segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

CUCA ARMA CASA DE CABOCLO PRA PEGAR MARCELO


Matei a charada! A anunciada escalação de Araújo pelo lado direito do time é casa de caboclo que o malandro do Cuca pretende armar pro Marcelo Oliveira no clássico de domingo.
Jogou o barro na parede ao anunciar antes: o experiente Araújo fará o papel de Danilinho eu na fase áurea do Galo ano passado e que, com a sua saída, desfez-se.
Cuca tentou recompor o esquema com Guilherme, sem sucesso.
Agora o técnico atleticano  imagina o seguinte: Araújo será o líbero de marcação pelos lados, como fazia no Náutico .(foto de Marcos Michelin- EM/DA Press)
Também sai em velocidade  nos contra-ataques.Como no Goiás no início de sua carreira.
Talvez Cuca pense que Marcelo estará preocupado apenas em anular RG-49 e Bernard, de onde nascem as melhores jogadas do Galo. Porém o homem chave seria Araújo.
São especulações da Trincheira, a fim de tentar entender porque Araújo, reserva no Náutico, contratado pra compor o grupo atleticano, virou titular de repente, em três jogos treinos.
Não sei bem quem enfiou na cabeça de Cuca e dos analistas de plantão das coisas do Atlético que Araújo ocupa a mesma função de Danilinho em 2012.
Só se ele aprendeu a jogar assim no Náutico. No Cruzeiro, até sua contusão séria, num clássico contra o América,no Independência, era ponta ofensivo.
 A mesma função que exercia no Goiás, inclusive sendo um dos artilheiros do time. Como tal veio pra Toca da Raposa.
No Fluminense, quando entrava durante os jogos, tinha a função de incendiar o time, acuando os adversários com seus dribles e jogadas de linha de fundo, pelo lado esquerdo. Esporadicamente chegava por dentro, ao lado do centroavante ou pela direita, fugindo da marcação.
É canhoto, e tem boa utilização da perna direita em chutes mais colocados, após driblar pro meio.
Tenho lá minhas dúvidas se é um expediente ardiloso o suficiente pra enganar o esperto Pacote. A idade provocou grande queda de rendimento nas qualidades de Araújo.  
Pode ser, também, que Cuca anuncie Araújo e na 
hora do clássico faça opção por Rosinei. Aí sim, seria um drible tático danado pra cima de Marcelo Oliveira.

Marcelo e seus auxiliares, na foto de Rodrigo Clemente - EM DAPress - estudam o melhor esquema pra parar RG-49, Bernard e cia. 
Marcelo de Oliveira tem, por enquanto, dois problemas sérios: a documentação de Diego Souza e a condição física de Dagoberto.
Se pretende  transformar a ideia de vigiar bem Ronaldinho Gaúcho e Bernard precisa estudar bem o esquema pra não colocar aquele monte de volantes.
Arrepiam-se os cabelos dos torcedores a possibilidade de Marcelo usar Tinga.
Mas se Diego Souza não puder jogar, Ricardo Goulart deve substituí-lo. Dagoberto, por sua vez, entregará sua função a Everton, que no meu entendimento é titular absoluto.
Caso tudo corra como o esperado, ou seja, que Dagoberto jogue,  Everton retornará à lateral esquerda e  Egídio sai do time, o que é uma pena.
Todavia se Anselmo Ramon ficar bom, periga Marcelo Oliveira cometer a primeira tolice como treinador do Cruzeiro: sacar Vinícius Araújo.

Conheci um pouco do técnico Ari Vidal (foto) na sua passagem pelo Minas Tênis Clube. Era figura indispensável no Minas Esporte que o xará Carvalho e eu produzíamos e apresentávamos na Band\MG. Sua morte ontem enlutece o basquete nacional.

