sábado, 29 de setembro de 2012

GALO EMPATA COM LUSA E TEM QUE TORCER PRA FLU NÃO DISPARAR NA FRENTE


Cuca terá de refazer suas contas de projeção pra caminhada do Atlético em busca do título do Brasileiro deste ano. O time fez oito jogos, ou seja, 24 pontos, em setembro. A meta do treinador era de conquistar 12 pontos. Não alcançou. Com o empate de 1 a 1 com Portuguesa, neste sábado, o time terminou o mês com nove pontos.

Bernard marcou o gol que evitou a derrota do Galo no Canindé. ( Foto de Rodrigo Coca/FotoArena-Folhapress).

O Galo somou pontos nas vitórias contra Palmeiras e São Paulo, em casa, e nos empates com o Bahia, Grêmio e Portuguesa. Nos jogos contra Corinthians, Náutico e Flamengo ele foi derrotado. Em outubro, são seis compromissos. O próximo jogo é no próximo sábado, no Estádio Independência, contra o Figueirense, às seis e meia da noite.
Cuca planeja somar 12 pontos em outubro, em 18 disputados. A conta poderá ser refeita agora. No empate em São Paulo, Léo Silva, ex-Cruzeiro, fez 1 a 0 pra Lusa e Bernard empatou. O Galo ainda teve Leonardo Silva expulso na etapa final.
Com 53 pontos, o time alvinegro agora torce contra o Fluminense neste domingo, no clássico com o Flamengo. Se o Tricolor vencer chega a 59 pontos e põe uma distância de seis pontos sobre o Galo. Caso perca o clássico, o Atlético tem chance de tirar a diferença no confronto direto.
A classificação do G-4 mostra o Flu atualmente o Flu com 56 pontos; o Galo com 53; Grêmio que joga neste domingo contra o Peixe, no Olímpico, com 49; e o Vasco, que venceu o Figueirense neste sábado por 3 a 1, com 47n pontos.  No outro jogo deste sábado, o Náutico derrotou o Atlético-GO por 2 a 0, com dois gols de Kieza, ex-Cruzeiro, no Recife.  

MEIA DÚZIA DE JOGOS SEM VITÓRIA. ATÉ QUANDO CRUZEIRO?


Bem que Celso Roth surpreendeu, escalando até Diego Árias e deixando Victorino fora da relação pra prestigiar outro estrangeiro, Martinúccio. Mas a maré celeste não tá pra peixe. Até pênalti o goleador Borges chutou pra fora, após marcar na primeira cobrança que não agradou o soprador de apito Paulo César de Oliveira. Sorte do Internacional. Na nova cobrança, Borges chutou por cima do gol de Muriel. Apesar de muito disputado no segundo tempo, o jogo em Varginha não saiu do 0 a 0.
E o Cruzeiro não encerrou o jejum de vitórias no Campeonato Brasileiro. Perdeu para o Botafogo, Sport, Figueirense e São Paulo, e teve empate com o Vasco. Transfere a expectativa da quebra do jejum pra próxima rodada, uma parada torta, no próximo sábado, contra o Grêmio, no Olímpico
No lance da penalidade máxima no primeiro tempo, Nei empurrou Borges dentro da grande área: pênalti! O arbitro marcou e deu cartão amarelo para o lateral do Inter. O próprio Borges bateu e marcou ao acertar o canto esquerdo de Muriel.
Paulo César Oliveira mandou voltar a cobrança. Ele alegou invasão de jogadores azuis. Na segunda tentativa, o atacante do Cruzeiro desperdiçou e mandou a bola por cima do travessão. Dessa vez, alguns atletas colorados também invadiram a área, porém, o juiz nada fez

BERNARD REFORÇA O GALO HOJE CONTRA LUSA


Fillipe Soutto que foi a jóia do Galo em 2011, perdeu espaço nesta temporada com o técnico Cuca, estará de volta contra a Portuguesa. Até que enfim, baixou juízo na cabeça de Cuca. O afastamento completo de Fillipe não tem explicação lógica. Ele foi escolhido pra substituir Leandro Donizete, machucado.
O time alvinegro ainda terá outras duas mudanças. Junior César e Bernard, que estavam suspensos, voltam. Bernard teve a sua pena reduzida no STJD. Réver e Richarlyson estão suspensos. Na zaga, Rafael Marques será o substituto do capitão. (Na foto, de Bruno Cantini/EM-DA Press, Rafael Marques e Bernard).

PORTUGUESA X ATLÉTICO

Portuguesa: Dida, Luis Ricardo, Valdomiro, Lima e Marcelo Cordeiro; Ferdinando, Léo Silva, Moisés e Boquita; Bruno Mineiro e Ananias.
Técnico: Geninho
Atlético: Victor, Marcos Rocha, Rafael Marques, Leonardo Silva e Junior César; Pierre, Fillipe Soutto, Danilinho, Ronaldinho e Bernard; Jô.
Técnico: Cuca
Motivo: 27ª rodada do Campeonato Brasileiro
Estádio: Canindé, em São Paulo (SP)
Data: 28/09/2012, sábado, às 18h30
Árbitro: Elmo Alves Resende Cunha
Assistentes: Evandro Gomes Ferreira e João Patrício de Araújo


O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) reduziu a pena de perda de mando de campo do Cruzeiro no Campeonato Brasileiro para quatro jogos, em consequência dos incidentes no clássico contra o Atlético. Houve ainda aplicação de multa de R$ 20 mil. O recurso do clube foi julgado pelo Tribunal Pleno na sede administrativa da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de Goiás, em Goiânia.

