terça-feira, 5 de junho de 2012

SOB O IMPACTO DE RG-10, GALO RECEBE BAHIA PRA SE MANTER 100%

Flávio Anselmo – 05/06/12



Depois de ver a Cidade do Galo virada de pernas pro ar, com a imprensa do mundo inteiro atrás do primeiro treino de Ronaldinho Gaúcho, o técnico Cuca, mentor intelectual da transação, pode até botar mais lenha no jogo desta quarta-feira, no Estádio Independência, contra o Bahia. RG-10 não quis receber – como se assim fosse de verdade – uma recepção de ídolo e de grande contratação.



RG-10 preferiu o silêncio dos inocentes e o ostracismo dos humildes, coisa, também, mascarada pela declaração do presidente do clube, Alexandre Kalil, de que as coisas no Atlético não são como no Rio de Janeiro, onde tudo, para ele, é motivo de festa.



“Aqui é Minas Gerais e a festa de Ronaldinho Gaúcho será no estádio, no gramado”, garantiu Kalil. Talvez uma lembrança desagradável da festa feita pra Vanderlei Luxemburgo na sede de Lourdes. Chegou, inclusive a afirmar que RG-10 poderia até estrear nesta partida.



Não posso afirmar que no confronto com o Bahia, pela terceira rodada do Brasileira, já seria bom estrear RG-10. Que nada! Terceira rodada ainda. Cuca teve 10 dias pra arrumar uma equipe e com certeza, em respeito ao coletivo, o ideal é manter como treinou. Pra fazer marketing, o Galo pode até colocar RG-10 no banco.



Aliás, a contratação de Gaúcho, que me parece usará a camisa 13 – e 13 é Galo como gostam de repetir os apaixonados torcedores – teve inicialmente o grande mérito do impacto. O mundo inteiro repercutiu a notícia. Meu filho Santelmo me ligou pra informar que entrou num site dos muitos que visitou e encontrou a notícia de Ronaldinho Gaúcho no Atlético.



Como disse o Metralha Lélio Gustavo: “contratação impactante.”



Para este filho de Dona Geralda, que o viés do tempo o tornou apto a levar porrada de telefone na cara, a vinda de RG-10 tornou-se página virada. O mandatário do Galo disse que ele será tratado como mais um. Também entendo assim, meu Bom. De hoje pra frente, RG-10 e Rick estão no mesmo pastelão.



Assim falou o presidente do Atlético, Alexandre Kalil: “Já tenho uma fama de doido, mas rejeitar o Ronaldinho Gaúcho, não estou nesse estágio. Estou meio doido e não doido completo”.



Eu bem que avisei aos dirigentes do Cruzeiro que mantivesse um pé na frente e outro atrás com o Bruno Balsimelli, presidente da BWA. Pois é, Gilvan do Pinho Tavares após aprovar as minutas de um contrato entre eles pra uso do estádio Independência, há cerca de 30 dias, recebeu o contrato original pra assinatura completamente diferente.



Aí Gilvan chiou como todo bom ex-procurador da Justiça. Resultado: há enorme chance de o Cruzeiro voltar pra Arena do Jacaré.



Não me desagradaria se tal fato acontecesse. Claro que a torcida azul cuspiria marimbondos, principalmente aqueles que entraram no projeto de sócio-torcedor. Uma coisa é ir ao Independência, outra é se deslocar pra bela Sete Lagoas e assistir aos jogos na Arena de lá.



Todavia, acreditando na entrega do Mineirão, prometida pelo famoso governador Antônio Anast-azia para o próximo ano, o Cruzeiro pode tocar a vida em Sete Lagoas ou Varginha, onde tem imensa torcida, e dar uma banana pra BWA.



Assim falou Gilvan do Pinho Tavares, presidente do Cruzeiro: “Se a BWA mantiver o que mandou agora, essa irresponsabilidade, aí vou divulgar para a imprensa o contrato que ele mandou antes e o que ele mandou agora para eles verem com quem estão lidando”.



O presidente do Cruzeiro pra lá de irritado garantiu que se não houver acordo com a BWA, o time voltará a jogar no interior. “Possivelmente não tenha como a gente fugir deste primeiro jogo (no Independência), dia 16, se a CBF não quiser trocar a data. Mas, as outras nós trocaremos, ou para a Arena do Jacaré, ou Pará de Minas, ou Varginha”. Pará de Minas tem estádio, presidente?



A barca de saída da Toca da Raposa II ajuntou boa turma: Cribari, Fábio Lopes, Bobô, Rudnei e Marcos. Problemas: Bobô tem contrato até agosto; o clube adquiriu 50% de Cribari; Rudnei tem contrato até 2013 e Marcos até 2015. Como fazer? Mandar embora simplesmente custa caro. Vender? Ninguém compra. Resta o empréstimo. Será que existem interessados?



Uma notícia se confirma: Roger deixará o Cruzeiro se houver acordo porque tem promessa de contrato com a Organização Globo como comentarista esportivo. A esposa Deborah Secco atrás de tudo isso. O casal acha que sem ZZ Senador o Cruzeiro perdeu o charme. Bom Jesus do Galho!



Celso Roth quebra a cabeça pra arrumar um esquema ofensivo. Ele sonha em conseguir a primeira vitória do time no Engenhão, em todos os sentidos. O Cruzeiro nunca venceu naquele estádio e seria a sua primeira vitória no Brasileirão/2012,



Nesse período de treinamento testou duas alternativas táticas – as duas bem feiinhas: a primeira escalou Fábio, Diego Renan, Léo, Mateus e Marcelo Oliveira; Amaral, Charles (céus!) Tinga e Souza: Montillo e WP-9. Depois, recuou Montillo para o lugar de Souza e botou Fabinho na frente. No meio-campo, entraram Leandro Guerreiro e William Magrão. Marcelo Oliveira, também, saiu pra entrada de Werton.



Roth se queixou que o time inicial não teve controle sobre a bola. E arrumou aquela mudança toda, que no meu entendimento não surtiu nenhum efeito. E pra ser franco, com qualquer uma dessas duas formações o Cruzeiro não vence o Botafogo nesta quinta-feira à noite, no Engenhão. Pode, quando muito, trazer novo empate, o terceiro no campeonato.



Assim falou Givanildo de Oliveira, técnico do América, antes do jogo contra o São Caetano, no Estádio Anacleto Campanela: “O futebol é traiçoeiro, temos que manter esta boa fase, trabalhando dentro de campo; eu escuto aquele papo de salto alto e tal, porém o time está consciente do que pode fazer, não podemos dar uma relaxada, temos que manter a mesma pegada".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.