quinta-feira, 29 de novembro de 2012

QUE TODOS ASSUMAMOS A CULPA DOS FRACASSOS FUTUROS






QUE TODOS ASSUMAMOS A CULPA DOS FRACASSOS FUTUROS

 

Flávio Anselmo – 29-11-12


CARATINGA - Faz parte do histórico da imprensa esportiva nunca assumir os fracassos das precipit adas "antecipações". Por exemplo, as besteiras cometidas pelo presidente da CBF, o paulista José Maria Marins. Primeiro demitiu Mano Meneses e cortou pela metade um planejamento de dois anos, que bem ou mal nos resultados – aparentemente melhor que os dos outros treinadores – trouxe resultados positivos na renovação de valores. Duvido que os dois treinadores escolhidos fizessem a mesma opção pelos jovens, visto terem fobia por esse de trabalho de base.

A segunda grande besteira de Marins foi este trabalho de arqueologia. Cavou profundezas pra arrancar os ossos de dois dinossauros amedrontadores nos seus tempos. Hoje comprovadamente duas lagartixas que não assustam mais ninguém. Se a fama os precede em razão dos títulos conquistados em Mundiais de 94 e 2002, o tempo os castigou como conservadores e antagonistas do futebol moderno que, por exemplo, Pepe Guardiola implantou no Barcelona.

Carlos Alberto Parreira tornou-se um grande palestrante dos interessados em futebol espalhados pelo mundo afora. Ganha verdadeira fortuna por isso. E está dentro do seu campo teórico. Meramente teórico. Depois do título com Romário, fracassou em times que não conseguiam ajustar-se às suas teorias ultrapassadas. De anteontem.

Felipão é o paizão fora do tempo. Aquele de uma geração sanduiche: não aprendeu nada com o novo e não deixa de pensar como o velho. A família Scolari tornou-se coisa de literatura. Não basta juntar e motivar. É preciso renovar e encarar o que os adversários têm feito. A Espanha está anos-luz à frente de Felipão. Sua prática foi derrubada em dois anos no Palmeiras.

Pra não ficar na crítica tão-somente, digo logo que  sou contra conforme se leu acima à demissão de Mano. Sou contra a convocação de Parreira e Felipão. Seria favorável a um convite ao técnico Pepe Guardiola, sem qualquer discriminação contra estrangeiros treinarem o escrete nacional. Seria favorável porque o tenho como o que há de moderno no mundo de hoje.

No Brasil, afora Ney Franco, que reza na cartilha dos jovens pensantes e criativos, a safra tupiquinim é fraca. Falam de Tite, que no meu entender é discípulo aprimorado de Felipão e Roth. Do primeiro, buscou os esquemas de preferências defensivas. Do segundo o linguajar empolado, a simpatia dissimulada que engana bem.

No entanto, apesar de os erros cometidos pelos complicados cartolas da CBF, nos quais a Policia Federal tá de olho, e de cujo bolo o irascível André Sanches preferiu pular fora, é importante que batamos no peito e façamos o nosso "mea-culpa". Claro que os pequenos pecadores como este filho de Caratinga pagará seus pecados no purgatório, o que já é uma pena brava. Os poderosos da Globo, Sportv, Band e dos jornais nacionais, até os pasquins que mantêm cronistas  carioquinhas que se metem a antecipar informações, jantar com cartolas e ser donos da verdade, terão de ser mergulhados no fogo eterno do inferno, caso o Brasil perca a segunda Copa Mundial em casa, por causa de seus pitacos impróprios.  




Flávio Anselmo
Email: fanselmo@msn.com
Blog: flavioanselmo.com.br
Twitter: @fganselmo
Facebook: fanselmo fanselmo

domingo, 25 de novembro de 2012

DESFECHO RUIM PASSOU PERTO, MAS GALO AINDA BRIGA PELO VICE



O Galo esteve perto de entregar a rapadura do vice-campeonato e a vaga direta na Libertadores ao jogar quase o tempo todo com preguiça e dominado pelo Botafogo, no Engenhão. Só acordou após as substituições que Cuca fez, tirando os preguiçosos e colocando gente que queria ao menos correr.
Enquanto perdia por 2 a 1 no Rio, o Grêmio sapecava 3 a 0 no Figueirense, em Floripa. Com 67 pontos, os gaúchos subiam pra 70 e o Galo ficava com 66. Pronto, a vaga seria dos gremistas.
Pra piorar, o Galo teve Junior César expulso nesse período. Com 10 homens, Cuca botou Richarlyson no lugar de Escudero. Pouco depois, Rick empatava a partida. Então foi a vez do Fogão perder a cabeça e teve Lucas expulso.
Sopa no mel! O time de Cuca dominou a partida e Rever fez o gol da vitória aos 41m.
No primeiro tempo, Bernard, de falta, havia feito l a 0. A virada carioca veio com Antônio Carlos e Elkeson.

Interessante é que a reação atleticana começou quando o Figueira passou a impressão que reagiria lá no sul, também. Perdia por 3 a 0, chegou aos 3 a 2, porém parou aí. Elano, Zé Roberto, Souza e Leandro fizeram os gols gremistas e o artilheiro Aloísio marcou os dois dos barrigas verdes.

Agora que não vale mais nada, o Cruzeiro desandou a ganhar dentro e fora de casa. Até Tinga fez gol na vitória por 2 a 1 sobre o Coritiba. Leandro Guerreiro, que virou zagueiro, marcou o segundo gol. o Coxa diminuiu com Everton Ribeiro. Com esta vitória, o Cruzeiro garantiu sua vaga na Copa Sul Americana. Não é muito não! Mas sob o comando de Roth vale um título!

O Sport esteve ansioso demais e por isso não derrotou o campeão brasileiro na Ilha do Retiro. Pressionou o suficiente  até pra virar o marcador de a 1 a 0, o 20º gol de Fred. Conseguiu no máximo empatar, ainda no primeiro tempo, com Felipe Azevedo. No segundo tempo, aumentou o prestígio de Cavalieri e perdeu uns cinco gols.
Resultado, vai brigar com a Lusa, que venceu o Internacional por 2 a 0, em POA, e com o Bahia que empatou com o Náutico em 1 a 1, em Salvador. Com 46 pontos, o Náutico, próximo adversário do Sport, safou-se do descenso.
Lusa e Bahia têm 44 pontos, 10 vitórias. Os baianos enfrentam o Atlético-GO em Goiânia. Basta-lhes o empate. A Lusa pega a Ponte e também joga pelo empate.
O Sport terá de vencer o Náutico, nos Aflitos e torcer pela derrota de Bahia ou Lusa. Então chegaria aos mesmos 44 pontos e com uma vitória a mais.

O empate de 0 a 0 entre Ponte Preta e São Paulo só permitirá ao time do caratinguense Ney Franco disputar a pré Libertadores.

Atlético Paranaense e Vitória ficaram com as últimas vagas de acesso à elite do futebol brasileiro e o Goiás ganhou o título da Segundona, numa rodada emocionante - a última da competição.
Lamento apenas que a rodada tenha determinado, também, a queda da simpática agremiação de Campinas, o Guarani, campeão brasileiro de 1978, pra terceira divisão. Coincidências do destino: um verdão campeão brasileiro cai da primeira pra segunda e outro verdão, campeão também, desce pra terceira.
E um verdão é o legítimo campeão da Série B. O Goiás teve extraordinária recuperação com o mineiro Enderson Moreira, ex-técnico da base do Cruzeiro e que faz excelente trabalho em Goiânia.
 Conseguiu recuperar até o Walter, quem diria!

Serei curto e grosso neste golpe dado pelos cartolas da CBF e que determinou a demissão de Mano Meneses e toda sua comissão técnica logo após nova conquista da taça Clássico das Américas.
Foi baita sacanagem com profissionais sérios e competentes. Coisa bem própria desta cartolagem imoral que assumiu o futebol brasileiro.
Não direi que é um caso inédito porque existe o precedente de 1969 quando João Saldanha armou uma Seleção espetacular e venceu as eliminatórias com os pés nas costas.
No entanto, por ser comunista, foi derrubado do comando do escrete pelo governo dos generais. E encheram a Seleção de milicos e puxa-sacos da ditadura.
Porém, desconheço outro caso de treinador com 76% de aproveitamento em 20 jogos. O principal foco de descrença do presidente da CBF, José Maria Marins, não está na perda da medalha de ouro pro México, nas Olimpíadas de Londres como dizem alguns.
Mas sim no fato de Mano Meneses ser indicação do ex-Ricardo Teixeira.
Política porca e cheia de vaidade da cartolagem tupiniquim.

Vem aí a Copa das Confederações, no Brasil, e o novo técnico terá pouco tempo pra preparar sua equipe.
Muricy Ramalho, ou Ney Franco, meus preferidos; ou Felipão – retrocesso – ou Tite - treinador de time - o novo escolhido ele não dá pra acertar apenas com sua maior ou menor capacidade.
Outra vez o futebol é apenado pelos cartolas que tem, enquanto eles próprios continuam numa boa. Céus!!


Esta informação publicada numa coluna do Estado de Minas é uma clara manifestação de interesses estranhos nos negócios de um clube, no caso o Cruzeiro. Força-se a barra de uma negociação que só interessa ao banqueiro Ricardo Guimarães e ao Senador ZZ Perrela. É danosa ao time. E não me parece verdadeira.
Teria apenas o intuito de amainar a reação da torcida e conter qualquer possível revolta contra o Presidente Gilvan Tavares.
E o mais claro de tudo, deixa no ar a sensação de que o Cruzeiro precisa vender Montillo pra quitar dívidas e trazer de volta o investidor BMG. Pode ser verdade, mas o que o jornal ou o jornalista têm com isso, além da divulgação do fato?
Insistir no ferrinho de dentista traz outras intenções no meio.

Vamos à nota:
“O argentino Montillo, ídolo da torcida azul, pode se despedir do Cruzeiro no clássico com o Atlético. O presidente Gilvan de Pinho Tavares garante ter três propostas de clubes brasileiros, em torno de 10 milhões de euros (cerca de R$ 25 milhões).
“O clube celeste é dono de 60% dos direitos do craque e o BMG dos outros 40%. O dirigente segurou o jogador, em proposta semelhante no fim do ano passado, por entender que ele seria necessário para o time não cair no Brasileiro”.
“Objetivo cumprido é hora de agradar ao parceiro, que não gostou de a negociação não ter sido feita” (sic)
“Conforme antecipei aqui, (sic) Gilvan e o presidente do banco, Ricardo Guimarães, fumaram o cachimbo da paz e chegou a hora de o Cruzeiro retribuir o apoio da instituição (sic). Além disso, o dinheiro poderá ser usado na contratação de reforços e na quitação dos salários.(sic)”.