Neste sábado, às seis e meia, o Cruzeiro cumpre o segundo jogo da punição, no Melão, contra o Internacional. O time celeste já enfrentou o Vasco em Varginha, e empatou por 1 a 1, na primeira partida sem mando de campo. Terá, ainda, de atuar a pelo menos 100km da capital contra a Portuguesa (14/10) e o Corinthians (21/10). Seu retorno ao Independência acontece em 4 de novembro, diante do Santos na 34ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Cruzeiro x Internacional

Cruzeiro
Fábio; Leo, Thiago Carvalho, Victorino e Diego Renan; Leandro Guerreiro, Marcelo Oliveira, Souza, Montillo e Everton; Borges
Técnico: Celso Roth
Internacional
Muriel; Nei, Rodrigo Moledo, Índio e Fabrício; Ygor, Guiñazu, Fred e D’Alessandro; Forlán e Leandro Damião
Técnico: Fernandão
Motivo:
 27ª rodada do Campeonato Brasileiro
Estádio:
 Melão, em Varginha
Data
: 29 de setembro (sábado), às 18h30
Árbitro:
 Paulo César Oliveira (SP)
Assistentes:
 Marcelo Carvalho Van Gasse (SP) e Rogério Pablos Zanardo (SP)

IPATINGA NO DESESPERO

Lanterna da Série B do Brasileiro com apenas 16 pontos em 26 jogos, o Ipatinga segue acreditando em um verdadeiro milagre para escapar do rebaixamento. As chances da equipe são remotas e para não acabarem de vez, o Tigre precisa vencer Ceará, neste sábado, às 21h, no estádio Presidente Vargas.

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

SÃO PAULO ABRE A COPA DO MUNDO DIA 12 DE JUNHO COM JOGO DO BRASIL


Quem pode, pode. Quem não pode, assiste na TV Globo, ou tira as calças e pisa nelas pra não morrer de inveja e de ciúme. São Paulo, que nem estádio tinha pra sediar a Copa do Mundo porque o Morumbi inexplicavelmente foi a única praça a levar bomba até pra sofrer reformas, terá a Seleção Brasileira na abertura da Copa do Mundo de 2014. Ah, inexplicavelmente não! O Corinthians, time do coração nordestino do então presidente da República, Luiz Ignácio Lula da Silva, ganhou de presente do governo federal a sua própria arena, que inclusive de tão chique será o local da abertura.
Como diria o saudoso Nelson Rodrigues: “Daqui de olho, derramamos elásticas babas bovinas de inveja”. Afinal, nenhum time da Capital, exceto o América(sic), tem estádio próprio, presente das altas autoridades federais. Nem de quem nasceu aqui ou veio, como forasteiro, comandar o nosso Palácio da Liberdade.
O Comitê Executivo da Fifa, reunido na última quinta-feira, em Zurique, na Suíça, definiu os horários dos jogos da Copa do Mundo no Brasil, em 2014. O sorteio do evento será em 6 de dezembro de 2013. A partida de abertura será disputada em 12 de junho, em São Paulo, às 17h.
Os demais jogos da primeira fase serão disputados às 13h, 16h, 17h, 18h, 19h e 21h locais. Já as partidas das oitavas e das quartas de final serão às 13h e 17h. As duas semifinais serão disputadas às 17h, enquanto a grande final, no dia 13 de julho de 2014, no Maracanã, será às 16h.
Fifa confirma sorteio da Copa do Mundo no Brasil para dezembro de 2013, na Bahia.
Todos os horários divulgados são locais. Com exceção de Cuiabá e Manaus, as demais sedes seguirão o horário de Brasília. Essas duas cidades, do Mato Grosso e do Amazonas, estão uma hora a menos em relação a Brasília.
Para definir os horários dos jogos, o Comitê Executivo da Fifa levou em consideração: distribuição equitativa de todas as seleções; períodos de descanso equitativos para todos os selecionados em um mesmo grupo; temperatura nas cidades-sede; fatores do mercado global de TV; logística de viagem da torcida (como horários de voos e alojamento).(foto das obras do Mineirão - Sílvio Coutinho/EM-DA Press)
O Brasil, como anfitrião, ocupa a posição A1 na composição dos grupos. Assim, já se sabe que a equipe disputará seu primeiro jogo em São Paulo, na abertura da Copa, e os outros dois jogos da fase de grupos em Fortaleza e Brasília. Fifa confirmou, ainda, sorteio da Copa do Mundo no Brasil para dezembro de 2013, na Bahia
Nos jogos programados pra Beagá, os torcedores terão de levar suas marmitinhas visto que o famoso tropeirão do Mineirão tá abolido definitivamente do lazer gastronômico nas idas ao estádio da Pampulha. Beagá, uma das principais cidades-sede, receberá cinco dos seus seis jogos às 13h (local), um horário pouco comum para o público brasileiro. Apenas na semifinal dia 8 de julho de 2014 terá jogo às 17h (local).
De acordo com a Fifa, a definição dos horários das partidas se baseou em alguns aspectos: distribuição equitativa de todas as seleções; períodos de descanso equitativos para todos os selecionados em um mesmo grupo; temperatura nas cidades-sede; fatores do mercado global de TV; e logística de viagem da torcida (como horários de voos e alojamento).
Belo Horizonte: Primeira fase - 14/06 (13h), 17/06 (13h), 21/06 (13h), e 24/06 (13h). Oitavas de final
28/06 (13h). Semifinal: 08/07 (17h)

