quarta-feira, 3 de outubro de 2012

JÔ PEDE MAIS ATITUDE AO TIME EM VEZ DE NOVO ESQUEMA



Nos jogos do segundo turno, o Galo tem decepcionado sua imensa nação, eufórica e esperançosa com o título que não comemora há 40 anos. Mas o time conseguiu apenas duas vitórias, contra quatro empates e duas derrotas, sem contar a  diante do do Flamengo, adiada do primeiro turno.
A pergunta mais feita é: “Não chegou a hora de Cuca providenciar uma mudança tática pra voltar surpreender os adversários? “ Sobre o assunto, o atacante Jô (na foto comemorando gol), um dos beneficiados com o atual esquema, descartou que esta seja a saída para o time.
Ele quer mesmo mudança radical na postura e na atitude dos jogadores em campo. Por quê, fico curioso? Leio a explicação de Jô;
- Temos de continuar jogando do mesmo jeito, pois é assim desde o início da competição. Não temos de mudar a maneira de jogar, mas sim a atitude e a vontade de querer estar de novo na liderança. Todo mundo tem que ter a cabeça no lugar e aumentar a pegada. Querendo ou não, perdemos muito nisso e temos de reencontrar para voltar a vencer.
Estranho tal declaração e me pergunto: será que os rapazes de Cuca perderam o foco na competição e estão deslumbrados, ainda, com a liderança e os elogios que foram embora? Impossível.
Jô acredita que outros fatores têm dificultado a vida do Galo.A marcação, por exemplo, dos adversários tá mais forte a cada rodada, o que faz com que os jogadores tenham de abandonar as posições onde melhor rendem. E aí que a mudança tática, então, seria importante, meu caro Jô. O próprio Cuca reconheceu isso e promete alterações profundas no mês de outubro, a começar contra o Figueirense, neste sábado. Vamos esperar.
 Além disso, Jô pede mais finalizações e melhor rendimento na criação de jogadas.
- Mas temos de ter paciência e tranqüilidade, pois as coisas irão voltar a dar certo. Temos de voltar a finalizar. Éramos o time que mais finalizava e criávamos bastante. A marcação ficou mais difícil, mas se queremos voltar à ponta, temos de vencer isso.
  
SALUM EXPLICA SEU AFASTAMENTO

Por causa de problemas particulares que exigem mais atenção de sua parte – a esposa sofreu um acidente de Jet Ski, passa por cirurgias importantes que necessitam de seu apoio -  o homem forte do futebol do América, Marcus Salum, afastou-se temporariamente de algumas funções na direção do futebol profissional.     Numa coletiva de imprensa, Salum informou que estará exercendo normalmente as funções de integrante do Conselho de Administração, inclusive participando das decisões do futebol profissional. Mas deixa de viajar com a delegação, reunir-se com os atletas e comissão técnica no CT, como fez nos últimos quatro anos.
As funções exercidas por Salum à frente do time serão absorvidas pelo também presidente Francisco de Assis Santiago. Não há o que comentar, afinal os problemas familiares são superiores, além do que o futebol continuará com a assistência do promotor Assis Santiago, o Chico Preto, cabra esquentado, mas bom de serviço.

CRUZEIRO NO ACRE? CRUZES

Não sei onde o calo aperta na caminhada da diretoria atual do Cruzeiro. Mas trocar a parte técnica, com o time perto de entrar na zona do rebaixamento, por uns reais a mais numa partida contra o Corinthians, lá no Acre, é demais. Que jogue em Varginha mesmo ou então Ipatinga, onde o estádio cabe mais gente. Ou vá enfrentar a torcida corintiana lá do Triângulo Mineiro, jogando no Parque do Sabiá. Ir ao Acre e voltar é como viajar ao exterior.


