sexta-feira, 16 de março de 2012

CBF ENTRA SÓ COM A SELEÇÃO NO MUNDIAL/14 - Organização será apenas entre Governo e Fifa

                           
“O câncer que precisava ser eliminado no futebol brasileiro”, segundo o deputado Romário foi. Não deixou metástase! Seu substituto, o ex-governador paulista José Maria Marins, pego em flagrante delito surripiando pra si uma medalha de campeão da Copa São Paulo de Juniores – lance mostrado pela televisão para o mundo inteiro e que deixou o goleiro campeão sem sua premiação, não apareceu em nenhuma das fotos dos encontros de Joseph Blatter, presidente da Fifa, com a presidente Dilma e nem no churrasco com os deputados federais.

Ricardo Teixeira, antes da renúncia, já era uma carta fora do baralho. Brigou com Blatter por questões políticas de sucessão na entidade e com a presidente Dilma que nem o recebia mais em Palácio pra discutir coisas da Fifa. Marins, vice-presidente seu substituto, já entrou com o filme queimado. Sei lá quanto tempo dura, também.

Blatter veio no lugar do secretário geral da Fifa, Jerome Valcker, com passagem marcada para o Brasil, porém diante da polêmica que provocou ao afirmar que o Brasil precisava de um chute no traseiro – na verdade precisa mesmo de um bicudo, coisa que a gente diz, mas estrangeiro não – teve o nome vetado diplomaticamente pelo Ministro do Esporte, Aldo Rebelo. Muito melhor. Se vem o desgastado Valcker seria recebido pelo segundo escalação, pois nem Aldo se dispunha a cruzar bigodes com o dito.

A coisa foi resolvida lá em cima, com os devidos respeitos. Dilma anunciou que todos os acordos assinados na administração de Lula serão cumpridos, claro. E Blatter alisou e fez cafuné nos brasileiros, evitando quaisquer comentários a respeito de atraso nas obras. Por fim, mereceu ainda um churrasco gaúcho, nos conformes, com deputados federais come-quietos, que não perdem uma boca livre e soube que a lei geral da Copa liberará cerveja nos estádios. Sem tal medida, corria sério risco o evento, em razão de um patrocinador forte da Copa ser cervejaria.

Leiam este trecho da entrevista de Joseph Blatter, publicada no Globoesporte.com:

- Eu sou um homem muito feliz agora, como já falei depois da reunião com a presidente Dilma. Depois dessas reuniões da tarde com os líderes da Câmara, estou ainda mais feliz. Muito obrigado à Câmara por dar essas garantias, que já foram confirmadas, para o sucesso da Copa do Mundo. Com certeza, elas são fundamentais para termos uma Copa do Mundo extraordinária.

Bem que os deputados chegaram a retirar do texto da Lei Geral a autorização para venda de bebidas alcoólicas nos estádios durante o Mundial. No entanto, o governo decidiu em seguida incluir no projeto a liberação de cerveja, já que esse era um dos temas presentes nas garantias assinadas por Lula quando o Brasil foi eleito pela Fifa como sede da Copa. A lei deverá ser votada na próxima quarta pelo plenário da Copa. Depois, ainda terá que passar pelo Senado antes de ser sancionada por Dilma.

Espero que não apareçam bocas azedas e cabeças ocas da oposição liderada pelo aparício senador paranaense, Álvaro Dias, e decida bloquear a votação. Enquanto se espera, que tal a gente começar a discutir a sucessão de Ricardo Teixeira na CBF. Com este presidente sem força e fantoche é que não dá pra continuar.

2 comentários:

  1. Heloisa Matos - SP19 de março de 2012 14:34

    Flávio, dificilmente escrevo, mas isto não significa que não acompanho o seu site. Parabéns pelo belo trabalho que vem fazendo sobre a saída do Ricardo Teixeira, mostrando todos os matizes do debate.Isto é jornalismo de verdade.
    Um abraço da
    Heloiza matos
    PS: vc sabe que nossa mãe adora futebol

    ResponderExcluir
  2. Oi Flávio, tudo bem?
    Como tenho feito, estou lhe enviando a copia de mais uma tentativa de convidar o extraordinário para o meu programa. Será que agora vai, ou melhor ele vem? Um abraço.

    De: Afonso Alberto
    Data: 14 de março de 2012 10:15:06 BRT
    Para: alexandra.gonzaga@copa.mg.br
    Cc: Afonso Alberto
    Assunto: Convite
    Alexandra,
    Afinal tem ou não tem alguém para participar do meu programa de TV? Se não o secretario, na pior das hipóteses o chefe gabinete. O que faz vcs terem tanta preocupação em debater os assuntos sobre: Mineirão, Independência e Copa do Mundo? Falta de preparo de vcs ou receio de enfrentar o publico com explicações necessárias no meu programa? Até agora vcs só falaram o que quiseram. É preciso que vcs falem também o que o torcedor quer saber e o que vcs precisam falar. Aí, me parece só ter gente que não entende nada de futebol, muito menos administrar eventos como Copa do Mundo e reformas de estádios. Estou renovando o convite para o extraordinário ou quem ele determinar que o represente, mas quem vier tem que saber responder. Eu não vou perguntar o que vcs querem responder. Vou perguntar o que vcs tem e precisam responder. Alexandra não faça como vc tem feito, me de um retorno, seja ele qual for. O silencio diante do que eu estou colocando e da maneira como coloco, só demonstra o medo, o desrespeito, a irresponsabilidade e incompetência. Acorda secretario

    Afonso Alberto

    ResponderExcluir

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.