domingo, 19 de maio de 2013

BAH, SENHOR VUADEN CONTINUAS O MESMO: AQUELE PÊNALTI EM LUAN FOI PURA COMPENSAÇÃO!



Foto de Juarez Rodrigues- DA Press-EM e Superesportes


Lógico que o campeonato mineiro foi decidido naquele jogo do Independência nos 3 a 0 do Atlético. Na segunda partida, o Galo entrou tão confiante na sua força que não imaginava o Cruzeiro tão forte. Ficou assombrado com os 2 a 0, gols de pênalti bem marcados pelo gaúcho Leandro Vuaden, e assustou seus torcedores que conseguiram ir ao Mineirão. 

O time de Marcelo Oliveira surpreendeu-me com a marcação adiantada, a partir do meio-campo e que possibilitou deixar o time de Cuca sem ação. Dagoberto, Nilton, Guerreiro, Egídio, Diego Souza e Everton Ribeiro movimentavam-se bem.
Vieram os pênaltis, o primeiro de Gilberto Silva em Dagoberto, aos 16m, e o de Richarlyson em Borges, aos 32. Antes Victor trabalhou numa bola de Borges. A pressão cruzeirense acordou os atleticanos. O time voltou do intervalo atrás do resultado pra evitar que o título certo fosse pras mãos azuis. Bastaria apenas mais um gol.
O Galo cresceu, afastou o Cruzeiro de sua área e Fábio apareceu como sempre em grandes defesas. Cuca teve que mexer colocando Luan no lugar do combalido Bernard. No Cruzeiro, saiu Diego Souza, aos 14m, no justo momento em que Jô acertava a trave de Fábio com violento chute de fora da área. Cuca colocou Alessandro no lugar de Jô, também baleado. Pacote trocou erradamente Borges por Anselmo Ramon que não fez nada. Nem Ricardo Goulart entrou bem no posto de Diego Souza, amarelado e nervoso nessa fase. Maike veio pro lugar de Ceará e as coisas melhoraram um pouco.
A impressão, entretanto, é que ficaria nos 2 a 0 mesmo. A não ser que o Cruzeiro acertasse um chutão da intermediária. Dagoberto, o melhor do primeiro tempo, pela esquerda, isolou-se na direita e não foi mais o atacante perigoso. Fábio não parava de salvar o Cruzeiro. Defesas espetaculares. Mas aí veio o detalhe do erro: Egídio, um dos bons da partida, cometeu a fatalidade que tirou Everton da equipe após o primeiro jogo. Everton entregou o primeiro gol, ao brincar com a bola perto de Luan. Egídio cometeu o erro infantil de atravessar a bola, na intermediária. Errou. Deu passe pra Luan que arrancou e entre Egídio e Léo se jogou visivelmente na área.
Outros lances parecidos ou mais violentos durante o jogo no meio de campo, o gaúcho não marcava nada. Nesse lance viu a chance da compensação. Como era dois em favor do Cruzeiro, deu este inexistente em favo do Galo. RG-10, omisso no primeiro tempo, bateu e marcou o gol do título. Cruzeiro 2 x Atlético l, no placar agregado Atlético 4 x Cruzeiro 2. Galo bicampeão e o sr, Leandro Vuaden fez aquilo que eu disse a respeito dele: um árbitro que gosta de confusão. 

FESTA AZUL

A torcida do Cruzeiro que apoiou o time a semana toda, não o abandonou após a partida. Fez festa nas arquibancadas e só esvaziou as arquibancadas após os jogadores se retirarem. Alguns números, realmente, trouxeram alegria aos torcedores. Claro que o Atlético jogou pelo regulamento e por causa dele foi bicampeão mineiro. Vale apenas como estatística: o Cruzeiro teve mais pontos ganhos que o Atlético na soma geral do campeonato, com pontos da fase de classificação (31), mais os das quartas de final (6) e da final (3), total de 40 pontos. O Galo terminou com 36 pontos. 
Além disso, o Cruzeiro teve apenas uma derrota em todo campeonato ( exatamente os 3 a 0 contra o Galo), enquanto o Atlético somou três. Os azuis tiveram 13 vitórias, marcaram 41 gols. Os alvinegros tiveram 12 vitórias e marcaram, também, 41 gols em todo campeonato. 
Esses números não valem nada mais na briga do título, conforme regulamento. Mas devem servir de estímulo ao trabalho de Marcelo Pacote Oliveira, iniciado este ano, e de aviso ao Cuca porque o seu time volta esta semana a disputar novo mata-mata e desta vez pela Libertadores. O jogo de ida será fora de casa e é preciso que o Galo tire lições da derrota para o Cruzeiro.

2 comentários:

  1. O coração do verdadeiro Atleticano (repito, do verdadeiro Atleticano) não bate feliz, apesar da conquista! O Galo, com o título nas mãos, fez a torcida suar frio...E aquele penalti sofrido pelo Luã não convenceu! Aliás, os dois penaltis marcados pelo Cruzeiro, provocados por jogadores experientes tipo Gilberto Silva, ah! que coisa mais ridícula!!! Tudo bem que o título de bi foi conquistado, todos estão felizes, etc, etc... Mas o Galo bem que podia ter dado um valor maior a essa conquista, arrebentando logo de cara!E ganhando o jogo, principalmente...Vitória meia boca, sinto assim!

    ResponderExcluir

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.