Punido com a perda de seis mandos de campo pelos incidentes no clássico contra o Atlético-MG, o Cruzeiro teve a pena reduzida para quatro jogos. Já disputou dois, contra Inter e Vasco e tem a partida de quarta-feira que vem, diante da Portuguesa, também confirmada para o estádio Dilzon Melo, o Melão, em Varginha. O quarto jogo é justamente o do Corinthians. A definição deve sair esta semana e os jogadores serão ouvidos. Não creio que toparão jogar no Acre.
Perguntado sobre como receberia Alex no elenco do Cruzeiro ano que vem, Celso Roth ironizou: “não sei se vou durar até lá. Vocês, meus guris, me derrubam todos os dia. Mas o Alex é um jogador excepcional e trabalhou comigo no Palmeiras em 2001. Se voltar para o Cruzeiro, será muito bom para o clube”.
Em todas as suas entrevistas coletivas, Roth tem feito questão de contra-atacar a mídia, que, segundo ele, faz de tudo pra derrubá-lo do cargo. Na última, Roth frisou que “a torcida está a seu favor e apenas a imprensa não gosta dele”. Não sei exatamente de onde tirou isso. Pode ser que parte das emissoras de rádio, ou de televisão, ou dos jornais, não tenha simpatia pelo jeito carrancudo e arrogante de Roth. No entanto, suas entrevistas são esclarecedoras e ele não deixa de responder nenhuma pergunta.
De minha parte, não gosto apenas de sua maneira de trabalhar ao preterir os jogadores da base em favor dos amigos que o acompanham ou que trabalharam com ele em outros clubes. Tal coisa não tem dado certo e o Cruzeiro afunda-se há seis jogos sem vencer. Nada discuto contra seu perfil de pouca conversa, visto que Celso Roth não veio aqui disputar nenhum concurso de relações públicas e nem eu pretendo convidá-lo a jantar no meu pobre barraco.

SÃO PAULO QUER ALOISIO

Com dinheiro em caixa, o São Paulo prepara projeto de um  grande time pra 2013. Ganso já está na casa, e pra revezar com Luiz Fabiano e suas constantes contusões, o São Paulo está em tratativa com o Figueirense. Sua meta é botar o atacante Aloísio no Morumbi. Com apenas 24 anos, ele agrada a Ney Franco e é artilheiro nato. Já  marcou nove gols no Campeonato Brasileiro e é o principal destaque da equipe catarinense, que luta para evitar o rebaixamento para a Série B. Quem pode, pode. Quem não pode...vá lamber sabão.
.
FALTA DE ENERGIA MELA JOGO ENTRE
BRASIL x ARGENTINA EM RESISTÊNCIA

A programação de uma das partidas, justo a decisiva, pra um estádio com apenas um ano de funcionamento, numa cidadezinha a mil quilômetros da capital Buenos Aires, sem boa infra-estrutura, provocou o vexame desta quarta-feira à noite.
As seleções de Argentina e Brasil entraram em campo, o trio de arbitragem também, e procedeu-se aquela cerimônia de sempre antes de jogos entre representações de países. Belas apresentações de artistas cantando os dois hinos. De repente, plufff. Apagaram-se os refletores do estádio.
Quem estava lá até elogiou a beleza e a comodidade da praça de esportes, com capacidade para 24 mil torcedores. Um elefante branco, contudo. A Seleção Argentina jogou lá antes uma vez. Porém, nenhum clube grande da capital portenha esteve no estádio. A cidade de Resistência, que está mais perto de Assunção (300 km), capital do Paraguai, tem um time profissional que disputa a quarta divisão argentina.
O trio de arbitragem chileno esperou até às 23 horas – a Globo inclusive parou a transmissão ao vivo pra exibir o capítulo da novela “Gabriela”, com certeza bem melhor do que seria a partida – e suspendeu a disputa. Os cartolas das duas federações não tiveram como adiá-la para o dia seguinte porque já neste sábado será realizada a rodada do Brasileirão face às eleições municipais de domingo.
Não se sabe como ficou a situação da disputa do Clássico das Américas e com qual Seleção caberá o troféu. Claro que o Brasil está na frente, com a vitória por 2 a 1 no primeiro jogo. Este é o futebol sul-americano!!!

Um comentário:

  1. "Em todas as suas entrevistas coletivas, Roth tem feito questão de contra-atacar a mídia..."

    Só contra-ataca quem foi atacado! Fale mais sobre os ataques.


    Concordo parcialmente com o que o Paulo Azeredo disse ontem. A imprensa está "pegando pesado".

    E discordo sobre o motivo. A imprensa bairrista sempre "pegou pesado" com os técnicos do Cruzeiro independentemente da situação do time.


    Quem não se lembra do Luxemburgo saindo após a tríplice coroa enquanto a imprensa jogava lenha na fogueira?

    Quem não se lembra do Adilson levando o Cruzeiro para as primeiras posições e sendo perseguido covardemente?

    Quem não se lembra do próprio Cuca sendo questionado pela Maira se o time não tinha dó dos adversários na Libertadores?

    Quem não se lembra do parente de um técnico dizendo que ele saiu do time pois estava ficando doente com as perseguições?


    Por isso é bom citarmos os ataques quando comentamos sobre os contra-ataques. Completude.

    ResponderExcluir

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.