domingo, 26 de agosto de 2012

ESTE CLÁSSICO VAI DURAR ATÉ O DO SEGUNDO TURNO


  
Este foi um daqueles clássicos que rendem a semana toda e com certeza renderá até perto do outro, no segundo turno. Teve de tudo: duas expulsões no Atlético, uma no Cruzeiro, reclamações de ambos os lados, cada qual dizendo que o seu time foi melhor e o empate de 2 a 2 acabou sendo injusto. No Cruzeiro, o craque Montillo,  o melhor do lado azul, afirmou que não gostou do resultado; seu time entrou pra vencer. Do lado do Galo, Ronaldinho Gaúcho, o melhor em campo, não reclamou da arbitragem. Apenas curtiu seu gol maravilhoso.( Os dois na foto montagem da VIPComm)

Santo Deus, seus súditos querem tornar este grande clássico num jogo comum. Tá bom que o árbitro é pra lá de ruim e isso foi antecipado pra cartolagem. Tudo bem que cada técnico tenha sua ótica: Roth viu seu time melhor e Cuca afirmou que o melhor foi o dele. Porém, como passar por cima daquele gol antológico de Ronaldinho Gaúcho? Da sua arrancada e de seus dribles? Do toque final, tirando de Fábio e marcando 2 a 1 Galo? Como não analisar a atuação de Walter Montillo, a melhor este ano. Fez falta em Guilherme? Fez. Porém em seguida estava em pé pra receber a bola na esquerda e criar o lance pra Mateus empatar. Aonde estavam os zagueiros do Galo?

O Galo manteve-se na liderança, com 43 pontos, enquanto o Flu ficou nos 42. Mas não derrotou seu arquirrival. O gol de empate celeste feito por Mateus no finalzinho do jogo gerou reclamações dos atleticanos porque o lance teria nascido de uma falta de Montillo em Guilherme. Roth esnobou ao afirmar que o outro lado jogou completo e ele teve cinco desfalques; e terminou dizendo que seu time merecia vencer. Cuca reclamou do empate por causa da falta de Montillo e elogiou a raça do Galo quando ficou com apenas nove atletas e depois com oito, por causa da lesão de Júnior César.

Nada foi surpresa pra Trincheira quanto à arbitragem. Escrevi dois comentários sexta e sábado sobre o assunto. Valdir Barbosa, gerente de futebol do Cruzeiro, que sofreu nas mãos do árbitro em Uberlândia, com a marcação do pênalti em favor do São Paulo fora da área, no intervalo entrou no gramado e pressionou o árbitro. De longe, Alexandre Kalil revoltado não poupou o juiz pernambucano.

No site Superesportes, pesquei algumas declarações sobre esse clássico. Leiam: “A rivalidade entre os clubes foi além das quatro linhas e além da confusão fora de campo e dos objetos arremessados no gramado, as duas equipes reclamaram da arbitragem de Nielson Dias após o empate em 2 a 2. O presidente do Atlético, Alexandre Kalil, não poupou críticas:“Foi falta do Montillo, foi uma vergonha. O árbitro quase apanhou no vestiário e se acovardou, fazendo a lambança que fez. Estou triste porque empatei com um time muito ruim e eles estão comemorando porque empataram com o melhor time do Brasileiro”.

-O empate teve sabor muito amargo pelas circunstâncias que aconteceram. É lamentável a ação do juiz, que foi praticamente agredido no intervalo pela diretoria do Cruzeiro. Houve chuva de coisas jogadas no campo e o que esperamos é que a nova comissão de arbitragem puna diretamente essa barbaridade. Diretor entra no campo para aparecer para a torcida, o outro espera na porta do vestiário, isso é Belo Horizonte, estádio novo, e todo mundo tem que circular - completou Kalil”

Cruzeiro empatou aos 56
minutos do segundo tempo (2 a 2), e o presidente da equipe estrelada, Gilvan de Pinho Tavares, disse ter ficado com gosto de derrota em razão de uma "péssima arbitragem". Gilvan, resignado, fez duras críticas a Nielson Nogueira Dias. “Foi empate com sabor de derrota. Eu nunca vi um árbitro tão ruim na minha vida’, esbravejou, ao Superesportes.

O presidente promete protestar à CBF contra o árbitro da partida: “O Cruzeiro vai tomar providências. O árbitro é ruim demais. O pior que já vi na minha vida. Ele foi punido pela ruindade em 2010, quando prejudicou o Cruzeiro contra o São Paulo. Ele atrapalhou o espetáculo. E o Cruzeiro foi prejudicado o jogo inteiro. Vou mandar um vídeo para a CBF para eles analisarem como é ruim este árbitro”.

O empate foi injusto na avaliação do técnico Celso Roth. Para o comandante celeste, o Cruzeiro foi melhor em toda a partida e merecia a vitória. “O Cruzeiro dominou o tempo todo. Acho que o resultado acabou premiando o Cruzeiro pela situação da partida. O Atlético vencia até os 56 minutos do segundo tempo, quando a gente conseguiu empatar. Mas o Cruzeiro mereceria a vitória. Foi melhor em todo o jogo”, afirmou o técnico após a partida.

