terça-feira, 8 de novembro de 2011

UM POUCO DE PASSADO NESTA TRINCHEIRA DO PRESENTE

O leitor Marcelo Auad com certeza guardou a matéria abaixo , escrita por Fernandes Martins Y Miguel, no Superesportes, para esfregar na cara dos otimistas e bocas azedas no momento propício. Entende que é agora e enviou-me a mensagem com o anexo. E pediu “aos prepotentes e arrogantes: prestem atenção na data da matéria”. Ela foi publicada no dia 14 de março de 2011. Ou seja, quase no início do Brasileiro. Leiam:

“14/03/2011 18h07 - Atualizado em 14/03/2011 18h07

Atletas se empolgam com chance de ganhar o Brasileiro sobre o Galo


Clássico mineiro será disputado na última rodada da competição nacional


Para os jogadores do Cruzeiro, ser campeão brasileiro sobre o rival Atlético-MG não teria preço. E em 2011, a possibilidade existe. Pela tabela de jogos do campeonato deste ano, divulgada pela CBF, o clássico do segundo turno será na 39ª rodada, a última rodada do torneio. O volante Marquinhos Paraná espera que o Brasileirão termine da maneira que todos os torcedores da Raposa sonham.

- Espero que possamos chegar à última rodada e sermos campeões em cima do maior rival.

O atacante Wallyson também compartilhou da mesma opinião do companheiro.

- Para mim, não há preferência nenhuma quanto ao adversário. Mas tomara que, na última rodada, sejamos campeões em cima deles.

O Cruzeiro será o mandante da partida e, inicialmente, como tem acontecido nos últimos clássicos na Arena do Jacaré ou em Uberlândia, o jogo deverá ser com torcida única. Nos últimos três jogos entre os dois times, quem teve a torcida única a seu favor levou a pior. Wallyson espera que, desta vez, a história seja diferente.

- Espero que sim. Será na última rodada, e teremos o apoio da nossa torcida. Sabemos que o clássico é decidido nos detalhes e temos que estar atentos o tempo todo.

Nos clássicos disputados apenas com a torcida do mandante, o Cruzeiro levou a melhor na Arena do Jacaré, no primeiro turno do Brasileiro do ano passado, com o triunfo por 1 a 0. Nos outros dois, o Galo venceu por 4 a 3, pelo segundo turno do Brasileiro de 2010 e na primeira fase do Mineiro deste ano”.

Resposta: Não é por acaso que gosto do conselho de Stanislaw Ponte Preta; “guardar minha boca pra comer minha farinha”.

Saudade da Itacolomi:

O jornalista Antônio Elizeu de Oliveira fez uma pesquisa espetacular sobre a TV Itacolomi. Ouviu diversos ex-funcionários fundadores da empresa, entre eles meu mano Fábio Paceli Anselmo. Neste dia 8, a Itacolomi cassada pela Ditadura Militar faria 56 anos. Elizeu mandou-me a mensagem a seguir:

8 de novembro de 1955 ****** 8 de novembro de 2011 – 56 anos

Clausy Soares, André Carvalho, Clóvis Prates, Dr. Victor Purri Neto, Fabiano, Fábio Paceli, Roberto Pace. Vocês sete (olha ai o número perfeito) me honraram como fontes entrevistadas para o meu artigo de Iniciação Científica. E num futuro, se transformará em um livro, se Deus quiser! (At 18,21). Obrigado pelas atenções.

Também ao Flávio Anselmo, Nonato Laranjo, Tião Martins e outros que pretendo entrevistar.

À memória da Léa Delba e os demais que, como diz Rolando Boldrin, “fugiram do combinado” e partiram para outro plano.

PARABÉNS A TODOS VOCÊS.

A todos vocês, obrigado pela coragem, audácia e determinação de nos dar a 1ª televisão mineira, a 3ª dos Diários e Emissoras Associadas e a 5ª do Brasil. Recebam o meu abraço. Pesquisador e jornalista Antonio Elizeu de Oliveira

Resposta: Penso, caro Elizeu, que os ex-funcionários que fundaram e fizeram as primeiras transmissões da TV Itacolomy, o pessoa dos Diários Associados, é que lhe devem um enorme agradecimento. O resgate da história da maior empresa de televisão que Minas jamais terá igual.

José Marcelo Ribeiro – Belo Horizonte.

“Caro Flávio, sou psicólogo e trabalho com RH há 14 anos. E daí? O que isto tem a ver com futebol? O aglomerado do Cruzeiro (porque time não é) está passando por uma fase que acontece com times e mesmo com pessoas. O aglomerado (já expliquei antes) está sem auto-estima! Sem a auto-estima, a confiança vai pras cucuias!!! Quando o zagueiro pegou a bola pensei: isso não vai prestar! Por que os caras que têm a missão de fazer gols não assumiram a responsabilidade? Simples. Sem confiança tudo fica mais difícil. Imagine o tamanho que o goleiro ficou e como o gol encolheu.

Portanto, meu caro, o maior adversário do Cruzeiro atualmente é ele mesmo. Se não cuidarem da cabeça não vai dar pé!

Não existe fórmula pronta. Mas a única saída está dentro do próprio grupo. É faca nos dentes e comprometimento. Mas aí depende de cada jogador e como sabemos no futebol o amor à conta corrente costuma ser maior do que o amor à camisa...”

Resposta: Eu, também, acho, José Marcelo. Tenho escrito sobre isso há tempos. É preciso comprometimento com a causa e sangue nos olhos nas disputas. Infelizmente, o Cruzeiro quando acordar será tarde demais.

2 comentários:

  1. Flavio, eu nao sei da ação entre amigos que acontece no cruzeiro, pelo menos nao oficialmente. O que sei é que o dimas amigo e socio do perella esta diretor de futebol do cruzeiro e so tem feito cagadas. Sei tambem que o dimas desmantelou a base do cruzeiro, tirou de la ricardo drbusck, colocou um peixe da bahia e um ex Pm que de nada entende de futebol, talvez seja por isto os junior que entram no time principal nao resolvam nada! Sei disto o resto nós reles torcedores dependemos de voces jornalistas para saber! Queremos a verdade nao estou te acusando de nada apenas quero saber o que anda acontecendo de errado com meu time do coração e nao acho um jornalista macho ou que nao tenha rabo preso para me falar a real! Sinceros abraços nao quero seu mal so quero a verdade...

    ResponderExcluir
  2. Violeiro, se vc quer um jornalista macho e que nao tenha rabo preso atirou pro lado errado. Não tenho a preocupação com a macheza, por uma questão de educação e cultural. Rabo Preso?
    Quem me acompanha sabe q tenho amizade entre cartolas mas no limite da minha função social. Deu pra entender?

    ResponderExcluir

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.