quinta-feira, 9 de agosto de 2012

APENAS CEGO NÃO VÊ: CRUZEIRO É UM TIME DIVIDIDO PELAS VAIDADES

Lamento afirmar que o elenco do Cruzeiro não conseguiu agrupar-se sob o comando de Celso Roth, normalmente, com excelente capacidade de botar ordem na casa. As divisões são grandes, grupos sob fortes lideranças, algumas favoráveis ao treinador, outras contra, e com divergências claras entre eles. O maior exemplo foi dado no episódio de Wellington Paulista, contestado publicamente por Leandro Guerreiro, homem de confiança de Roth. Reações como a de Victorino foram apoiadas pelos estrangeiros do grupo, entre eles, Walter Montillo, outro que tem se escondido nos jogos. Penso que tem gente falando demais e jogando de menos.
Houve boicote na derrota pro time misto do Santos, cheio de jovens promessas, e sem titulares importantes, como Neymar? Possivelmente. Falta de esforço, parece que não aconteceu. Todavia, o espírito vencedor que tornou o Cruzeiro uma das maiores associações do Pais, também, não existiu. O time reagiu no primeiro empate e parou. Reagiu no segundo, e acomodou-se. Não se qual foi o pior Cruzeiro: o de Sandro Silva no primeiro tempo, ou o de Charles no segundo. No escaute global, Charles errou mais. Fez a besteira de matar um contra-ataque cruzeirense, com boas chances, ao perder a bola e na sequência fazer falta de desclassificante em Arouca. e originou o terceiro gol santista, em nova falha de Fábio.
A defesa, com Sandro e depois com Charles, foi filé ao ponto pro jovem ataque do Peixe. Leandrinho, Vitor Andrade e Felipe Anderson deitaram e rolaram em cima de Léo e Victorino e dos três volantes: Sandro Silva (Charles) e Guerreiro. No segundo gol do Santos, após o empate cruzeirense com Ceará, os três fizeram um carnaval até deixarem a defesa azul, inclusive Fábio, deitada e a bola nas redes com o toque de Vitor Andrade. Perder daquela forma, ainda que o time permaneça em oitavo lugar, foi um vexame que há muito não vejo. Duas derrotas seguidas e a terceira em vista, contra o Bahia, sábado, em Salvador.Que os deuses do futebol tenham piedade da nação azul.
Borges tem justificado a sua contratação. Fez o quinto gol em cinco jogos seguidos (foto de Marcelo Machado de Melo/Fotoarena-Folhapress).

3 comentários:

  1. O principal problema do Cruzeiro é essa criança de 70 anos que está brincando de ser presidente do clube. Não há tecnicos ou diretores de futebol que vão dar jeito num time, onde o seu presidente é um sujeito totalmente despreparado para exercer o cargo. A nação cruzeirense merece respeito! O sr. Gilvan de Pinho Tavares e toda diretoria, incluindo, Zé Maria Fialho e Marcio Atacadista, e o departamento de futebol (Benecy Queiroz, Alexandre Mattos e Valdir Barbosa) deveriam renunciar aos seus cargos.

    ResponderExcluir
  2. Veco Soares
    O problema do cruzeiro é o técnico. Medroso, apático e sem esquema de jogo. A solução? Está dentro da toca: Raul Plassman. A base merece uma chance. Chega de medalhões.
    Conceição de Ipanema mg

    ResponderExcluir
  3. Aplausos, aplausos pra Henrique Ribeiro e Veco Soares. Não é preciso que eu concorde ou discorde de vcs. Basta-me a indignação de cada um, contrária à situação na Toca da Raposa. Não importa quais bruxas sejam caçadas e quais soluções sejam apresentadas. A China Azul tem que colocar sua indignação, com serenidade, nas ruas, nos jornais, nas redes sociais, nas emissoras de tevê e rádio e nas arquibancadas.

    ResponderExcluir

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.