Uai, o Cruzeiro tem salários atrasados? E o presidente e seu diretor Alexandre Mattos vivem dizendo que tá tudo em dia. Quais são os mentirosos nessa história?

Além da besteira de segurar Celso Roth até o final do Brasileiro, por conta da multa contratual, a diretoria do Cruzeiro monta em outra bobagem escorregadia e perigosa: trazer o treinador uruguaio Jorge Fossati, atualmente no Cerro Portenho.
As manifestações de parte da torcida, apoiada pela mídia recalcitrante fizeram medo no nada ousado Gilvan do Pinho Tavares. Preferiu buscar o nome fora.
O negócio com Jorge Sampaoli furou porque ele preferiu a Seleção Chilena.
Este outro Jorge, também, é treinador de esquema de empresário. Pra onde vai leva um monte de amigos. Aquela famosa ação entre amigos. Salve-nos São Jorge!

Opinar sobre Diego Souza é difícil! A gente nunca sabe o espírito que o jogador traz pro clube aonde chega. Como será sua convivência com o treinador. De repente, ele vem só pela metade, como sucedeu no Galo.
Jogou algumas partidas boas e morcegou nas demais. Foi negociado com o Vasco e lá deu nele vontade de ser Diego Souza outra vez: jogou uma barbaridade, por certo período.
Os salários atrasados de São Januário o empurraram pra fora do clube. Foi ganhar dinheiro e enganar no futebol árabe. Enganou tanto que o príncipe mandou reter seu passaporte. O Itamaraty teve que ajudar o Cruzeiro na transação.
Se chegar à Toca, metade do Diego, ex-Palmeiras, o melhor do Brasileiro naquele ano e metade Diego do Vasco, os azuis fizeram grande contratação.
Caso contrário, dinheiro jogado no lixo.

GOIÁS CAMPEÃO DA SEGUNDONA


Atlético Paranaense e Vitória ficaram com as últimas vagas de acesso à elite do futebol brasileiro e o Goiás ganhou o título da Segundona, numa rodada emocionante - a última da competição.
Lamento apenas que a rodada tenha determinado, também, a queda da simpática agremiação de Campinas, o Guarani, campeão brasileiro de 1978, pra terceira divisão. Coincidências do destino: um verdão campeão brasileiro cai da primeira pra segunda e outro verdão, campeão também, desce pra terceira.
E um verdão é o legítimo campeão da Série B. O Goiás teve extraordinária recuperação com o mineiro Enderson Moreira, ex-técnico da base do Cruzeiro e que faz excelente trabalho em Goiânia.
 Conseguiu recuperar até o Walter, quem diria!

sábado, 24 de novembro de 2012


América e Ipatinga encerraram suas participações na Série B com um bom jogo no Independência. O Coelho não atingiu seu objetivo de retornar à Série A e o Ipatinga, que mudará de nome ano que vem, passará a se chamar Betim Esporte Clube, despencou pra terceira divisão
Foi a  primeira vitória do técnico Vinícius Eutrópio no comando do América. Ele assumiu o time na rodada passada, quando o Coelho empatou com o xará de Natal, por 1 a 1, fora de casa. A diretoria contratou Eutrópio para o lugar do demissionário Mauro Fernandes visando à temporada de 2013.

AMÉRICA 3 X 1 IPATINGA 
América: Matheus; Rodrigo Heffner (Agenor), Vinícius Simon, Lula e Bryan; China, Dudu, Patrick e Júnior Timbó (Giovanni); Fábio Júnior e Kaká (Rodrigo Pimpão). Técnico: Vinicius Eutrópio

Ipatinga: Helton Leite; Gedeílson, Pedrão, Sílvio e Edson (Bruno Batata); Marcel, Max Carrasco, Ronaldo (Vinícius Kiss) e Bruninho; Léo e Márcio. Técnico: Eugênio Souza
Gols: Patrick, aos oito minutos do primeiro tempo; Geovanni, aos 27 e Lula, aos 47 minutos do segundo tempo (América); Ronaldo, aos 37 minutos do primeiro tempo (Ipatinga)
Local: Estádio Independência, em Belo Horizonte (MG) 
Data: 23 de novembro de 2012, sexta-feira 
Árbitro: Cleisson Veloso Pereira (MG) 

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

PASSARAM UMA RASTEIRA NO MANO E CBF PODE CHAMAR FELIPÃO



Chiii! Eu já tinha a coluna pronta, quando a informação estourou na praça. Soube da reunião entre os cartolas da CBF logo após aquele café da manhã esperto. De tarde, comia minhas goiabinhas vermelhas recomendadas pro lanche quando resolvi entrar no site Globoesporte.com e checar os acontecimentos.
Paradeira total: terminei a coluna e entrei no twitter. Tava lá a danadinha: reunião na sede da Federação Paulista de Futebol na tarde desta sexta-feira, em São Paulo, analisou a conduta  Mano Menezes à frente da seleção brasileira e decidiu demiti-lo
Participaram da dita cuja o presidente da CBF, José Maria Marin, o diretor de Seleções, Andrés Sanches e outros menos votados.
O pano de fundo seria definir o planejamento do time canarinho até a Copa do Mundo de 2014, mas terminou em demissão do treinador. Esperada, também..
Marin, no entanto, insistiu na tese de mudar o comando do escrete porque Mano não é escolha sua. Indicação de Ricardo Teixeira.
Agora se segurem na cadeira: o nome cotado e desempregado é Felipão. Céus!!!

SELEÇÃO DA GLOBO DESTACA FLU E GALO NO BRASILEIRÃO


O Fluminense, campeão antecipado do Brasileiro/2012 emplacou quatro jogadores da seleção do torneio, mais o treinador Abel Braga. O Craque do Brasileirão, título sempre bem concorrido, ficou com Fred, que puxa a lista dos artilheiros com 19 gols. Nessa corrida, o Galo só perdeu por meia-cabeça, por causa da escolha do treinador tricolor. O time de Cuca, também, emplacou quatro jogadores e mais a revelação do ano Bernard.
Os melhores do campeão brasileiro escolhidos são Diego Cavalieri – sem nenhuma dúvida – Carlinhos – evidentemente por falta de opção – Jean – ótimo jogador – e Fred – imbatível nos dois títulos que venceu.
Nos do Atlético, também, não vi qualquer controvérsia: Marcos Rocha, Leonardo, Réver, Ronaldinho Gaúcho e Bernard. Não me interessei pelas demais posições e outros possíveis títulos disputados porque, com o devido respeito dos votantes desconhecidos, vejo tais eleições como as eleições políticas.( Na foto,Superesportes, Bernard - revelação do Brasileiro)
Queima-se vela demais com defunto ruim.

Em razão dessa queimação e desperdício de velas com defuntos ruins lamento que Tinga, Mateus, Ceará, Wilson Magrão e Marcelo Oliveira, craques do Cruzeiro, mais o brilhante técnico Celso Roth não estejam na Seleção do Campeonato Brasileiro.

Nenhuma obra neste Brasil Brasileiro é feita sem que a Justiça e o Ministério Público contestem as suas contas. Impressionante! A Justiça Federal agora, em decisão liminar, determinou a indisponibilidade de bens de um dos arquitetos responsáveis pelo projeto inicial da reforma do Mineirão.
Outras cinco pessoas, também, envolvidas nessa etapa das obras entraram na dança. Os valores somados chegam a R$ 5 milhões. De acordo com o Ministério Público Federal, não foi exigida licitação para o contrato, no valor de R$ 17,8 milhões.
Segundo a ação, isso fere os princípios da transparência e da publicidade, e o valor pago foi maior ao que poderia ser obtido por meio de processo licitatório. O Ministério Público Federal informou que a decisão não interfere no andamento das obras. 
Em nota, a Secretaria Extraordinária da Copa do Mundo informou que o contrato foi assinado por meio de comprovação de notório saber e especialização para elaboração do projeto para execução das obras.
Ainda segundo a Secopa, um relatório de acompanhamento do Tribunal de Contas da União não aponta desvios ou irregularidades na reforma do Mineirão.
Então quem está errado nesta história?

A notícia está do mesmo jeitinho que foi publicado num dos sites importantes. Só não entendo porque não se indisponibilizou, também, alguns bens do governador Anast-azia, a rigor, o principal gestor da obra.
Olho do dono que engorda o boi.

Chiii! A informação estourou na praça após o café da manhã. Comia eu minhas goiabinhas vermelhas quando resolvi entrar no site Globoesporte.com e lá estava a danadinha: reunião na sede da Federação Paulista de Futebol na tarde desta sexta-feira, em São Paulo, analisará a conduta  Mano Menezes (foto) à frente da seleção brasileira.
Participarão da dita cuja o presidente da CBF, José Maria Marin, o diretor de Seleções, Andrés Sanches e outros menos votados. O pano de fundo seria definir o planejamento do time canarinho até a Copa do Mundo de 2014.
Marin, no entanto, insiste na tese de mudar o comando do escrete porque Mano não é escolha sua.
Foi indicado por Ricardo Teixeira.

Segundo o site dos Marinhos, o presidente da CBF deixou a Bombonera antes mesmo do término da partida por conta do horário de seu voo fretado pra retornar ao Brasil. Portanto, não assistiu à conquista do título da Seleção Brasileira, que derrotou a Argentina nos pênaltis (4 a 3) após derrota por 2 a 1 no tempo normal.
A conquista foi a primeira da gestão do presidente. Tomara que, daqui pra frente, este pé frio nem compareça aos estádios em jogos do escrete.
Se for, que saia antes do fim dos jogos

Parceria inconveniente. O presidente Gilvan Tavares foi visto num dos restaurantes de Nova Lima almoçando com empresários uruguaios. Entre a boa comida do local e vinhos importados, trataram de uma parceria pra contratar reforços em 2013.
Entre os empresários, estava Hugo Mesa, dono do Montevideo Wanderers, do Uruguai, e Recreativo Huelva, da Espanha. Se o moço tem grana pra investir aqui, tudo bem.
Mas as propriedades que possui no futebol não recomendam nada.

