domingo, 8 de junho de 2014

FELIPÃO MANDA SUA TROPA DE CHOQUE ESTUDAR CROÁCIA, MAS KOVAC ESCONDEU O TIME DOS ESPIÕES BRASILEIROS.

 Câmeras espiãs, manejadas por espiões especialistas, enviados por Luiz Felipe Scolari pra acompanhar o treino da Croácia no Pituaçu, entre eles o técnico da sub-20, Alexandre Gallo, não conseguiram driblar a segurança  montada pelo técnico Niko Kovac pra esconder suas jogadas ensaiadas e a formação de sua Seleção.

Milhares de câmeras das empresas de comunicação nacional e estrangeira estavam voltadas pro gramado do Pituaçu e Felipão contava com vasto material pra preparar o Brasil até o dia 12 quando estreia no Itaquerão, contra a Croácia, na abertura da Copa do Mundo Fifa 2014.

Kovak não deu mole pra Gallo, e os demais espiões de Felipão. Todos viram uma Croácia com seis alterações em relação ao time que enfrentou mal antes de aportar na Bahia. Afora, as outras seis substituições que promoveu durante os 15m permitidos pra Imprensa e sapos. Após esses minutos, portões fechados, pessoal na rua e treino fechado mesmo.

Não houve possibilidade de ninguém acompanhar qualquer movimentação tática dos europeus nem ter noção mais precisa de como a Croácia irá jogar e será escalada. Depois, Kovac saiu com a esfarrapada desculpa de que não teve a intenção de confundir ou enganar Scolari e sua Comissão técnica. 

"Eu não quis ludibriar ninguém. Só quis dar tempo para todos, dar ritmo, porque não sabemos o que vai acontecer durante a Copa. É preciso que todos estejam aptos a jogar. Quis dar chance a todos caso haja necessidade de usá-los".

Ele se referiu, também, à vitória por 1 a 0 sobre a Austrália, no último amistoso, que apesar de magra, deixou-o satisfeito no geral. Sofreu críticas da imprensa croata sobre a falta de compactação e objetividade da equipe na primeira etapa. Para Kovac no segundo tempo foi time mais aguerrido em busca de um resultado positivo.
- Foi um bom teste. Claro que a Austrália não é o Brasil, mas tenho certeza de que Croácia vai estar pronta até lá. Espero que joguemos contra o Brasil como jogamos no segundo tempo contra a Austrália

CARISMA DE NEYMAR

Segurança é um mal necessário em qualquer evento, só que assume tal papel esquece o QI em casa e vira robôs dos orientadores. O carisma de Neymar, moleque que não crescerá jamais, salvou o dia do garoto Bernardo Ramos, de 8 anos,torcedor do Fluminense, cujo maior crime foi invadir o campo, após o treino em Teresópolis, atrás de autógrafos de seus ídolos, principalmente da Joia do Barça.
Os seguranças aprontaram um berreiro tremendo que quase mataram o garoto de susto, mas Neymar, liderando outros quatro companheiros, intrometeu-se no meio e deu cobertura pro menino. Aí ele nadou de braçada: tirou foto com Neymar, Bernard, David Luiz e outros meninos dessa atual seleção da família Felipão.

NOVIDADE DA CRACÓVIA

Sites ucranianos publicaram neste domingo que o Metalist confirmou a aceitação da proposta do Cruzeiro pra comprar William. Só que a resposta ainda não chegou ao Barro Preto, mas William viaja com a delegação pros States.
O valor a ser pago será de 4 milhões de euros em duas parcelas. O empresário do atleta está viajando de volta trazendo o "sim". Como o Cruzeiro atual gosta de fazer "charminho" o pessoal afirma que não sabe de nada.

PEIXE NÃO DESISTE

O Santos não desiste de ter Marlone a grande revelação carioca que o Cruzeiro comprou junto ao Vasco da Gama. Comprou 33%. O Santos oferece agora o meia Geuvânio, em baixa no elenco, porque é amigo frequentador das boites praianas. A troca seria por empréstimo. Não vejo como bom negócio para os celestes.

BERNARD EM LONDRES

O baixinho atrevido Bernard está que tá a fim de pular fora do futebol da Ucrânia por causa da situação política no país, em plena guerra civil. O Shakhtar Donetsk, seu time, topa fazer negócio com a proposta que pintou da Inglaterra - 40 milhões de euros (cerca de R$ 122 milhões) do Manchester City. O que balança sua cabeça é que existe outra, mais ou menos igual, do Chelsea e o ex-atleticano tem preferência de permanecer na capital inglesa.

GALO NA BOCA

Enquanto isso, o Atlético, clube formador de Bernard, continua tentando liberar o dinheiro da venda de Bernard ao Shakhtar Donetsk-UCR, por R$ 54 milhões foram retidos pela Fazenda Federal em virtude de dívidas fiscais do clube alvinegro. Se for negociado para outra equipe, o meia-atacante renderá mais 5% dos valores da transação ao Alvinegro.

ANO FUNESTO

Tenho escrito e sentido que 2014- tirem a Copa do Mundo fora - começou como um ano funesto pra tanta gente. Tantos amigos, companheiros, parentes e pessoas que a gente admira passaram estupidamente pro andar de cima. Vejam aí o caso de Fernandão, ídolo do Goiás, do Grêmio, contratado pelo Sportv pra cobertura da Copa e morre aos 36 anos num acidente de helicóptero. Não vou lembrar nem as outras pessoas, pra não machucar mais.

JOÃO FOI E A DOR AUMENTOU


Contudo, a dor maior que senti neste domingo mesmo foi saber a morte, vencido por um câncer, do segurança do Atlético, o boa praça João. Uma figura agradável, amiga, prestativa - João Batista da Paixão (foto0 - fingia zanga quando lhe chamavam de João "Doce de Leite", brincadeira criada pelos atletas.  
Eu gostava muito dele, ele gostava muito de mim, do meu filho Flavinho, porque sempre perguntava. Morreu, aos 65 anos, Nasceu em 10 de setembro de 1948, trabalhava no Atlético desde 1983. Durante mais de duas décadas, o segurança acompanhou a delegação alvinegra tanto nas partidas em casa quanto nas viagens para locais distantes. Recentemente, doente, João passou a trabalhar na portaria da sede administrativa do bairro de Lourdes.
Carismático, sorridente e divertido, João era querido por jogadores, dirigentes, conselheiros do clube e profissionais da imprensa mineira. O segurança se irritava apenas quando era chamado de “Doce de Leite” ou “Lobão”, apelidos dos quais ele não gostava. Até corria atrás de quem ousasse. Porém, ficava aquela máxima: se o alvo esbraveja, a brincadeira pega.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.