terça-feira, 15 de julho de 2014

A TRINCHEIRA PRESENTE NA FESTA DE BERLIM

Nenhuma Trincheira jornalística é tão metida a besta como esta. Tivemos enviados especiais em todas as partes e agora, ainda, continuamos presentes em Berlim, cobrindo a festa dos alemães, tetracampeões. E só fazemos isso porque eles deram aqui um show de simpatia, cortesia e apreço. A obra deles na concentração que construíram na Bahia e deixaram lá pra servir de escola é algo que não se viu em Copa alguma.
Como são merecedores, também, da maior atenção, a Trincheira enviou a Berlim a mais bela e inteligente de suas colaboradoras: Juliana Santos Anselmo. acompanhada das estagiárias Luana Anselmo Sobreira, Sophia Anselmo Sobreira e Stela Anselmo Sobreira, além do fotógrafo Gustavo "Anselmo" Sobreira. Com apoio desta turma toda, a bilíngue escultural Juju me mandou o material abaixo:  
Não sei se vuvuzelas também  existem aqui! Só sei que ta um barulhão danado lá fora. Se o final estiver muito dramático e pessimista, pode mudar! O Gu acha que tenho que colocar que temos orgulho sempre, mas ele falou que amanhã vai fingir que é de Cabo Verde! Kkkkkkk
"Fogos, buzinas, vuvuzelas... Não, eu não estou imaginando o cenário caso o Brasil tivesse garantido a vaga na final. Eu estou descrevendo meu cenário atual. Em plena Berlim, no meio da festa - deles. Foi um dia cheio de expectativas: durante a manhã, no passeio turístico ao Museu de Ciência Natural, o orgulho em dizer "sim, somos brasileiros, a gente se vê mais tarde".
À noite, vestimos os uniformes, pintamos a cara e saímos em verde e amarelo pelas ruas alemãs! Houve até quem nos parasse para tirar fotos. Escolhemos um bar, rodeado por outros 3, aqui mesmo em Charlottenburg. Mostramos nosso orgulho em ser brasileiros ao nos levantarmos e cantarmos em alto e bom som nosso hino. Veio o primeiro gol, e sem diminuir nosso entusiasmo continuamos a torcer, ainda mais eufóricos do que todos os alemães que estavam lá. Segundo gol deles, e começamos a diminuir a festa. Pro terceiro nem deu tempo de pedir mais uma cerveja alemã! Quarto gol, e minhas filhas( as ditas estagiárias) já estavam chorando: acho que mais pela vergonha em estar ali do que pela derrota em si. Quinto gol: pedimos a conta, não queríamos ser motivo de chacota no bar. Mas ao nos levantarmos, veio a gentileza europeia: eles estavam sentidos por nós, pode? Mostraram verdadeira solidariedade pelo nosso fracasso. Se despediram com um "we're sorry". Voltamos arrasados pra casa, onde terminamos de assistir o "olé" alemão. Vamos dormir ao som dos fogos, buzinas e vuvuzelas... E amanhã, mais passeios turísticos - talvez sem tanto orgulho de revelar nossa identidade!"
Que pena, vocês não viram o sexto e o sétimo gol e nem o golzinho mixuruca do Oscar.

TRINCHEIRA; Claro que o texto chegou vencido, porque houve pane na minha internet e eu só o recebi hoje. No entanto, estamos providenciado textos sobre da recepção à delegação campeã do mundo. Tudo em nome da cortesia deles...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.