Taí, se o Cruzeiro exercer, realmente, a opção imediata de compra dos direitos econômicos do meia Martinuccio fará bom negócio. O gringo caiu nas graças da torcida em oito jogos e três gols, após se recuperar de uma séria lesão óssea. A outra turma de lesionados que pintou na Toca deve ganhar cartão vermelho.
Inclusive o beque Alex Silva, irmão do Luizão, do Benfica..

Tento entender a proibição ditatorial e arrogante da diretoria do Atlético. Nunca houve nada igual no clube. Um jogador, Ronaldinho Gaúcho, ser impedido de conceder entrevista coletiva na semana porque está em processo de renovação de contrato.
Kalil, ou seja lá quem estabeleceu tal ordem, se teve a pretensão de inovar, apenas confirmou o que um leitor me questionou tempos atrás: porque Kalil é todo sorriso e aberto à imprensa nacional e exigente, censor da crônica local?
Não sei estabelecer tal parâmetro, mesmo porque nunca tive problema com nenhum dos Kalil – pai ou filho. Sempre fui bem tratado por eles, independentemente das minhas opiniões sobre suas atuações.
Assis, irmão e procurador de RG-49, falastrão e badalação dos repórteres setoristas, deixou escapar numa rodada de chope que Ronaldinho Gaúcho ficará por aqui mesmo.
Mas essa da diretoria proibir RG-49 é pernóstica, imoral e engorda

Segundo eu pude apurar em São Paulo, a Topper escorregou da renovação de contrato pra fornecimento de materiais esportivos ao Atlético por causa do jogo duro de Kalil.
Aqui ele agiu dentro da grandeza do clube.
A Topper tinha prioridade da renovação, porém não quis acompanhar a valorização do clube com o provável vice-campeonato, a Libertadores e Ronaldinho Gaúcho.
Volta a Penalty, parceira do Atlético nos anos 80 e 90. O contrato está na mesa do presidente e as partes jogam pesado.
No entanto, pelo montante do investimento, a diferença é pequena. O Atlético fala em R$ 30 milhões por três anos – R$ 10 mi mensais – e a empresa chega a R$ 27 mi anuais, ou R$ 9 mi por ano. Vai dar negócio.

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

MINHAS DESCULPAS AO CELSO ROTH


Feito aquele cachorrinho mala que morde no seu calcanhar e na barra de sua calça todas as vezes que o encontra, passei quase um ano cobrando de Celso Roth(foto de Roberto Rodrigues,)ação prática na renovação do elenco do Cruzeiro.
Agora leio a entrevista coletiva dele onde afirma:
-Quando eu cheguei ao Cruzeiro, foi me dito internamente que ninguém da base tinha condição de ser aproveitado.
Devo, portanto, desculpa em parte do que escrevi sobre Roth. Mas não o absolvo totalmente por sua submissão às informações estúpidas, imbecis, e amadoras que recebeu ao aportar na Toca da Raposa.
E pretendo descobrir de qual boca, ou bocas, saiu tal declaração. Se descoberta, tal pessoal se tornará inimiga número 1 da Trincheira e da razão.

Além do quê, tal pessoa permitiu que hoje Celso Roth possa dizer que “externamente, nós fomos trazendo os garotos pouco a pouco. O Mayke poderia ter tido oportunidade, se não tivesse o problema de uma bolha no pé assim que chegou aqui. O Alisson aproveitou a chance que teve, o Lucas Silva também. Desde que sejam colocados no momento equilibrado, eles podem se tornar grandes jogadores do clube”.

Desculpas vazias que não convencem. A bolha no pé de Mayke dura uma eternidade. Alisson jogou 15m, Élber foi preterido várias vezes, como também o garoto Diego Renan. Vinicius Freitas também subiu e não foi mostrado em nenhum jogo.
A diretoria teve grande parcela de culpa com informações furadas, mas o treinador foi descuidado e frouxo. Não correu atrás e preferiu a ação entre amigos.

Segundo o Globoesporte.com, a diretoria celeste confirmou que quando Celso Roth foi contratado, em maio, ela o avisou que não havia nenhum jogador pronto para ser titular, mas que vários atletas com potencial estavam nas categorias de base do clube.
Meia verdade, portanto!
Existia, sim, vários em condição de titularidade, inclusive alguns já dispensados, e o meia Élber. Este já jogara como titular na época do treinador Emerson Ávila, no Brasileirão do ano passado.

Não seja pessimista, Richarlyson! Quem sabe o Urso Bravo resolva falar sério consigo e o contrato renovado. Particularmente, considero que você seja importante pro grupo na disputa da Libertadores. Além de versátil: lateral, volante e pau-puro.Não é nenhuma sumidade, me desculpe a franqueza, mas dá pra quebrar o galho ( no bom sentido,viu?)
Rick disse que conversou com Maluf, mas nada serio:
- Já manifestei meu desejo. Já houve uma conversa, mas nada muito séria ainda, só uma suposição. Continuo tranquilo, em busca do nosso objetivo que é a segunda colocação. Sigo trabalhando, esperando uma oportunidade.
O fogoso lateral do Galo revelou, ainda, uma sondagem do Santos pra que volte a trabalhar com Muricy Ramalho. O técnico manifestou a vontade de tê-lo de novo como pupilo, como aconteceu nos tempos de São Paulo.

CUCA SENTE FALTA DE DANILINHO

Outro dia, em conversa com meu primogênito Alex Santelmo, professor de Educação Física do Colégio Santo Agostinho e técnico de basquete da instituição, meu garoto me fez chegar seguinte à conclusão: Danilinho foi o maior desfalque do Galo no segundo turno.
Sua dispensa por indisciplina quebrou a estrutura tática de Cuca pelo lado direito.
Cuca teve trabalho pra arrumar aquele lado com as subidas de Marcos Rocha. Acertou com Leandro Donizete e Danilinho. Saiu Danilinho, Cuca tentou Guilherme sem sucesso. Não é a dele. Mas se esqueceu de Carlos César.
Digamos que não tenha sido por esquecimento. Carlos César é volante de ofício, adaptado à lateral direita, desde os tempos de Ituiutaba e Boa Esporte. Cuca o usou como substituto de Marcos Rocha e, por fim, botou os dois juntos pra fechar o espaço criado com a saída de Danilinho. Não deu certo.
Sem Plano B, porque o Galo só tem aquela jogada de bola no RG-49 e daí pra Bernard na esquerda, também usada nos contra-ataques rápidos, em lançamentos compridos. Os adversários decifraram o esquema e o inutilizaram no segundo turno.

De Globoesportes.com – (Por Lucas Catta Preta -Belo Horizonte) - O “se” não existe no futebol. “Se a bola tivesse entrado”, “se o árbitro tivesse marcado o pênalti“, “se fulano estivesse em campo”. Mas, como conjecturar não custa nada, uma situação, se tivesse acontecido, poderia deixar o Atlético em situação ainda mais confortável que o atual terceiro lugar na tabela. Uma não, 22. Esse foi o número de bolas na trave que o time mandou neste Brasileirão. Nenhum time conseguiu tal número.
Com 58 gols marcados, o segundo melhor ataque do Campeonato Brasileiro, atrás apenas do líder Fluminense, que tem um a mais, o Atlético poderia ter 80 gols. Esse número colocaria, tranquilamente, o Galo na liderança. Afinal, o time carioca, com as 59 bolas na rede, teve sete na trave, o que deixaria o ataque tricolor com 66 gols.
E o festival de “quase gol do Atlético teve repertório variado. Onze jogadores, um time titular completo, mandaram bolas na trave ao longo deste Brasileirão. Os campeões nesse quesito são Jô e Ronaldinho, com cinco bolas, cada.
O atacante é o artilheiro atleticano na competição, com dez gols. Mesmo se tivesse convertido essas bolas na trave, não seria o maior goleador do Brasileiro, já que Fred, do Fluminense, marcou 19 vezes, seguido por Luis Fabiano, do São Paulo, com 17, e Bruno Mineiro, da Portuguesa, com 14.
Os laterais Marcos Rocha e Carlos César mandaram a bola na trave duas vezes. Richarlyson, Paulo Henrique, Bernard, Neto Berola, Guilherme e Leandro Donizete mandaram uma vez.
Liderança folgada se na tabela o Galo ainda está na disputa pelo vice-campeonato, na cola do Grêmio, no ranking das bolas na trave o time de Cuca é soberano. Os gaúchos, coincidentemente, ocupam a vice-liderança também nesse quesito, com 17 bolas na trave. A Portuguesa, que ainda corre risco de ser rebaixada, sentiu falta das 15 bolas que não entraram no gol. Afinal, como ainda corre risco de ser rebaixada, poderia ter 52 gols, o que a deixaria longe da zona de rebaixamento.”.

Bem interessante esta matéria de Catta Preta. Serve como tema de discussão nos botequins da vida, onde o futebol disputa com a cerveja e os tira-gostos, as mesas dos desabafos e do combate ao estresse.