GALO ESPERA FECHAR AS CONTAS DO MÊS

Nas contas do técnico Cuca o Atlético não pode nem empatar com a Portuguesa neste sábado no Canindé. Conseguiu oito pontos em setembro e caso vença chegará a 11, e passa a dever dois pontos em outubro. Cuca calculou 13 pontos em cada mês. Portanto, precisa de atingir  15 em outubro pra fechar as contas da projeção da briga pelo título.
No entanto, pra conseguir essa pontuação, Cuca terá de resolver os problemas que esquentam sua cabeça para enfrentar a Portuguesa. Réver e Richarlyson, suspensos, e Leandro Donizete lesionado estão fora. A boa expectativa é que o treinador anunciou o possível aproveitamento de Felipe Soutto no meio-campo. Disputa a posição com Serginho; essa expectativa dificilmente se realizará, pois Cuca gosta mais de Serginho.
O Atlético, dono da melhor campanha do turno do Campeonato Brasileiro, com mais de 70% de aproveitamento, já não surpreende mais os adversários. Visado, o time passou a ser melhor marcado em campo. No mês de setembro, o rendimento alvinegro despencou para 38%. Foram duas vitórias, dois empates e três derrotas. Cuca não concorda que o Galo tem jogado mal, reconhece que os rivais aprenderam a marcar a equipe.;

O time não jogou bem
contra o Náutico. Nas demais, tem jogado bem. O campeonato vai passando e as equipes vão entendendo o teu time”, disse o treinador. Na derrota passada, 2 a 1 para o Flamengo, o Atlético praticamente não jogou no primeiro tempo. Com Ronaldinho Gaúcho anulado em campo e sem espaço para criar jogadas, o Galo insistiu na ligação direta, sem sucesso.
O Atlético segue na vice-liderança do Brasileirão, com 52 pontos. O líder Fluminense soma 56. Já o Grêmio, terceiro colocado, tem 49 pontos.

CRUZEIRO LUTA PRA SAIR DO LUGAR

Estacionado ali no meio da tabela, entre o oitavo e nono lugar, sem vencer há cinco jogos, o time de Celso Roth não poderá respirar aliviado neste sábado, em Varginha, enquanto o árbitro não der o apito final. Até porque, apesar do tabu de 25 anos sem perder do Internacional em Minas Gerais,  o time azul continua no entra-sai de sempre. Roth por conta disso prefere esconder a escalação até minutos antes do jogo.
No último coletivo da semana, Roth começou com Léo improvisado na lateral-direita e não escalou o garoto Mayke sobre o qual falou bem em várias entrevistas. Só não enganou aqueles não acreditam no seu espírito revelador de talentos.  Victorino voltou à zaga central, ao lado de Thiago Carvalho, e Diego Renan foi o lateral-esquerdo. Com certeza esta defesa será mantida. No meio campo, estiveram Leandro Guerreiro e Marcelo Oliveira, marcadores, Souza, Montillo, Everton pelo lado esquerdo e Souza pela direita. Borges foi o único atacante.
Esquema no 4-5-1, ou seja, pra empatar, ainda que em casa, ou pra cozinhar o jogo e esperar que o Internacional saia para o jogo, cometendo pecados que permitam o contra-ataque. Perigoso demais. Charles e Wellington Paulista ficaram de fora, lesionado, em recuperação.
Depois, Roth mexeu no time, com a entrada de Ceará no lugar de Victorino e Léo foi jogar na zaga. Diego Renan saiu e entrou o misterioso Diego Árias, com Everton passando pra lateral-esquerda. Então, o time passou pra três volantes. No lugar de Souza, entrou Anselmo Ramon. Ou seja, tanto o time da primeira fase do treino, como o da segunda parte (pior ainda), não merecem confiança da torcida

.

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

MANO CONVOCA VICTOR E DESFALCA O GALO TRÊS JOGOS


                                         (Foto de Alexandre Guzanshe/Em DA Press)
Victor,  goleiro do Atlético, foi o único jogador que atua no futebol mineiro convocado para a Seleção Brasileira que fará dois amistosos. Dos males, o menor. Se Mano Meneses cisma de chamar Rever, como tem feito; Bernard e Marcos Rocha,  o Atlético estaria lascado. Mano informou que se limitou a chamar apenas um atleta por clube pra não complicar a vida deles. A maior novidade, no entanto, é a convocação de Kaká, reserva do Real Madrid. O escrete jogará contra "as fortes" seleções do Japão dia 11, e Iraque, dia 16 de outubro, ambos lá no estrangeiro.
Na Seleção Brasileira, Victor desfalcará o Atlético em três rodadas do Campeonato Brasileiro. No dia 10, o Galo vai a Porto Alegre enfrentar o Internacional, pela 29ª rodada. Quatro dias depois, o Alvinegro recebe o Sport, no Independência. Já no dia 17, o compromisso é contra o Santos, na Vila Belmiro.

Confira a lista de jogadores convocados

Goleiros: Diego Alves, Jéfferson e Victor
Laterais-direitos: Daniel Alves
Laterais esquerdos: Adriano, Alex Sandro e Marcelo
Zagueiros: David Luiz, Dedé, Leandro Castán e Thiago Silva
Volantes: Fernando, Paulinho, Ramires e Sandro
Meio-campistas: Kaká, Giuliano, Oscar e Thiago Neves
Atacantes: Hulk, Leandro Damião, Lucas e Neymar