“Engana-se quem pensa que o argentino Montillo deixou o clássico satisfeito com o empate por 2 a 2, conquistado nos instantes finais. Pelas chances criadas, principalmente na reta final do confronto, ele entendeu que a vitória do Cruzeiro seria um resultado mais justo contra o Atlético. “Não foi bom o resultado, a gente queria ganhar. Pela forma como se deu o jogo, acho que conseguir o empate no fim foi bom, dá esperança de continuar ganhando. Mas o resultado não foi bom, queríamos ganhar”. disse Montillo.

Quando a partida ainda
estava 2 a 1 para o Atlético, Montillo quase marcou cobrança de falta, mas a bola parou na trave esquerda de Victor. Mas o argentino foi decisivo no gol de empate. Primeiro, ele barrou o contra-ataque atleticano com falta sobre Guilherme, não marcada pelo árbitro. Na sequência da jogada, Montillo foi lançado, foi à linha de fundo e deu a assistência pra Mateus completar e decretar o 2 a 2.

No intervalo do clássico entre Cruzeiro e Atlético, no Independência, o gerente de futebol do time celeste, Valdir Barbosa, ficou bastante irritado com a atuação do árbitro Nielson Nogueira Dias na primeira parte do jogo. O critério disciplinar aplicado pelo juiz foi um dos principais motivos da reclamação do dirigente cruzeirense.

“Olha só o que é um árbitro.
O cara dá uma entrevista chamando os dirigentes de despreparados, já engoliu o Cruzeiro no Parque do Sabiá no jogo contra o São Paulo e agora vem pedir para a PM prender gente do Cruzeiro? O cara é capitão da polícia? É capitão das negas dele lá em Recife”, desabafou Valdir.

O treinador Cuca buscou em 2010, num lance de Ronaldo e Gil, quando o juiz deu pênalti contra o Cruzeiro, então comandado por ele. “A queixa é igual. A gente não está falando de um lance qualquer. Foi um absurdo. Num momento em que estávamos com oito jogadores no campo. Num lance irregular, o Cruzeiro empatou”. Ao analisar a partida, o técnico Cuca considerou que o Galo merecia sorte melhor, pois estava com a vitória garantida até o último minuto. 

16 comentários:

  1. O fim de jogo foi dramatico , o q dá o jogo uma dimensão de EPICO, mas achei, e conversei até com meus sobrinhos q foram ao estadio, o jogo fraco , q cresceu em seu final, naquela bagunca q virou o segundo tempo.O primeiro tempo, Cruzeiro marcou muito, é mais facil destruir q construir.Semana dificil, os caras entraram comendo grama, mas com uma pobreza tecnica de dar dó.E o Galo foi anulado, querendo ou não e os 2 times acharam os gols q marcaram.Segundo tempo, foi uma bagunca, pouco futebol e ai brilhou o craque do Galo, num lance genial e o craque do cruzeiro, q procurou jogar bola os 90 minutos.Quanto ao juiz, aplicou bem os cartões, mas errou no lance final da partida e é fraco demais.Vendo a estatistica do Azeredo, dos anos 60 ao inicio dos anos 80, o craque ainda decidia.Hj, vc pega esse time do Cruzeiro,mordido, sendo cobrado a semana inteira, com 20 mil cruzeirenses gritando no estadio, com o time marcando demais, parando o jogo com faltas, fez o dobro de faltas em relacão ao galo, a coisa se equilibra.E numa contradicão do q escrevo, quem decidiu o empate, independente de erro de arbitragem, foram os 2 unicos jogadores capazes de faze-lo.antes vc tinha Tostão, Dirceu lopes, Evaldo, Palhinha, Natal entre outros, mais tarde o Galo com Reinaldo, Cerezo e cia, talvez ai estivesse a razão da supremacia nos classicos de um sobre o outro em outras decadas.Hj, a marcacão, a preparacão fisica superam a individualidade, mas é bom ainda ver o pouco de talento q ainda resta nesses nossos gramados decidirem os classicos, ao invés desses brucutus q andam por ai.

    ResponderExcluir
  2. Pois é Sr Flávio Anselmo, o juiz que prejudicou o cruzeiro um dia, ajudou o cruzeiro ontem. Ou você quer tapar o sol com a peneira? Não quer falar a realidade, pois seus colegas Cosme Rimoli e Juca Kfouri falaram: o galo foi o prejudicado. Leia lá nos blogs deles: http://blogdojuca.uol.com.br/2012/08/um-classico-de-matar-em-minas-gerais/ e aqui http://esportes.r7.com/blogs/cosme-rimoli/2012/08/26/o-atletico-mineiro-foi-impedido-de-abrir-tres-pontos-do-fluminense-o-arbitro-nielson-pereira-dias-nao-deixou-ele-foi-o-responsavel-pelo-empate-do-cruzeiro/

    ResponderExcluir
  3. Esse jogou já acabou e o Galo já está pensando na Ponte Preta! Vai durar para quem tem pretenções de não cair para a segunda, isto é, o Cruzeiro!
    audisio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O galo pode até conseguir esquecer o empate com sabor de derrota.