Outra matéria, não tão interessante, mas bem informativa, é do jornalista Marcelo Baltar – Rio de Janeiro – sobre o primeiro dia de venda dos ingressos para a Copa das Confederações ano que vem. A coisa tornou-se um imbróglio só. Problemas técnicos, cambistas, filas, enfim um tormento. Leiam com atenção:
-O primeiro dia de venda de ingressos para a Copa das Confederações de 2013 começou com reclamações de torcedores, mas a Fifa garante que os problemas técnicos enfrentados nesta quarta-feira foram solucionados e que o público poderá fazer as reservas normalmente no site da entidade.
Nesta primeira fase, somente clientes da operadora de cartões de crédito Visa, patrocinadora da entidade, podem comprar os bilhetes.
A Fifa e a Match Service – empresa responsável pela comercialização dos ingressos da Copa das Confederações - admitiram ter enfrentado contratempos no início da pré-venda. Nas primeiras horas do dia, vários torcedores usaram as redes sociais para reclamar da demora no processo de compra. Em alguns casos, a fila de espera demorou mais de 30 minutos.
Em uma nota oficial, a Fifa confirmou que problemas técnicos ocorreram, mas rapidamente solucionados.
Além de se desculpar com os torcedores, a Fifa revelou que 165 pessoas foram afetados pela falha técnica e que está entrando em contato com todos os prejudicados para tentar solucionar o problema.
A Fifa ainda alerta que, devido à grande procura por ingressos, o torcedor pode ser transferido para uma sala de espera, no site da entidade, por alguns momentos até que seja possível processar o pedido.

terça-feira, 20 de novembro de 2012

CORAÇÃO E ESPIRITO FAZEM PARTE DO JOGO


João Batista, meu companheiro da TV Horizonte, me envia mensagem com uma entrevista do Dr. Paulo Niemeyer Filho, o maior neurocirurgião deste País, à revista Poder que me encantou. Recentemente, ele devolveu a alegria de viver ao maestro João Carlos Martins com uma cirurgia no cérebro que permitiu ao artista readquirir os movimentos no braço e na mão esquerda. 
A Trincheira publica apenas as respostas de duas perguntas:
PODER: O que fazer para melhorar o cérebro?
Resposta: Você tem de tratar do espírito. Precisa estar feliz, de bem com a vida, fazer exercício. Se está deprimido, reclamando de tudo, com a auto-estima baixa, a primeira coisa que acontece é a memória ir embora; 90% das queixas de falta de memória são por depressão, desencanto, desestímulo. Para o cérebro funcionar melhor, você tem de ter alegria. Acordar de manhã e ter desejo de fazer alguma coisa, ter prazer no que está fazendo e ter a auto-estima no ponto.
PODER: Cabeça tem a ver com alma?
Resposta: Eu acredito que a alma está na cabeça. Quando um doente tem morte cerebral, você sente a impressão de que ele já está sem alma... Isso não dá para explicar, o coração bate, mas ele não está mais vivo. Isto comprova que os sentimentos se originam no cérebro e não no coração.


FESTA DE HERÓIS: DJOKOVIC E GUGA


Nenhum esporte profissional poderia sobreviver com a descontração, as homenagens mútuas e o respeito que dois grandes nomes do tênis mostraram no jogo-exibição do último sábado no Maracanazinho.
O tricampeão de Roland Garros, e ex-número 1 do mundo, o tupiniquim Gustavo Kuerten Guga teve homenagens da fera sérvia, Novak Djokovic, o que há de melhor no mundo do tênis hoje.
Deixou, inclusive, pra trás até o interminável e fantástico Roger Federer. Numa sucessão prevista há tempos pelo próprio craque suíço.
Campeão no tênis e na simpatia Djokovic encantou o Maracanazinho. Sua extrema competividade deu lugar ao seu humor bastante conhecido.
Vestiu-se até de Guga, com peruca igual à antiga cabeleira do brasileiro, da época de Rolando Garros. Repetiu seu gesto de conquista, imortalizado numa foto reproduzida na camisa do evento.
Por fim, deixou Guga vencer o amistoso por 2 a 0 (7/6 e 7/5). Fantástico sérvio!

De cara, Djokovic, ao descer do avião, revelou-se apaixonado pelo Rio. Já sabia da senha pra ganhar a simpatia, também, dos cariocas.
Além da exibição contra Guga, Djokovic, amante do futebol, participou de uma pelada na preliminar de Fluminense x Cruzeiro, no Engenhão, a convite de seu compatriota Petkovisk, ex- Atlético.
Se o Rio encantou Novak, com certeza a recíproca foi verdadeira... 

JOGO FRACO EM CAMPO RUIM


A despeito da atuação abaixo da crítica contra o lanterna do Brasileirão, os jogadores do Galo têm motivo de reclamar do horrível piso do estádio Independência, administrado pela BWA. Antes parecia um tapete, porém a empresa alugou o estádio prum show artístico e 25 mil pessoas lotaram a praça de esportes. Dançaram no gramado sobre um tablado de proteção mal colocado.
O gramado ficou com visual de um tablado de xadrez. Será que o Atlético tem, também, participação em espetáculos como esse? Céus!

De cofre cheio com a transação de Paulo Henrique Ganso, tendo o aval do maior jogador do  brasileiro na atualidade, Walter Montillo ser a meta do Santos em 2013.
Neymar confessou que tem falado com o craque argentino da mesma forma que fala com Ronaldinho Gaúcho.
Jóia revelou: “O Montillo é um grande jogador, um meia clássico. Ele é um craque. Falo com o Montillo sempre. Conversei com ele nos últimos dias, mas não falamos sobre coisa séria. Porém, se ele estiver de ‘bobeira’, as portas do Santos estão abertas

ME ENGANA QUE GOSTO


O planejamento escolhido pelo América serviria como luva ao Cruzeiro. O seu técnico Vinícius Eutrópio assumiu antes do final desta temporada e já começa a trabalhar pro ano que vem. Fará a necessária redução do elenco envelhecido e sem tempero de vencedor, abrindo caminho aos jovens da casa. Uma política que os treinadores passados ignoraram e que sempre serviu de vida ao clube sem torcida.
Mentira do mês: o novo treinador do América, Vinícius Eutrópio, seu ex-jogador, não inovou nada: afirmou ao se apresentar ao clube que tinha outras propostas até melhores, porém o coração americano falou mais alto. Me engana que não gosto... (Foto de Alexandre Guzanshe/EM DA Press)

MANOBRA DOS ADVOGADOS ADIA CASO BRUNO


Como fato esportivo, Bruno está morto desde o dia em que lhe puseram as algemas. O ex-goleiro do Atlético e do Flamengo, uma das prováveis revelações do futebol brasileiro, até o atropelamento pelo destino e pelo livre árbitro.
Envolvido com maus elementos, bandidos, traficantes e desocupados, imaginando-se acima da lei, da ordem e da razão por ser ídolo do Flamengo, Bruno tinha várias passagens pela Polícia, impunemente, por lesões corporais, confusões nas madrugadas e coisas afins.
Por isso, definitivamente, o seu rosto e nome mudaram de página. E de blog, também.
O julgamento popular de Bruno terá início nesta segunda-feira. Junto com os quatro criminosos, que a mídia hipócrita insiste em chamar de “suspeitos” da morte de Eliza Samudio, 25, ex-amante de Bruno.

Volto ao assunto pra turma que pegou o ônibus da história agora e não sabe nada a respeito de nada. Que não tem hábito de se informar devidamente.
E se julga no direito de assento privilegiado, do lado da janela, como o baixinho Romário rotulava os falsos líderes que apareciam nos elencos a que pertencia: os sujeitos mantiveram a moça em cárcere privado, depois a mataram e sumiram com o corpo.
Várias testemunhas que geraram provas circunstanciais contra a quadrilha informaram ao delegado do caso, depois ao promotor público e até ao Juiz de Direito: o corpo de Eliza fora esquartejado.
Os pedaços entregues a cães ferozes e, propositadamente famintos, do criminoso apelidado de Bola.
O crime ocorreu em 2010 e os responsáveis já foram julgados pela opinião pública.
Não escaparão de uma pena considerável. Que nem os bandidos do Mensalão. (foto Pedro Vilella/ Agência 1-Estadão)

CALA BOCA, LACERDA!


Algumas coisas me chamaram a atenção na edição de nº 3.843, de sábado 17/11/12 do jornal Super.
A entrevista do alcaide da Capital, filho do agrimensor e professor Lacerda, de Inhapim, cidade da Grande Caratinga. Inhapim sempre foi vítima de qualquer enchente, e nenhum prefeito de lá culpou a população por isso.
Doutor Lacerda joga a culpa na população dos desastres naturais na população.
Nosso alcaide tem foto publicada no caderno Cidades página 3, em visita ao local onde um motorista foi arrastado pela enxurrada e morreu.
Um “balãozinho” transcreve uma de suas afirmações: “Colocamos placas dos riscos. Devíamos ter sido um pouco mais babás do cidadão”.
Este filho de Caratinga gostaria de saber do ilustre prefeito: ele faria tais declarações antes das últimas eleições municipais que o reelegeram com histórica margem de votos sobre o petista Patrus? ( Na foto de Pedro Triginelli/GI, O prefeito votando).

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

GALO AINDA BRIGA PELO VICE E ROTH ENFIM BOTA MENINADA EM CAMPO


Enquanto o Cruzeiro inventado por Celso Roth tinha atuação quase perfeita, anulando o ressacado Fluminense na festa das faixas e da entrega do caneco e botava água no chope tricolor, o lanterna Atlético-GO apagava a fervura do Galo, no Independência.
Para o Cruzeiro, a vitória por 2 a 0 teve sabor de filé mignon acebolado. O empate de 2 a 2 arrancado no finalzinho da partida, num gol de RG-49, teve gosto de sorvete de jurubeba, com cobertura de jiló nas bocas alvinegras.

Para os críticos do quase demitido Celso Roth, o time dele mostrou outras faces:  a manutenção dos amigos seus fiéis e velhos amigos; acertou na improvisação de Leandro Guerreiro, o melhor em campo; e livrou-se de sua birra com a garotada da base.
Elber até marcou o segundo gol na história profissional dele e, por sinal, gol de futuro craque. Deu velocidade e aplicou dribles alucinantes na defesa tricolor.
Elber precisa ser visto como uma realidade na Toca da Raposa.

Por fim, Roth lançou outro garoto: o armador Alisson no lugar de Montillo. Incrível! Pela primeira vez na era Celso Roth, o Cruzeiro teve quatro atletas revelados na base em campo: o goleiro Rafael, o volante Charles – este já bem experiente e andado – Alisson e Elber.
Montillo foi outro destaque na armação das jogadas de ataque e cobrou magistralmente o pênalti que Gum fez em Anselmo Ramon.
O menino/goleiro Rafael, 20 anos, começou nervoso; ele saiu mal da meta três vezes e deu sorte por não levar gol. Depois se firmou e fez boas defesas.
Os azuis subiram pra nono lugar com 49 pontos e aspiram uma vaguinha na Copa Sul Americana.

Recado pra voz marcante de Luiz Roberto. Seus passos na caminhada pra pegar Galvão Bueno, como narrador da prateleira superior, estão maiores. Você já está tão chato quanto o seu guru. No jogo Flu x Raposa existiam dois lados. Você só viu o mais colorido. Coisa chata, sô!

Por essa ninguém esperava: o porquinho magro, transvestido de Dragão, sujou a água do Galo. Empatar (e quase ser derrotado pela primeira vez no campeonato, no Horto), mesmo mandando quatro bolas na trave, com o Atlético-GO foi vexatório.
Pior, o Galo sempre esteve atrás do marcador. Os goianos abriram 2 a 0 com Raylan, numa falha de Victor, e com Patrick, em 20 minutos de jogo. Sorte que Rever marcou aos 25m. No entanto, o empate só veio com RG-49 aos 47m da fase final.