APÓS DERROTA NO RIO GALO ENFRENTA LUSA PRA MANTER OBJETIVO DE CUCA


Acabou aquela história de que o Atlético tinha um jogo a menos que o Fluminense. Todos os times têm 26 jogos no Brasileiro, e os pontos previamente ganhos, na cabeça de alguns apressados coleguinhas e torcedores, do adiado jogo contra o Flamengo estão perdidos. A derrota por 2 a 1 no Engenhão segurou o Galo na vice-liderança com 52 pontos, quatro atrás do Fluminense. As contas antecipadas passam a ser outras: o confronto direto com o líder aqui no Independência, que poderia diminuir tal vantagem.( Foto de Alexandre Loureiro/VIPComm)
O técnico Cuca projetou 12 pontos para setembro e o mesmo número para outubro dentro da caminhada pra conquista do título. Contudo, o Atlético marcou apenas oito pontos até agora e tem chance de chegar a 11 diante da Lusa neste sábado no Canindé. Se conseguir tal feito, terá de fazer 13 pontos em outubro. Se a derrota decepcionou alguns e impossibilitou chegar ao objetivo de Cuca, resta manter o foco no título e correr atrás da recuperação em São Paulo.
Nada de anormal, conforme esperava este filho do Sodico, aconteceu no Engenhão. O Flamengo jogou melhor, com maior disposição e anulou as jogadas do Atlético. Nem o gol de Jô, empatando a partida em l a 1, após Wagner Love ter feito um belo gol para os rubro-negros, permitiu respirar ares de virada. O Flamengo voltou a marcar, outro belo gol, com Liedson, falha coletiva da defesa.
Na coletiva, Cuca deixou nas entrelinhas o favorecimento da arbitragem do baiano Jailson Macedo, porém pura transferência de responsabilidade. Apitou bem e expulsou corretamente Rever, aos 28m do segundo tempo, por agressão ao adversário, com um soco, dedurado pelos demais assistentes da arbitragem.

PALAVRAS DURAS DE MAURO
E desnecessárias. O desabafo de Mauro Fernandes, após a derrota do América por 2 a 1 diante do Grêmio Barueri, até então lanterna da Série B, poderia ser evitado. Treinador experiente, andado, ele sabe perfeitamente o mal que causou ao grupo ao afirmar que o presidente deveria dispensar todo time pela vergonhosa atuação. No futebol não existe os justos pagam pelos pecadores. Os pecadores pagam pelos pecadores. Um comandante atento sabe quem errou fora do comum e quem tentou acertar apesar de a falta de apoio dos demais. Mauro terá problemas daqui pra frente. (Foto de Marcos Michelin/EM -DA Press) 

PARADAS TORTAS DO CRUZEIRO

O pessimista diria: não há outro caminho para o Cruzeiro senão aquele sofrimento do ano passado, à porta do descenso. Os menos céticos acreditam, no entanto, que o time conseguirá no maior sacrifício vencer o Internacional neste sábado em Varginha e depois conseguir, ao menos, um empate diante do Grêmio em Porto Alegre. Ah, na sequência terá a Lusa no Melão se o STJD não mudar a punição de perda de seis mandos de campo. Com 35 pontos, o foco dos azuis, realmente, tem que se voltar para o fantasma do rebaixamento. Precisa de mais nove pontos pra não esquentar a cabeça.
As notícias ruins são constantes na Toca da Raposa. Ruins para o trabalho de Celso Roth, que segundo o presidente Gilvan do Pinho Tavares, está firme no cargo visto que a diretoria não pensar em cometer o desatino de trocar de treinador agora. Bem, essa informação para alguns é ruim, pra mim é a mais inteligente no momento.
Ruim mesmo foi saber que o time poderá ficar sem Victorino por três partidas. De preterido pelo treinador, o uruguaio voltou com a corda toda, jogando bem. Vai desfalcar o Cruzeiro por causa de sua convocação para a seleção uruguaia que disputa as eliminatórias da Copa do Mundo. No dia 12 de outubro, O Uruguai enfrenta, em Mendoza, a Argentina, que lidera a disputa, com 14 pontos. Quatro dias depois, jogará contra a Bolívia. Os uruguaios estão em quarto lugar, com 12 pontos.
Victorino, portanto não enfrentará a Lusa, dia 10; nem o Flamengo, dia 13 e poderá ficar de fora, também, no jogo contra o Corinthians, di8a 17. O pão de Roth precisa cair com a manteiga pra cima. Justo agora que tem composto bem a sobra na defesa do Cruzeiro, recuperando sua antiga forma. 

terça-feira, 25 de setembro de 2012

A LIÇÃO QUE OS JOVENS PRECISAM APRENDER


Quando um de nós, dinossauros da crônica esportiva, em fase de extinção, levanta suspeitas sobre a ação da CBF em benefício de determinado clube carioca ou paulista – a preferência é para o Flamengo ou o Corinthians – na reta de final de qualquer competição importante, os jovens duvidam. Não estão errados. A maioria sai da faculdade sob a inspiração do politicamente correto e não creem nos submundos do futebol.

Com o tempo, entretanto, os poucos artistas desse palco tenebroso deixam suas máscaras caírem. O esporte do povo brasileiro, então, se enodoa. Não devem os caros moços, se decepcionarem. Essa coisa vem de há muito e as gerações passadas, inclusive a minha, não souberam acabar com tal podridão.

Aconselho aos meus bons que após a decepção natural encham-se de coragem, e que rompam os grilhões das forças financeiras ocultas, dos interesses baixos. E encham os porões podres do futebol com água limpa. A pureza dos jovens jornalistas, a mesma que imaginam transmitir aos cartolas sujos, aos atletas mercenários e aos treinadores dissimulados poderia ser uma regra geral. Passa por perto.

Todavia, como em qualquer meio privilegiado, onde a fortuna e o poder caminham juntos, sem consciência, ideologia e vergonha, existem as exceções. Uma pequena parte é a que inunda os porões de porcarias saídas de achaques, acertos inconvenientes e de corrupção.

Outro dia falei na TV Horizonte, Jogada de Classe, sobre as arrumações da CBF em favor do Fluminense, ou do Vasco, times do G-4. O Galo foi o mais visado na época porque liderava o Campeonato Brasileiro. O adiamento do jogo contra o Flamengo foi uma dessas arrumações.

