segunda-feira, 12 de maio de 2014

MORENO, SUSPENSO NO BRASILEIRO, PODE JOGAR NA DECISÃO DA LIBERTADORES CONTRA SAN LORENZO



A ordem na Toca da Raposa é esquecer o clássico e seus dissabores com a arbitragem. O foco agora é a Libertadores e os dois gols que o Cruzeiro precisa fazer sobre o forte esquema defensivo do San Lorenzo pra continuar vivo na Copa da Libertadores em busca do tricampeonato continental. Pra isso, o quase figurante Marcelo Moreno voltou a ser personagem por causa dos três gols que marcou nos últimos jogos.Contudo, pelos treinamentos Pacote dá preferência aos seus amigos de sempre - Júlio Baptista e Borges. E o Cruzeiro precisa de gols.

Segundo informou a diretoria celeste aquela confusão que o trio de árbitros provocou no Independência domingo não será esquecido. Como escrevi na Trincheira de ontem, essas arbitragens ruins têm acontecido na maioria dos jogos. Nesta rodada, então, o que houve de reclamações de gols em impedimento foi um festa.

Concordo que o Cruzeiro foi o mais prejudicado pela arbitragem danosa de Heber Roberto Lopes, que nunca apitou nada certo na vida, e de sua auxiliar Fernanda Colombo Uliana. Quanto a Heber exigir a aposentadoria dele ou seu afastamento pra Série B, é uma boa porque se fica livre da sua grossura.

A moça é jovem e pode passar por uma reciclagem. Além disso, sua beleza não deve se confundir com sua capacidade. Se ela apitar bem, não é porque é bonita. Ou vice-versa. Apita mal, porque é loura e bonita. Entenderam? Contudo, houve precipitação na sua indicação pra trabalhar num clássico estadual de enorme rivalidade.

Pela televisão, e somente por ela, pude constatar que o pênalti sobre Léo Silva foi esperteza do beque atleticano. Ele dobra as pernas e cai quando Léo encosta nele. Não houve puxão coisa alguma. Houve o pênalti de Otamendi, que puxou e tomou a bola de Luan ao pular perigosamente de carrinho e sair escorrendo pelo gramado, braço esquerdo estendido. Tirou vantagem do lance.
As expulsões foram justas e corretas e aquele impedimento de Alisson marcado pela Fernanda Colombo foi um escândalo. Não sei se faria o gol, pois iria enfrentar cara-cara o São Victor. Isso não conta, no entanto.

Página virada no clássico apesar de ter rendido assunto pra semana toda. Contudo, por dever de ofício, não há como esquecer a quarta-feira e o encontro Cruzeiro x San Lorenzo. Para os atleticanos, entretanto, que não estarão no bloco de "O Cruzeiro é o Brasil na Libertadores", continuar rindo da choradeira no clássico ainda é assunto para os próximos 15 dias.

O QUE DISSERAM...

Francis Bicca - BH - No dia das mães, um dos dirigentes do Cruzeiro deu aula de sexismo, machismo e preconceito da pior maneira possível - nota da Trincheira: o referido diretor é Alexandre Mattos. Veja a afirmação dele:
"Se é bonitinha, que vá posar para a (revista) "Playboy", não trabalhar com futebol." 

Absurdo! Eu como cruzeirense fiquei bravo(ainda estou) com a bandeira Fernanda Colombo Uliana, mas como ficaria com outro bandeira que errasse um lance capital contra meu time . Porém, essas palavras do dirigente do meu time mostram como somos atrasado em relação a aceitação da mulher em redutos então masculinos. Péssimo! A atuação dela realmente foi ruim, e errou em lance capital, mas a forma da crítica do dirigente demonstra uma preconceito, um sexismo que superou o erro da bandeira. Nota zero Alexandre Mattos pelo seu comentário . Ela errou porque realmente ainda não tem preparo pra atuar em tão alto nível, mas vaticinar que por ser bela só pode posar para Playboy foi o pior presente que sua mãe (a da bandeira e do dirigente ) poderia receber . 

Humberto Hott - Caratinga - pelo Facebook - " Começaram mais cedo este ano, porque se deixar para o final, nem a CBF tira o tetra do Cruzeiro. Indiscutivelmente o time mais bem preparado deste Campeonato".

FALTA DE ÉTICA
 
Eu tenho profunda admiração por Ney Franco. Não apenas por sua humildade, mas pela capacidade, por não se perder no tempo e ser estudioso das mudanças no futebol. Além do que o considero meu amigo e meu conterrâneo.

Porém, nesse episódio de sua volta ao Flamengo, cresceu os olhos num clube de projeção nacional, falido  técnica e financeiramente, atropelando até as condições éticas que não existem, realmente, no segmento dele - treinadores de futebol - mas que eu o tinha como vacinado contra tal bactéria.

Não é porque seja meu amigo que vou deixar de criticá-lo por participar, junto com seu empresário, na puxada de tapete do Jaime de Almeida, também moço humilde e trabalhador, atrás de lugar ao sol, já ocupado por Ney Franco. Jaime tinha contrato com o Flamengo e não sabia de nada. Saiu pra ir à praia e recebeu a informação de sua demissão pelos repórteres que o esperavam do lado de fora.

PAU QUE DÁ EM CHICO...

Enquanto isso, Ney se despedia do Vitória no clássico contra o Bahia já sabendo que após o jogo se demitiria e voaria pro Rio a fim de assumir o Flamengo. Jaime ainda tinha contrato com o Flamengo quando Ney Franco se demitiu no Vitória, com tudo, também, acertado com o rubro-negro.

Sempre defendi o Ney por cumprir seus contratos até o fim, Claro que os clubes nunca fazem isso com os treinadores - vide o caso de Jaime de Almeida! - mas a gente sempre soube que cartola, em geral, é assim mesmo. Não tem linha, nem educação, ou ética e justifica apenas porque defende os interesses do seu clube.

Não pense Ney Franco que ele estará livre da mesma sacanagem que o Flamengo fez com Jaime de Almeida. Basta perder uns quatro jogos, continuar na zona do rebaixamento e sua rasteira estará preparada. Em sua primeira passagem pelo Flamengo, Ney disputou 74 jogos, com 33 vitórias, 17 empates e 24 derrotas. Na época, pecou pela indicação de uma série de jogadores do Ipatinga, o que acabou não dando certo.

Jayme de Almeida ainda pode permanecer no Flamengo em outra função. Como técnico do time principal, ele conquistou a Copa do Brasil de 2013 e o Carioca de 2014. Em 53 partidas, foram 28 vitórias, 14 empates e 11 derrotas. Ele tem contrato até o fim de 2015 e o clube terá que pagar uma multa para demiti-lo. 

SONHO AMERICANO

Aqui no Horto, o EC Bahia deu muito trabalho ao Coelho pra segurar o placar de 0 a 0, que foi bom pro time da Boa Terra. Nesta quarta-feira, sem Mancini e, possivelmente, sem Tchô, o técnico Moacir Júnior sonha seguir em frente na Copa do Brasil e surpreender o Bahia, quarto colocado no Brasileiro, na Fonte Nova com novo empate, porém com gols. "O Bahia é favorito, mas nós temos condições de buscar a classificação lá'' fala o otimista Moacir Júnior. Tomara!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.