domingo, 11 de novembro de 2012

FLU É CAMPEÃO E GALO CAI PRA TERCEIRO


Três rodadas antes do final do Brasileiro/2012 o Fluminense do futebol prático e forte individualmente ficou com o título. Na história, registra um tetra campeonato nacional. Time que começa com um grande goleiro, tem meio-campo inteligente e de marcação pra terminar com centroavante goleador e líder do grupo possui a fórmula correta de ganhar competições.
Claro que o comandante respeitado, conhecedor das mumunhas táticas do futebol, como é o caso de Abel Braga, conclui a receita ideal. É só comemorar.
Tentou-se, também, - inclusive esta Trincheira – colocar no copo do liquidificador dose excessiva de sorte e de apito amigo pra completar a vitamina poderosa da vitória.
No fim de tudo, acabamos por estabelecer que o Fluminense nem precisasse da ajuda dos árbitros pra conquistar o caneco. Teve a campanha histórica no Brasileirão, com 21 vitórias, 11 empates e três derrotas em 35 rodadas.

Sua campanha foi consagradora. Foi melhor em tudo até agora e com larga vantagem na frente do segundo colocado. Pra chegar ao título teve que matar um leão ferido, o Palmeiras, e empurrá-lo mais rumo ao buraco negro do descenso.
Fez 2 a 0 e parecia que o título viria fácil, dependendo do que acontecesse no Rio de Janeiro entre Vasco da Gama e Atlético. Fred fez 1 a 0, mandou bola na trave e abriu espaço pra Rafael Sobis fazer 2 a 0, no início do segundo tempo.
Barcos iniciou a reação palmeirense marcando 2 a 1. Patrick Vieira empatou: 2 a 2. Como aconteceu em vários jogos, o tricolor buscou a vitória até o final e Jean, pelo lado direito, fez cruzamento na medida pra Fred pegar de bate - pronto e marcar 3 a 2. Seu 19° gol no Brasileiro. Não houve como segurar este mineiro de Teófilo Otoni.

Em São Januário, mais que a pobreza do jogo entre Vasco e Atlético, terminado em 1 a 1, foi a pobreza da arbitragem. Nada de anormal, pois tem sido assim em todo transcurso da  competição. O fraco árbitro Elmo Alves Resende Cunha anulou um gol do Vasco, marcado por Wendel, sob o argumento de que ele gritou “deixa” antes de chutar.
Os jogadores do Vasco deram uma aula de lei da arbitragem pro desavisado soprador de apito.
A lei proíbe tal grito quando a volta se direciona ao adversário ou está em poder dele. No caso, a bola ia em direção a Felipe. Não houve nada.
Cinco minutos depois, o tal soprador de apito marcou pênalti do beque Douglas em Escudero, inexistente. RG-49 converteu.
Aos 40m do primeiro tempo, o juiz de araque resolveu virar a página em favor do Vasco e expulsou Serginho pelo segundo cartão amarelo. Fajutice total.
Ainda assim, o Galo estava melhor até que Bernard, cansado, pediu pra sair. É verdade que o empate já havia acontecido com Alecsandro, irmão de Richarlyson, que por causa disso nem comemorou seu 10º gol no Brasileiro. Rick havia entrado no lugar de Bernard.

Rodada trágica pro Galo. Além de sair da disputa do título, onde se encontrava com mínimas possibilidades, perdeu o segundo lugar pro Grêmio. Galo ficou com 65 e o Grêmio com 66 pontos, enquanto o São Paulo – derrotado pelo Grêmio por 2 a 1, em POA – assumiu, por enquanto, a vaga direta da Copa Libertadores, junto com o campeão Flu.
O Atlético, de sério candidato ao título e depois à vaga da Libertadores, no momento, disputaria as vagas da pré Libertadores, junto com o São Paulo. 

Meu Bom, serei sincero com você. Não acreditava numa vitória do Cruzeiro sobre o Bahia, mesmo no Independência, que, por sinal, esteve vazio. A China Azul correu da raia. Talvez com receio de novo vexame daquele time feio escalado por Celso Roth.
Mais descrente fiquei ao Fahel fazer 1 a 0 pros baianos. Tinha pequena esperança no talento de Martinuccio, neutralizado pela ruindade dos demais. Baixou um santo no Independência. Só que no time de azul.
Martinuccio fez gol, chutou bola na trave, iniciou o lance do terceiro gol e muito mais.
O craque argentino empatou e logo depois marcou um golaço em lançamento de Anselmo Ramon que ele pegou de voleio, no ângulo. O terceiro gol foi de Wilson Magrão, jogada de Martinuccio.