Aí me perguntaram: qual seria o benefício do Flamengo? Tinha então um time desmoralizado, desfigurado e com sequência de resultados negativos. Não mudou tanta coisa para o jogo desta quarta-feira contra o Atlético. Mas poderia ter mudado! E com certeza alguma coisa melhorou, tanto que o time venceu o Atlético-GO, no domingo.

Se isso não for o suficiente tentem explicar de maneira mais convincente a troca de árbitros; não que eu ache Selene o supra-sumo. Porém, como engolir o novo árbitro, escolhido pela “bolinha” gelada dos sorteios? Não conheço seu histórico, nem sei seu nome.

O problema é de Kalil e não meu. A mim cabe apenas destampar o barril de m. e de podridão que se pode enxergar no fundo de tudo isso, ao ver a CBF tratar as coisas fora do Eixo. Provincianismo? Que nada, meus jovens, é a história que vivencio há 50 anos como cronista esportivo; está cheia de fatos iguais ou piores.

Pra ficar apenas na história do Atlético que é o personagem do momento, lembro-me de 1979, quando o Internacional foi campeão invicto e o Galo esteve a pique de ser desfiliado da CBF, ou CBD, sei lá, comandada pelo Almirante Heleno Nunes. A história do próprio campeonato por si só é imunda.

Pra fazer média com os políticos da Arena, partido dos militares no Poder, Heleno Nunes fez uma competição com 84 times que se iniciou sem os seis principais do Rio de Janeiro e os seis grandes de São Paulo. Foi um entra-e-sai vergonhoso, absurdo e que terminou com quatro classificados para as semifinais. Atlético, Internacional, Goiás e Vasco.

Aplicaram um golpe no Atlético na tentativa de inverter a ordem de jogos já estabelecida no regulamento. O presidente da época, Valmir Pereira, deu um soco na mesa e mandou recado ao tomar conhecimento da tabela que marcava seu primeiro jogo pra Goiânia, contra o Goiás. “Lá o Atlético não vai, está fora”. E não foi mesmo. Tomou WO em Goiânia e WO contra o Internacional, que acabou campeão invicto.

Vivenciei toda briga como comentarista da Rádio Capital. O diretor da emissora, o falecido Gil Costa, entrou na confusão e como goiano seguiu no avião de Valmir Pereira, além de dono de cartório, fora piloto da Força Aérea, em busca de um acordo com o Goiás. Este não topou mudar a tabela;  Heleno Nunes manteve firme na decisão de botar o Galo pra jogar as duas primeiras partidas fora de Belo Horizonte. O alvo visado pra receber o benefício seria o Vasco. Funcionou para o Internacional, entretanto.

Este é apenas um dos casos que vivenciei. Teve aquele famoso de 1980, na decisão do Brasileiro, no Maracanã, quando José de Assis Aragão expulsou Reinaldo já lesionado de tanta porrada e que acabara de empatar a partida em 2 a 2 assim mesmo. O Flamengo fez o gol da vitória com Nunes.

Vi uma partida eletrizante, espetacular, que ficou manchada pela arbitragem tendenciosa de Aragão. Nada de escandaloso. Apenas inversões de faltas, cartões em excesso para um lado só, preto-e-branco. Esta partida dura até hoje na memória dos bons atleticanos. Os jovens, talvez, conheçam apenas pelo ouvir dizer, sem a presença na frente dos fatos, nem pela televisão.

Seguiu-se a esse o vergonhoso episódio do Serra Dourada, em 1982. Eu estava lá com saudoso Vilibaldo Alves, os amigos Chico Maia e Afonso Alberto ou Paulo Roberto, falha a memória neste detalhe. As cenas provocadas por José Roberto Wright no apito jamais foram esquecidas. As expulsões seguidas, as primeiras injustas e as demais provocadas quando a turma sentiu que jamais o Galo venceria o Flamengo naquela disputa da Libertadores. “Fazemos o quê aqui?” se perguntaram, com certeza, os craques em campo.

Pra não encher mais essa página de puro saudosismo e de exemplos de como a província das Geraes sofre nas mãos dos cartolas da CBF, qualquer que seja o seu presidente, deixo à consciência de cada jovem pra imaginar os perigos que o Atlético passa, fora de campo, nessa partida contra o Flamengo.

No gramado, não existe nenhum temor: o time de Cuca é bem superior à equipe que Dorival Júnior tenta montar na Gávea a fim de evitar que o glorioso rubro-negro de tantas glórias e  ajudas entre no buraco negro do descenso. O Flamengo na segunda divisão mataria o pessoal global do coração. 

MEL NA SOPA: COELHO PEGA LANTERNA NO INDEPENDÊNCIA


Agora não tem mais conversa fiada: em oitavo lugar com 40 pontos, o América tem a grande chance de subir na tabela e se aproximar do G-4 ao enfrentar o lanterna da Série B, Grêmio Barueri, no Estádio Independência, esta noite. Mauro Fernandes não contará com o cabeça quente Neneca, que provocou sua expulsão na última partida, e mostrará o menino Matheus, revelado na base. Além disso, dará nova oportunidade a Werton Luiz na zaga e terá Rodriguinho de volta, formando o meio-campo com o brucutu Agenor – Leandro Ferreira está fora com fratura no nariz – ao lado de Marquinhos Paraná e Gilberto. Experiência não faltará.
Rodriguinho estava afastado por contusão e suspenso pelo ato de indisciplina, dirigindo embriagado pela madrugada e devidamente recolhido numa blitz após bater o carro. A dúvida está na lateral-esquerda onde Bryan e Pará disputam a posição. (Foto com Rodriguinho e Alessandro - de Rodrigo Clemente/EM-DA Press)

FICHA TÉCNICA DO JOGO:

