quinta-feira, 19 de setembro de 2013

QUE BONS VENTOS NÃO PAREM DE SOPRAR PROS LADOS DA TOCA!

O pacote de emoções oferecido ao torcedor que prometia lotar o Mineirão foi aberto, aos poucos, durante o jogo Cruzeiro, líder do Brasileiro, e Botafogo, vice líder.
Desamarrados os barbantes, o pacote explodiu numa tresloucada alegria em azul, amarelo e branco com a vitória por 3 a 0 do time de Marcelo Oliveira.
Foi a sua melhor atuação na competição e uma noitada de futebol da melhor qualidade.
Objetivo alcançado: o Cruzeiro põe sete pontos de frente no vice, ainda o Botafogo - 49 a 42 - e 11 sobre o terceiro, 38, o Grêmio. Boa margem de gordura.

METÁFORA PRA MARCELO

    Este filho do Sodico com Marcelo Pacote acertando detalhes táticos pro jogo contra o Botafogo. A      dupla funcionou bem, né?

Criei a metáfora do "Pacote" até pra homenagear Marcelo Oliveira que herdou do pai o apelido "Pacote", que os amigos conhecem e usam.
Como ele me havia adiantado, em off, no programa do Kleyton Borges na Líder FM de Itaúna, Marcelo apostou na alteração que fez - Ceará no lugar de Maike.
Eu não a faria. Mas ele acreditou na experiência de Ceará e se deu bem.
Apostou na velocidade de Ricardo Goulart, Everton Ribeiro e William. De novo acertou.
Apostou na capacidade de marcação de Nilton e Lucas Silva e por ali venceu a partida. Lucas anulou Seedorf, o incrível Clarence Seedorf.
Dentro da sua limitação defensiva Egídio foi outra aposta de Pacote, que deu certo. Bem como a zaga Dedé e Bruno Rodrigo que ganhou todas, por cima e por baixo, exceto naquele pênalti infantil de Bruno. Fábio, falar o quê? É feijão sem bicho.

CHORO DE PERDEDOR

O técnico Osvaldo de Oliveira, do Botafogo, chorou o pênalti chutado pra fora por Clarence Seedorf, aos 13m do segundo tempo, quando o jogo estava em 1 a 1. Azar dele.
No entanto, no pênalti de Bolívar em Everton Ribeiro, reclamou corretamente o erro de marcação do juiz Luiz Flávio de Oliveira.
Aos 37m, Júlio Baptista bateu forte, colocado, Jefferson foi na bola. Mas não conseguiu desviá-la, tal a violência do chute.
Azar do  goleiro botafoguense, sorte do atacante azul. Coisa de time com pinta de campeão.
Os dois lances retratam bem a fase do Cruzeiro. Os bons ventos enviados pelos deuses do futebol sopram pros lados da Toca da Raposa.
Tomara que fiquem assim até o final da disputa.
No entanto, o Botafogo pegou rebarba nesses ventos porque no primeiro tempo, vencido pelo Cruzeiro por apenas 1 a 0, aquele golaço de Nilton - sei lá se de voleio, de calcanhar voador - o placar não representou a voracidade ofensiva do time de Marcelo.

MEXIDAS DÃO CERTO

Enquanto os cariocas apelavam pro talismã Hyuri, jovem do momento nas manchetes da imprensa do Rio de Janeiro, Marcelo Pacote foi no básico.
Nilton lesionou-se e entrou Henrique. Aos 26m do segundo tempo, veio Júlio Baptista no lugar de Borges e depois Dagoberto no de Ricardo Goulart.
Então prevaleceu o melhor banco de reservas. Júlio Baptista cobrou o pênalti e aos 44m marcou seu quarto gol na competição.
Tabela com Dagoberto, em velocidade, drible no adversário e chute de perna esquerda, sem defesa. Cruzeiro 3 a 0.
A previsão que fiz no programa Jogada de Classe no dia da partida confirmou-se: o Cruzeiro deu um sapeca iá-iá no Botafogo.
Usei a expressão do comentarista PCV do Sportv, tido como botafoguense de coração. Azar dele!

CLÁSSICO DO MORUMBI

Cuca decidiu manter o time que havia vencido o Grêmio (1 a 0), em Porto Alegre, pra segurar a invencibilidade de 10 partidas no Brasileiro. Deu certo não.
O São Paulo, invicto desde a chegada de Murici Ramalho, com três vitórias seguidas, tinha objetivos maiores: sair da rabeira da classificação.
Por isso usou mais o coração na partida e venceu por 1 a 0, gol de Wellinton, aos 26m do primeiro tempo. Placar pequeno de um jogo pequeno.
Os são-paulinos jogaram melhor no primeiro tempo, com Wellinton pelo lado esquerdo em cima de Marcos Rocha, pouco preocupado com a marcação.
Na parte ofensiva, Rocha teve a grande chance de empatar o jogo, ainda, no primeiro tempo. Jô driblou dois e rolou pra ele, na cara de Ceni. Chutou por cima da meta.

PIOR AINDA

O segundo tempo foi mais fraco tecnicamente. Cuca tentou melhorar tirando Pierre pra entrada de Donizete, voltando após longo período de recuperação.
No mesmo instante, aos 25m, Cuca colocou Luan no lugar de Tardelli, que não gostou e saiu balançando a cabeça no sinal negativo.
Por fim, ousou com a presença de Dátolo no lugar de Junior César. Nada funcionou e o São Paulo ainda perdeu gol incrível com Luiz Fabiano, aos 44m.
Vou concordar com Márcio Resende de Freitas, comentarista global: " Leandro Pedro Vuaden fez uma arbitragem política". Ou seja, bem ruim.

ASSESSORIA DO COELHO AVISA

Nota que a Assessoria de Imprensa do América distribuiu aos coleguinhas de todas as emissoras de rádio, tevê e, também, sites e jornais.
"Indignada com a arbitragem do jogo contra o Icasa, terça-feira (17/09), na Arena Independência, a Diretoria do América agiu rapidamente e solicitou que a FMF interviesse para que o árbitro paraibano Renan Roberto de Souza não apitasse o jogo contra o Oeste, na próxima sexta-feira, em Itápolis, conforme havia sido determinado pela CBF". 
"Além de falhar na parte disciplinar, Renan Roberto de Souza cometeu erros capitais. Ele permitiu que o adversário cometesse 21 faltas no primeiro tempo, mostrando apenas um cartão amarelo".
"Ele também invalidou um gol de Alessandro, alegando impedimento bastante duvidoso do atacante".
"No lance que originou o segundo gol do Icasa, o atacante Tadeu recebeu a bola em posição de impedimento. Em seguida, o atacante se jogou ao receber o combate do volante Juninho em clara simulação de falta, marcada pelo árbitro".
"Mas só o fato da repetição do árbitro na escala três dias depois de apitar o jogo na Arena Independência, já causou estranheza à Diretoria".
"Assim, nesta quarta-feira, a Diretoria americana procurou o Diretor de Arbitragem da FMF, José Eugênio, que concordou que os erros gritantes do árbitro foram determinantes para o resultado da partida e solicitou a troca do árbitro".
"No novo sorteio realizado hoje à tarde na sede da CBF, foi escalado o carioca Wagner dos Santos Rosa. Ele será auxiliado por Fernanda Colombo Uliana e Valdebranio da Silva".

Opinião da Trincheira: essa CBF é descarada demais! O cara vem aqui, dá serviço no América e é premiado com novo jogo, logo em seguida! Mandou bem a diretoria do América e agiu rápido. Pena que nesse tal sorteio sempre trocam seis por meia-dúzia!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.