Se a vaga direta, apesar disso continua em aberto, por causa do placar entre Lusa x Grêmio (2 a 2) numa situação parecida com a do Horto..
A Lusa abriu 2 a 0 sobre o Grêmio e permitiu o empata final. A diferença entre Grêmio, segundo, e Galo, terceiro, continua de um ponto.
Faltam duas rodadas, e caso esta briga seja encarada como a de um título pro Atlético e pro Cuca danou-se.
Um não ganha nada em Brasileiro há 41 anos, o outro tem fama de pé frio desacorçoado!

Moral elevado. Ronaldinho desequilibrou contra os goianos, mandou bola na trave, mas não conseguiu levar seu time à vitória. A recompensa veio dos aplausos e da euforia da torcida alvinegra. Aí RG-49 confessou: “o carinho que a torcida do Atlético tem comigo é algo que não consigo explicar”. Não explique RG-49. Basta ficar aqui.  
Antes da partida, o craque recebeu o belo troféu, avaliado em 200 mil dólares, por vencer a eleição de “Craque da Década”, realizada pela revista inglesa World Soccer.
Afora o troféu valioso, RG-49 confirmou a proposta de U$ 3 milhões mensais do futebol chinês. Se vai aceitar, ou não, só no final do ano. É dinheiro pra bobo nenhum botar defeito e gritar: “Larga mão disso, RG-49. Não se ofusque na China. Fica RG-49

Maior fato esportivo do domingo foi a consagração do futsal tupiniquim como o maior do mundo. O Brasil levantou o hepta mundial neste domingo com os 3 a 2 apertados sobre a Espanha, que tinha até o favoritismo, segundo nossa sempre otimista imprensa especializada.
O jogo terminou empatado em 2 a 2, inclusive com gol do cracaço Falcão, de paralisia facial e tudo mais. Na prorrogação, Neto fez o gol da vitória. Pouco importa, se a Fifa não homologa o hepta do Brasil, mas tão-somente um penta.
Os cartolas alegam que a entidade só considera as conquistas de 1989 pra cá. E daí? As outras não aconteceram, também? Que os adversários então se assentem nos meiofios da vida, chupem seus picolés de boldo com jiló e vejam a nossa comemoração de hepta!

Só quem acredita em Papai Noel imaginava que o Palmeiras, contumaz freqüentador da Segundona, escaparia do rebaixamento. Enfiado num mar de lama de incompetência que permitiu o conservador e superado Felipão morar e mandar no clube por dois anos.
Somou até agora apenas 34 pontos e aproveitamento de 31,5%, tava na cara que mais dia, menos dia, o Verdão iria bora em definitivo.
A combinação de resultados na rodada desligou seus aparelhos antecipadamente. Como fora feito antes com Figueirense e Atlético Dragão. Empatou com o Flamengo (1 a 1) em Volta Redonda e tomou o empate (2 a 2) entre Lusa e Grêmio, no Canindé.
Desceu na hora que tinha de descer tarde demais.

A Série B, ou a simpática Segundona, vai pra 38ª rodada – a última da competição – com dois times (Goiás e Criciúma) de volta à elite. Goiás líder com 75 pontos e Criciúma, vice, com 73.
Estes brigam agora pelo título. Os goianos pegam na última rodada o Joinville, que não tem mais sonho algum; e o Criciúma joga o clássico contra o Avaí, outro sem aspiração, na Ilha de Floripa, bela, mas incendiada por marginais no momento.
A disputa das outras duas vagas está entre Atlético-PR, 70 pontos, 21 vitórias; Vitória, 70 pontos e 21 vitórias, e São Caetano, primeiro fora do G-4, com 68 pontos e 19 vitórias.

Agora vejam os problemas da rodada derradeira, sabendo-se que o Furacão e o Vitória jogam por empate em seu último confronto. Os paranaenses têm o clássico contra o Paraná. Pela rivalidade, claro, corre risco. Se perder, pode dançar.
Os baianos recebem, em casa, o despreocupado Ceará, não mais valente quanto era no princípio da competição. A campanha do Vitória teve cheiro de classificação antecipada, recordes, no andamento do primeiro turno. Despencou no segundo.
Em pior situação encontra-se o São Caetano. Precisa vencer o desesperado Guarani, em Campinas. O Bugre é o primeiro fora do Z-4 do Mal. Caso perca e o Guaratinguetá, em seu campo, vença o lanterna Barueri, o campeão brasileiro de 78 cai pra terceira divisão.

Não me meto a estatístico ou matemático, visto que cálculos e projeções confundem-me desde criança. Portanto, vamos nos assentar na porta da vendinha, mandar descer uma Brahma gelada, uns tiras gostos, cigarrinho de palha, e jogar conversa fora sobre tal assunto.
Pude ver após esta última rodada, faltando duas pro fim do Brasileiro, que um monte de times corre risco – alguns mais, outros menos – de entrar no ralo do rebaixamento por causa da arrancada do Sport do Recife. Penso eu, tá meu Bom!
Na prática, o maior deles é o próprio Leão da Ilha, visto que tem vencido sem sair do lugar. É o primeiro do buraco negro com 40 pontos, após derrotar o Botafogo (2 a 0) no Recife, neste domingo.
Agora pegará nos últimos confrontos o Fluminense, na Ilha, e o Náutico, sem a vantagem do mando do Timbu por se tratar de clássico. Confronto direto.
O Leão pode chegar a 46 pontos e 12 vitórias e ainda assim depender de outros jogos.
A turma da corda no pescoço, além do Sport: Lusa que tem 41 pontos – o primeiro time fora da Z/4 – e pode chegar a 47 e 11 vitórias. Pegará o Internacional (fora) e a Ponte – confronto direto – no Canindé.
A salvação do pessoal de 45 pontos – número antes fixado como limite de se escapar do descenso – é que um pode engolir outro no confronto direto.

O Bahia de todos os santos tem 43 com a vitória por 1 a 0 sobre a Ponte nesta rodada. Tem Náutico – outro confronto – em casa e o Atlético-GO, (perigoso depois do rebaixamento) fora. . Chegaria a 49 com 12 vitórias.
Imagino nas minhas contas que, também, a periguete: Coritiba (45), derrotado pelo Vasco (2 a 1) no Couto Pereira, nesta rodada, e próximo adversário do Cruzeiro aqui. Depois encerra contra o Figueirense, já rebaixado.
O Náutico, vencido pelo São Paulo (2 a 1) tem 45 pontos e corre perigoso, realmente. Será adversário de Bahia (Salvador) e Sport (em casa); Ponte Preta, 46 pontos, que perdeu do Bahia (1 a 0) e joga contra São Paulo, em casa, e Portuguesa, fora. Ou seja, novo confronto direto. 
Talvez, por isso, na cabeça boa dos matemáticos, esse pessoal de 45 e 46 pontos estaria salvo. Como não sou do ramo, escrevo muito e só bobagens matemáticas, penso diferente. Salvos nada! 

domingo, 18 de novembro de 2012

GALO DE OLHO NA LIBERTADORES TOTAL NÃO TEME O CAÍDO XARÁ GOIANO.


O Galo tem enorme objetivo, ainda, pela frente. E Cuca, também. O primeiro quer a vaga direta na Libertadores e ela só virá caso termine como vice-campeão. Pra isso precisa vencer os três jogos que lhe restam e torcer que o Grêmio empate ou perca um. 
Os gaúchos têm o segundo lugar, atualmente, com 66 pontos, um na frente dos mineiros.
A questão de Cuca nenhum resultado agora apagará mais sua fama de armar bons times, fazer boas campanhas, sem jamais beijar os canecos ou levar uma faixa de campeão pra casa. Pé frio é isso aí!
No entanto, o objetivo de renovar com RG-49 ( Foto de Rodrigo Clemente - EM/DA Press) passa por vaga na Libertadores. Daí!
Logo à tarde, o Atlético recebe o Atlético-G), já rebaixado e desmotivado. Portanto é obrigação do time de Cuca vencer esta partida, no Independência a partir das cinco da tarde. 
O alvinegro precisa chegar aos 68 pontos e tirar a vantagem gremista que no fechamento da rodada, pega a Portuguesa, desesperada contra o rebaixamento, lá no Canindé. 
O Galo conta com o retorno de Jô, que cumpriu suspensão na rodada passada. Serginho está suspenso. O Atlético-GO não conta com Bida, Gustavo e Marcos, além de Eron. Este não pode jogar por uma cláusula contratual. Ficha Técnica do jogo:
Atlético x Atlético-GO
Atlético: Victor, Marcos Rocha, Réver, Leonardo Silva e Junior César; Pierre, Leandro Donizete, Guilherme, Ronaldinho e Bernard; Jô.

