terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

EM DISCUSSÃO A LEI ESPORTIVA BRASILEIRA


 José Antônio  Mendes de Souza e Silva, de BH, coloca na mesa um assunto bom pra ser debatido aqui na Trincheira.  A memória dele é excelente visto que muita gente já se esqueceu do fato. Escreveu José Antônio:
-No dia 18 de abril de 2004, o Cruzeiro perdeu para o Atlético de 1 x 0 e conquistou o Bi campeonato mineiro de 2004; pois mesmo perdendo, ganhou o primeiro jogo de 3 x 1. Tenho certeza que você se lembra das cenas lamentáveis no final do jogo entre o Chris, zagueiro do Cruzeiro e o Eduardo, goleiro do Atlético. 
Os dois foram julgados e levaram seis meses de suspensão. O Eduardo, cumpriu os seis meses; mas, o Chris se mandou para a França e não cumpriu a suspensão. Perguntas: Ele foi anistiado?  Houve prescrição da suspensão?
Me lembro que à época foi noticiado que quando ele retornasse ao Brasil, como jogador teria que cumprir a suspensão. Para minha surpresa semana passada estava em S.Paulo e ao ligar a TV, vi o Chris defendendo o Grêmio na Libertadores. Se ELE não foi anistiado .Não teria que cumprir o gancho?
Resposta: Aí é que está, José Antônio. Aos amigos os favores da lei, aos inimigos a lei. Este é o Brasil brasileiro, terra do coqueiro que dá coco. Deixo a pergunta, que não sei responder e suas consequências nefastas às respostas do puristas legisladores.
João Batista, da TVH, quer diz que  com tanta gente contratada no Cruzeiro, vai ficar difícil o Marcelo Oliveira cumprir a sua fama de valorizar a base.  Se Elber e Lucas Silva, não estão sendo relacionado neste mineiro, vão ser quando?
Acho que o Marcelo tem o dever de colocar os garotos para jogar no Mineiro, para ganharem gordura de autoconfiança, pois quando chegarem compentições importantes como Copa do Brasil, Brasileirão, sulamericana, o elenco tem que estar bem entrosado e a garotada tem que estar lá dentro. O Cruzeiro precisa fazer dinheiro com estes meninos, claro, depois que fizerem boas competições como titulares do Cruzeiro. Um osso que o Marcelo vai ter que saber enroscar ou desenroscar, não é?
Resposta: Já perdi a fé nesses caras todos, João. Eles são uma coisa quando treinam a base e quando estão pra serem contratados. Depois, viram tudo farinha do mesmo saco. Se o fubá é pouco meu pirão primeiro.

Meu caro amigo, aqui quem escreve é Jair Pereira, por duas vezes treinei o Atlético Mineiro e fui Campeão em 89 e 91. Em 92 ,treinei o Cruzeiro sendo campeão Mineiro e da Super Copa; treinei também o América Mineiro com muito orgulho.
Este foi o lado bom da minha passagem como treinador em Minas Gerais e os amigos que fiz durante o tempo que trabalhei por aí. O lado ruim foi uma passagem rápida pelo Cruzeiro. Eu cheguei pela manhã em Belo Horizonte para assumir o cargo de técnico no Cruzeiro, mas de tarde recebi uma proposta excelente do Atlético de Madrid, como ainda não tinha acertado o contrato com o Cruzeiro e meu sonho sempre foi treinar uma equipe na Europa, aceitei e comuniquei aos dirigentes do Cruzeiro.
A imprensa não aceitou bem e nunca mais tive oportunidade de treinar uma equipe de Belo Horizonte. Se você analisar o meu trabalho nos três clubes, vai chegar a conclusão, que o lado positivo é muito maior que o negativo, pois fui 3 vezes Campeão Mineiro e Bi Campeão da Super Copa.
Leio sempre seus comentários e tenho você no rol de amigos.
Resposta - Caro Jair, obrigado pela atenção. Registro sua mensagem e a deixo à análise dos dirigentes mineiros. Bagagem você tem de sobra.
Gegê Angelino - BH "Meu preclaro caratinguense amigo das letras.  O Coelho tá querendo voltar à segundona;, não toma jeito mesmo. Pobre nação americana.
Este sujeito que passou a perna no Poços de Caldas deveria estar num Ceresp qualquer, prá ver o que é bom ser sacana e ladrão. A mídia nacional deveria dar um enfoque no caso, não achas? Porque não toma a frente? Poderia levar isso ao conhecimento direto do Milton Neves.
Agora amenidades.
Fiquei conhecendo um conhecido seu, nascido como vc  nas terras de poaia (ipecacianha), planta cuja raiz é utilizada para fazer chás e remédios, e a  planta era abundante na região possuindo grande valor comercial.
Dr. Inácio, médico e fazendeiro, e batemos um longo papo na Savassi. Eu com minhas duas preciosidades caninas domingueiras e saltitantes e ele, com seu jeito mineiro.
Vi que vc fez uma peregrinação literária, mas devo te dizer que Ana Botafogo deve ter encantado sua leitura. Precisamos de mais livros como o de Ana Botafogo e menos, muito menos, Marguelas e submundos. Isso, que quisermos um país mais serio, honesto, justo, para nós ainda, nossos filhos e netos.
Agora, sugiro-lhe o mais interessante livro que acabei de ler, viajando na cidade mais linda do planeta, que já vi 3 vezes e me encanta cada vez mais: “Proxima estação”, Paris, de Lorant Deustch.  Como diria Yves Montand, “c’est formidable”! A história da cidade luz, desde sua fundação até hoje, num vai e vem pelas estações do metro local
Resposta: meu caro Gegê, com o devido respeito. Quanto mais nos aproximamos, menos vc me conhece. O "Marguelas" a que vc se refere deve ser o Marighella referido por mim. Se o País tivesse milhares de marighellas hoje e mais milhares de Prestes, seria uma nação mais justa e mais honesta.

Cláudio Vianei - Ipanema/MG "Olá, Flávio, boa tarde...Continuo aqui em Ipanema curtindo sua coluna... Se eu soubesse que esteve em Caratinga teria ido lá para dar-lhe um aperto de mão... Sou fã da coluna"
Resposta: chego escondido em Caratinga e saio à francesa. Valeu!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.