domingo, 1 de dezembro de 2013

RAPOSA COM TAÇA NA MÃO PÕE FIM NO BRASILEiRO PRA MINAS. AGORA A CORRENTE É PELO GALO NO MUNDIAL DE MARROCOS

 
A taça de Campeão Brasileiro de 2013 já está no Barro Preto entregue à visitação pública. Apesar da derrota por 2 a 1 no jogo contra o Bahia, a torcida azul não quis nem saber.
 Lotou o Mineirão, fez festa colorida, cantou o hino do clube e bebeu o chope distribuído pela diretoria no entorno do estádio.
Passou a régua e fechou a conta pela madrugada adentro na programação festiva da conquista do tricampeonato.  
O Cruzeiro tem, ainda, um compromisso, no próximo domingo, contra o Flamengo, no Rio. Jogo de cumprimento da tabela para os dois times.

GALO EM MARROCOS

Bem que o Fluminense quis transformar o jogo de sábado numa guerra sob o olhar condescendente do capixaba Marcos André da Cunha. O Atlético de cara teve duas baixas.
Porém, Cuca foi inteligente ao administrar a partida, sem perder o compromisso de cumprir a responsabilidade do time no campeonato.
Não pediu que os seus rapazes evitassem as bolas divididas por causa do Mundial Inter Clubes, este mês em Marrocos. Tirou Marcos Rocha e Pierre quando foram atingidos pela violência tricolor.

DEUSES DO FUTEBOL

A derrota pro Bahia, ainda bem, que veio na penúltima rodada da competição. Porque jogo deixou alguma impressão que os deuses do futebol já estão a fim de abandonar o atual barco cruzeirense com o dever cumprido.
Tudo deu errado para o time de Marcelo Pacote Oliveira. A começar pelas lesões sofridas por Everton Ribeiro e Ricardo Goulart já no primeiro tempo.
Além de tomar gol aos 14m, marcado por Marquinhos, num erro de Dedé e jogada de apenas três toques: goleiro Lomba, Fernandão e chute de Marquinhos.
E, meu Bom, teve mais coisa: o pênalti escandaloso de Titi em Dagoberto, lance no qual o árbitro e o seu assessor de fundo de campo comeram mosca.
E Márcio Resende de Freitas, na TV Globo, como sempre, afirmou que não houve.

MUDANÇAS OBRIGATÓRIAS

Na contusão de Ricardo Goulart, Marcelo Pacote Oliveira colocou William. Aos 37m, quando saiu Everton Ribeiro, Pacote entrou com Júlio Baptista, que até entrou bem no jogo.
No segundo tempo, os deuses mostraram que estavam contra a festa antecipada dos celestes. Borges perdeu gol na cara da meta.
Júlio Baptista mandou duas cabeçadas violentas e o goleiro baiano Marcelo Lomba fez defesas incríveis.
Teve, também, gol de Souza anulado, porque a assistente que corre na frente das cabines de rádio viu impedimento do volante.
E mais da metade da segunda etapa foi assim: Cruzeiro chutando e Marcelo Lomba defendendo.
Até que Pacote colocou Vinicius Araújo no lugar de Borges e o faro de goleador do menino funcionou.
Empatou a partida, após cabeçada de Dedé, e chutou Marcelo Lomba mais bola pras redes. Estava escrito, no entanto, que a vitória não seria azul. Aos 44m, Anderson Talisca fez 2 a 1 Bahia.

GALO COMEÇA E TERMINA

O Galo fez 1 a 0 na velocidade de Fernandinho e no talento de Tardelli que tocou pras redes a joga do ponta pela esquerda, aos 10m do primeiro tempo.
O Fluminense foi escalado por Dorival Júnior com uma tropa de choque. Aos 37m, na bola aérea, no abafa, Gum empatou.
A torcida de 40 mil tricolores incendiou o Maracanã. E o narrador do Sportv, Luiz Carlos Júnior, tricolor confesso, também. 
No segundo tempo, Biro Biro entrou livre e fez a virada pra 2 a 1, aos 9m.
A torcida tricolor já comemorava a vitória, excelente na sua luta pra sair da ameaça do rebaixamento, quando o Galo empatou aos 37m numa cabeça de Alecsandro que entrara no lugar de Michel.
E teve o maior dos sustos num chute de Tardelli de fora da área que acertou a trave direita de Cavalieri.
O Fluminense agora terá de resolver seu problema contra o Bahia, que se safou diante do Cruzeiro, no Mineirão. O jogo será em Salvador.

DERROTA NÃO INCOMODA

Claro que os jogadores e Marcelo Pacote gostariam de vencer o Bahia pra colocar mais foguete na festa do tricampeonato. Não deu. Mas a derrota não tirou o ânimo da moçada.
A cerimônia da entrega da taça e das medalhas, a volta olímpica de Fábio e seus companheiros foram feita debaixo de muito foguetório, merecidamente.
O objetivo maior já estava alcançado: outro título brasileiro, com uma diferença sensacional sobre os demais concorrentes no G-4, pra alegria dos 50 mil torcedores presentes no Mineirão. 

QUE CHATICE, GENTE!

O Sportv abriu sua transmissão de Fluminense x Atlético com meia hora da antecedência.
O goleiro Cavalieri fazia aquecimento e teste pra saber se jogaria. Então começou a chatice do narrador Luiz Carlos.
No aquecimento e durante a partida ele repetiu 43 vezes que Diego Cavalieri havia levado sete pontos no polegar da mão esquerda por causa de um acidente caseiro.
A cada defesa do goleiro tricolor – e foram várias – com a mão esquerda. Em delírio, ele repetia a informação.
Outra declaração dele e de seu companheiro Lélio Carmona quase empatou com essa do Cavalieri: a vitoriosa recuperação do Fluminense, em 2009, com 99% de chances de cair e foi salvo por Cuca.
"O Fluminense foi um time de guerreiros em 2009". Esta frase foi repetida 36 vezes.

QUEM SE SAFOU

O Bahia conseguiu heroicamente safar-se do descenso com a vitória sobre o Cruzeiro. Chegou a 48 pontos e talvez isso seja uma boa vantagem pro Fluminense domingo em Salvador.
O Fluminense tem 43 pontos e está dentro da Z-4. A rodada definiu que a Ponte Preta caiu pra segunda divisão e que um time carioca seguirá seu passo. Ou talvez dois: Vasco e Flu.
O Vasco com 44 pontos, também dentro do Z-4, joga contra o Atlético Furacão, em Curitiba. Sua ameaça é enorme, porque o Furacão corre, ainda, atrás de uma vaga na Libertadores.
Apesar de vencerem na rodada, Criciúma, que bateu o SP por 1 a 0, gol de pênalti inexistente cobrado por Wellington Paulista., e Coritiba que fez 2 a 1 no Botafogo, correm grande perigo.
Na última rodada, o Criciúma, 45 pontos, vai ao Rio de Janeiro jogar contra o Botafogo, este de franco atirador. E o Coxa, 45,  joga em casa contra o São Paulo. Ambos estão bem ameaçados.

LIBERTADORES

O Grêmio garantiu sua participação na Copa Libertadores do próximo ano, ao lado do Atlético, Flamengo e Cruzeiro, ao vencer o Goiás por 1 a 0.
Se a Ponte Preta vencer a Copa Sul Americana cuja final disputará contra o argentino Lanus, a G-4 se transformará em G-3.
O Santos venceu o Atlético Paranaense por 2 a 1 que disputará as duas últimas vagas com o Goiás, caso a hipótese da Ponte não se concretizar.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.