Técnico: Cuca
Atlético-GO: Márcio; Adriano, Gilson, Reniê e Diego Giaretta; Dodó, Pituca, Ernandes e Rayllan (Reis); Diogo Campos e Patric.
Técnico: Jairo Araújo
Motivo: 36ª rodada do Campeonato Brasileiro
Estádio: Independência, em Belo Horizonte (MG)
Data: 18/11/2012 (domingo), às 17 horas
Árbitro: Paulo Henrique Godoy Bezerra (SC) 
Assistentes: Kleber Lucio Gil (SC) e José Ricardo Maciel Linhares (ES)

CRUZEIRO FAZ A FESTA DO FLU NO RIO


Livre do rebaixamento o Cruzeiro está. Livre de mais um ano se lixando pro torcedor e enchendo a China Azul de vergonha não está livre não. Enquanto não botar, tardiamente, este superado treinador Celso Roth com bilhete de viagem na mão. Só ida, sem direito a volta.
Os celestes contrapõem as idades avançadas dos amigos do Roth e a burrice da improvisação de Leandro Guerreiro na zaga e Victorino no banco com a alegria de ver no gol o menino Rafael, que não joga há quase um ano, substituirá ao lesionado Fábio; o outro garoto Elber – ufa! – enfim começa um jogo no lugar de Martinuccio, cujos direitos são do Flu; Montillo estará de volta.(Na foto, comemorando um gol)
Em compensação, Celso Roth estará no banco. Arre!
A classificação à Copa Sul-Americana não está garantida também. Por causa do casuísmo da CBF. Entre os classificados, só entra no torneio internacional quem é eliminado antes das oitavas de final da Copa do Brasil.
O único objetivo, portanto, dos azuis é evitar uma goleada tricolor pra Fred aumentar seus números na artilharia e que o Flu não bata novos recordes. Ou então botar água no chope dos campeões de 2014.Sem objetivos concretos no campeonato, o clube celeste tem pelo menos mais duas missões.
Neste domingo, às 17h, no Engenhão, o Tricolor carioca, com todos os méritos, após vencer os adversários no campo, botar imensa diferença no segundo colocado, e derrubar a “burrocracia” da CBF recebera o troféu de campeão brasileiro diante do Cruzeiro.
É um troco. Por coincidência, o Cruzeiro fez o jogo das faixas e do caneco em 2003 justamente contra o Fluminense. Comandado por Alex, enfiou logo 5 a 2 nos cariocas. Que as coincidências parem por aqui, não é mesmo.
Eis a ficha técnica do jogo:
Fluminense x Cruzeiro
Fluminense: Diego Cavalieri, Bruno, Gum, Leandro Euzébio e Carleto; Edinho, Jean, Deco e Thiago Neves; Rafael Sobis e Fred.
Técnico: Abel Braga
Cruzeiro: Rafael, Ceará, Thiago Carvalho, Leandro Guerreiro e Everton; Charles, Marcelo Oliveira, Tinga e Montillo; Elber e Anselmo Ramon.
Técnico: Celso Roth
Motivo: 36ª rodada do Campeonato Brasileiro
Estádio: Engenhão, no Rio de Janeiro
Data: 18 de novembro de 2012, domingo, às 17h
Árbitro: Raphael Claus (SP)
Auxiliares: Marcelo Carvalho Van Gasse (SP) e Rogério Pablos Zanardo (SP)

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

RAPOSA DÁ TROCO NO GALO E GANHA MINEIRÃO DE GRAÇA


Vamos ver se entendi bem direitinho o acordo oficializado quarta-feira entre o Cruzeiro e a Minas Arena responsável por tocar o Mineirão, segundo o Professor Anast-azia.
Os presidentes do Cruzeiro, Gilvan do Pinho Tavares, e da Minas Arena, Ricardo Barra, assinaram a papelada, deram-se as mãos e selaram um acordo de 25 anos no qual o clube fideliza com o Mineirão 100% de seus jogos na Capital. Em troca, terá benefícios especiais.
A loja oficial, o bar temático e o museu, por exemplo, foram cedidos. Isso é café pequeno, mas paga a fidelização do contrato. Haha, existe algo que paga! O Cruzeiro não pagará aluguel pra jogar no estádio. Essa é da melhor. Justifica.
O benefício não fere o edital de parceria público-privada, pois, na teoria, não há privilégio ao Cruzeiro, uma vez que todos os clubes podem fechar o mesmo acordo de fidelização com o estádio Exceto o Galo.
Este não poderá assinar contrato com a Minas Arena pra mandar 100% dos seus jogos no Mineirão, porque tá compromissado com a BWA e mandará suas partidas prioritariamente no Estádio Independência.

Segundo o presidente da Minas Arena, os clubes que não fizerem contrato de fidelização têm duas opções. Uma é assinar o contrato por partida padrão, que oferece condições iguais para qualquer clube do mundo que queira jogar no Mineirão.
Nesse caso, o aluguel padrão é de 10% da renda da partida e os clubes lucram com o restante da bilheteria e com o estacionamento em seus jogos.
Outra opção é tentar acordo pontual para abonar a taxa de 10% de aluguel, desde que haja outros benefícios para a concessionária, a serem negociados. O Atlético mantém conversas com a Minas Arena para tentar o segundo tipo.

Outro bom beneficio da exclusividade: no contrato padrão por partida está que o clube mandante de jogo no Mineirão receberá um camarote pra diretoria e seus convidados. Só naquele jogo.
Porém, no caso da exclusividade, o Cruzeiro terá três camarotes por partida pra vender e explorar patrocinadores em seus jogos, além de acomodar a diretoria e convidados.
Vamos ao que interessa e pelo qual sempre me bati, até quando fui diretor de promoções e eventos do Mineirão, no governo do Itamar Franco.

Qualquer clube que jogar no Mineirão com base no contrato padrão lucrará com a receita líquida do estacionamento e com a própria bilheteria, da qual poderá comercializar 54 mil ingressos.
No caso de aluguel do estádio é o que se adota no Independência: 10% da renda da partida. A diferença é que lá o Atlético divide os lucros com a BWA em partidas de outros clubes.
Já no Mineirão, o Cruzeiro não terá lucros em jogos de outros times, mas terá espaços de exploração comercial (mais camarotes, loja, bar temático) em seus jogos, além de não pagar o aluguel.
Poderia ser melhor, com uma empresa mineira mandando no pedaço. Mas como tudo aqui gira em torno de Rio e São Paulo, até as cabeças dos governantes, tá danado de bom. 

ALEX ALVES É OUTRO EXEMPLO PARA OS ADRIANOS DA VIDA


Alex Alves, bom jogador que despontou no Vitória da Bahia, esperançoso em fazer fama e fortuna com o futebol, acabou atropelado pelo destino que escolheu. A doença que o vitimou não é consequência da vida desregrada que o craque viveu no seu período de glória, na Portuguesa, Cruzeiro, Vasco, Palmeiras, Atlético, Herta Berlim, no Egito, enfim por onde andou e foi festejado.
Fazia alegria dos estádios com comemorações circenses de seus inúmeros e decisivos gols. Só se esqueceu de viver a própria alegria que o futebol lhe proporcionou.
Alex Alves tratava-se de leucemia, no interior de São Paulo. Morreu aos 37 anos. Idade que lhe permitiria ainda, caso não viesse a doença ou tivesse mais cuidado de si, jogar por algum clube importante.

A assessoria de imprensa do Hospital Amaral Carvalho, em Jaú, informou que o atleta morreu por complicações e falência múltipla dos órgãos, após o transplante de medula a que foi submetido em outubro. A doação foi de seu irmão.
Segundo o médico Mair Pedro de Souza, o transplante deveria ser feito antes, porque Alex tinha um tipo de doença rara e já afetava outros órgãos antes da cirurgia. Mas problemas familiares não permitiram. Houve então a rejeição agora, atingindo fígado, pele e intestino.
Alex Alves contou com a ajuda de amigos pra fazer o tratamento em um dos melhores centros de oncologia do Brasil. Nenhum nome dessa lista de amigos foi revelado. Contudo, soube-se que um deles seria Vampeta, seu companheiro de juniores no Vitória.  

O atacante afastou-se do futebol desde 2010, ainda quando atuava no União Rondonópolis, time do Mato Grosso. Seus melhores momentos na carreira foram entre os anos 98 e 99 com a camisa do Cruzeiro. Fez tanto sucesso, que acabou negociado com o Hertha Berlim, da Alemanha.
Ganhou dinheiro no futebol alemão e teve sucesso, tanto que jogou lá até 2003. Seu espírito irrequieto o trouxe de volta ao Brasil e pro Atlético. Não conseguiu repetir seu bom futebol.

Alex Alves saiu das categorias de base do Vitória pra ganhar o mundo que sonhava viver. Além de suas arrancadas, de seus dribles desconcertantes, seu oportunismo na área, e suas comemorações elásticas, tinha grande cuidado, também, com a beleza. Chegou a ser reconhecido no Exterior como “metrossexual brasileiro”, comparado ao craque inglês David Beckham.


Além do Vitória, defendeu também Palmeiras, Portuguesa, Cruzeiro, Hertha Berlim, Atlético, Vasco, Boavista, Fortaleza, Kavala, da Grécia, e União Rondonópolis. No currículo, tem o Brasileiro de 1994, como reserva do Palmeiras, além dos vices nacionais por Vitória, em 1993, Portuguesa, em 1996, e Cruzeiro, em 1998.

Ele foi casado com Nádia França, modelo que também namorou Ronaldo Fenômeno, e teve uma filha Alexandra com ela(foto abaixo). Alex Alves tinha planos de fazer um jogo festivo entre amigos no Zezinho Magalhães, estádio do XV de Jaú, assim que fosse liberado pelos médicos. Enquanto esteve internado, recebia ligações constantes de Vampeta, grande amigo que fez ainda nas categorias de base do Vitória. 




terça-feira, 13 de novembro de 2012

GALO COM GRANA ALTA PRA CONTRATAR ANO QUE VEM


Curto linda vista de espigões construídos bem na frente da minha sacada. Impedem a passagem de raios solares matinais que venham bronzear essa mistura de uma brancura giz e de amarelo azedo que adquiri nos últimos meses.
Daí eu sou obrigado às caminhadas diárias na nossa “Lagoa Rodrigo de Freitas” da Barragem Santa Lúcia. Fede que nem a original.
Seja o que Deus quiser! Lá rodo hora e meia, depois de fazer meia hora de exercícios numa das academias que o Dr. Lacerda plantou em várias praças de diferentes bairros de sua ex-bela cidade.
Algumas vezes tenho boas companhias e bons papos. Noutras, evito-as. Prefiro mordiscar minhas goiabinhas vermelhas, enquanto matuto as acontecências produzidas no futebol mineiro pela mídia ávida em criar “com exclusividade”. Puros chutes!
A saúde financeira positiva do Galo não é chute. É fato. Passou por diversos crivos e entregou ao presidente Alexandre Kalil um orçamento que ele intitulou de “conservador”. São R$ 180 milhões para 2013. Conservador, eu creio, se comparado aos mentirosos de Flamengo e Vasco.
Talvez na mesma dimensão de outros grandes como Grêmio e Internacional, porém abaixo dos de Fluminense e Santos. Muito aquém de os do Corinthians e do São Paulo. Acima do possível rebaixado Palmeiras. Especulo, entretanto, pois não tenho os números dos citados orçamentos.
Sem aquele sorriso simpático que encanta quando bem humorado, Alexandre Kalil ( Foto de Rodrigo Clemente/EM-DA Press)avisa que os números atleticanos podem crescer até 40% “e investimentos dentro do campo não vão faltar”.
Disse mais: “Esse orçamento aumenta a responsabilidade. A desculpa do “não posso comprar, estou duro” acabou. Temos que investir com responsabilidade”.
De onde virão tais receitas, arriscaria perguntar este filho do Sodico, mesmo na certeza de que o Urso Bravo soltaria fogo pelas ventas?
Esta pergunta tem sido feita ao presidente Kalil desde sua primeira gestão. Ele fala em antecipação de receitas, aplicação de dinheiro com seriedade e transparência; boas cotas de tevês abertas e fechadas e qualquer coisa do programa sócio-torcedor.
Além do mais, falei por falar. Como disse da vez passada, se o dinheiro vem de mãos limpas, não me cabe contestá-lo. Se de mãos sujas, é problema do Ministério Público. Também fui claro da vez passada: boto logo as minhas mãos no fogo pela seriedade do presidente e seus pares. Conheço bem todos.

