terça-feira, 15 de novembro de 2011

RAPOSA RESPIRA E COELHO DESAFIA AOS MATEMÁTICOS

Degrau a degrau, jogo a jogo. Temos que pensar assim: jogo a jogo. Não é desta forma que os treinadores da trinca mineira – Givanildo, Cuca e Mancini – respondem à imprensa sobre as projeções para o futuro de seus times América, Atlético e Cruzeiro no Brasileiro deste e do próximo ano? Com certeza. Então deixo a 34ª rodada vencida, com seus pontos contabilizados a favor e contra. De passagem, falarei dos destaques individuais e das atuações de cada time, coisas que não até então, por falta de tempo.

Viro a página pra abrir espaço ao matemático Tristão Garcia em quem não acredito o suficiente pra fazê-lo meu ídolo, contudo a quem considero o mais confiável nesse enigmático jogo de números, ou de futurologia.

Entendo que, como Tristão, que o risco Cruzeiro, com 37 pontos, caiu pela metade. Chegou a 28% de probabilidade de cair. O Coelho alterou nada: mantém 99% de chance de descenso com os atuais 31%. O Galo safou-se? Particularmente penso que sim. Tristão Garcia diz que não por causa de sua matemática e números. O time de Cuca tem 9% de probabilidade de descer, com 39 pontos. Por quê? Não será capaz de vencer um jogo em casa ou arrancar três empates nos quatro jogos que lhes resta.

Bocas azedas existem aos montes. Cada apostando que caem dois mineiros (Paulinho Afonso, a fera do Jogada de Classe, diz isso, mas de gozação), definindo um deles como sendo o Coelho.

Façam suas projeções apaixonadas ou não. Ao Galo restam Coritiba aqui, dia 17, quinta-feira: (indigesto); Corinthians lá no Pacaembu, dia 20/11: (indigesto); Botafogo, aqui, dia 27/11( aposto no Galo); Cruzeiro, dia 4/12, na Arena: (empate se ambos estiverem salvos). América tem Botafogo, dia 16, na Arena. Lembrem-se: os cariocas são fregueses do Coelho; São Paulo, no Morumbi, dia 19/11: (indigesto); Atlético-PR, dia 27/11, na Arena – salvação dos co-irmãos mineiros (Viva o Coelhão!); Atlético-GO, dia 4/12 no Serra Dourada. Saída com honra da Série A.

Que me perdoem os americanos, pertenço à corrente dos que oram aos deuses do futebol pra que consiga quatro vitórias seguidas. Porém, sei que os “deuses do futebol” são uma lenda que criei pra nominar sorte/azar.

O Cruzeiro teoricamente teria uma lista de adversários menos perigosa. Conversa fiada! O perigo para o Cruzeiro não está nos adversários, mas nele próprio. O time é experiente e cansado; não inspira confiança. Penso que só chegará salvo ao final se mantiver o espírito de superação de domingo passado. Contudo, não consegue repetir tal façanha no jogo seguinte. Espero que ele resista pelo menos em Fabio, Victorino, WP-9 – que deixou o gramado aos prantos após a vitória sobre o Internacional (l a 0), Léo, Diego Renan, Farias e tenha a força de Montillo fora do gramado, lesionado.

O time de Vagner Mancini começa sua corrida final nesta quarta-feira, dia 16, em Floripa, contra o Avaí: (indigesto), que joga sua última chance de ficar na elite. Depois, os azuis pegam o Atlético-PR, dia 20/11, na Arena: (desespero puro); Dia 27, o Cruzeiro tem o Ceará fora: (vida ou morte); Dia 4/12, o clássico: (depende).

Rei, Rei, Rei, Reinaldo é nosso Rei.

Vagner Mancini esteve acima do bem e do mal contra o Internacional. Acertou na escalação e errou bastante nas alterações. Acertou na troca de Guerreiro, cansado, por Sandro Manoel; errou na saída de Farias por Naldo. Chamou o Inter, com 10 – o beque Elton fora expulso - pra cima da defesa. Melhor era colocar Elber no meio. Tentou acertar com Ortigoza no lugar de Roger; piorou, o Inter tomou conta do meio-campo.

É verdade que o Cruzeiro teve boa oportunidade com Farias e o gol mal anulado, indecente, de Ortigoza. Tudo porque o Colorado abdicou de vez da defesa e tentou o empate. Quase conseguiu. De novo, São Fábio com apoio de Victorino, Léo, Guerreiro e Diego Renan.

Outro com culpa no cartório: Cuca. Sem explicações pra saída de Daniel Carvalho e entrada de Cambalhota. Céus, que mudança!!

Galo foi melhor que Figueirense no primeiro tempo. Caiu no segundo e levou a virada de 2 a 1. Por que apenar só o goleiro Renan Ribeiro? Falhou nos gols, sem perder a condição de melhor do elenco.

No jogo do Engenhão, sábado, o meu amigo Mário Sergio Carraro viveu momentos de perplexidade. Já tinha acompanhado na Arena do Jacaré o passeio do América sobre o seu amado Fluminense. Jurou que isso não aconteceria mais, jamais. Pegou o avião em Brasília, disposto a curtir o feriado no Rio, mas após o novo chocolate do Coelho no pó-de-arroz, pegou um ônibus e foi descansar em Caratinga. Curou a ressaca, a dor de cotovelo e matou a saudade de dona Eva Carraro, sua mãe, no paraíso de São João do Caratinga.

Um comentário:

  1. Te gusta EL HIJO DEL DIABLO??
    Este zz senador é isto, um hijo del diablo.. meteu 40% do montilo no c.. ops, no bolso. E agora acha que vai sair de fininho?? Torcida vamos assasinar o Perrella ou quebrar as duas pernas de anao dele.. Ele nao pode ser maior que nosso CRUZEIRO!!!

    ResponderExcluir

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.