. Teria passado o Atlético e encostado no Cruzeiro, o qual não seria ultrapassado pelo número de vitórias. Já o Bahia do Papai Joel subiu outro degrau graças ao empate com o Coritiba ( 0 a 0). De milho em milho enche o papinho e sobe. 36 pontos agora, cinco na frente do Cruzeiro.

Outro resultado bom para os mineiros foi a goleada do Internacional em cima do Avaí (4 a 2). Nos primeiros minutos, o time de Floripa chegou a botar susto em todo mundo. Fez l a 0, sofreu o empate e marcou 2 a 1. Então que o Colorado reagiu e chegou à vitória por 4 a 2. No sábado, o Flamengo já havia dado excelente presente para nós, com a vitória em Fortaleza por 1 a 0 sobre o Ceará.

Na próxima rodada, no entanto, se não dermos jeito, o Atlético-PR que recebe o Ceará sai da Z-4 do Mal e põe atola a gente. O Peixe, com 38 pontos, e um jogo a menos, desce o morro e tem alguma gordura pra queimar. Ou dá um jeito, ou passará as oito rodadas finais evitando o descenso. Perder em casa ( 1 a 0) para o Grêmio numa fase negra, dói também.

Perder pênalti faz parte do histórico de qualquer craque. No caso de Walter Montillo, no entanto, sua cota chegou ao limite. Seria interessante afastá-lo por enquanto desta responsabilidade. O setor de estatística e pesquisa do Superesportes, sempre em cima, apresenta a matéria abaixo, com texto de Gustavo Andrade, que peço licença para republicar aqui na Trincheira:

“Diante do Corinthians, Montillo teve a oportunidade de empatar a partida para o Cruzeiro.

Aos 33 minutos, o camisa 10 partiu para cobrança de pênalti, mas o chute passou longe do travessão da meta defendida por Júlio César. A penalidade desperdiçada contra o time paulista aumenta o retrospecto negativo do meia frente a frente com os goleiros adversários.

Montillo já perdeu três cobranças de pênalti apenas no Campeonato Brasileiro de 2011. A primeira delas não fez falta para o Cruzeiro. Em goleada por 5 a 0 sobre o Avaí, em Uberlândia, após converter uma primeira penalidade, ele cobrou mal a segunda e o goleiro Felipe fez a defesa.

Já o segundo pênalti perdido por Montillo no Brasileirão custou também a perda de pontos. Em jogo disputado na Vila Belmiro, o meia teve chance para empatar a partida, mas cobrou penalidade máxima para fora. O time celeste acabou derrotado pelo Santos por 1 a 0.

Antes de desperdiçar três pênaltis no Brasileirão de 2011, Montillo já havia perdido uma chance na edição do ano passado. Em clássico contra o Atlético, disputado no Parque do Sabiá, o camisa 10 tentou uma cavadinha e mandou por cima do travessão quando o rival vencia por 2 a 0. O time alvinegro venceu aquele jogo por 4 a 3, complicando a vida da Raposa na disputa pelo título nacional.

Apesar das penalidades não convertidas, Montillo segue como o principal artilheiro do time no Brasileirão. O camisa 10 já balançou as redes 12 vezes, o que representa 35,29% dos gols do Cruzeiro em toda a competição”.

Um comentário:

  1. Cuca pisou na bola na escalação. Tinha que ter colocado o Richarlisson na lateral, no lugar do triguinho, fazendo o 3º zagueiro, como o triguinho vinha fazendo. Meio de campo com duas vacas estouradas improdutivas como serginho e richarlisson, e mais o mosca morta do renan oliveira, vai ganhar de quem? Tudo bem que tinha vários desfalques, mas dava para ter arrancado pelo menos um ponto lá.

    Abs.

    Ed.

    ResponderExcluir

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.