Então não se fala mais na origem e sim nas despesas. Na contratação de jogadores que está  prevista no orçamento em R$ 12 milhões. “Está previsto gastar R$ 12 milhões aproximadamente. Mas pode ser 20, 10. O que você apresenta no orçamento, você não é obrigado a gastar. Você é obrigado a por para dentro”, explicou Kalil.
Muito bom, mas continuei sem entender este “você é obrigado a por para dentro”.
-O clube tem sido mais comprador. Hoje é mais comprador do que vendedor – destacou Kalil - Mas, na verdade, a gente tem que ter a responsabilidade de saber que o Atlético não é meu.
- É muito bonitinho fazer isso para a torcida e deixar de arrecadar um dinheiro vultuoso para o Atlético. Isso a gente vai pesar. O que for bom para o Atlético, será feito.
Este trecho da entrevista, eu entendi. Kalil quis afirmar que o clube de comprador pode virar vendedor pra não perder um vultuoso negócio. Exemplo: se chegarem o dinheiro que o Galo quer pelos direitos de Bernard, será negociado.
Aí então o presidente esclareceu: “Não estamos aqui para falar que vamos vender desesperadamente. Mas o Atlético é um clube apertado. Não é milionário. Como todo clube grande, o Atlético carrega um passivo grande”.

Numa das voltas de 850 metros em torno da Barragem, me veio à lembrança que levei na gozação o caso de Florent Malouda, atacante quase disponível no Chelsea e ex- seleção francesa, pintar na Cidade do Galo.
Lembram do Monsieur Caçapá? Claro que sim. Dono de tremendo sucesso no futebol francês, o ex-atleticano e cruzeirense tá autorizado por Malouda a negociar a sua vinda pro Brasil.
O ex-zagueiro informa, contudo, que até agora, nenhum clube fez proposta oficial pelo jogador do Chelsea. Se houver interesse, o clube inglês facilita as coisas.

Este futebol brasileiro é um antro de lavadeiras fofoqueiras! Falei outro dia aqui na Trincheira que Ronaldinho Gaúcho havia ligado pra Neymar sondando como era a cidade de Santos, suas praias, noites e mulatas.
Disse, também, que o Santos estaria atrás de um craque pronto, experiente, pra substituir Ganso e dividir responsabilidade no time com Neymar. Aí, alguém sondou RG-49.
Murici Ramalho aprovou. Neymar, também. O presidente santista Luis Álvaro de Oliveira tomou conhecimento da possível sondagem informal de RG-49, 32 anos e em grande fase.
Passou a trabalhar com a possibilidade de levá-lo pra Vila Famosa em 2013. No entanto, adiantou que não haverá “jogo sujo” pra tirar o craque do Atlético, onde tem contrato até dezembro. Garantiu que ninguém de seu clube fez contato com o atleta.

Dia 21 de novembro tem Argentina x Brasil, no Superclássico das Américas, no estádio La Bombonera, do Boca Juniors, em Buenos Aires. Na verdade, um superclássico de araque. Nós temos Neymar, beleza. Eles não terão Lionel Messi.
Todo mundo já conhece essa história: as duas seleções serão formadas apenas por atletas que atuam no País. A Argentina, quando muito, utilizará a turma do Brasil.
No primeiro jogo
, em Goiânia, nós ferramos eles por 2 a 1. Agora, eles precisam de vencer a gente lá por 2 a 0 e fazer melhor saldo de gols. Por 1 a 0 ou por 2 a 1 haverá disputa em pênalti.
Escrevo sobre o que todo mundo tá suado de saber. O que o leitor que mesmo, ô bobão, é saber minha opinião sobre a lista de Mano Meneses pra esse jogo. O Atlético entrou com quatro nomes: Léo Silva, Marcos Rocha, Rever e Bernard.( na arte do Superesportes)  
Eles não desfalcarão o time na rodada no final de semana, pois o jogo será numa quarta-feira. O Flu, campeão brasileiro, entra com Cavalieri, Carlinhos, Jean, Thiago Neves e o artilheiro Fred, enfim.
No dia 3 de outubro esta partida estava marcada pra Resistência, uma cidadezinha do interior argentino, mais perto de Assunção do que de Buenos Aires. Faltou energia e o jogo foi adiado. Em La Bombonera, sei não!


segunda-feira, 12 de novembro de 2012

BRASIL DE KAKÁ E NEYMAR PEGA COLÔMBIA PRA GRINGO VER


A colônia brasileira, com certeza, pretende encher o estádio MetLife, de Nova Jersey, pra ver a nova Seleção Brasileira de Mano Meneses, agora com a dose reforçada da experiência e do talento de Kaká. Dá pra imaginar coisa boa contra os colombianos, no amistoso desta quarta-feira à noite: um ataque de Lucas, Kaká, Oscar e Neymar.
Mas a pergunta que está no ar é a seguinte: seria possível escalar estes rapazes juntos?
Foi possível escalar Jairzinho, Tostão, Pelé, Gerson e Rivelino, em 1970. Craque joga em qualquer posição.
Com esta formação ofensiva, o Brasil fica sem aquele homem dito de referência – Damião, Hulk, ou qualquer centroavante. No entanto, subiria sua qualidade técnica. Como ocorre com o Barcelona de Messi. Lucas e Neymar seriam os homens da frente e das diagonais. Oscar e Kaká os das chegadas.
Sei que não é este o pensamento de Mano Meneses. E daí? Ele escala a seleção dele e eu escalo a minha, na certeza de que a minha terá bem mais apoio tupiniquim, ainda que, lamentavelmente, não entre no gramado.  

Thiago Neves, do Fluminense, e Lucas, do São Paulo, não embarcaram com os “brasileiros” da delegação pra Nova Jersey. Segundo a CBF, os jogadores tiveram problemas com seus passaportes e seguiriam em um voo à noite.
Isso, ainda, ocorre na Seleção Brasileira? Até os paralelepípedos da rua Abre Campo, nas pirambeiras do Santo Antônio, onde se encontrava encravado meu barraco, sabiam deste amistoso contra a Colômbia há uns dois meses.
Imagino que as documentações destes rapazes estarão legais pras Copa das Nações, ano que vem e do Mundo, em 2014. Sem passaportes, claro!

Este amistoso contra a Colômbia será o milésimo jogo da Seleção Brasileira na história. Assim de supetão parece pouco, hein meu Bom? Mas é coisa pra encardir. Por isso, Kaká que curte a experiência de ser veterano no meio de tantos rapazes um dia foi minhoca em areia quente entre as feras de uma Copa do Mundo.
Kaká, por exemplo, curte esta historia toda. Já fez dois gols em duas partidas – Japão e Iraque – e tem o respeito da meninada pelas páginas escritas no período desses mil jogos. Costumava ser um dos mais jovens em outras convocações, agora é o exemplo a ser seguido.
É a experiência dentro de campo aliada à juventude de garotos quase dez anos mais novos. Kaká acha tudo estranho:
- É muito estranho conviver nesse ambiente. Faz dez anos que convivo na Seleção. Na maioria das vezes, era o mais novo ou estava na média de idade. Dessa vez, peguei a lista dos nomes e vi que sou o último. Você vê jogadores nascidos em 90, 91 – comentou o craque do Real Madrid.

Resposta do Urso Bravo às insistentes perguntas sobre sua ida à Europa:
-Não fui lá vender Bernard. Fui comprar jogadores interessantes que reforcem o Atlético na Libertadores.
-Diego Tardelli – perguntou um repórter.
-Quem sabe! Na hora exata vocês ficarão sabendo. E olha aqui. Pra vender Bernard eu vou sentar na cadeira do presidente do Atlético e esperar, em Lourdes, as propostas dos interessados. Sem essa do Atlético ir atrás dos europeus oferecer seu ídolo.
Se a conversa não foi nesses termos, e daí? O que tem de gente metida a onisciente, amigo do presidente, chutando informações ditas exclusivas nas suas colunas em importante jornal das Geraes. Por que este filho do Sodico não pode, também, usar sua licença de escritor de ficções pra criar tal diálogo. Que me desminta o Urso Bravo!

O São Paulo de Ney Franco decidiu não criar falsas expectativas na sua torcida quanto à disputa neste Brasileiro da vaga pra Libertadores pela qual competem Galo e Grêmio em igualdade de condições, nos últimos três jogos. Com 50 pontos, as chances do SP chegar ao vice-campeonato são mínimas.
O caratinguense Ney Franco, como todo e qualquer filho daquela terra abençoada por São João come sua farinha pelas beiradas. Está na disputa da Copa Sul Americana e se for campeão chega à disputa continental maior. Caso contrário, aceita o quarto lugar e a pré Libertadores. Como lhe cabe até agora no G-4 deste ano.
Paulo Henrique Ganso periga estrear no São Paulo já na próxima rodada, contra o Náutico, domingo, no Morumbi. O projeto de Ney é levar Ganso no banco em várias partidas pra ir aos poucos se acostumando com a nova vida.

Atenção moçada da pré Libertadores, já garantida ou a se garantir na disputa: o sorteio das chaves e dos confrontos do torneio acontecerá no dia 21 de dezembro, em Assunção no Paraguai.

Martinuccio, destaque do Cruzeiro na vitória por 3 a 1 sobre o Bahia, com dois gols, não jogará contra o campeão brasileiro de 2012 no domingo. Seus direitos federativos pertencem ao Fluminense, e devido àquela cláusula leonina que os clubes inventaram, ficará de fora.

Boa fofoca: Ronaldinho Gaúcho teria ligado prum amigo na Vila Belmiro, que tem como primeira letra do nome Neymar, e fez verdadeiro interrogatório sobre a vida praiana da cidade, sobre as condições do clube, pagamento, centro de treinamento, competições, etc, etc.
No embalo, o autor da fofoca lembra que outro da RG-49 afirmou que a sua permanência no Galo passa pela disputa da Libertadores. Se é assim, porque ele sondaria o Santos que nem não disputará a competição continental?  Bola fora dos chutadores de plantão!

