quinta-feira, 24 de julho de 2014

               INCRÍVEL, FANTÁSTICO,
            EXTRAORDINÁRIO
      NA RAÇA, O GALO DOIDO VENCE
       ÚLTIMA GUERRA COM LANUS
     E FICA COM CANECO DA RECOPA

Quem foi o herói do jogo: Luan que mudou a cara do time e fez o gol na prorrogação, ou Levir Culpi que, perdeu Tardelli, com cãibras, tirou RG-10, apagado, ou Victor, autor de defesas geniais, lembrando São Victor da Libertadores.




 Foto de Alexandre Guzanche - Superesportes

Ou Marcos Rocha que brigou e lutou tanto que quase no final da prorrogação desabou com as pernas duras de cãibras. Ou as torres gêmeas, Léo Silva um leão, e Rever, que de emocionado sentou-se ao pé de uma trave e chorou. Ou Emerson Conceição, que fez sua melhor partida com a camisa do Galo.

Teve o Atlético outros heróis da frente de batalha, Pierre, Donizete, Jô, Maicosuel - autor do segundo gol atleticano, o de empate, pois o Lanus havia virado pra 2 a 1. Ou Guilherme que entrou no lugar de Maicosuel pra ordenar a casa e fez um passe genial pra Luan marcar o quarto gol na prorrogação. E, porque não, destacar a categoria de Ayala no gol que fez em favor do Lanus, e no belo gol, com incrível categoria, que fechou o placar em 5 a 3 pro Campeão da Recopa sul Americana.


Tardelli marcou de pênalti seu centésimo gol com a camisa do Galo, como prêmio por vestir outra camisa preta, alusiva a festa, tomou amarelo. No Brasil, quem faz gol é punido. Me ajuda aí, Santa Maria do Céu - Foto Alexandre Guzanche -
Superesportes.



Existe um herói especial, Diego Tardelli, que recebeu o presente do centésimo gol com a camisa do Atlético de seu amigo Ronaldinho Gaúcho que não quis cobrar o pênalti em favor do Galo, aos 6m do primeiro tempo. Transferiu a responsabilidade pra que Tardelli pudesse vestir a camisa comemorativa dos seus 100 gols. Cobrou com maestria e fez 1 a 0, e correu pra buscar a camisa preta atrás do gol. Como prêmio dos imbecis recebeu cartão amarelo do uruguaio Roberto Silveira. Quando RG-10 foi substituido e se enfurnou no vestiário foi Tardelli quem assumiu o papel de coordenador de jogadas. Correu tanto, lutou tanto, que desmontou antes da prorrogação e foi substituído por Dátolo.

Após o gol de pênalti deu o apagão e o Galo levou dois gols. Um logo após o seu, feito por Ayala, aos 8m, outro destaque. Joga muito, apesar do gol contra, numa categoria incrível que marcou em favor do Galo, por cobertura sobre seu goleiro. O segundo gol deles veio aos 25m, com o tanque Santiago Silva. - Lanus, 2 a 1.
Mas quem foi o maior herói, no meu entendimento? A fanática torcida que lotou o Mineirão com mais de 54 mil fanáticos, proporcionando uma renda superior a R$ 5 milhões,que fez uma grande festa mas silenciou quando  os argentinos passaram na frente.
Ou Levir Culpi que enxergou a tempo os erros que levaram o Galo a tomar a virada pra 2 a 1, mexeu com os pauzinhos até com o empate ainda no primeiro tempo: Maicosuel aos 36m. - Atlético 2 x Lanus 2, no placar agregado, Galo 3 a 2.

E lá se foi o primeiro tempo incrível, fantástico, extraordinário, cheio de heróis. Inesquecível decisão.
No segundo tempo, a coisa mudou e o Galo administrou com Luan esquentando o ambiente após entrar no lugar de RG-10. Tudo levava a crer que o empate persistiria e que o Galo não precisaria da prorrogação. Venceu lá por 1 a 0, empatou aqui, caneco na mão. Só que Acosta atrapalhou os planos e desempatou o jogo aos 47m - Lanus 3 a 2. Veio a prorrogação, nova guerra. O pau cantou na casa de Joca.  O Galo conquistou a vitória de forma emocionante na prorrogação. O resultado de 4 a 3 garantiu o título inédito para a galeria alvinegra.Luan recebeu um passe longo de Guilherme foi ao fundo e bateu cruzado, com intuito de botar a bola na área. Ela resvalou em Gomes e enganou o goleiro Marchesin. Que azar dos hermanos. Galo 3 a 3, na prorrogação e 4 a 3 no agregado,. Foi então que Ayala resolveu presentear o time de Alexandre Kalil, cabeceando uma bola por cima do goleirão Marchesin. Galo 4 a 3 com o placar agregado 5 a 3, fatura liquidada. O campeão da Libertadores unia o seu título trazendo o caneco da Recopa derrotando outra vez o Lanus, campeão da Conmebol.

FICHA DO JOGO: Atlético 4 x 3 Lanús

Atlético

Victor, Marcos Rocha, Réver, Leonardo Silva e Emerson Conceição; Pierre, Leandro Donizete, Maicosuel (Guilherme), Ronaldinho Gaúcho (Luan) e Diego Tardelli (Dátolo); Jô.
Técnico: Levir Culpi
Lanús
Agustín Marchesín; Carlos Araújo (Melano), Gustavo Gómez, Diego Braghieri e Maximiliano Velásquez; Leandro Somoza, Diego González e Jorge Ortiz (Pasquini); Lautaro Acosta, Santiago Silva e Victor Ayala - Técnico: Guillermo Barros Schelotto

Gols: Diego Tardelli (6min/1ºT), Ayala (8min/1ºT), Santiago Silva (25min/1ºT), Maicosuel (36min/1ºT), Acosta (47min/2ºT), Luan (12min/1ºT da prorrogação) e Ayala (contra, 7min/2ºT da prorrogação)
Cartões amarelos: Pierre, Réver e Diego Tardelli (ATL), Somoza, Gómez, Braghieri, González, Acosta e Ayala (LAN)
Cartão vermelho: Acosta (Lanús)
Público: 54.786
Renda: R$ 5.732.930,000
Motivo: segundo jogo da final da Recopa
Data: 23/07/2014, quarta-feira, às 22 horas
Local: Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Árbitro: Roberto Silvera (Uru)
Assistentes: Miguel A. Nievas (Uru) e Nicolas Taran (Uru

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escolha a melhor forma de se identificar em Comentar como: Depois pitaque à vontade.