segunda-feira, 9 de junho de 2014

IMBECIS DO APOCALIPSE NA COPA DO BRASIL ESTÃO CADA DIA MAIS AGITADOS

Não me venham dizer que essa histeria de pequena parte - porém barulhenta - da população brasileira, condenando a realização da Copa do Mundo no Brasil, país que consideram não mais desse mundo, como diz o maior de todos os bobos da Corte, Fausto Silva, seja coisa de agora. Não é não.

Não houve uma copa que eu tenha vivido aqui ou lá no terreiro dela que o nosso escrete não tenha saído daqui sob suspeita. Ainda assim chegou ao hexacampeonato. A novidade agora é que os Imbecis do Apocalipse tupiniquim têm misturado futebol com as eleições de novembro, e as justas manifestações de ruas com a baderna dos vândalos mascarados, como uma revolução dos inconformados com os gastos exagerados da Copa.

Serei mais explícito: torcem contra a Seleção, como se o sucesso dela nos gramados fosse a vitória da Presidenta Dilma e do ex-presidente Lula, este responsável pela escolha do Brasil. Os reacionários do PSDB numa desesperada e suja luta procuram a probabilidade de algum viés que lhes permita derrubar a Presidenta Dilma que não nos votos, mas no fracasso da nossa Seleção. Entendem que dessa forma a derrota arrastará Dilma e o PT de Lula pro buraco. Ledo engano!

Confundem  os louros colhidos pela Democracia de 1958, 1962 e 2002, quando os heróis das conquistas foram recebidos em Palácio por nossos presidentes, com aqueles de 1970 e 1994, quando os atletas campeões tiveram que apertar as mãos dos ditadores de plantão.

São situações absolutamente distintas. O Brasil de agora permite isso: manifestações nas ruas, imprensa frontalmente contra o governo, denúncias de corrupção - só vista do lado de lá, do lado de cá, mensalões mineiros, nem pensar - o País jogado no lixo por compatriotas sem qualquer orgulho nacional.
Até a permissão de que sejamos enxovalhados por visitantes desagradáveis, heróis de vidro de um primeiro mundo tão ou mais nojentos do que a tal imagem negativa que divulgam de nosso País.

OITAVA COPA

O menino de Licínia, Milton Naves, chega à sua oitava Copa, conforme relata no Facebook, sempre na Rádio Itatiaia, como excelente narrador que o é. Não passei de três Copas e a mini Copa de 80 no Uruguai. Enjoei da burocracia e dos seguranças empurrando e me dando ordens. Com orgulho vejo que o garoto que me foi apresentado uma tarde pelo meu amigo e repórter  Paulo Celso, na Rádio Guarani e que testei dando-lhe um jogo da Copa Arizona pra narrar - narrativa que acompanhei do rádio do meu carro e dei-lhe grau 10 - já esteja chegando a 10 Copas.  Não pude acompanhar depois o começo do sucesso do Milton lá na Guarani porque deixei a emissora e me transferi, em 1980 pra Capital. Luiz Carlos Alves assumiu o meu lugar e foi buscá-lo em Alfenas. Taí agora o apresentador do Rádio Esportes.

IMBECIS DO APOCALIPSE - 2

Interrompi meu raciocínio por uma causa justa: prestar meus respeitos e minhas homenagens ao Milton Naves. Gostaria, também, de escrever que nas quatro Copas que eu me meti só tive decepção nos gramados. Perdemos todas, com bons times. Quem se esquece do time de 1982, com Telê Santana? Enquanto o Brasil se vestia de verde-amarelo e não havia nenhuma outra preocupação de tirar proveito da situação pra derrubar o governo da Ditadura que sobrevivia, ainda. Hoje não temos Ditadura, temos uma excelente Seleção, esculhambada pela mídia interessada só porque num jogo-treino venceu a Sérvia por 1 a 0 e teria levado um chocolate dos europeus.