Do tricolor hereditário, Mário Sérgio Carraro, transcrevo a mensagem de felicidade que me mandou: “Grande conterrâneo e amigo Flávio Anselmo, fiquei ainda mais feliz com o título ao ler sua coluna reconhecendo que o Flu foi merecedor do título! Lá no céu meu Pai também deve estar exultante com nossa conquista! Fred, o garoto da região da Grande Caratinga (que cobre desde o Sul do Espirito Santo até o Sul da Bahia), jogou muito! Agora vamos torcer pro nosso quase conterrâneo ser o artilheiro do Brasil!
Resposta: Eta Caratinga danada de grande, né Mário Sérgio?

Do amigo Lucas Mendes, Nova Iorque: “Meu galo canta triste. Abraços”.
Resposta:  Pior que as frangas do terreiro tão que morrem à míngua, na maior secura por causa disso, Lucas. 

domingo, 11 de novembro de 2012

FLU É CAMPEÃO E GALO CAI PRA TERCEIRO


Três rodadas antes do final do Brasileiro/2012 o Fluminense do futebol prático e forte individualmente ficou com o título. Na história, registra um tetra campeonato nacional. Time que começa com um grande goleiro, tem meio-campo inteligente e de marcação pra terminar com centroavante goleador e líder do grupo possui a fórmula correta de ganhar competições.
Claro que o comandante respeitado, conhecedor das mumunhas táticas do futebol, como é o caso de Abel Braga, conclui a receita ideal. É só comemorar.
Tentou-se, também, - inclusive esta Trincheira – colocar no copo do liquidificador dose excessiva de sorte e de apito amigo pra completar a vitamina poderosa da vitória.
No fim de tudo, acabamos por estabelecer que o Fluminense nem precisasse da ajuda dos árbitros pra conquistar o caneco. Teve a campanha histórica no Brasileirão, com 21 vitórias, 11 empates e três derrotas em 35 rodadas.

Sua campanha foi consagradora. Foi melhor em tudo até agora e com larga vantagem na frente do segundo colocado. Pra chegar ao título teve que matar um leão ferido, o Palmeiras, e empurrá-lo mais rumo ao buraco negro do descenso.
Fez 2 a 0 e parecia que o título viria fácil, dependendo do que acontecesse no Rio de Janeiro entre Vasco da Gama e Atlético. Fred fez 1 a 0, mandou bola na trave e abriu espaço pra Rafael Sobis fazer 2 a 0, no início do segundo tempo.
Barcos iniciou a reação palmeirense marcando 2 a 1. Patrick Vieira empatou: 2 a 2. Como aconteceu em vários jogos, o tricolor buscou a vitória até o final e Jean, pelo lado direito, fez cruzamento na medida pra Fred pegar de bate - pronto e marcar 3 a 2. Seu 19° gol no Brasileiro. Não houve como segurar este mineiro de Teófilo Otoni.

Em São Januário, mais que a pobreza do jogo entre Vasco e Atlético, terminado em 1 a 1, foi a pobreza da arbitragem. Nada de anormal, pois tem sido assim em todo transcurso da  competição. O fraco árbitro Elmo Alves Resende Cunha anulou um gol do Vasco, marcado por Wendel, sob o argumento de que ele gritou “deixa” antes de chutar.
Os jogadores do Vasco deram uma aula de lei da arbitragem pro desavisado soprador de apito.
A lei proíbe tal grito quando a volta se direciona ao adversário ou está em poder dele. No caso, a bola ia em direção a Felipe. Não houve nada.
Cinco minutos depois, o tal soprador de apito marcou pênalti do beque Douglas em Escudero, inexistente. RG-49 converteu.
Aos 40m do primeiro tempo, o juiz de araque resolveu virar a página em favor do Vasco e expulsou Serginho pelo segundo cartão amarelo. Fajutice total.
Ainda assim, o Galo estava melhor até que Bernard, cansado, pediu pra sair. É verdade que o empate já havia acontecido com Alecsandro, irmão de Richarlyson, que por causa disso nem comemorou seu 10º gol no Brasileiro. Rick havia entrado no lugar de Bernard.

Rodada trágica pro Galo. Além de sair da disputa do título, onde se encontrava com mínimas possibilidades, perdeu o segundo lugar pro Grêmio. Galo ficou com 65 e o Grêmio com 66 pontos, enquanto o São Paulo – derrotado pelo Grêmio por 2 a 1, em POA – assumiu, por enquanto, a vaga direta da Copa Libertadores, junto com o campeão Flu.
O Atlético, de sério candidato ao título e depois à vaga da Libertadores, no momento, disputaria as vagas da pré Libertadores, junto com o São Paulo. 

Meu Bom, serei sincero com você. Não acreditava numa vitória do Cruzeiro sobre o Bahia, mesmo no Independência, que, por sinal, esteve vazio. A China Azul correu da raia. Talvez com receio de novo vexame daquele time feio escalado por Celso Roth.
Mais descrente fiquei ao Fahel fazer 1 a 0 pros baianos. Tinha pequena esperança no talento de Martinuccio, neutralizado pela ruindade dos demais. Baixou um santo no Independência. Só que no time de azul.
Martinuccio fez gol, chutou bola na trave, iniciou o lance do terceiro gol e muito mais.
O craque argentino empatou e logo depois marcou um golaço em lançamento de Anselmo Ramon que ele pegou de voleio, no ângulo. O terceiro gol foi de Wilson Magrão, jogada de Martinuccio.

Em contrapartida, o protegido de Roth, volante Sandro Silva, quase avacalha tudo com a sua expulsão. A sorte dele é que Mancini, outro ruim da cabeça, entrou no jogo e foi expulso, também. Os dois times ficaram com 10.
Os azuis, apesar de Celso Roth e amigos, chegaram aos 46 pontos e tirou das costas o peso da ameaça, ainda existente, do descenso.

Luiz Carlos Júnior, narrador do Sportv, nos meus tempos de emissora, já se dizia tricolor. Mas nas atuais transmissões tem ido além da conta. Fala mais que pobre na chuva e torce com força total pelo seu time. Talvez pense que assim será o provável substituto de Galvão Bueno na Poderosa. Isso se o titular parar algum dia!

Tá bom! O presidente do Cruzeiro, Gilvan Tavares, informou que não tem nada acertado com Marcelo Pacote Oliveira pra substituir Roth. Isso foi dito após saber que Jorge Sampaoli declarou seu desejo de aceitar a proposta do Cruzeiro, se ela for mantida.
No entanto, o jornal El Mercurio, do Chile, na edição de domingo informou que o presidente de La Universidad, José Yaraszeck disse que Sampaoli continuará no clube ano que vem.
A torcida chia, faz manifestação, o presidente recua, joga na retranca, anuncia intenção de contratações milionárias como as de Lugano e Thiago Ribeiro.
Tudo é possível, por causa da intermediação de um velho amigo do clube, o empresário Juan Figger, dos mais influentes no mundo do futebol. Ele cuida, também, dos interesses dos dois atletas.
É possível, mas vejo como especulação comum no final de temporada. No caso de Thiago Ribeiro, do Napoli, existe a conversa de que ele poderia ser trocado por Wellington Paulista. Tomara!

Presidente Alexandre Kalil retornou da Europa desmentindo que lá esteve pra negociar Bernard. Ou qualquer outro jogador. Confirmou apenas a vinda de Gilberto Silva pra cumprir contrato de 2 anos.
Convenhamos: um time que pretenda disputar o título do Brasileiro não pode manter-se tão irregular em jogos fora de casa como foi o Atlético. O empate com o Vasco completou uma sequência de 12 jogos sem vencer como visitante. Em casa, o Galo tá invicto.
A última vitória atleticana como visitante foi há quase cinco meses. No dia 21 de julho, bateu Sport, na Ilha do Retiro, por 4 a 1. Desde então, o time de sofreu cinco derrotas e empatou sete jogos.
A três rodadas para o fim do Brasileiro, o Galo soma, ao todo, 18 vitórias, apenas cinco como visitante, 11 empates e seis derrotas. Em casa, no entanto, o Galo se mantém invicta.
O Fluminense, campeão brasileiro antecipado, acumula 22 vitórias, 11 delas conquistadas fora de casa, incluindo o triunfo contra o Palmeiras, que garantiu o título ao Tricolor.
Já o Grêmio, que disputa a vice-liderança com o Atlético, já venceu seis vezes fora de casa.

Abel Braga nasceu pro sucesso, sem dúvida. Campeão da Libertadores e do Mundo com o Internacional, não tinha o título brasileiro. Conseguiu agora.
Simpático, Abel interrompeu entrevista à Globo, na beira do gramado, após o jogo,  pra responder aos torcedores que do outro lado do alambrado pediam pela sua continuação.
Abelão parou de falar no microfone e gritou pra massa: Vou ficar”.
Como os rios correm pro mar, este foi mais um furo de reportagem da Poderosa.

Convêm os torcedores alvinegros e, principalmente, o Urso Bravo, analisarem bem as declarações de Ronaldinho Gaúcho – seu contrato vai até dezembro – que tem a Libertadores no seu plano de renovação com o Atlético. Disse RG-49:
“Se não entrar na Libertadores, interfere. Eu quero é disputar a Libertadores. Agora faltam esses três jogos e vou fazer meu melhor para ajudar o Galo a entrar direto na competição. Estou muito feliz no clube e é impossível esquecer tudo que passei ao lado da torcida atleticana. Está tudo muito bem encaminhado e, hoje, estou com a cabeça voltada para realizar bem esses três jogos. O objetivo é esse”. 

O grande chute do final de semana, na verdade, nem foi aquele do segundo gol de Martinuccio contra o Bahia. Foi o da crônica esportiva – não vou citar os veículos – que botou minhoca na cabeça dos torcedores da Massa. Leiam abaixo:
Alexandre Kalil voltou da Europa e confirmou negociação pro retorno de Diego Tardelli. Teria mantido, também, contato com outro atleta europeu Seria o francês Flourent Malouda, do Chelsea. Malouda, de 32 anos, está no Chelsea desde a temporada 2007/08 e já disputou duas Copas do Mundo com a Seleção Francesa.