AMÉRICA X GRÊMIO BARUERI

América: Matheus; Boiadeiro, Gabriel, Everton Luiz e Pará (Bryan); Agenor, Marquinhos Paraná, Gilberto e Rodriguinho; Ewerthon e Fábio Júnior 
Técnico: Mauro Fernandes

Grêmio Barueri: Rafael Silva; Anderson Salles, Arilson, Alex Lima e Marcinho Pit; Alê, Rafael Chorão, Douglas e Marcelinho; Renan e Daniel Magrão
Técnico: Roberto Cavalo

Motivo: 27ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro
Estádio: Independência, em Belo Horizonte 
Data: 25 de setembro, terça-feira, às 21h 
Árbitro: Francisco de Assis Almeida Filho (CE) 
Assistentes: Ubiratan Bruno Viana (RN) e Izac Márcio da Silva Oliveira (RN)

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Pelé inaugura réplica de casa de infância em Três Corações



Ao tomar emprestado do portal da Globoesportes.com esta matéria sobre Pelé quero homenagear àqueles que respeitam suas origens. Pelé redescobriu Três Corações a tempo de não cometer injustiça com a sua terra natal. Claro que existe uma diferença enorme, por exemplo, entre aqueles que nascem e não se afastam de sua cidade e o caso de Pelé. Novo teve de acompanhar a família e o pai Dondinho que foi jogar no Noroeste de Bauru. Pro garoto Edson, então, sua cidade natal era Bauru. Depois que se tornou cidadão do mundo, entretanto, Pelé ou Edson Arantes do Nascimento, soube de sua origem mineira, nascido em Três Corações. Foi difícil entender isso, mas conseguiu e se emocionou com o evento em Três Corações. Leiam a reportagem abaixo:

Reportagem e fotos de Alexandre Alliatti (Globoesportes.com)

Diz dona Celeste, a mãe de Pelé, que seu filho nem esperou nascer para começar a jogar futebol. Ela sofria com chutes e movimentos que pareciam cabeceios dentro de sua barriga quando Edson era gestado, em idos de 1940. Ao dar à luz o menino, ela logo viu que a inquietação dele podia ser curada com uma bola. Tudo isso teve como cenário uma pequena casa em Três Corações, no Sul de Minas Gerais. Mas não foi de nada disso que aquele menino, hoje um setentão, lembrou ao visitar uma réplica da casa, inaugurada neste domingo, no mesmo canto onde começou a ser criado. Para ele, olhar aquele espaço, lembrar daqueles tempos, remete a jabuticabas.
O primeiro lar do Rei foi destruído pelo tempo. E agora está de pé, novinho em folha. A moradia dos primeiros passos do maior jogador de futebol de todos os tempos foi apresentada ao mundo neste domingo. Pelé, observado por uma multidão, circulou por lá, recebeu as chaves da casa, entrou nela. Mas o que ele queria mesmo era ver as jabuticabeiras.
Elas seguem lá, intactas, no pátio da casa, perto de um galinheiro e de uma latrina. Pelé, enquanto caminhava, balbuciou: “As jabuticabas. As jabuticabas”. E lá foi abraçar as duas árvores. Explica-se: ele deixou a casa muito novo, com menos de quatro anos, rumo a Bauru. E tudo que lembra é de pegar jabuticabas nos galhos.

- Lembro que esperava meu pai ou o tio Jorge chegarem em casa. Eles encostavam a carroça, e aí eu podia subir nela para pegar as jabuticabas. Não lembro de bola aqui, mas lembro das jabuticabas – recorda Pelé.
Não restavam sequer fotografias da casa onde o tricampeão mundial com a Seleção passou os primeiros três anos de vida. Para que o espaço fosse reconstruído, Keller Veiga, cenógrafo da TV Globo, usou os depoimentos da mãe de Pelé e do tio Jorge. Assim, foi possível recriar, com o máximo de realismo, as características do lar.
As paredes, mesmo novas, estão desgastadas. É proposital - para dar a percepção dos tempos em que Pelé morou ali. O pátio também está exatamente igual. A mudança é a presença de uma placa com imagens da família Arantes do Nascimento.
A construção original era de 1910. A réplica levou menos de dois anos para ser construída. Custou cerca de R$ 200 mil. Detentos trabalharam na obra, como parte de programa de redução de pena. O espaço será aberto para visitação do público.
O retorno
O comentário unânime na cidade é de que Pelé não visitava Três Corações desde 1987. O retorno dele mobilizou a população local. Pela manhã, milhares foram ao Parque Dondinho (apelido do pai dele) recepcionar o ídolo. Lá, foi inaugurado um monumento em que ele, ainda criança, está abraçado a seu progenitor. Dezenas de parentes dele estiveram presentes.
Em discurso, Pelé homenageou a cidade. Disse que fala de Três Corações em todos os lugares aonde vai no mundo. Mais tarde, em entrevista coletiva, foi questionado sobre sua ausência da cidade. Ele negou que tenha ficado tanto tempo sem aparecer nela. Disse que gravou um programa há dois ou três anos ali. E fez afagos aos conterrâneos. “O que eu espero é nunca decepcionar vocês. Sou humano, mas espero nunca deixar vocês decepcionados”.

GALO TIRA GRÊMIO DA CABEÇA E SÓ PENSA NO FLAMENGO


O que passou, passou. Não adianta mais chorar pelo leite derramado visto que os números frios de classificação apontam uma diferença atual entre o líder Fluminense e o vice Atlético de quatro pontos – 56 a 52. Então, o momento é de tirar o Grêmio que virou passado e pensar apenas no Flamengo, jogo adiado pela CBF, marcado pra esta quarta-feira no Engenhão.