A vida profissional de Ari Vidal ficou marcada pela conquista espetacular da medalha de ouro nos Jogos Pan Americanos de Indianápolis, em 1987. reproduzo o que o Globoesporte.com escreveu sobre a conquista:
" Os donos da casa (norte-americanos) massacraram o Brasil no primeiro tempo, chegaram a abrir 22 pontos e foram para o intervalo com 14 de vantagem. Àquela altura, a torcida não imaginava que o ouro podia escapar".
"Mas o time de Vidal voltou endiabrado para a segunda etapa e conseguiu uma virada improvável, quase impossível. Inspirado, Oscar Schmidt foi o cestinha da final com 46 pontos, seguido pelos 31 de Marcel".
A choradeira na quadra após a vitória por 120 a 115 está até hoje no imaginário do torcedor brasileiro".
"Histórias de técnicos que mudam o jogo no intervalo se espalham por todos os esportes, mas, trocando a ordem das palavras, técnicos que mudam a história do esporte no intervalo são raros".
" Quando a seleção brasileira de basquete foi para o vestiário na metade da decisão dos Jogos Pan-Americanos de Indianápolis, em 1987, carregava o peso de uma derrota por 14 pontos. As palavras do treinador Ary Vidal a portas fechadas para seus comandados, ainda que tenham sido apenas "voltem lá e joguem", mudaram a trajetória da bola laranja no Brasil.
"Oscar, Marcel & Cia voltaram, jogaram, reagiram e arrancaram uma medalha de ouro memorável no quintal dos americanos. Não foi o maior feito do basquete verde-amarelo, mas foi o mais emblemático. Lembrado até hoje pelos torcedores, 25 anos depois, o triunfo ganhou uma nota triste nesta segunda-feira".
" Aos 77 anos, Vidal morreu em sua casa no Rio de Janeiro e transformou em memória mais de meio século de dedicação à modalidade que amava. O enterro será nesta terça-feira, no Cemitério do Caju, na zona norte do Rio de Janeiro".

Bem que o Grêmio tentou adiar seu jogo contra a LDU, marcado pra esta quarta-feira, em Porto Alegre, em razão do acidente em Santa Maria. Não conseguiu. O jogo de volta será realmente realizado na data estabelecida, ainda que não haja clima pra sua realização.
A Conmebol e a LDU não foram solidárias com os gaúchos.  No primeiro jogo, em Quito, a LDU venceu por 1 a 0 e os gremistas agora precisam de um placar com dois gols de diferença.
Já o São Paulo, praticamente classificado pra fase de grupos, após sapecar 5 a 0 no Bolívar no Morumbi, está em Santa Cruz de La Sierra e viaja na hora do jogo para os quase 4 mil metros de La Paz. Ney Franco mexe no time da goleada e deve voltar com Paulo Miranda à lateral direita no lugar de Douglas. Veremos tudo no sistema global.

O Atlético chegou a sonhar com Vagner Love no comando de seu ataque, como opção à falha na contratação de Tardelli. Mas ele voltou  à Rússia após praticamente um ano fora. Para a surpresa da imprensa no país, diga-se, que esperava vê-lo brilhar nos gramados brasileiros por algum tempo depois de o Flamengo entrar em acordo com o CSKA. Em entrevista ao jornal russo "Sport-Express", o atacante explicou por que retornou à Moscou e expôs a fragilidade financeira do Rubro-Negro.
- A troca de presidente no Flamengo tem causado sérios problemas financeiros para o clube. É por isso que quando meus agentes me ofereceram para voltar ao CSKA eu aceitei quase imediatamente. Tudo foi feito em apenas três dias e eu acredito que é no melhor interesse de todos - disse.
Em janeiro de 2012, sob condução do ex-vice de finanças Michel Levy, o Flamengo aceitou pagar em quatro parcelas € 10 milhões (R$ 27 milhões na cotação atual) pelos direitos econômicos do atacante. Ao longo do ano passado, os russos receberam € 4 milhões (R$ 10,8 milhões).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.