sábado, 19 de julho de 2014

BAHIA ARRANCA PONTO DO GALO NO HORTO COM NOVO ESQUEMA DE LEVIR

Bem que  Levir Culpi tentou fugir da assombração que o amedronta e tira seu sono: achar a melhor maneira do Atlético arrumar aquele seu meio-campo. Na foto do Superesportes Levir Culpi surpreso com a ruindade do Galo no primeiro tempo (Superesportes)

Levi fez um novo com Josué, Eduardo, Guilherme e Dátolo que fez primeiro tempo abaixo da   realidade contra o Bahia, no Independência, neste sábado. A apatia do time surpreendeu o treinador e o assustou quando os baianos usaram tal fragilidade dos mineiros pra marcar 1 a 0, através do zagueiro Titi.  Na fase final, com as mudanças feitas e, notadamente, a entrada de Luan no lugar de Maicosuel o empate saiu numa cabeçada do baixinho Luan, livre na área.
                                 Luan reapareceu bem e fez até gol de cabeça
Nesse período o jogo ficou animado. O Atlético atrás do gol da vitória e o Bahia, também. Victor trabalhou mais nos contra-ataques perigosos do Bahia e até fez uma defesa sensacional aos 40m do segundo tempo.  Levi não gostou da atuação na fase inicial: 
“O que aconteceu, que foi meio chato, é que o Bahia não estava atacando. Estava fazendo o tempo passar. Não entendi o motivo. Nós acompanhamos o ritmo deles. Em casa, a gente tinha que forçar. Mas o responsável sou eu. Não esperava que desse esse resultado. A responsabilidade é minha”, disse. E completou:
“O Atlético joga com toques rápidos, com velocidade. Por que só fizemos isso no segundo tempo? Não consegui entender ainda”, completou.

TUDO: NOTAS INTERESSANTES

Peguei no sinal da Prudente de Morais com a Contorno, na Cidade Jardim, o exemplar da semana de 19 a 25 de julho do jornal Tudo e várias notas da coluna do jornalista Paulo César de Oliveira - PCO - me chamaram a atenção.
Segundo ele, levantamentos preliminares da Belotur e da Secretaria de Turismo e Esportes indicam que os 355 mil  turistas convocados pela Copa do Mundo movimentaram R$ 2.051 bilhões em MG, durante o evento. Então, por quê não elogiar a promoção que vários jornalistas, ligados à oposição, inclusive ele, criticaram muito no princípio,

Outra nota que mereceu minha atenção:
Sem Votos - Na realidade, "o ex-senador" que renunciou, ensaiou uma candidatura ao governo de Minas pelo PMDB, mesmo sabendo que não tinha votos. Agora,para renunciar, diz que está doente e que foi para o exterior para se tratar. Com o julgamento do "mensalão" mineiro pode ficar por lá...
Boa esta, PCO. Pau no "biônico" Clésio Andrade.

No lugar de Clésio, assume como Senador  Antônio Sanchez de Mendonça Chaves, tucano dos bons e filho do ex-vicepresidente Aureliano Chaves. Digo eu: então a conversa muda, porque entra credibilidade e honestidade, com boa representatividade pra política mineira. Pena que seja tucano e amigo de Pimenta da Veiga. Vá lá, no entanto...

Mostrando-se bem informado, PCO publicou: "Não é que o New York Times se rendeu ao futebol, ao soccer? O grandão dos jornais elogiou a Copa do Mundo no Brasil, mas pontificou: o futebol ganhou tal importância no mundo que seus responsáveis precisam ser sérios".  Excelente porrada!

Por fim, PCO analisa no texto - Olhos fechados para a tragédia diária", o fato de ficarmos, com justiça, comovidos com a morte das quase 300 pessoas no avião da Malásia quando, na realidade, a tragédia aérea  representa apenas 20% das que ocorreram aqui, apenas nas rodovias federais, durante a Copa - Foram mais de mil mortes, 11 mil feridos, em um total de 21 mil acidentes". Santa Maria do Céu! Assustadores números, ainda mais se a gente levar em conta, conforme informa PCO, que tudo isso aconteceu apenas em estradas federais.  Nas vias urbanas e nas rodovias estaduais - escreve ele - não existem estatísticas consolidadas.


Gostei. Vou pedir outros exemplares do TUDO das próximas vezes.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.