De cara, um problema sério: Bernard levou o terceiro cartão amarelo no jogo de domingo; podia ser pior, pois sob intensa pressão psicológica por enfrentar seu ex-clube, Ronaldinho Gaúcho esteve perto de ser expulso. Aos 20m do segundo tempo, acertou o peito de Kleber, ao entrar com o pé alto, maldosamente. O árbitro Eber Roberto Lopes estava perto e ignorou o lance. No mínimo seria amarelo. Aí danava-se tudo do mesmo jeito: RG-49 já tinha amarelo.

Apesar do empate sem gols, das constantes faltas, de ser bem truncado, o jogo foi bom. Teve ótimos momentos no primeiro tempo. Lances como aquele criado por RG-49 aos 11m, ao driblar meio mundo e rolar para Guilherme, livre na direita. O chute final saiu fraco sem problema para o goleiro gremista Marcelo. Outro bom lance aconteceu aos 20m, com o chute de Donizete de longe pra grande defesa de Marcelo. Aos 24m, Carlos César que jogou no lugar de Marcos Rocha e pregou no final, acertou a trave superior dos gaúchos. O Grêmio deu o troco aos 42, com Elano acertando a trave de Victor. No segundo tempo, o jogo caiu bastante porque os dois times ficaram mais preocupados em diminuir o espaço do meio-campo.

Por uma falha individual conjunta de Victor e Richarlyson o Atlético quase perde a partida. O goleiro alvinegro saiu jogando com Richarlyson bem marcado. Este ficou sem saída, perdeu a bola. No término da jogada, Moreno estava livre, na frente da meta vazia, e chutou pra fora.  As defesas se superaram e pouco mais permitiram aos ataques. A entrada de Berola botou o Galo mais arisco; ele sofreu duas faltas iguais, na entrada da área e o árbitro paranaense, ruim como sempre, fingiu que nada aconteceu. Deu cartão amarelo pra Berola e expulsou Cuca que reclamou.

É fundamental a vitória sobre o Flamengo que derrotou o Atlético Goianiense, de virada, por 2 a 1. O personagem do jogo foi Vagner Love: deu duas assistências, perdeu um pênalti e um gol incrível, a dois metros da meta vazia, chutou na trave. Inacreditável, gritou o global Luiz Roberto. Por se tratar de partida adiada, é discutível se o Flamengo poderá usar Cleber Santana que estreou em Goiânia marcando o primeiro gol.

FÁBIO NÃO MERECE TANTO

“Osvaldo marca em falha de Fábio e garante festa tricolor”, eu contesto de início esta manchete do portal Globoesporte.com em que pese reconhecer que o goleiro do Cruzeiro teve certa indecisão entre sair e ficar no gol no lance. A bola veio cruzada pelo lateral Douglas que surgiu na ponta direita  sem acompanhamento. Fábio pensou em ficar e decidiu sair, tocou na bola e tirou-lhe a trajetória. Só que quando os deuses do futebol jogam contra nada dá certo. A bola desviada subiu na medida certa da cabeça do baixinho Osvaldo, livre de Léo, que a mandou para as redes. Fábio, ainda, tentou voltar, mas não houve jeito: suas pernas estão amarradas pelo azar.

Sabem o que significa essa má vontade dos deuses do futebol, do azar que persegue o Cruzeiro e alguns ídolos como Montillo e Fábio? É o baixo astral de grande parte da torcida. Os fluídos negativos dos pessimistas que se vestem de azul apenas pra enganar os demais torcedores; que vão ao aeroporto não pra levar palavras de incentivos, mas pra gritarem palavras ofensivas e agredirem os atletas com atitudes agressivas. Alguns levaram pés de alface e os exibiram na passagem de Fábio. Isso na linguagem do futebol significa fraqueza, miolo mole, ou seja, é um desaforo incomparável.

Não defendo Fábio das falhas que tem cometido a não ser pela obrigação de jogar com uma defesa ruim, mal escalada e mal postada. Nesse jogo do Morumbi, no entanto, há como remediar a sua falha visto que não lhe é dado saber quando voa na bola o que se passará no lance a seguir, ou se o adversário estará nas suas costas. Há, também, como perdoar o Cruzeiro pela derrota perigosa que o fez se aproximar dos times da zona do rebaixamento. É o quinto jogo sem vitória e agora enfrentará, em Varginha, outro adversário forte, o Internacional, que venceu (3 a 1) o Bahia – até então com a melhor campanha do returno – e está na mesma situação dos azuis.
.
O Cruzeiro fez bom primeiro tempo. Taticamente com Diego Renan e Marcelo Oliveira conseguiu neutralizar a melhor jogada do São Paulo de Ney Franco: a velocidade de Lucas pela direita e de Osvaldo pela esquerda, este com Léo e Charles. Aí os deuses começaram a conspirar contra: Charles lesionou-se seriamente no joelho e saiu. Entrou o garoto Lucas Silva, expulso no final pelo segundo cartão amarelo. A dupla de ataque, também, se machucou no mesmo instante: Wellington Paulista e Wallyson foram trocados por Borges e Souza. A pretensão de Celso Roth aqui ficou bem clara: não queria ganhar, mas segurar o empate. Quem não pensa em vencer, por si só se derrota.

TUPI QUASE REBAIXADO

O Tupi Futebol Clube perdeu para o Caxias-RS por 1 a 0, neste domingo, na serra gaúcha, e complicou de vez sua situação no Campeonato Brasileiro da Série C. O gol único no Estádio Centenário foi do zagueiro Micael, de cabeça, aos 31 minutos do primeiro tempo. Com o resultado, o Galo continua na lanterna do Grupo B, com 12 pontos, e nem mesmo uma vitória no sábado, contra o Vila Nova-GO, em Juiz de Fora, tira os carijós da Zona de Rebaixamento.