      Mas os 6x1 vocês nunca vão esquecer!

      Excluir
    2. Vocês já se esqueceram dos 9 a 2? Independente do que você responder, sua argumentação vai por água abaixo

      Excluir
    3. Que 9x2? Ninguém lembra disso. É igual cabeça de bacalhau. Ninguém viu!

      O povo lembra é de 6x1! Cocotas!

      Excluir
    4. Babaca. Aprenda a conversar civilizadamente e assinar o que diz.

      Excluir
  4. William Renato Lopes27 de agosto de 2012 20:52

    Boa noite.

    Vou comentar algo que ninguém da imprensa comentou sobre o clássico Atlético X Cruzeiro de ontem.

    A diretoria do Cruzeiro, desde os 4 X 0 de 2007, transformou o clássico numa guerra.

    Todo clássico ocorrido desde o fatídico 4 X 0 foi assim: jogadores do Cruzeiro jogando com ódio e raiva.

    Não confundam RAÇA com RAIVA!

    O Cruzeiro desde 2007 tratou os clássicos como GUERRA! Como BATALHA medieval!

    E foi assim que conseguiu a maioria das vitórias nos últimos confrontos! À base da RAIVA.

    E ontem mais uma vez foi assim...

    Será que os jogadores do Cruzeiro estão incorporando o ódio demonstrado pela diretoria do time estrelado?

    Seriam um reflexo do descontrole de diretores como Valdir Barbosa?

    Fica a questão.

    Jogadores do Cruzeiro estão disputando a bola com raiva, entrando para quebrar os jogadores do Atlético.

    Ontem vi partes de São Paulo X Corinthians, Flamengo X Botafogo.

    As equipes colocam a bola no chão e jogam bola! Sem selvageria.

    Aqui não! Desde 2007, é pancadaria. É briga! É porrada! É guerra!

    Ontem nitidamente o Galo tentava colocar a bola no chão. Jogar.

    Mas o Cruzeiro só queria bater.

    E a torcida azul refletindo bem este ódio nas arquibancadas.

    Primeiro apedrejaram o ônibus com a delegação do Atlético.

    Dentro de campo, xingavam o time do Atlético à todo pulmão.

    Jogaram coisas no gramado.

    Esbravejavam! Cantavam músicas de raiva e rancor.

    É preciso que os diretores dos clubes repensem o clássico Atlético X Cruzeiro.

    Senão vão ter que proibir Atlético X Cruzeiro.

    Deixar com que volte a ser um jogo sem a colossal importância que criaram em torno dele.

    É como se o perdedor tivesse que ser condenado à morte.
    Gente, é um jogo de futebol!

    Ambas as equipes precisam apenas jogar bola. Nada mais.

    E que vença o melhor. Simples assim.

    Sem bater, sem morder, sem dar cotoveladas, sem apedrejar ônibus, sem querer bater no juiz, etc.

    Por tudo que aconteceu ontem, mostrado para todo o Brasil, eu senti VERGONHA de ser mineiro.


    Atenciosamente,

    William Renato Lopes
    Analista de Sistemas
    B. Céu Azul - BH/MG

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. William, um Cruzeirense foi espancado até a morte em 2010. Sua argumentação é um castelo de areia.

      Excluir
  5. Por que será que só agora os emplumados resolveram protestar contra a arbitragem? Antes, beneficiados pelos apitadores, ficaram quietos. Cuidado com os próximos jogos para ambos. Os apitadores sempre erram contra nós, mineiros.
    Wéverton - Conceição de Ipanema mg

    ResponderExcluir
  6. Ronaldinho não reclamou da arbitragem?

    Acho que eu não assisti o mesmo jogo!

    ResponderExcluir
  7. Para o anônimo que questiona o Willian,
    O cara que foi espancado até morte, foi fazer o que lá no evento da galocura? Rezar, Fazer amizades?
    Não me venha com essa de moralista. Se pudesse matar alguém esse anjinho mataria com prazer. O fato é que todos os covardes correram e largou ele pra trás.
    Até hoje só os caras da galoucura foram presos e os bandidos que foram causaram a reaçaõ não foram nem se quer intimados a responder na justiça. Eles também que responder. Acesse o Blog do excelente Chico Maia, ele fala sobre essa questão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não vou debater com quem defende bandido. Já venci este debate faz tempo.

      Excluir
  8. E mais uma vez esses bandidos cercaram o ônibus do galo. Confrontaram com a PM. Sangraram o rosto de um PM. Jogaram de tudo no gramado. Cartolas azuis agrediram fisicamente o árbitro com ameaças e tudo e até agora ninguém foi preso. Porque será? Medo da bandidagem? Ou comprometimento???

    ResponderExcluir
  9. Essa imprensa mineira é uma vergonha. O Brasil inteiro já sabe quem é quem, Banda boa e podre. Claro que 99,99 % é da banda podre . O Chico Maia, Léo Gomide e quem mais são da banda boa???
    Pergunta difícil!!!

    ResponderExcluir
  10. Eu acho que os hospícios estão com lotação máxima.

    Atleticano reclamando da imprensa? Filhos ingratos.

    ResponderExcluir

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.