Em contrapartida, o protegido de Roth, volante Sandro Silva, quase avacalha tudo com a sua expulsão. A sorte dele é que Mancini, outro ruim da cabeça, entrou no jogo e foi expulso, também. Os dois times ficaram com 10.
Os azuis, apesar de Celso Roth e amigos, chegaram aos 46 pontos e tirou das costas o peso da ameaça, ainda existente, do descenso.

Luiz Carlos Júnior, narrador do Sportv, nos meus tempos de emissora, já se dizia tricolor. Mas nas atuais transmissões tem ido além da conta. Fala mais que pobre na chuva e torce com força total pelo seu time. Talvez pense que assim será o provável substituto de Galvão Bueno na Poderosa. Isso se o titular parar algum dia!

Tá bom! O presidente do Cruzeiro, Gilvan Tavares, informou que não tem nada acertado com Marcelo Pacote Oliveira pra substituir Roth. Isso foi dito após saber que Jorge Sampaoli declarou seu desejo de aceitar a proposta do Cruzeiro, se ela for mantida.
No entanto, o jornal El Mercurio, do Chile, na edição de domingo informou que o presidente de La Universidad, José Yaraszeck disse que Sampaoli continuará no clube ano que vem.
A torcida chia, faz manifestação, o presidente recua, joga na retranca, anuncia intenção de contratações milionárias como as de Lugano e Thiago Ribeiro.
Tudo é possível, por causa da intermediação de um velho amigo do clube, o empresário Juan Figger, dos mais influentes no mundo do futebol. Ele cuida, também, dos interesses dos dois atletas.
É possível, mas vejo como especulação comum no final de temporada. No caso de Thiago Ribeiro, do Napoli, existe a conversa de que ele poderia ser trocado por Wellington Paulista. Tomara!

Presidente Alexandre Kalil retornou da Europa desmentindo que lá esteve pra negociar Bernard. Ou qualquer outro jogador. Confirmou apenas a vinda de Gilberto Silva pra cumprir contrato de 2 anos.
Convenhamos: um time que pretenda disputar o título do Brasileiro não pode manter-se tão irregular em jogos fora de casa como foi o Atlético. O empate com o Vasco completou uma sequência de 12 jogos sem vencer como visitante. Em casa, o Galo tá invicto.
A última vitória atleticana como visitante foi há quase cinco meses. No dia 21 de julho, bateu Sport, na Ilha do Retiro, por 4 a 1. Desde então, o time de sofreu cinco derrotas e empatou sete jogos.
A três rodadas para o fim do Brasileiro, o Galo soma, ao todo, 18 vitórias, apenas cinco como visitante, 11 empates e seis derrotas. Em casa, no entanto, o Galo se mantém invicta.
O Fluminense, campeão brasileiro antecipado, acumula 22 vitórias, 11 delas conquistadas fora de casa, incluindo o triunfo contra o Palmeiras, que garantiu o título ao Tricolor.
Já o Grêmio, que disputa a vice-liderança com o Atlético, já venceu seis vezes fora de casa.

Abel Braga nasceu pro sucesso, sem dúvida. Campeão da Libertadores e do Mundo com o Internacional, não tinha o título brasileiro. Conseguiu agora.
Simpático, Abel interrompeu entrevista à Globo, na beira do gramado, após o jogo,  pra responder aos torcedores que do outro lado do alambrado pediam pela sua continuação.
Abelão parou de falar no microfone e gritou pra massa: Vou ficar”.
Como os rios correm pro mar, este foi mais um furo de reportagem da Poderosa.

Convêm os torcedores alvinegros e, principalmente, o Urso Bravo, analisarem bem as declarações de Ronaldinho Gaúcho – seu contrato vai até dezembro – que tem a Libertadores no seu plano de renovação com o Atlético. Disse RG-49:
“Se não entrar na Libertadores, interfere. Eu quero é disputar a Libertadores. Agora faltam esses três jogos e vou fazer meu melhor para ajudar o Galo a entrar direto na competição. Estou muito feliz no clube e é impossível esquecer tudo que passei ao lado da torcida atleticana. Está tudo muito bem encaminhado e, hoje, estou com a cabeça voltada para realizar bem esses três jogos. O objetivo é esse”. 

O grande chute do final de semana, na verdade, nem foi aquele do segundo gol de Martinuccio contra o Bahia. Foi o da crônica esportiva – não vou citar os veículos – que botou minhoca na cabeça dos torcedores da Massa. Leiam abaixo:
Alexandre Kalil voltou da Europa e confirmou negociação pro retorno de Diego Tardelli. Teria mantido, também, contato com outro atleta europeu Seria o francês Flourent Malouda, do Chelsea. Malouda, de 32 anos, está no Chelsea desde a temporada 2007/08 e já disputou duas Copas do Mundo com a Seleção Francesa.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.