OLHO NO COELHÃO

Em oitava lugar, com 40 pontos, nove atrás do São Caetano, o último do G-4, o América precisa como nunca vencer o Grêmio Barueri nesta terça-feira, no Independência, se quiser continuar na luta por sua volta à Divisão Principal do futebol brasileiro. Na última partida, na casa do adversário, o América foi derrotado pelo Bragantino por 2 a 0. Entre os torcedores o clima é de pessimismo por causa da diferença colocada entre a turma do G-4 e o Coelho. Mas como se trata da 27ª rodada, ou seja, faltam 36 pontos em disputa, jogar a toalha agora me parece cedo demais. 

sábado, 22 de setembro de 2012

JUIZ AJUDA NO FIM E O FLU VENCE NÁUTICO

( Globoesportes.com) O Fluminense até encontrou certa dificuldade no primeiro tempo, mas uma falha do goleiro Gideão que terminou no primeiro gol tricolor desestabilizou o Náutico. Quatro minutos depois, o time carioca fez o segundo e, a partir daí, administrou o resultado no Raulino de Oliveira, em Volta Redonda: 2 a 1. Fred e Leandro Euzébio marcaram para os tricolores e Kim descontou. Mas não foi fácil. Por muito pouco, o time pernambucano não empatou. Além de pressão nos minutos finais, houve um pênalti claro não marcado pelo árbitro Pablo dos Santos Alves (ES).
Com a vitória, o time das Laranjeiras assegura a liderança do Brasileiro com 56 pontos. O principal personagem da partida foi Fred, artilheiro isolado do Brasileiro com 12 gols, que tocou de cabeça para o primeiro gol, de Leandro Euzébio, e fez o seu aos 45 minutos da etapa inicial. Destaque também para o retorno de Deco, que participou bem da distribuição do jogo. Na próxima rodada, o Náutico receberá o lanterna Atlético-GO nos Aflitos, no sábado. No domingo, os tricolores terão o clássico Fla-Flu pela frente, no Engenhão.

JUIZ MAL EM VOLTA REDONDA E JUIZ BEM EM FLORIPA

O goleiro Wilson do Figueirense fez a festa do Palmeiras na estreia do técnico Gilson Kleina, em Florianópolis. O Verdão desesperado com a zona do rebaixamento começou de forma eletrizante e em 10 minutos marcou dois gols em lances criados por Marcos Assunção que usou e abusou na sua arte de cobrar faltas. Nos 3 a 0 do Palmeiras, Assunção participou de dois lances e marcou o terceiro gol, infernizando a vida de Wilson que falhou em todos eles.
Thiago Heleno e Henrique fizeram os dois primeiros gols e Marcos Assunção completou o placar, pegando um rebote de Wilson. O volante do Palmeiras chegou a marcar outro gol de falta, anulado pelo juiz alegando impedimento de Valdívia que se postou entre a barreira e o goleiro. O bandeira mineiro Guilherme Camilo deu o gol, mas o árbitro anulou corretamente. Valdívia ficou pulando e atrapalhando a visão de Wilson. 

.

VITÓRIA VENCE E FICA PERTO DA ELITE


Falta apenas o jogo ASA x América de Natal, em Maceió, pra encerrar  a 26ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro ; a partida será disputa às nove da noite na capital das Alagoas. O Vitória disparou na liderança com 57 pontos, depois de vencer o Goiás por 3 a 1, em Salvador e, praticamente, consolidou sua volta à elite ano que vem. A diferença entre os baianos e o São Caetano, quarto colocado do G-4, é de 9 pontos e de Atlético Paranaense, quinto colocado, é de 11. Em segundo lugar vem o Criciúma que neste sábado não passou aperto no final do jogo mas conseguiu vencer o Ipatinga por 3 a 2, no Vale do Aço. Atingiu 52 pontos. Os demais resultados da rodada são os seguintes:
Joinville 3 x Paraná 1; Avaí 2 x Guaratinguetá 0; São Caetano 3 x CRB 2; Barueri l x Boa Esporte 2; Atlético Paranaense 2 x Ceará 1; ABC 3 x Guarani 1;  Bragantino 2 x América Mineiro 0;

 CLASSIFICAÇÃO É A SEGUINTE:


                                                                                                  
CLASSIFICAÇÃO
P
J
V
E
D
GP
GC
SG
%
1
Vitória
57
26
17
6
3
47
26
21
73.1
2
Criciúma
52
26
16
4
6
55
43
12
66.7
3
Goiás
49
26
14
7
5
42
28
14
62.8
4
São Caetano
49
26
14
7
5
40
26
14
62.8
5
Atlético-PR
46
26
14
4
8
41
24
17
59
6
Joinville
44
26
13
5
8
41
25
16
56.4
7
Ceará
41
26
11
8
7
42
36
6
52.6
8
América-MG
40
26
12
4
10
37
33
4
51.3
9
Avaí
40
26
12
4
10
31
28
3
51.3
10
América-RN
36
25
10
6
9
38
34
4
48
11
Guarani
35
26
9
8
9
28
26
2
44.9
12
Boa Esporte
34
26
9
7
10
38
38
0
43.6
13
ABC
32
26
8
8
10
36
35
1
41
14
Paraná
32
26
8
8
10
32
34
-2
41
15
ASA
30
25
9
3
13
33
34
-1
40
16
CRB
28
26
8
4
14
31
47
-16
35.9
17
Guaratinguetá
25
26
7
4
15
27
44
-17
32.1
18
Bragantino
21
26
5
6
15
27
43
-16
26.9
19
Ipatinga
16
26
4
4
18
23
54
-31
20.5
20
Barueri
14
26
3
5
18
19
50
-31
17.9