quinta-feira, 29 de agosto de 2013

URSO BRAVO COSPE FOGO CONTRA ARBITRAGEM MAROTA DO GOIANO


                             Os atleticanos reclamaram bastante da arbitragem e do cinismo do goiano.(Foto de                                       Rodrigo Clemente/DA Press - Superesportes)


No seu melhor estilo, o presidente do Atlético, Alexandre Kalil, soltou o verbo após o empate do Atlético contra o Botafogo quarta-feira, no Independência, por 2 a 2. Sem medir palavras, o presidente do Galo disparou contra a arbitragem de Wilton Pereira Sampaio e a Confederação Brasileira de Futebol.
O mandatário atleticano reclamou da força política dos clubes cariocas na CBF. “A verdade é que no Rio de Janeiro não precisa pagar salário não. Eles botam um engravatado no meio daqueles babacas da CBF para eles virem fazer isso aqui hoje. É isso... Então, para que pagar salário? Estão com quatro meses de salário atrasado e vão entrar em greve semana que vem. Para que pagar salário? Porque tem esse bando de vagabundo lá apitando. Isso é um vagabundo, ladrão”, afirmou.
Kalil também sugeriu que Antônio Pereira da Silva, chefe da comissão de arbitragem da CBF, deixasse o cargo. “Esse Tonhão deveria pegar o bonezinho dele e ir embora. A arbitragem piorou depois da saída do Ricardo Teixeira não foi pouco não. Foi muito. Então, em um Atlético x Portuguesa, eles botam um Vuaden para apitar aqui. Vamos raciocinar, ter um pouquinho de maldade. No Atlético x Portuguesa, vem o Vuaden, tido um dos melhores do Brasil. Nas oitavas de final, vem esse sujeitinho operar o Atlético na barba de todo mundo. Para que  time carioca paga salário? Eles pagam um gravatinha para ficar lá na CBF, segunda, terça, quarta, quinta e sexta. E a CBF mudou para muito pior”, disse.
O Atlético reclama de pênaltis não  marcados a seu favor, além de um cartão vermelho não dado para Bolívar, no primeiro tempo, após falta em Fernandinho. (Superesportes)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.