E a Alemanha, outra favorita, que empatou com Camarões? E os campeões do Mundo, a Fúria Espanhola, que apenas treinou contra um adversário bem mais fraco e venceu por 2 a 0? O Brasil, também, apenas treinou contra Sérvia cujo espírito era de jogo. Então, ao final de tudo, no passar a régua e fechar a conta, com certeza, jogaram a culpa na Dilma. Por causa dela, a Seleção foi mal contra a Sérvia.

A que ponto chegamos! Desconfio que, disfarçadamente, os profissionais das Organizações Globo, os melhores do Brasil, não se submetam a contrariar à vontade dos Marinho, donos do País, donos da Copa da Fifa, visto que a promoção é deles. Então a empresa de sua trincheira de guerra contra Dilma e Lula põem as misérias brasileiras, tão comum em outros países em desenvolvimento, nos noticiários, como preparo pros noticiários esportivos.

Enchem as cabeças estrangeiras ainda interessados em acompanhar a Copa in loco, com informações corriqueiras. Por que até mesmo um índio dar uma flechada na perna de um soldado? Sim, por que não? Afinal nossa nação indigena ainda sobrevive na sua cultura, diferentemente daquela de países importantes, como os Estados Unidos que trucidaram com seus peles-vermelhas.

Falo da grande imprensa, mas encontro as mesmas bobagens e a mesma histeria, em jornais alternativos e pequenos como o "Pampulha", da organização O Tempo, que recebo todos os domingos na minha casa. Por dever de ofício, passo-lhe os olhos. Mas sua raiva e má vontade contra o Governo, dentro da orientação dos proprietários, são de tamanho alcance, que, imediatamente, eu o jogo no lixo dos jornais. Cada reacionário no seu quadrado imagina um País que existe apenas dentro dos seus interesses pessoais. Santa Maria do Céu!

SONHAR É POSSÍVEL

   Concentração dos uruguaios na bela Sete Lagoas

( Luiz Martini - Superesportes) - O Maracanazo é assunto recorrente quando grandes zebras acontecem no futebol. O “fantasma criado em 1950”, depois que o Uruguai surpreendeu o Brasil na final da Copa, perdura na história do país vizinho. Para o Mundial de 2014, mais uma vez, o tema será ligado à Seleção Uruguaia. Porém, o desejo dos primeiros campeões em 1930, e consagrados com o segundo título 20 anos depois, é fazer história no Brasil.
O técnico Óscar Tabarez escolheu Sete Lagoas pra sua seleção concentrar e treinar. O JN Resort foi escolhido para hospedagem e o primeiro treino aberto ao público será na Arena do Jacaré, local que abrigará todas as atividades da seleção. Nesta terça, às três e meia, oito mil ingressos foram reservados para quem tiver interesse. Pra ter acesso aos bilhetes, basta o torcedor procurar o centro de atendimento aos turistas, localizado na Lagoa Paulino.

Na última Copa do Mundo, o Uruguai resgatou a sua tradição em Mundiais ao chegar às semifinais e ser o melhor participante da América do Sul. Para manter a mistura de futebol aguerrido e de talento, o comando de ataque da Celeste Olímpica conta com Luis Suárez e Edinson Cavani, destaques de Liverpool e PSG, respectivamente.

O ex-atacante Alcides Ghiggia, único representante vivo do Maracanazo e autor do gol do título, vem a Minas Gerais e ficará concentrado junto com a equipe. O símbolo de uma geração vitoriosa é motivo de inspiração para o povo de seu país.
Para viver o sonho da Copa no Brasil, o Uruguai precisou passar pela repescagem. Depois de campanha instável nas Eliminatórias, a qual ficou em quinto lugar, a Celeste superou a Jordânia para garantir a vaga.


Um comentário:

  1. Que eu sabia são is petralhas que estão politizando a copa. Dilma disse: “Torcer contra o Brasil na Copa é um ato eleitoral”. O que ela quis dizer? Será que a seleção é mais um diretório do PT? Se o Brasil vier a perder a culpa é da oposição que torceu contra? E se ganhar, um triunfo petista nesta Copa de roubos e desvios?

    ResponderExcluir

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.