sábado, 22 de junho de 2013

ATÉ NA SUA FALA, PRESIDENTA DEIXA CLARO QUEM HOJE MANDA NO BRASIL

Quem esperava mais da fala presidencial ficou decepcionado. Penso que Dona Dilma foi aonde podia ir. Só não gostei dela cobrar dos brasileiros tratamento respeitoso e  hospitaleiro com os turistas que nos visitam e que visitarão no Mundial do ano que vem. No que me concerne, diria o ex-presidente Jânio Quadros, não tenho visto nada de anormal com eles, nem dentro das manifestações. O desaponto do turista é aquele de sempre: assaltantes, batedores de carteira, vigaristas, etc. Essa praga existe aqui como lá na terra deles. Qualquer que seja.
Confesso, porém, que até entendendo os limites de Dona Dilma pra não bater de frente nas questões das Copas, no aspecto interno, imaginei que ela convocaria a Cavalaria, ou seja, a Guarda Nacional pra colocar ordem nas justas manifestações.
Os cavaleiros do Poder não seriam chamados pra bater, ou atirar nos manifestantes, mas pra protegê-los contra os vândalos, os bandidos, os espiões, infiltrados. Aliás, já me perguntaram várias vezes: o que pretendo afirmar quando cito "espiões"?
Isso mesmo que todos entenderam: grupos ligados a partidos, inclusive dos que dão sustentação ao governo, com a finalidade de criar o clima hostil próprio pra mudanças contrárias àquelas que colocaram o povo nas ruas.

ENQUANTO ISSO, NO PAÍS DA FIFA...

(Agência Estado)

Um grupo de torcedores foi ao Estádio de Pituaçu na tarde desta sexta-feira, em Salvador, para tentar acompanhar o treino da Seleção Brasileira. Como não pôde entrar no local, a torcida chegou a vaiar quando o ônibus da delegação foi embora. Depois disso, o técnico Luiz Felipe Scolari revelou, em entrevista coletiva, que a CBF levou uma bronca da Fifa e que não poderia mais abrir os treinamentos para o público até o final da Copa das Confederações.

DESCUMPRIMENTO DE ORDENS


Na última segunda-feira, a comissão técnica da Seleção Brasileira descumpriu as determinações da Fifa e liberou a entrada do público no treino no Estádio Presidente Vargas, em Fortaleza. Segundo Felipão contou nesta sexta-feira, a entidade não gostou da atitude - foi o próprio treinador quem mandou abrir os portões do local para que os quase cinco mil torcedores pudessem entrar e incentivar os jogadores antes da partida de quarta contra o México.
"Quero deixar claro uma situação que está envolvendo a seleção e que não compete à seleção ou à CBF. Fomos repreendidos pela Fifa pelo treino aberto em Fortaleza. Digo novamente a todas as pessoas: não vamos mais abrir o treino. Não somos nós, não sou eu. Não queremos passar por vaias e por situações que não são nossas. Fomos repreendidos e não queremos errar novamente", afirmou Felipão.(foto Folha Press).
Como não conseguiram entrar no Estádio de Pituaçu para ver o treino desta sexta-feira, centenas de torcedores ficaram do lado de fora e, quando o ônibus da delegação deixou o local, não pouparam as críticas. Foram ouvidas vaias e gritos de "time sem vergonha". Teve até gente que gritou "Itália", como que apoiando o adversário do Brasil no jogo deste sábado.

SUA MAJESTADE SUMIU?
                                        

Dizem que após aquelas vaias no Mané Garrincha, o presidente da Fifa Joseph Blatter pegou seu jatinho e se mandou de volta. Foi acompanhar, segundo seus assessores, a abertura do mundial sub-20. Sei lá se isso é vero! Só sei que ele deixou o Primeiro Ministro "Chutador de Bundas" aqui, com aquela ironia de sempre.-Foto de Ari Versiani-AFP Photo.


AGÊNCIA ESTADO; De novo a Trincheira se apoia na Agência Estado pra informar aos inúmeros e ávidos leitores sobre a situação vigente no Quintal da Fifa.
O secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, afirmou que pediu mais segurança ao governo para a realização da Copa das Confederações. Mas insistiu que o torneio irá até o final. Segundo ele, a Fifa é o "alvo errado" das manifestações. "Não temos responsabilidade", insistiu.
Valcke falou com um pequeno grupo de jornalistas brasileiros após se reunir com membros do Comitê Executivo da Fifa e com a CBF, entre eles Marco Polo Del Nero. "Pedimos a segurança que nós precisamos para ter o torneio até o final", disse.
 O dirigente ainda saiu em defesa da Fifa, diante do fato de que manifestantes de todo o país o atacam pelos gastos com a Copa do Mundo. Ele insistiu que a situação precisa estar resolvida para 2014 para o Mundial.
"Eu espero que isso não dure até 2014", disse. "O Brasil terá de resolver o problema. A Fifa não tem a ver com isso. A Fifa não tem nada que resolver. Nós somos o alvo errado (das manifestações) e não somos as pessoas com quem tem de falar".

(Epa! Isso me pareceu uma ameaça bem clara).

Valcke também deixou claro
que, apesar de o nome da Fifa ser amplamente citado nas ruas, o assunto não é dele. "É um problema do Brasil, não um problema da Fifa".

( Disse o óbvio. Aliás, a Fifa já tem mandado demais; se tivesse, ainda, que resolver nossos problemas financeiros, seria melhor entregar logo a presidência do País, também,  ao Blatter.)

Questionado se não se sentia pego no meio dos protestos, ele apenas lamentou. "É uma pena. Não fizemos nada para estar no meio disso", disse.
"A Copa das Confederações está ocorrendo no Brasil e a Copa terá de ocorrer no Brasil. Vamos garantir que ocorra da melhor maneira possível", disse Valcke.
Perguntaram: " Haveria uma alternativa de levar a Copa pra outro País?"
Valcke deu aquele conhecido sorriso cínico e respondeu: "Não há plano B".

(Agora sim, está com uma vontade doida de dar um chute no traseiro tupinquim)


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.