terça-feira, 4 de junho de 2013

JOGO DE ALTO RISCO NA ARENA DO JACARÉ

 Leio aqui no site Uol que o técnico do Cruzeiro, Marcelo Pacote Oliveira, não aceita menos que duas vitórias seguidas nas partidas que seu time joga em casa, nesta quarta-feira contra o Corinthians, e no sábado contra o Internacional. Os jogos serão na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas. Creio, que neste estádio, os azuis têm bom saldo positivo.
Daí a exigir o treinador duas vitórias seguidas contra dois gigantes há uma diferença enorme. Não se trata do Campeonato Mineiro. No Brasileiro, a pressão campo e torcida fica fora do gramado.
Os adversários que agora nos visitam estão acostumados a todo tipo de pressão. São velhos disputantes e campeões de Libertadores. Atuam, também, em gramados horríveis, estádios precários e passam por todo tipo de privação. O que, com certeza, não encontrarão na Arena do Jacaré, estádio cuidado com zelo pela ADEMG comandada por Ricardo Raso.
Por falar nisso, que saudade do Ricardo Raso e sua equipe no Mineirão!

GALO USA MISTÃO NO RIO

Bem desfalcado, porque Cuca na sua política de preservar algumas estrelas e com as ausências de outras na Seleção Brasileira, o Atlético jogará contra o Vasco da Gama em Volta Redonda nesta quarta-feira, sem suas peças mais importantes: Rever, RG-10, Bernard e Tardelli. Pode-se esperar o que deste time? Nem o próprio Cuca sabe. Confia na fragilidade do clube cruzmaltino em fase de recuperação no comando de Paulo Autuori.
No momento, o grande desfalque é Tardelli que não deixou o ritmo cair. Porém, confessou-se sob enorme estresse de cansaço e psicológico. Talvez desse pra encarar o jogo desta noite, com um pouco mais de boa vontade. Afinal, após esta partida, o Atlético terá Grêmio, em casa, e Santos, fora, pra na sequência ganhar enorme folga com a Copa das Confederações.
Todavia, não vejo em nenhum jogador atualmente em atividade no País que queira fazer sacrifício, mesmo nos momentos mais importantes, pelo seu time. Costumo brincar que até caspa bota os caras no DM. Céus!

POLITICAGEM
                             &
                               BOTEQUIM

Deu na Gazeta Press: "Protagonista do tetracampeonato de 1994, o ex-atacante Romário, atual deputado federal, descartou a possibilidade de ver a Seleção conquistar a Copa das Confederações e o Mundial de 2014. Em entrevista à Revista Marie Claire, ele ainda criticou José Maria Marin, presidente da CBF.
"Se a Copa fosse hoje, o Brasil não 
ganharia. A Copa das Confederações, também acho que não temos condições de ganhar. O que o Brasil joga hoje está muito distante do que precisa para ser campeão mundial", declarou o jogador à publicação voltada ao público feminino.
Como deputado federal, Romário tem combatido intensamente José Maria Marin, sucessor de Ricardo Teixeira na presidência da CBF. Como de costume, o antigo centroavante da Seleção Brasileira criticou asperamente o dirigente, que também comanda o Comitê Organizador Local (COL) da Copa de 2014.
"É um ladrão! Ladrão não é só quem rouba banco, não. Esse cara não tem postura para ser presidente da CBF", disparou Romário. O ex-jogador ainda lembrou a ligação de Marin com o governo militar e recordou que o dirigente embolsou uma medalha durante a premiação da Copa São Paulo, em 2012. 
Questionado se está disposto a assumir a presidência da CBF, Romário não descartou totalmente a hipótese. "Não. É grande a possibilidade de eu me candidatar de novo a deputado federal. Quem sabe, daqui a quatro anos eu não me arrisque? Hoje, ainda não", declarou.

LÍNGUA FERINA

Antes, sem o resguardo de qualquer invencionice nacional pra defender detratores de casaca, Romário já era uma língua ferina. Víbora pura; de veneno letal. Imaginem agora, atrás da imunidade parlamentar! Descascou Ricardo Teixeira e ponto de todo mundo afastar-se dele. Até a Globo o deixou desamparado, pendurado na brocha à parede. Sem Ricardo, sua metralhadora virou-se pra Marin. E cheio de razão!

É O QUE DIZEM...

José Antônio _ BH - "Caro Flávio, o Atlético jogou até agora trinta partidas, incluindo o mineiro, libertadores e brasileiro. Importante frisar que a maioria não jogou as trinta partidas, nem o goleiro.Cada partida tem uma hora e meia de duração. Portanto, temos ai um total de 45 horas trabalhadas.
 E já estão cansados? A metade do ano ainda nem terminou. Importante ressaltar, que esses trabalhadores, tem uma alimentação de primeiríssima qualidade dormem nas melhores acomodações, só viajam de avião, e tem a melhor assistência médica que um brasileiro pode desejar.

CONVITE À ANÁLISE

Convido-o a fazermos uma comparação: Os garis da SLU, trabalham oito horas por dia, o que representa mais de quarenta horas por semana, correndo atrás do caminhão o tempo todo que está recolhendo o lixo, a maioria come mal, e dorme sabe Deus como.
Acho que o Cuca, que gosta de motivar seus jogadores, deveria passar um vídeo desses trabalhadores. Quem sabe assim os jogadores antes de dizer que estão cansados, pensem que a maioria dos brasileiros trabalha 44 horas por semana, comem mal e quando precisam de médico, morrem nas filas das UPAS.
Se estão cansados agora, como vão conseguir disputar mais 36 rodadas do brasileiro e ainda a copa do Brasil? 
Acho que a imprensa esportiva, não devia aceitar estas desculpas como pano de fundo para encobrir o que não está sendo feito. Mas, é a primeira a dizer que os jogadores estão cansados. Será cansaço ou levando tipo de vida incompatível com a profissão que escolheram.

RESPOSTA DA TRINCHEIRA

Caro José Antônio. Também, não acho justo transferir à imprensa qualquer responsabilidade. Até porque ela não convive nos mistérios dos times, apenas no dia-a-dia. Lá dentro existem profissionais capazes pra julgar o problema de cada um. Também não gosto de comparações. Cada profissão tem um desgaste físico e psicológico. Respeito sua opinião, mas me permito não concordar com ela. Abraços.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.