terça-feira, 19 de junho de 2012

ROGER RESCINDE COM CRUZEIRO E DEIXARÁ SAUDADE NO BRASILEIRÃO



Tenho lá minhas dúvidas se a mesma parte da torcida celeste que aplaudiu a decisão do Presidente Gilvan Tavares em manter Walter Montillo no elenco esteja aplaudindo a rescisão do contrato de Roger seis meses antes de vencer.
Também não aceito nenhum argumento de que o atleta pediu pra sair, porque não se sentia bem no clube, Não aceitou ficar porque a diretoria precipitou-se em comunicar-lhe que, ao final do contrato, não haveria renovação.
A personalidade forte de Roger (foto) não aceitaria tal situação, razão pela qual solicitou a rescisão agora. Aos 34 anos, Roger tem bala na agulha pra qualquer grande clube e evidentemente não iria se exilar no Sport do Recife, longe da mídia do eixo e longe do trabalho da amada.
Cobre-me daqui uns dias: Roger, com seu talento, sua liderança e até com suas vicissitudes, fará falta ao elenco do Cruzeiro, pobre de meias canhotos. Debitem essa saída ao treinador Celso Roth. A saída do gordo artilheiro Walter, debitem ao supervisor Benecy Queiroz, que se desentendeu com o centroavante e deixou o ambiente quente na Toca da Raposa.
Pela minha cabeça passa o seguinte: quem sabe jogar, quem não é brucutu, ou quem vem da base do clube, não tem ambiente pra ficar na Toca. Roth despreza gente assim.
No conceito do técnico cruzeirense, Roger é um grande jogador e marcou época no Cruzeiro. Dispensa comentários na parte técnica e na tática precisa de um esquema para ele. Mentira.
Roth garantiu que ao ser convidado pra treinar os azuis já sabia que Roger não ficaria. Eu sabia que Adilson Batista impôs a saída de Roger pra voltar à Toca. Quanto a Roth, nada foi dito, no entanto.
Como a fase é de diminuir a folha, com a dispensa das estrelas, Wellington Paulista tirou o cavalinho da chuva e já iniciou as tratativas pra ficar na Toca.
Informou que conversou com Alexandre Mattos, o dono do facão afiado dos cortes, e perguntou: “o que vocês querem pra eu ficar?” Coisa nobre, nos tempos de agora.
Mattos nada respondeu: vai consultar suas bases, ou seja, Roth e o presidente.
A favor de WP9 está a sua humildade e disponibilidade. Nunca pretendeu deixar o Cruzeiro. Disputou 138 jogos e marcou 68 gols. É o artilheiro da temporada com 21 gols.
Walter, no entanto, não faz parte mais do elenco, está liberado pra procurar clube e teve a rescisão comunicada ao Porto, dono de seus direitos. Só sai quando o clube português disser ok.
A estreia de Ronaldinho Gaúcho no Estádio Independência com a camisa do Atlético, no confronto com o Náutico, sábado, servirá pra uma análise maior sobre a capacidade da arena. Os entendidos falam em 23 mil lugares, na prática nada disso ocorre.
Na volta do Cruzeiro à Capital, contra o Figueirense, anunciou-se lotação esgotada. O público oficial não passou de 18 mil. Em outros jogos do Galo, foi detectado problema igual. Afinal, o estádio do doutor Anast-azia tem 23 mil lugares ou não?
RG-49 fez duas partidas na capital paulista e por lá estreou como craque do Galo. O retorno do time à Beagá e sua conseqüente estreia aqui tem promovido filas e mais filas nos postos de venda. A partida contra o Timbu será no sábado  e garanto que antes disso os ingressos terminarão.
A expectativa é de que não sobrará nada, mesmo que os cambistas comprem a metade dos ingressos. A maior presença em jogos do Galo foi contra o Goiás, na Copa do Brasil, 18.628.  Por causa dos sumiços dos ingressos, eu chego a apostar num público igual ou inferior sábado.


Meu ex-companheiro da Rádio Capital, excelente narrador José Calazans, da Rádio Brasil Central de Goiânia, entra no foro da Trincheira com um assunto importante: Diz ele: “Flávio, tenho comentado com alguns colegas a situação das Séries C e D do Campeonato Brasileiro com ações impetradas fora dos tribunais esportivos”
“Gostaria de saber a sua opinião sobre o mal que podem causar ao futebol brasileiro estas paralisações. Muita gente diz que as Séries A, B, C e D são distintas.
Não entendo como, pois os rebaixados da A, por exemplo, são substituídos no mesmo número pelos primeiros da B e assim por diante”.
“Caso os times na C e D não entrem em campo em 2012 os quatro últimos da Série B não usariam também, a Justiça Comum alegando que não houve acesso na C e teriam direito assegurado em permanecer na 2ª Divisão Brasileira?”
“E o Brasil de Pelotas insiste em brigar com a CBF e o STJD para ter um direito adquirido fora de campo”. Resposta: você está coberto de razão, Calazans. O acesso e o descenso são critérios técnicos que unem as séries do Brasileiro. Já que existem legalmente têm de ser respeitadas nos seus objetivos. Tanto que a OAB-CE entrou com ação na Justiça Comum pra paralisar as séries A e B. Grande abraço de saudade, amigo.
Registro, também, com grande prazer a mensagem do meu mestre jornalista Alcindo Ribeiro: “Flávio Anselmo, amigo velho. Parabéns pela coluna de 14/6. Dois parabéns pela revolta com a sujeira na cidade, principalmente, com os vândalos pichadores. Falta de educação, meu caro, é a questão, não  é?  Igualmente, fico triste e  revoltado, como vc. Outra coisa: Também sou velho, mas,agora, somos idosos, viu?”

O procurador-geral do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), Paulo Schmitt, denunciará Luis Fabiano, do São Paulo, em dois artigos do CBJD o que poderá lhe custar até 12 jogos de suspensão (?), além de multa, pelas ofensas dirigidas ao árbitro na partida contra o Atlético-MG.
O juiz Elmo Alves Resende Cunha colocou na súmula do jogo que Luís Fabiano disse as seguintes palavras ao receber cartão amarelo: "P..., marca só uma, seu m...! Tá inventando desde o início é muito fraco".
A EUROCOPA sepultará com certeza essa história de cinco árbitros depois que aquele “banana” colocado atrás do gol da Inglaterra não viu a bola chutada pelo atacante da Ucrânia atravessar a linha por cima. O gol seria de empate em l a l. e não foi validado.
Com isso, a Inglaterra seguiu (l a 0) em frente na competição como primeira do grupo. O gol foi de Rooney, em seu primeiro jogo no torneio. Em segundo, classificou-se a França, apesar de a derrota diante da Suécia por 2 a 0. O primeiro gol, marcado por Ibra foi algo de cinema

Meu bom, que aperto passou o América diante do Bragantino no Estádio Independência! O jogo estava em 2 a 2 e Bruno Meneguel marcou o gol definitivo: 3 a 2. Baixou aquele desespero nos dois times. O Coelho se defendendo e o Braga pingando bola na área.
Neneca que havia falhado num dos gols eles, passou a pular que nem jogador de vôlei e distribuindo socos à vontade.
O Bragantino reclama pênalti no finalzinho num toque de Werton. Nada marcado. Marcaram Rodriguinho, Boiadeiro e Bruno Meneguel. Os gols dos visitantes foram de Léo Jaime. O Coelho tá com a mesma pontuação – 16 pontos - do seu xará de Natal e perde a liderança no saldo de gols.   


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.