terça-feira, 24 de julho de 2012

ROTH BOTOU VICTORINO NA LISTA DOS NEGOCIÁVEIS. Uruguaio não quis sair e garante recuperar a posição.


                                       Estão fritando Victorino na Toca? ( Foto de Euler Jr
                                       /EM-DA Press)

Se dependesse apenas de Celso Roth, o zagueiro Victorino afastado de seus planos no Cruzeiro teria saído antes do fechamento da janela. Acontece que o uruguaio não planeja deixar a Toca da Raposa, conforme tem revelado aos amigos mais chegados, como Walter Montillo.

A má vontade do treinador é evidente. Maurício Victorino não tinha contestação, mas caiu com todo time na fase de Vagner Mancini e não conseguiu se recuperar técnica e fisicamente. Afastado por Roth, supunha-se que seria apenas até à sua recuperação. A surpresa veio quando Victorino foi afastado até do banco de reservas.

Outros jogadores tiveram o mesmo tratamento por parte de Roth. Saíram por lesão e não voltam nem após a recuperação total. Acabam por pegar o boné e se mandarem. O atacante Fabinho e o lateral direito Marcos são os outros exemplos. Foram titulares, ganharam incentivos do técnico e, de repente, tornaram-se vilões.

O caso de Victorino é diferente. Grande parte da torcida ainda acredita no futebol do zagueiro e torcem o nariz pra decisão do treinador. Contratado por U$ 2 milhões Victorino não é mercadoria estragada que Roth pode dispor a qualquer momento. As oportunidades raras estão levantando dúvidas quanto ao procedimento do treinador.

Contra o Corinthians nesta quinta-feira, em São Paulo, Maurício Victorino nem entrou na delegação e ninguém se manifestou. Antes levantava suspeitas de que o zagueiro seria negociado. Se isso acontecer, Alexandre Mattos, hoje o principal conselheiro do imaturo presidente Gilvan Tavares, dará tremendo tiro no pé.

Penso que esse absurdo de dar poderes discriminatórios aos treinadores devia urgente sair pelo ralo. Fazem o que querem. Indicam os amigos, amigos dos empresários, e ao serem demitidos largam tudo isso pra trás. Ou então desprezam os valores criados no clube, a ponto de provocá-los a sair. Então, a meninada acontece lá fora e deixam novas suspeitas de algo estranho entre o céu e a terra além dos aviões da TAM.

Raciocinem comigo: se Victorino não quer sair; se está apenas numa fase ruim, própria de qualquer jogador; se é o melhor zagueiro que o Cruzeiro tem, porque então não lhe dar o devido respeito e merecimento? Existe algo errado aí.

Foram feitas sondagens, porém nenhuma proposta ao clube. As sondagens ao empresário e ao craque foram ignoradas. Victorino não quer sair. O Cruzeiro tem100% dos direitos econômicos e Victorino contrato até 2015.

Ainda bem que no Atlético, como no caso de Victorino – ainda - também não se fez nenhuma besteira pedida por todos os lados pra saída do jovem goleiro Renan Ribeiro. Alexandre Kalil resolveu o problema com profissionalismo e experiência.

Buscou Victor, no Internacional, um dos melhores goleiros do Brasil, também selecionável, e ficou com Renan Ribeiro. Cuca sentiu o clima amplamente favorável a RR no ar e não quis ir mais além. Deixou Renan Ribeiro como reserva de Victor. Sobrou pro Geovani.

Vejam bem, tudo se acomodou: RR foi convocado pra Seleção Brasileira nos Jogos Olímpicos e teve o ego massageado. Renan Ribeiro (foto de Alexandre Guzanshe-EM/DA Press) Estava feliz da vida na Cidade do Galo e viajou mais alegre ainda pra Londres. Entra na lista de inscrições no lugar de Rafael, do Santos, lesionado.

Rafael foi cortado ao sofrer uma lesão no cotovelo. Neto, da Fiorentina, assumiu a titularidade e Gabriel, ex-Cruzeiro, hoje no Milan, ficará na reserva. RR será o terceiro goleiro permitido pelo regulamento. Enquanto estiver lá, a partir do jogo contra o Santos, nesta quarta-feira, Geovani será o bancário dos goleiros.

A Conmebol informou qual foi a seleção da Taça Libertadores da América de 2012. O campeão Corinthians conta com quatro jogadores no time, além do técnico Tite. O santista Neymar é o outro brasileiro escolhido. Os corintianos são o goleiro Cássio, o zagueiro Leandro Castán, vendido ao Roma, da Itália, o volante Paulinho e o atacante Emerson Sheik.

Do Boca Juniors, vice campeão, apenas Clemente Rodriguez e Riquelme. O semifinalista La U entrou com três jogadores: José Rojas, Matías Rodrigues e Marcelo Díaz. A Seleção ficou assim: Cássio; Matías Rodriguez, Rojas, Leandro Castán e Clemente Rodriguez; Marcelo Díaz, Paulinho e Riquelme; Pabón  - do Atlético Nacional da Colômbia - Emerson Sheik e Neymar.

O Boa Esporte surpreendeu o América no Melão com a virada por 2 a 1, causando enorme estrago no time de Givanildo Oliveira porque fez cair a máscara de um dos favoritos na competição. O Coelho voltou ao mundo dos normais e só não saiu do G-4 com essa derrota em Varginha por causa da contribuição do seu xará de Natal, também derrotado.
Mas olha que o Goiás encostou e é o quarto colocado. Se Givanildo ainda não constatou que seu time caiu de produção após a entrada do veterano Gilberto, é preciso que alguém, então, lhe abra os olhos.


2 comentários:

  1. O Vitor veio do Gremio companheiro, apareceu Inter alia nao sei de onde.

    ResponderExcluir
  2. Tem razão amigo. Tô pedindo aos meus amigos que além de me desculparem pelas mancadas, me ajudem a corrigi-las. Minha fase final tá triste. Abs

    ResponderExcluir

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.