domingo, 24 de novembro de 2013

DEPOIS DO DEDÉ SÓ FALTAVA UMA TRAPALHADA DO TAMANHA DESSA DO JULIO BAPTISTA.



Julio Baptista dá explicações ao diretor do Cruzeiro - Foto de Rodrigo Clemente - DA Press/Superesportes

Clube da província, sem respaldo da Rede Globo e da CBF, deve conquistar seus títulos nacionais, de preferência na última rodada da competição sem massacrar a arrogância dos chamados grandes.
Como fez o Cruzeiro este ano.
Não lhe será nunca dado tranquilidade pras comemorações.
A turma do lado do Mal haverá sempre de procurar emendas legais ou ilegais pra levantar suspeitas e, se possível, tomar-lhe o título.
Inda mais quando existe colaboração de atletas do dito clube pra provocar fofocas e confusões. Que monte de asneiras fizeram Dedé, Júlio Baptista, Comissão Técnica e diretoria do Cruzeiro!
Quando Marcelo Pacote Oliveira liberou Dedé do jogo contra o Vasco da Gama no Rio de Janeiro já gerou dúvida: o Cruzeiro pretende ajudar o Vasco a sair do rebaixamento?
O motivo alegado por Dedé, ligações sentimentais com o Vasco, é tão absurda e amadora, que não merece maior análise.
Dedé saiu do Vasco a peso de ouro pra ajudar ao Vasco pagar dívidas.
Suas obrigações agora são com o Cruzeiro em troca de enorme salário, e pra cumprir contrato de atleta profissional de futebol.
Sua fuga colocou a torcida em dúvida: será sempre assim com o Dedé?

OUTRA ESTUPIDEZ

A atitude de Júlio Baptista flagrada pela transmissão de TV  partida de sábado, contra o Vasco, é vergonhosa e enche de preocupação a torcida celeste.
A televisão gravou o vídeo no qual Júlio Baptista aparece dizendo ao zagueiro do Vasco, Cris, ex-Cruzeiro: "Faz logo outro  gol", quando o jogo já estava 2 a 0 pros cariocas.
 Nem Dedé nem JB têm qualquer registro na história cruzeirense antes. São dois profissionais que vieram aqui ganhar dinheiro e esperava -se mais responsabilidade deles.
Me lembrei de idêntico episódio, envolvendo Edmundo Animal, Vasco e Cruzeiro. Animal veio pra Beagá, porém não se desligou do Vasco. Tudo bem, direito dele.
Contudo, numa partida em São Januário disputada logo após ele fazer profundas declarações de amor ao Vasco, chutou o pênalti que daria a vitória ao Cruzeiro nas mãos do goleiro.
A displicência da cobrança gerou revolta tão grande que a diretoria não teve outro caminho senão dispensar o tal Animal, hoje fazendo um bico mal feito, como comentarista da Band.

LEITURA LABIAL

Os elegantes craques forasteiros mancharam a conquista do Cruzeiro. A Comissão Técnica ajudou por omissão e por tratar tais jogadores com privilégios absurdos.
A diretoria errou ao apoiar as decisões equivocadas da diretoria e por não agir a tempo de evitar com a bobagem de Júlio Baptista, experiente atleta internacional, ganhasse a repercussão.
Não é notório que os jogadores agora quando se falam em campo colocam a mão na frente da boca pra evitar leitura labial? Por que então o "experiente" Júlio Baptista caiu nessa?

FUTURAS CONSEQUÊNCIAS

Querem saber, meus caros leitores, no que resultará tudo isso?
Na encheção de saco pros torcedores. Os adversários dirão que o Cruzeiro entregou de propósito o jogo pro Vasco (2 a 1).
E terão, através da leitura labial de JB, motivos a mais pra duvidarem do arcabouço moral do Cruzeiro de hoje tricampeão brasileiro.
Assentarão suas certezas de boa convivência e de acertos entre Cruzeiro e Vasco, nas contratações de Dedé, de Nilton, na passagem de Marcelo Oliveira por lá, nas liberações de atletas como Pedro Ken, Bernardo, Alisson, Thiaguinho, da Toca pra São Januário.



E perguntarão: se nenhum clube permite que atleta seu emprestado ao adversário atue no jogo entre eles, por que o Cruzeiro deixou Pedro Ken, autor do segundo gol vascaíno, jogar sábado?
Por fim: preparem, torcedores, pra encheção de saco. O procurador geral do STJD, Paulo Schmitt, também se manifestou.
Para ele, é improvável que tenha havido alguma manipulação de resultado. Apesar disso, o vídeo será analisado pra que haja uma definição de uma denúncia ou investigação sobre o caso. 

Ou seja, a questão irá pro STJD. Digamos que decidam exumar o título do Cruzeiro, em nome da "moralidade" que dizem exigir no futebol brasileiro?

 

REAÇÕES COMEÇAM

 

Segundo vários sites, "a imagem suscitou a polêmica de que o Cruzeiro pudesse ter “facilitado” a vitória do Vasco, que briga desesperadamente para não ser rebaixado à Série B."

"Júlio Baptista e Cris garantem que a discussão girou em torno de um pedido do zagueiro para o Cruzeiro parar de pressionar."

"Como resposta, o armador celeste teria dito para o Vasco fazer o terceiro gol, se quisesse tranquilidade na partida" . Céus, é réu confesso, então.
Outro site, informa que "alguns clubes que brigam contra o rebaixamento se manifestaram sobre a situação. O Bahia promete fazer um pedido de explicações à CBF sobre a atitude de Júlio Baptista.

O gerente de futebol do Criciúma, Cícero Souza, lamentou a situação. “Há muitos clubes envolvidos na parte de baixo da tabela do Brasileirão. Não pode um atleta de forma irresponsável fazer o que o Júlio Baptista fez”, disse o dirigente à rádio Gaúcha.

DESCULPA DE SEMPRE

 

Admitamos que Julio Baptista seja primário, realmente. Que nunca envolveu em polêmica e que seu ato no jogo contra o Vasco foi mera brincadeira. Porém, como ficam o clube e a torcida?

São perguntas em excesso, que Júlio jamais poderá esclarecer.
Segundo disse, "não deixarei ninguém denegrir minha imagem por coisas que não venham do futebol". Ledo engano, meu Bom. A coisa veio, mesmo do futebol.
E ele que rodou pela Espanha, Itália e sei lá mais aonde não desconhece que situações como essas comprovadas pela leitura labial viram processos e os culpados são duramente punidos.
Quem tem 14 anos de carreira, sem nenhum ato de indisciplina, não deveria se permitir envolver numa besteira tão grande na frente das 14 câmeras de tevê da Rede Globo.
E que no fim de tudo, na hora de passar a régua e fechar a conta, a Imprensa não seja a única culpada. Ela não trocou confidências com Cris e se esqueceu de tapar a boca...

SHOW DE TARDELLI

O Goiás entrou no gramado do Independência certo que não seria nenhuma vítima do Atlético. Enquanto o time de Cuca tinha na cabeça treinar pro Mundial, o Goiás vinha com a missão de manter-se no G-4 e pegar uma vaga pra Libertadores ano que vem.
Só não contava com a noite inspirada de Diego Tardelli, ainda com esperança de entrar na lista de convocações de Felipão pro Mundial no Brasil em 2014.

Cara, o que jogou o moço Tardelli foi brincadeira! Não fiquemos apenas nos três gols, de feitura bem pessoal que ajudaram na goleada por 4 a 1 sobre os goianos. Também convém olhar pra sua atuação tática, perfeitamente adaptado ao esquema novo de Cuca, sem RG10.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.